Domina os Conceitos Médicos

Estuda para o curso e exames de Medicina com a Lecturio

Imagiologia do Coração e dos Grandes Vasos

A causa mais frequente de morte no mundo é a doença cardíaca. Assim, as doenças mais comuns avaliadas nos estabelecimentos de saúde estão geralmente relacionadas com o coração ou o sistema cardiovascular: hipertensão, doença aterosclerótica e insuficiência cardíaca. Em termos radiológicos, esta região é provavelmente a mais estudada da anatomia humana em contexto de prestação de cuidados de saúde. São utilizados diversos métodos de imagem, incluindo o raio-X, a tomografia computadorizada, a ressonância magnética, o ecocardiograma, a imagem nuclear e a angiografia. Cada exame tem as suas vantagens e desvantagens e deve ser realizado com base na apresentação clínica, acuidade dos sintomas, riscos e benefícios para o doente. É importante conhecer o papel dos estudos de imagem para ajudar a determinar o tratamento mais adequado.

Última atualização: 19 Apr, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Raio-X do Tórax

Descrição geral

  • Radiografia de tórax: exame de imagem mais frequentemente utilizado para a avaliação do coração e dos grandes vasos; geralmente é o exame inicial antes de se utilizar outras ferramentas de diagnóstico mais dispendiosas:
    • A sombra da silhueta cardíaca permite avaliar o tamanho e a forma do coração e dos vasos principais.
    • As alterações do parênquima pulmonar também nos fornecem informações acerca de patologias pulmonares secundárias a anomalias cardíacas (por exemplo, edema pulmonar).
    • Também utilizado na avaliação do mediastino.
  • Incidências específicas:
    • Posteroanterior (PA):
      • A chapa fica encostada ao tórax anterior.
      • Os feixes de raio X atravessam o corpo do doente de posterior → anterior.
    • Anteroposterior (AP):
      • A chapa fica encostada às costas do doente.
      • Os raios X atravessam na direção anterior → posterior através do doente.
    • Lateral (de perfil):
      • Doente em ortostatismo.
      • A chapa fica encostada ao lado esquerdo ou direito do doente.
    • Lateral em decúbito:
      • Doente em decúbito dorsal.
      • A chapa fica encostada ao lado do doente.
      • Geralmente o lado esquerdo fica para baixo sobre a mesa.
  • Penetração: grau em que a radiação atravessou o corpo, resultando numa imagem mais escura ou mais clara.
    • Boa penetração:
      • As costelas são apenas ligeiramente visíveis atrás do coração.
      • As marcas vasculares não são proeminentes, mas são evidentes.
    • Subpenetração: a imagem parece mais branca e as caraterísticas são menos evidentes.
    • Sobrepenetração: a imagem parece mais escura e as caraterísticas são menos evidentes.

Anatomia

As seguintes estruturas devem ser identificadas e analisadas quanto a alterações do tamanho ou da forma:

  • Incidência PA:
    • Estruturas:
      • Traqueia: deve estar na linha média
      • Veia cava superior (VCS)
      • Aorta ascendente e descendente (arco aórtico)
      • Hilo pulmonar (direito e esquerdo)
      • Artéria pulmonar
      • Aurícula direita (margem direita da sombra cardíaca)
      • Ventrículo esquerdo (margem esquerda da sombra cardíaca)
    • Para identificar facilmente as estruturas na margem esquerda, por ordem cefalocaudal, lembrar:
      • 1ª protuberância: aorta
      • 2ª protuberância: artéria pulmonar
      • 3ª (maior) protuberância: ventrículo esquerdo
  • Incidência lateral:
    • Espaço retroesternal
    • Ventrículo direito
    • Hemidiafragma direito
    • Arco aórtico
    • Hilo pulmonar
    • Ventrículo esquerdo
    • Hemidiafragma esquerdo
    • Espaço cardíaco posterior

Coração

  • Num raio-X do tórax simples, o tamanho do coração pode ser rapidamente avaliado através do cálculo do índice cardiotorácico (ICT): a percentagem do diâmetro do tórax ocupada pelo coração.
    • Um ICT normal é < 50%.
    • No entanto, isto apenas é verdade numa incidência PA obtida na vertical.
  • Um coração aumentado pode dever-se a:
    • Cardiomegalia
    • Derrame pericárdico (coração em garrafa d’água): um derrame pericárdico deve ser ≥ 250 mL para ser detectável numa radiografia de tórax.
    • Doença valvular
    • Doença cardíaca congénita
    • Massas
Tabela: Causas de um falso aumento cardíaco
Causa Observação
Rotação A sombra cardíaca parece maior na imagem devido à rotação do doente para qualquer um dos lados.
Inspiração subótima O diafragma move-se para cima e comprime o coração.
Raio-X portátil em supino A silhueta cardíaca sofre uma ampliação porque a cassete é colocada em contacto com a face posterior do doente e o feixe de raios X incide na face anterior.
Pectus excavatum O coração é comprimido entre o esterno e a coluna.

Grandes vasos

  • Nas incidências PA e AP, os grandes vasos podem ser identificados de ambos os lados da sombra mediastínica.
    • Margem mediastínica direita (cefalocaudal):
      • VCS
      • Artéria pulmonar direita, que coincide com o hilo pulmonar direito
    • Margem mediastínica esquerda (cefalocaudal):
      • Aorta
      • Artéria pulmonar esquerda, que coincide com o hilo pulmonar esquerdo
  • Numa incidência lateral, apenas se consegue distinguir a sombra da aorta.

Ecocardiograma

Descrição geral

  • Os princípios da ecografia são utilizados no ecocardiograma para produzir imagens anatómicas do coração e dos grandes vasos.
  • Indicações mais comuns:
    • Avaliação da função ventricular
    • Cardiomiopatia
    • Doença cardíaca congénita
    • Valvulopatia
    • Derrame pericárdico
    • Massas cardíacas
    • Doença da aorta proximal
  • O ecocardiograma também é uma ferramenta essencial na avaliação da função dinâmica do coração nos testes de esforço (ecocardiograma de esforço ou com dobutamina).

Avaliação do coração e dos grandes vasos

  • Ecocardiograma transtorácico (ETT):
    • Mais comum; não invasivo
    • Usa uma sonda portátil posicionada no peito do doente para avaliar o coração.
    • Permite ao clínico avaliar rapidamente o coração, especialmente em situações ameaçadoras da vida.
    • Permite a distinção rápida entre causas cardíacas (por exemplo, derrame pericárdico) e extracardíacas (por exemplo, embolia pulmonar).
  • Ecocardiograma Transesofágico (ETE):
    • Melhor qualidade de imagem (especialmente das estruturas cardíacas posteriores) devido à proximidade do esófago em relação ao coração
    • Devido à natureza invasiva do ETE, o ETT geralmente precede o ETE.
    • Frequentemente utilizado para:
      • Avaliação de uma possível fonte cardíaca de embolização
      • Avaliação valvular nos casos de endocardite
      • Determinação da presença de trombos do apêndice auricular esquerdo (AAE) em doentes com fibrilhação auricular
  • Modalidades:
    • Bidimensional: o sinal recebido é submetido a processos complexos (por exemplo, filtragem, amplificação do sinal), para formar uma imagem cardíaca, exibida no monitor.
    • Modo M:
      • M = movimento
      • O movimento das estruturas pode ser visualizado graficamente ao longo do tempo, ao direcionar um feixe linear de ultrassons a uma única estrutura.
    • Doppler:
      • Fornece informações relativas ao fluxo sanguíneo (hemodinâmica)
      • Especialmente útil na avaliação da função valvular e cardíaca, bem como na avaliação de shunts intracardíacos.
  • A interpretação inclui:
    • Motivo do exame
    • Qualidade da imagem
    • Frequência e ritmo
    • Tamanho das câmaras
    • Hipertrofia
    • Função do ventrículo direito
    • Função sistólica do ventrículo esquerdo:
      • Fração de ejeção = (volume de ejeção [volume telediastólico – volume telessistólico] /volume telediastólico) × 100
      • Movimento das paredes
    • Função diastólica do ventrículo esquerdo
    • Válvulas
    • Massas ou trombos
    • Defeito do septo auricular ou ventricular
    • Pericárdio
    • Outros achados podem incluir aneurismas, derrame pleural e achados incidentais.

Cintigrafia de Perfusão Miocárdica

Descrição geral

  • Cintigrafia cardíaca:
    • Também chamada de cintilografia cardíaca ou de perfusão miocárdica.
    • Deteta variações no fluxo sanguíneo e na extração miocárdica de radiomarcadores.
    • Materiais:
      • Isótopos: tecnécio-99m, tálio-201
      • Radiofármaco (radioisótopo + molécula orgânica): sestamibi, teboroxima
  • Procedimento:
    • Nas artérias coronárias normais, ocorre uma dilatação arterial significativa em resposta ao exercício/stress.
    • As áreas estenóticas não apresentam dilatação; assim, ocorre isquemia e aparecem alterações no ECG.
    • Neste exame, o stress pode ser:
      • Induzido pelo exercício através da corrida numa passadeira
      • Induzido farmacologicamente pela injeção de adenosina ou dobutamina para os doentes que não conseguem correr.
  • A imagem é obtida tanto durante o stress como em repouso.
  • Os radiofármacos são injetados quando 85% da frequência cardíaca máxima prevista (MPHR, pela sigla em inglês) é atingida.
  • Indicações:
    • Avaliação de isquemia miocárdica ou EAM
    • Anomalias do movimento das paredes: avaliadas por SPECT guiada por ECG
    • Cálculo da fração de ejeção do ventrículo esquerdo
  • Exame cardíaco normal obtido em 3 planos diferentes:
    • A linha superior de cada série é realizada sob stress cardíaco
    • A linha inferior de cada série é realizada em repouso
    • Fluxo normal para todas as regiões do coração, tanto em repouso como durante o stress
Cintilografia de perfusão miocárdica normal com tálio-201

Cintigrafia de perfusão miocárdica normal, que utilizou tálio-201 para as imagens em repouso (linhas inferiores) e tecnécio-sestamibi para as imagens de stress (linhas superiores)

Imagem: “Nl mpi2” de Myohan. Licença: CC BY 3.0

TC

Descrição geral

  • A TC torácica é muito útil para estudar a anatomia do coração, grandes vasos e mediastino.
  • A utilização de contraste IV permite a visualização adequada das câmaras cardíacas e da anatomia venosa e arterial.
  • Embora uma tomografia computadorizada seja geralmente apresentada como cortes de imagem, os dados podem ser manipulados para obter uma reconstrução tridimensional da anatomia em estudo.
  • A TC cardíaca, no entanto, está associada a altas doses de radiação ionizante, e a utilização do contraste acarreta um risco de insuficiência renal.

Coração

  • AngioTC Coronária:
    • Para a avaliação das artérias coronárias nos casos em que os testes de stress são inconclusivos.
    • Caracteriza as anomalias coronárias ou cardíacas, incluindo a localização e a permeabilidade dos enxertos de bypass.
    • Tripla exclusão dos diagnósticos diferenciais em situações de emergência de dor torácica atípica:
      • Doença aterosclerótica
      • Embolia pulmonar
      • Disseção aórtica
  • Score de cálcio das artérias coronárias (CAC):
    • Teste não invasivo que deteta e quantifica o CAC.
    • Está geralmente recomendado em adultos assintomáticos ≥ 40 anos com risco intermédio de doença cardiovascular aterosclerótica.
    • Requer uma dose de radiação relativamente baixa (comparável à de uma mamografia de rastreio)
    • Quantificação da placa calcificada presente nas artérias coronárias epicárdicas, reportada como o score total de cálcio (score de Agatston):
      • Sem doença identificável: 0 unidades Agatston
      • Doença ligeira: 1-99 unidades Agatston
      • Doença moderada: 100–399 unidades Agatston
      • Doença grave: ≥ 400 unidades Agatston
    • O cálculo do score ajuda na orientação do tratamento (por exemplo, recomendação de aspirina e de fármacos hipolipemiantes).

Aorta

AngioTC da aorta:

  • A TC com contraste permite obter informações relativas à espessura e composição da parede do vaso.
  • Exame de imagem inicial mais comum para avaliação de disseção aórtica
  • Permite:
    • Documentação do tamanho e da forma dos aneurismas
    • Visualização do lúmen verdadeiro e falso na disseção aórtica
    • Caracterização de calcificações e estenoses
    • Visualização da anatomia de anomalias congénitas
    • Avaliação da presença de vasculite
  • Também é útil para detetar complicações pós-operatórias:
    • Reestenose
    • Trombose
    • Endoleak após reparação de aneurisma

Artérias pulmonares

Angiografia pulmonar por TC (AngioTC pulmonar):

  • Também chamada de angiotomografia de tórax com contraste
  • Exame de imagem mais usado para avaliar as artérias pulmonares
  • Elevada sensibilidade e especificidade para a deteção de embolia pulmonar
Um corte axial de uma tomografia computadorizada de tórax visualizando os grandes vasos

Corte axial de uma tomografia computadorizada de tórax que permite visualizar os grandes vasos
A: aorta
PA: artéria pulmonar

Imagem de Hetal Verma.

RM de Tórax

Descrição geral

  • Uma ressonância magnética torácica serve para estudar o coração e os grandes vasos; permite uma maior definição da anatomia que a TC.
  • A função da RM baseia-se na utilização de campos magnéticos e de radiofrequências para formar imagens tridimensionais de alta fidelidade.
  • A sua utilização é restrita aos grandes centros médicos devido ao seu elevado custo e à necessidade de expertise operacional.
  • A RM está muitas vezes reservada para a avaliação de patologia torácica complexa, já inicialmente avaliada com métodos de imagem mais acessíveis (por exemplo, TC).
  • Contraindicações: doentes com implantes, dispositivos ou corpos estranhos metálicos ou elétricos, não compatíveis com RM.

Coração

  • Ressonância Magnética Cardíaca (RMC):
    • Permite obter imagens bidimensionais (2D) de plano único ou de plano múltiplo 2D ou tridimensionais (3D).
    • Permite obter imagens do coração ao longo de todo o ciclo cardíaco.
    • Indicações habituais:
      • Doença cardíaca congénita
      • Disfunção valvular
      • Suspeita de massas intracardíacas
      • Doença do miocárdio, incluindo miocardiopatia, doença isquémica cardíaca, miocardite
      • Doença pericárdica (por exemplo, pericardite constritiva não calcificada, invasão de tumor pericárdico)
      • Anomalias da aorta (por exemplo, aneurisma, disseção aórtica)
  • AngioRM:
    • Angiografia com contraste
    • Pode ser usada para identificar artérias coronárias ou outros vasos sanguíneos (aorta) anómalas e para monitorizar aneurismas das artérias coronárias.
Imagens de ressonância magnética cardíaca

Imagens de ressonância magnética cardíaca:
A: Sequência gradiente eco de ressonância magnética cardíaca que mostra as dimensões e função normais do ventrículo esquerdo
B: Sequência de recuperação de inversão τ curta ponderada em T2
C: Sequência de hiperrealce tardio com gadolínio

Imagem: “Cardiac-MRI images” de Renilla González, A., et al. Licença: CC BY 2.0

Cateterismo Cardíaco e Angiografia

Descrição geral

  • Estão entre os exames de imagem cardiovascular mais realizados.
  • Um cateter é introduzido num vaso periférico, como a veia ou artéria femoral ou axilar (cateterização), e é posicionado na região de interesse:
    • Realizado sob orientação fluoroscópica
    • É injetado material de contraste para confirmar a localização do cateter e destacar as estruturas cardíacas para avaliação diagnóstica (angiografia).
  • As imagens são gravadas e armazenadas digitalmente e podem ser gravadas em vídeo.
  • Embora as complicações sejam raras, as seguintes podem ocorrer:
    • Hemorragia/hematoma
    • Infeção
    • EAM
    • AVC
    • Arritmia
    • Reação alérgica (ao agente de contraste)
    • Insuficiência renal (devido ao agente de contraste)

Avaliação do coração e dos grandes vasos

  • Cateterismo cardíaco:
    • Diagnóstico:
      • Define a anatomia cardíaca e das artérias coronárias, a função cardíaca e a hemodinâmica da artéria pulmonar
      • Também usado para a realização de biópsia endomiocárdica e ecografia intravascular
    • Terapêutico:
      • Para tratamento da doença arterial coronária (intervenção coronária percutânea (ICP))
      • Para valvuloplastia e substituição valvular
  • Cateterismo cardíaco esquerdo:
    • Angiografia coronária para avaliação das artérias coronárias (goldstandard)
    • A avaliação inclui os tratos de saída ventriculares, o movimento do ventrículo esquerdo, a fração de ejeção, a válvula mitral e a função da válvula aórtica.
    • A angiografia aórtica avalia a estrutura e função da aorta (por exemplo, disseção aórtica).
  • Cateterismo cardíaco direito:
    • Avalia a pressão auricular e ventricular direita
    • Avalia a pressão da artéria pulmonar e a pressão de encravamento na artéria pulmonar
    • A angiografia pulmonar permite avaliar a presença de embolia pulmonar (embora tenha sido amplamente substituída pela AngioTC pulmonar).

Correlação Clínica

Insuficiência cardíaca congestiva

  • A insuficiência cardíaca congestiva (ICC) refere-se à incapacidade do coração de fornecer ao corpo um débito cardíaco normal para atender às suas necessidades metabólicas.
  • Pode ter múltiplas causas, incluindo isquemia/doença arterial coronária, hipertensão, valvulopatia e cardiomiopatia.
  • Tipos:
    • Insuficiência cardíaca com fração de ejeção reduzida (IC-FEr) ou insuficiência sistólica: o ventrículo esquerdo é incapaz de contrair normalmente.
    • Insuficiência cardíaca com fração de ejeção preservada (IC-FEp) ou insuficiência diastólica (ou disfunção diastólica): o ventrículo esquerdo é incapaz de relaxar normalmente para se encher com sangue.
  • Testes:
    • Raio-X:
      • Exame inicial usado na avaliação dos doentes com sintomas de ICC (por exemplo, dispneia, ortopneia)
      • Fornece informações acerca de qualquer aumento de câmaras ou congestão pulmonar associada.
    • Ecocardiograma:
      • Permite confirmar o diagnóstico.
      • Os resultados incluem a FEVE e anomalias estruturais e hemodinâmicas associadas que dependem do tipo e etiologia da insuficiência cardíaca (IC).

Miocardiopatia (MC)

  • Doença na qual o músculo cardíaco se encontra estrutural e funcionalmente comprometido e que não se deve a doença arterial coronária, valvular ou cardíaca congénita ou a hipertensão.
  • Tipos:
    • MC dilatada: ventrículo(s) dilatado(s) associado(s) a disfunção da contração.
    • MC hipertrófica: hipertrofia do ventrículo esquerdo (e, ocasionalmente, do direito) (observada como aumento da espessura da parede)
    • MC restritiva: os ventrículos não estão dilatados ou hipertrofiados, mas apresentam um enchimento ventricular disfuncional.
    • MC arritmogénica do ventrículo direito:
      • Doença genética do músculo cardíaco
      • Arritmias ventriculares devidas à presença de tecido fibroadiposo no miocárdio do ventrículo direito
    • Não classificada
  • Exames complementares (os resultados dependem do tipo de MC):
    • Ecocardiograma: 1 dos exames iniciais na suspeita de miocardiopatia já que fornece informações acerca da estrutura e função cardíacas.
    • Ressonância magnética cardíaca permite a avaliação de:
      • Volumes ventriculares e função sistólica (fração de ejeção)
      • Massa miocárdica e espessura da parede
      • Movimento das paredes (em sequências cine)

Embolia pulmonar

  • Patologia potencialmente fatal que resulta da obstrução mecânica da artéria pulmonar ou dos seus ramos.
  • Pode dever-se a qualquer material (como trombo, ar ou gordura) proveniente de qualquer parte do corpo.
  • AngioTC pulmonar:
    • Método de diagnóstico imagiológico de primeira linha, especialmente nas situações emergentes.
    • Altamente sensível para a deteção de êmbolos pulmonares (visíveis como defeitos de preenchimento)
    • Também permite descartar diagnósticos alternativos.
Embolia pulmonar

Embolia pulmonar:
TC de tórax que mostra múltiplos defeitos de preenchimento nos ramos principais (setas) devido a um tromboembolismo pulmonar.

Imagem: “Chest Spiral TC” de Serra W, De Iaco G, Reverberi C, Gherli T. Licença: CC BY 2.0

Disseção aórtica

  • Condição em que o revestimento interno (túnica íntima) da parede da aorta desenvolve uma fissura que permite ao sangue entrar na camada média e formar um lúmen secundário.
  • AngioTC:
    • Exame inicial mais comum
    • Os achados incluem:
      • Retalho da íntima com um falso lúmen (que geralmente é maior que o verdadeiro lúmen)
      • Possível trombo
      • Aorta dilatada
    • Uma alternativa é a AngioRM.
  • ETE (ecocardiograma transesofágico):
    • Para os doentes com suspeita de envolvimento da aorta ascendente ou se hemodinamicamente instáveis.
    • Requer operadores qualificados e a sedação do doente.
  • Aortografia: quando os exames iniciais são inconclusivos.

Doença arterial coronária

  • É a forma mais comum de doença cardíaca, que ocorre quando há um estreitamento das artérias coronárias, geralmente devido à acumulação de placa aterosclerótica.
  • À medida que o estreitamento agrava, menos sangue consegue fluir pelas artérias, resultando em isquemia e morte celular → EAM
  • Exames complementares de diagnóstico utilizados:
    • Ecocardiograma de stress / esforço: pode ser realizado com exercício ou stress farmacológico
    • Cintigrafia cardíaca (de stress):
      • Isquemia miocárdica: áreas de fotopenia (ou seja, captação diminuída) sob stress que melhora em repouso.
      • EAM: fotopenia (ou seja, captação diminuída) persistente, mesmo em repouso.
    • TC:
      • Score de CAC: rastreio nos doentes com risco moderado ou intermédio
      • AngioTC: rastreio para os doentes com testes de stress e/ou ECGs inconclusivos.
    • Cateterismo cardíaco e angiografia coronária:
      • Utilizados tanto para o diagnóstico como para o tratamento da síndrome coronária aguda (EAM com supradesnivelamento do segmento ST)
      • Para avaliação dos doentes com angina crónica debilitante apesar da terapêutica médica otimizada
      • Quando os exames não invasivos sugerem doença isquémica grave

Endocardite

  • Doença inflamatória do revestimento cardíaco interno que pode resultar de causas infeciosas ou não infeciosas; afeta principalmente e de forma mais marcada as válvulas cardíacas.
  • Ecocardiograma:
    • Todos os doentes com suspeita de endocardite infeciosa devem ser submetidos a um ecocardiograma.
    • Os achados podem incluir:
      • Vegetação
      • Abcesso
      • Deiscência de prótese valvular de novo
    • ETT:
      • 1º exame de diagnóstico
      • Se as imagens forem inadequadas ou houver suspeita de complicações (abcesso, anomalia valvular com necessidade de cirurgia cardíaca), deve ser realizado o ETE.
Ecocardiograma transesofágico endocardite

Endocardite:
O ecocardiograma transesofágico mostra a aurícula esquerda (LA), partes da válvula mitral (MV), o ventrículo esquerdo (LV), a aorta ascendente (AO) e uma cúspide aórtica espessada (seta), sendo esta última altamente sugestiva de endocardite.

Imagem: “A transesophageal echocardiogram” de Stöllberger C, Bastovansky A, Finsterer J. Licença: CC BY 2.0

Patologia pericárdica

  • Derrame pericárdico:
    • Acumulação de líquido na cavidade pericárdica do coração
    • Como o pericárdio não se expande, a acumulação de líquido suficiente sob pressão leva à restrição do enchimento cardíaco → tamponamento cardíaco
  • Pericardite:
    • Inflamação do pericárdio
    • Pode ser idiopática ou causada por uma variedade de condições, como infeção, enfarte do miocárdio prévio ou doenças sistémicas
  • Exames:
    • Radiografia de tórax: exame inicial, que mostra aumento do coração (no derrame)
    • Ecocardiograma:
      • Geralmente normal na pericardite
      • No derrame pericárdico, o líquido pericárdico é visível como um espaço ecolucente entre o epicárdio e o pericárdio.
    • RMC e TC cardíaca: auxiliam na quantificação do líquido pericárdico

Referências

  1. Carr, J. (2019). Calcium scoring for cardiovascular computed tomography. Radiologic Clinics of North America 57, 1–12. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30454806/
  2. Cooper, L. (2021). Definition and classification of the cardiomyopathies. UpToDate. Retrieved July 6, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/definition-and-classification-of-the-cardiomyopathies
  3. Fowler, G., Reynolds, T. (2020). Echocardiography. In G. C. Fowler (Ed.), Pfenninger and Fowler’s Procedures for Primary Care (pp. 497–509). Retrieved July 2, 2021, from https://www.clinicalkey.com/#!/content/3-s2.0-B9780323476331000752
  4. Fuisz, A., Pohost, G. (2021). Clinical utility of cardiovascular magnetic resonance imaging. UpToDate. Retrieved July 5, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/clinical-utility-of-cardiovascular-magnetic-resonance-imaging
  5. Gupta, N., Matta, E. J., Oldham, S. A. (2014). Cardiothoracic imaging. Chapter 4 of Elsayes, K. M., Oldham, S. A. (Eds.), Introduction to Diagnostic Radiology. McGraw-Hill. https://accessmedicine.mhmedical.com/content.aspx?bookid=1562&sectionid=95876454
  6. Kramer, C., Villines, T. (2021). Coronary artery calcium scoring: Image acquisition and clinical utilization. UpToDate. Retrieved July 5, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/coronary-artery-calcium-scoring-image-acquisition-and-clinical-utilization
  7. Kumamaru, K. K., Hoppel, B. E., Mather, R. T., Rybicki, F. J. (2010). CT angiography: current technology and clinical use. Radiologic Clinics of North America. 48, 213–vii. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20609871/
  8. Marano, R., Liguori, C., Savino, G., Merlino, B., Natale, L., Bonomo, L. (2011). Cardiac silhouette findings and mediastinal lines and stripes. Chest. 139(5), 1186–1196. http://dx.doi.org/10.1378/chest.10-0660
  9. Mettler, F. (2019). Cardiovascular system. In Mettler, F. (Ed.), Essentials of Radiology (pp. 98–124). Retrieved from https://www.clinicalkey.com/#!/content/3-s2.0-B9780323508872000051
  10. Ravenel, J.G. (2011). Chapter 3. Imaging of the heart and great vessels. Chapter 3 of Chen, M. M., Pope, T. L., Ott, D. J. (Eds.), Basic Radiology, 2nd ed. McGraw Hill. https://accessmedicine.mhmedical.com/content.aspx?bookid=360&sectionid=39669010
  11. Renilla González, A., et al. (2011). Cardiogenic shock following administration of propofol and fentanyl in a healthy woman: a case report. Journal of Medical Case Reports 5:382. https://doi.org/10.1186/1752-1947-5-382
  12. Shea, M., Cascino, T. (2019). Cardiac catheterization. Merck Manuals. Retrieved July 5, 2021, from https://www.merckmanuals.com/professional/cardiovascular-disorders/cardiovascular-tests-and-procedures/cardiac-catheterization
  13. Siebelink, H. J., Westenberg, J. J. M., Kroft, L. J. M., de Roos, A. (2021). Cardiac anatomy and imaging techniques. In Adam, A., Dixon, A., Gillard, J., Schaefer-Prokop, C. (Eds.), Grainger & Allison’s Diagnostic Radiology. London: Churchill Livingstone, pp. 265–288. https://www.clinicalkey.com/#!/content/3-s2.0-B9780702075247000124
  14. Sundaram, B., Patel, S., Bogot, N., Kazerooni, E. A. (2009). Anatomy and terminology for the interpretation and reporting of cardiac MDCT: Part 1, structured report, coronary calcium screening, and coronary artery anatomy. American Journal of Roentgenology 192:574–583. https://doi.org/10.2214/AJR.08.1177
  15. Sundaram, B., Patel, S., Agarwal, P., Kazerooni, E. A. (2009). Anatomy and terminology for the interpretation and reporting of cardiac MDCT: Part 2, CT angiographycardiac function assessment, and noncoronary and extracardiac findings. American Journal of Roentgenology. 192(3), 584–598. https://doi.org/10.2214/AJR.08.1178
  16. Vazir, A., Douthwaite, H. (2011). Rapidly growing left atrial myxoma: a case report. Journal of Medical Case Reports 5:417. https://doi.org/10.1186/1752-1947-5-417

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

🍪 Lecturio is using cookies to improve your user experience. By continuing use of our service you agree upon our Data Privacy Statement.

Details