Domina os Conceitos Médicos

Estuda para o curso e exames de Medicina com a Lecturio

Glândulas Salivares: Anatomia

As glândulas salivares são glândulas exócrinas localizadas dentro e em redor da cavidade oral. Estas glândulas são responsáveis por secretar saliva na boca, que ajuda na digestão. A saliva ajuda a manter a mucosa oral lubrificada e fornece proteção antimicrobiana. Existem 3 glândulas salivares principais aos pares: as glândulas sublinguais, submandibulares e parótidas. Existem também centenas de glândulas salivares menores encontradas agrupadas em redor da cavidade oral.

Última atualização: 4 May, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Introdução

Os 3 pares de glândulas salivares maiores são as glândulas parótidas, submandibulares e sublinguais.

Desenvolvimento embrionário

  • A glândula parótida surge nas semanas 5-6 a partir da ectoderme.
  • A glândula submandibular surge nas semanas 6-7 da endoderme.
  • A glândula sublingual surge nas semanas 7-8 da endoderme.
  • As glândulas salivares menores intraorais desenvolvem-se durante o 3º mês a partir da endoderme.

Função

Produção de saliva, que é importante para:

  • Facilitar o início da digestão
  • Lubrificar e proteger a cavidade oral
  • Exercer ação antimicrobiana
  • Melhorar o sabor

Morfologia

  • As glândulas salivares são glândulas exócrinas que secretam saliva na cavidade oral através de ductos.
  • As glândulas, com base no seu tamanho (a 1ª é a maior) são:
    • Parótida
    • Submandibular
    • Sublingual
    • Glândulas salivares menores
Visão geral das glândulas salivares

Visão geral das glândulas salivares e marcos anatómicos circundantes

Imagem por Lecturio.

Histologia

  • As glândulas salivares são divididas em lobos por septos de tecido conjuntivo, depois em lóbulos e, finalmente, em ácinos (unidades secretoras redondas) com ductos.
  • A secreção de saliva ocorre no ácino e na parte inicial do sistema de ductos.
  • Acino:
    • Consiste em:
      • Células luminais: revestem o lúmen e produzem saliva
      • Células mioepiteliais: circundam as células luminais e contraem se estimuladas para contrair os ácinos
    • As secreções podem ser serosas, mucinosas ou mistas.
      • As secreções serosas (aquosas) são produzidas principalmente pela glândula parótida.
      • As secreções mucosas são produzidas pelas glândulas menores.
      • As secreções mistas são libertadas das glândulas sublinguais e submandibulares.
  • Os ductos salivares são revestidos por 3 tipos de células:
    • Células intercaladas:
      • Conectam os ácinos ao resto da glândula
      • Não estão envolvidas na modificação de eletrólitos
    • Células estriadas:
      • Regulam o transporte de eletrólitos
      • Reabsorvem sódio
    • Células do ducto excretor:
      • Reabsorvem continuamente sódio
      • Secretam potássio
Tabela: Características distintivas entre as glândulas salivares maiores
Parótida Submandibular Sublingual
Localização Anterior ao pavilhão auditivo Inferior e posterior à mandíbula Inferior à língua
Desenvolvimento Ectodérmico Endodérmico Endodérmico
Tamanho A maior (15-30 g) A menor (10-20 g) Menor (3-4 g)
Forma Piramidal Em forma de J Em forma de amêndoa
Ducto e local de abertura Ducto de Stensen:
abre em frente ao
2º molar
maxilar
Ducto de Wharton:
abre na
papila sublingual
(lateralmente a cada lado do
o frénulo lingual)
Série de ductos:
chão da
cavidade oral na
dobra sublingual
Inervação Nervo petroso menor Corda do tímpano Corda do tímpano
Tipo de secreção Serosa Serosa e mucosa Mucosa (principalmente)
e serosa

Composição e Função da Saliva

Descrição e produção

  • A saliva é uma secreção exócrina mucoserosa clara, fundamental para a preservação e manutenção da saúde bucal.
  • Produção: 0,5 a 1,5 L/dia
  • As contribuições das diferentes glândulas salivares durante o fluxo não estimulado são as seguintes:
    • 20% da parótida
    • 65% da submandibular
    • 7%–8% do sublingual
    • < 10% das glândulas menores
  • A parótida contribui com > 50% do fluxo de saliva estimulado.

Composição

  • Água: 99,5%
  • Eletrólitos, incluindo Na+, K+, Ca2+, Mg2+, bicarbonato (HCO3) e fosfatos
  • Imunoglobulinas, proteínas, enzimas, mucinas, ureia e amónia
  • pH normal: 6,7-7,4, praticamente neutro

Fluxo

  • Fluxo normal de saliva não estimulada: ≥ 0,1 mL/min.
  • Na estimulação, ↑ volume para 0,2 mL/min
  • Saliva:
    • Flui dos ácinos para os ductos e, eventualmente, para as aberturas (na boca)
    • A composição é modificada à medida que a saliva flui, adicionando K+ e HCO3 e extraindo Na+ e cloreto (Cl).
    • A extração de NaCl torna a saliva geralmente hipotónica.
  • Controlado por um centro salivar na medula composto por núcleos
  • Os vários estímulos para a produção de saliva incluem:
    • Fatores mecânicos, como a mastigação (mastigar)
    • Gustativo (e.g., alimentos ácidos)
    • Olfativo
    • Fatores psicológicos (e.g., dor)
    • Fármacos
    • Doenças localizadas ou sistémicas
Movimento de íons durante a produção de saliva

Movimento de iões durante a produção de saliva e o seu transporte através do ducto salivar

Imagem por Lecturio.

Função

  • Lubrifica os alimentos, auxiliando na deglutição
  • Inicia a digestão de carboidratos e lipidos
  • Atividade antibacteriana através de:
    • IgA secretora: o maior componente imunológico da saliva
    • Enzimas antibacterianas (e.g., lactoferrina)
    • Outras proteínas antibacterianas que causam aglomeração bacteriana
  • Proteção da mucosa oral e dos dentes
  • Auxilia no sentido do paladar

Glândula Sublingual

  • A menor glândula salivar principal
  • Localização: inferior à língua, lateralmente ao músculo genioglosso, superiormente às glândulas submandibulares
  • Drenagem:
    • Não tem um ducto dominante, mas é drenado por 10 pequenos ductos, denominados ductos de Rivinus
    • Ocasionalmente, alguns ductos anteriores podem unir-se para formar um grande ducto comum, denominado ducto de Bartholin (não relacionado com as glândulas de Bartholin).
    • O ducto de Bartholin, normalmente, une-se ao ducto de Wharton (submandibular), que drena para a carúncula sublingual.
    • Outros ductos sublinguais desembocam diretamente no fundo da cavidade oral.
  • Estrutura:
    • Não encapsulada
    • Consiste principalmente em ácinos mucosos, com apenas alguns ácinos serosos
  • Neurovasculatura:
    • Suprimento sanguíneo: artérias sublinguais e submentonianas
    • Retorno venoso: veia sublingual
    • Drenagem linfática: gânglios submandibulares
    • Inervação (semelhante à glândula submandibular):
      • Nervo da corda do tímpano, um ramo do nervo facial
      • Sinapses no gânglio submandibular
As glândulas sublinguais e submandibulares

As glândulas sublinguais e submandibulares, com as suas estruturas circundantes

Imagem por Lecturio.

Glândula Submandibular

Localização

  • Ocupa a maior parte do triângulo submandibular
  • Os limites do triângulo são:
    • Superior: borda inferior da mandíbula
    • Lateral: ventre posterior do músculo digástrico
    • Medial: ventre anterior do músculo digástrico
    • Assoalho: milo-hioideu e hioglosso
    • Teto: pele, fáscia, platisma

Estrutura

  • Dividida em lobo superficial e profundo, separados pelo músculo milo-hioideu
  • Em forma de J, com uma parte maior e uma menor da glândula:
    • Lobo superficial:
      • Maior
      • Dentro da parte anterior do triângulo
      • Fora da cavidade oral
    • Lobo profundo:
      • Menor: curva-se posteriormente, conectando-se à porção superficial da glândula (formando um “J”)
      • Localizado na face lateral do músculo hioglosso
      • Dentro da cavidade oral
  • O ducto submandibular, ou de Wharton, desemboca em ambos os lados do frénulo na carúncula sublingual.
    • Antes de atingir a abertura, o ducto cruza-se com o nervo lingual.
    • Nervo craniano (NC) XII (nervo hipoglosso) corre paralela e inferiormente ao ducto de Wharton.
  • Consiste principalmente em ácinos serosos, com poucos ácinos mucinosos

Neurovasculatura

  • Suprimento sanguíneo: artérias sublinguais e submentonianas
  • Retorno venoso: veia facial comum e veia sublingual
  • Drenagem linfática: gânglios submandibulares → gânglios cervicais profundos superiores
  • Inervação:
    • Parassimpática (secretomotora):
      • Corda do tímpano, um ramo do nervo facial
      • Corpos celulares parassimpáticos no gânglio submandibular
    • Simpática (vasoconstrição): do gânglio cervical superior
Glândula submandibular e relações espaciais

Glândula submandibular e estruturas neurovasculares associadas

Imagem por Lecturio.

Glândula Parótida

Localização

Localizada na fossa retromandibular, a glândula parótida:

  • Envolve o ramo mandibular
  • Cobre a porção posterior do músculo masseter
  • Situa-se inferiormente ao arco zigomático

Estrutura

  • Possui 2 lobos, um lobo superficial largo e um lobo mais profundo menor, com o nervo facial a correr entre os mesmos.
    • O lobo superficial é lateral ao nervo facial.
    • O lobo mais profundo é medial ao nervo facial.
  • O ducto principal, denominado ducto de Stensen, está localizado em frente ao 2º molar superior e desemboca na cavidade oral.
  • Consiste principalmente em ácinos serosos
Histologia da glândula parótida

Histologia da glândula parótida (ácinos serosos)

Imagem: “Histology of the parotid gland” por Wbensmith. Licença: CC BY 3.0

Relações espaciais

  • Posterior:
    • Músculo esternocleidomastoideu
    • Processo mastoide
  • Anterior:
    • Ângulo da mandíbula
    • Masseter
    • Placa pterigoide medial
  • Superior: arco zigomático
  • Dentro da glândula:
    • Nervo facial
    • Veia retromandibular
    • Artéria carótida externa
    • Artéria temporal superficial
    • Fibras do nervo auriculotemporal
As estruturas dentro da glândula parótida

O nervo facial (imagem superior) e os seus ramos (imagem inferior) perfuram a glândula parótida

Imagem por Lecturio.

Neurovasculatura

  • Vascularização:
    • Artéria carótida externa e os seus ramos terminais
    • Retorno venoso: veia retromandibular
    • O feixe vascular (artérias e veias) situa-se medialmente ao nervo facial
  • Drenagem linfática: 2 camadas de gângllios (gânglios extraglandulares e intraglandulares) que drenam para os sistemas linfáticos cervicais profundos e superficiais
  • Inervação:
    • Inervação parassimpática através do nervo petroso menor (componente do nervo glossofaríngeo (NC IX))
    • Os corpos celulares parassimpáticos situam-se no gânglio ótico, com fibras pós-ganglionares a unirem-se ao nervo auriculotemporal.
Inervação, suprimento sanguíneo e venoso da glândula parótida

Nervo facial e seus ramos e as estruturas arteriais e venosas da glândula parótida

Imagem por Lecturio.

Glândulas Salivares Menores

  • Estão presentes centenas de glândulas menores.
  • A maior concentração é observada na mucosa bucal, mucosa labial, mucosa lingual, palato mole/duro e assoalho da boca.
  • Produzem < 10% da saliva, maioritariamente com secreções mucosas

Relevância Clínica

  • Doenças das glândulas salivares: Algumas condições manifestam-se como aumento das glândulas salivares, com vários graus de dor ou desconforto. Alguns fatores clínicos específicos ajudam a diferenciar estas condições, como a assimetria, a presença de dor, condições associadas e fatores de risco e o seu crescimento ou estabilidade. O diagnóstico geralmente é clínico, embora os exames de imagem e a biópsia possam ser necessários. O tratamento varia de acordo com a doença.
    • A sialadenose é uma hipertrofia crónica, bilateral e não inflamatória das glândulas salivares.
    • A sialadenite resulta da inflamação ou infeção das glândulas.
    • A sialolitíase é causada pela formação de cálculos nas glândulas ou ductos.
    • As neoplasias da glândula salivar podem ser benignas ou malignas.
  • Sarampo: tipicamente uma doença da infância. O sarampo é causado por um vírus RNA da família Paramyxoviridae. A transmissão ocorre por gotículas respiratórias ou por contacto direto. A condição manifesta-se inicialmente com febre, dores musculares, cefaleia, falta de apetite e mal-estar geral, seguidos classicamente por parotidite. As complicações incluem meningite, pancreatite, surdez permanente e inflamação testicular, que pode resultar em infertilidade. O tratamento envolve sobretudo cuidados de suporte. O sarampo é prevenido pela vacinação.
  • Rânula: cisto de retenção mucosa da glândula sublingual ou de pequenas glândulas salivares presentes no assoalho da boca. Uma rânula é um edema benigno que é macio, azulado e transiluminado.
  • Síndrome de Sjögren: condição inflamatória autoimune na qual os tecidos glandulares, como as glândulas salivares e lacrimais, são infiltradas por linfócitos, resultando na diminuição da produção de lágrimas e saliva. Os sintomas incluem olhos e boca seca, acompanhados de manifestações extraglandulares. O diagnóstico é realizado através da história clínica e exame físico, estudos serológicos ou biópsia das glândulas salivares. É necessária uma abordagem multidisciplinar para tratar os doentes.

Referências

  1. Barrett, K.E., et al. (Ed.) (2017). Overview of gastrointestinal function & regulation. Chapter 25 of Ganong’s Medical Physiology Examination & Board Review. https://accessmedicine.mhmedical.com/content.aspx?bookid=2139&sectionid=160313408
  2. Chason, H.M., Downs, B.W. (2021). Anatomy, head and neck, parotid gland. StatPearls. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK534225/
  3. Del Vigna de Almeida, P., et al. (2008). Saliva composition and functions: a comprehensive review. J Contemp Dent Pract 9(3):72–80.
  4. Grewal, J.S., Jamal, Z., Ryan, J. (2020) Anatomy, Head and Neck, Submandibular Gland. StatPearls. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK542272/
  5. Grewal, J.S., et al. (2021) Anatomy, head and neck, sublingual gland. StatPearls. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK535426/
  6. Gupta, S., Ahuja, N.  (2019). Salivary glands. IntechOpen. https://www.intechopen.com/chapters/63843
  7. ​Humphrey, S. P., Williamson, R. T. (2001). A review of saliva: normal composition, flow, and function. Journal of Prosthetic Dentistry 85(2):162–169.
  8. Iorgulescu, G. (2009) Saliva between normal and pathological: important factors in determining systemic and oral health. Journal of Medicine and Life 2:303–307.
  9. Kessler, A. T., Bhatt, A. A. (2018). Review of the major and minor salivary glands, part 1: anatomy, infectious, and inflammatory processes. Journal of Clinical Imaging Science 8:47. https://doi.org/10.4103/jcis.JCIS_45_18
  10. Lars Eliasson, L.,  Carlén, A. (2010). An update on minor salivary gland secretions. Eur J Oral Sci 118:435–442. https://www.doi.org/10.1111/j.1600-0722.2010.00766.x
  11. Porcheri, C., Mitsiadis, T.A. (2019). Physiology, pathology and regeneration of salivary glands. Cells 8:976. http//:www.doi.org/10.3390/cells8090976
  12. Tanakchi, S., Aly, F.Z. (2021). Salivary glands: general anatomy & histology. Pathology Outlines. https://www.pathologyoutlines.com/topic/salivaryglandsnormalhistology.html

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

🍪 Lecturio is using cookies to improve your user experience. By continuing use of our service you agree upon our Data Privacy Statement.

Details