Treponema

As bactérias do género treponema são espiroquetas gram-negativas microaerofílicas. Devido à sua estrutura muito fina, são dificilmente observada por coloração de Gram, mas podem ser visualizadas em microscopia de campo escuro. Estas espiroquetas contêm endoflagelos, que lhes permite um movimento característico de saca-rolhas. As bactérias revestem-se na fibronectina do hospedeiro, conseguindo evitar o seu reconhecimento imunológico e impedindo a fagocitose. Os seres humanos são o único reservatório e a transmissão ocorre através do contacto humano. A espécie mais comum envolvida na doença humana é Treponema pallidum subespécie pallidum, agente etiológico da sífilis. Outras espécies clinicamente relevantes incluem T. pallidum pertenue, T. pallidum endemicum e T. carateum, responsáveis pelas doenças treponémicas de bouba, bejel e pinta, respetivamente.

Última atualização: May 17, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Classificação

Fluxograma de classificação de bactérias gram negativas

Bactérias Gram negativas:
A maioria das bactérias pode ser classificada de acordo com um procedimento de laboratório chamado coloração de Gram.
As paredes celulares bacterianas com uma camada fina de peptidoglicanos não retêm a coloração cristal violeta utilizada na técnica coloração de Gram. No entanto, as bactérias gram-negativas retêm a coloração de contraste de safranina e aparecem com cor vermelho-rosado. Estas bactérias podem ainda ser classificadas de acordo com a sua morfologia (diplococos, bastonetes curvos, bacilos e cocobacilos) e capacidade de crescerem na presença de oxigénio (aeróbios versus anaeróbios). As bactérias Gram-negativas podem ser identificadas com precisão através de culturas em meios específicos (Agar Tríplice Açúcar Ferro (TSI)), com a identificação das enzimas (urease, oxidase) e determinação da capacidade de fermentar a lactose.
* Cora pouco com coloração de Gram
** Bastonete pleomórfico/cocobacilos
*** Requer meios de transporte especiais

Imagem por Lecturio. Licença: CC BY-NC-SA 4.0

Características Gerais de Treponema

Principais características das espécies de Treponema

  • Espiroquetas (em forma de espiral)
  • Gram negativas
  • Microaerófilas
  • Microorganismos endoflagelados
    • 3 flagelos em cada extremidade.
    • Localizado no espaço periplasmático
  • Motilidade clássica:
    • Gira rapidamente em torno do seu eixo longitudinal
    • Movimentos de flexão, encaixe
  • Visualização:
    • Microscopia de campo escuro
    • A sua morfologia muito alongada não permite a visualização por coloração de Gram ou Giemsa
  • Não podem ser isoladas em meios de cultura
  • As espécies patogénicas são morfologicamente e antigenicamente indistinguíveis.

Espécies clinicamente relevantes

  • Subespécies de T. pallidum:
    • T. pallidum subespécie pallidum (sífilis)
    • T. pallidum subespécie endemicum (bejel)
    • Subespécie de T. pallidum pertenue (bouba)
  • T. carateum (pinta)

Vídeos recomendados

Patogénese

Patogênese das infecções por treponema

Patogénese das infeções por Treponema
O agente patogénico adere à pele ou membranas mucosas, levando à produção de hialuronidase que permite a invasão tecidual. O microorganismo reveste-se na fibronectina do hospedeiro, impedindo a sua fagocitose e reconhecimento pelo sistema imunitário. Consequentemente, ocorre a sua disseminação hematogénica. Por fim verifica-se uma resposta imune do hospedeiro, que origina as manifestações da doença.

Imagem por Lecturio. Licença: CC BY-NC-SA 4.0

Reservatórios e transmissão

  • Os humanos são o único reservatório.
  • A transmissão ocorre de humano para humano:
    • Contacto sexual (sífilis)
    • Vertical (sífilis)
    • Contacto com lesões infetadas (bouba, bejel e pinta)

Virulência

  • Hialuronidase
    • Permite a invasão tecidual
    • Facilita a disseminação
  • Motilidade em “saca-rolhas”
    • Capaz de se mover em substâncias espessas (por exemplo, tecido conjuntivo)
    • Auxilia na divulgação
  • Fibronectina
    • Revestimento protetor
    • Proveniente do anfitrião
    • Previne a fagocitose e o reconhecimento imunitário

Doenças Causadas por Treponema

Sífilis

Doença treponémica mais comum, causada por T. pallidum pallidum:

Tabela: Sífilis
Estadio Sífilis primária Sífilis secundária Sífilis terciária Sífilis congénita
Transmissão Contacto sexual Contacto com a pele com erupção cutânea disseminada Os pacientes não são contagiosos nesta fase Placentária, durante o primeiro trimestre
Sintomas Doença localizada:
  • Úlcera indolor
  • Bolhas indolores após a resolução da úlcera
Doença sistémica:
  • Erupção maculopapular (com atingimento das palmas das mãos e planta dos pés)
  • Condiloma plano
  • Linfadenopatia
  • Sintomas semelhantes à gripe
Doença sistémica:
  • Goma sifilítica
  • Lesões ósseas destrutivas
  • Aortite
  • Artropatia neurogénica
Neurossífilis:
  • Tabes dorsalis
  • Pupilas de Argyll Robertson
  • Meningite ou meningoencefalite
  • AVC
  • Deformação nasal do tipo nariz em sela
  • Dentes de Hutchinson
  • Tíbias em forma de sabre
  • Surdez por lesão do VIII NC
  • Fissuras periorais
  • Molares em amora
  • Secreção nasal
  • Maxila curta
Diagnóstico
  • RPR
  • VDRL
  • FTA-ABS
  • Microscopia de campo escuro
  • MHA-TP
  • PCR do LCR (neurossífilis)
Tratamento
  • Penicilina G
  • Ceftriaxone
  • Doxiciclina
Prevenção
  • Utilização correta do preservativo
  • Profilaxia com penicilina (se exposição conhecida)
As mães são rastreadas e tratadas durante a gravidez.

NC: nervo craniano

VDRL: Teste do laboratório de pesquisa de doenças venéreas

RPR: teste de reagina plasmática rápido

FTA-ABS: teste de absorção de anticorpos treponémicos fluorescentes

MHA-TP: teste de microhemaglutinação

PCR: reação em cadeia da polimerase

LCR: líquido cefalorraquidiano

Doenças não venéreas

As espécies menos comuns de Treponema e respetivas doenças estão resumidas na tabela abaixo:

Tabela: Espécies menos comuns de Treponema e respetivas doenças
Doença Bouba Bejel (sífilis endémica) Pinta
Espécies associadas T. pallidum pertenue T. pallidum endemicum T. carateum
Transmissão
  • De humano para humano
  • Contacto direto com lesões cutâneas
  • De humano para humano
  • Contacto direto com lesões mucosas
  • Utensílios
  • De humano para humano
  • Contacto direto com lesões cutâneas
Regiões predominantes Regiões tropicais:
  • África
  • América do Sul
  • Índia
  • Indonésia
  • Ilhas do Pacífico
Regiões do deserto:
  • Médio Oriente
  • África Central e do Sul
Regiões tropicais: América Central e do Sul
Dados demográficos Crianças Crianças Adultos
Manifestações clínicas Fase primária: papiloma amarelo indolor nas extremidades inferiores
Fase secundária:
  • Lesões cutâneas solitárias ou disseminadas, semelhantes a papilomas
  • Pode atingir palmas e plantas.
  • Osteoperiostite
Fase terciária:
  • Goma sifilítica
  • Lesões ósseas destrutivas e úlceras da pele, particularmente na face
Fase primária: pequena pápula primária na mucosa oral
Fase secundária:
  • Placas nas mucosas e na pele
  • As lesões tornam-se condilomatosas antes de cicatrizarem.
  • Periostite
Fase terciária:
  • Goma sifilítica
  • Lesões ósseas destrutivas e úlceras da pele, particularmente na face
Fase primária:
  • Pápulas iniciais pequenas, eritematosas e pruriginosas
  • Frequentemente nas extremidades inferiores
Fase secundária: lesões cutâneas difusas e planas (pintídeos)
Fase terciária:
  • Descoloração da pele
  • Despigmentação
  • Atrofia
Diagnóstico Uma vez que as espécies treponémicas são morfologicamente indistinguíveis, o diagnóstico é baseado em:
  • Manifestações clínicas
  • Região geográfica
  • Demografia
Exames adicionais de suporte:
  • VDRL
  • FTA-ABS
Tratamento
  • Penicilina G
  • Azitromicina

VDRL: Teste do laboratório de pesquisa de doenças venéreas

FTA-ABS: teste de absorção de anticorpos treponémicos fluorescentes

Comparação de espiroquetas

As espiroquetas são gram negativas, em forma de espiral e móveis. A tabela a seguir compara resumidamente algumas espiroquetas clinicamente relevantes:

Tabela: Comparação de espiroquetas clinicamente relevantes
Microorganismo Treponema pallidum pallidum Outras subespécies de T. pallidum Treponema carateum Borrelia burgdorfi Borrelia recurrentis Leptospira interrogans
Micro
  • Microaero
  • Não visto usando coloração de Gram ou Giemsa
  • Microaero
  • Não observado com coloração de Gram ou Giemsa
  • Microaero
  • Não observado com coloração de Gram ou Giemsa
  • Microaero
  • Observado com coloração Giemsa e Wright
  • Microaero
  • Observado com coloração Giemsa e Wright
  • Aeróbio
  • Extremidades “em ganchos”
Virulência
  • Hialuronidase
  • Revestimento de fibronectina
  • Hialuronidase
  • Revestimento de fibronectina
  • Hialuronidase
  • Revestimento de fibronectina
  • Variação antigénica
  • Regulamento por Osp
Variação antigénica
  • LPS
  • Hemolisinas
  • Reguladores e enzimas do complemento
Reservatório Humanos Humanos Humanos
  • Roedores
  • Veados
Humanos
  • Animais selvagens
  • Gado
  • Animais domésticos
Transmissão Contacto sexual Contacto P2P Contacto P2P Carraça Ixodes Piolho Contacto direto com tecidos ou fluidos animais
Clínico Sífilis
  • Bouba
  • Bejel
Pinta Doença de Lyme Febre recorrente
  • Leptospirose
  • Doença de Weil
Diagnóstico
  • VDRL
  • FTA-ABS
  • Visualização direta
  • Clínico
  • VDRL
  • FTA-ABS
  • Clínico
  • VDRL
  • FTA-ABS
  • Clínico
  • ELISA
  • Western blot
Análise do esfregaço de sangue
  • Hemocultura
  • Urocultura
  • ELISA
  • PCR – reação em cadeia da polimerase
Tratamento
  • Penicilina G
  • Ceftriaxone
  • Doxiciclina
  • Penicilina G
  • Azitromicina
  • Penicilina G
  • Azitromicina
  • Doxiciclina
  • Amoxicilina
  • Ceftriaxone
  • Penicilina G
  • Doxiciclina
  • Penicilina G
  • Doxiciclina

Osp: proteína de superfície externa

LPS: lipopolissacarídeo

P2P: pessoa para pessoa

Microaero: microaerófilo

VDRL: Teste do laboratório de pesquisa de doenças venéreas

FTA-ABS: teste de absorção de anticorpos treponémicos fluorescentes

ELISA: ensaio imunossorvente ligado a enzimas

PCR: reação em cadeia da polimerase

Referências

  1. Fine, S.M., and Fine, L.S. (2019). Treponematosis (endemic syphilis, yaws, and pinta). In Brusch, J.L. (Ed.), Medscape. Retrieved January 5, 2021, from https://emedicine.medscape.com/article/230403-overview
  2. Chandrasekar, P.H. (2017). Syphilis. In Bronze, M.S. (Ed.), Medscape. Retrieved January 5, 2020, from https://emedicine.medscape.com/article/229461-overview
  3. Gladwin, M., & Trattler, B. (2008). Clinical microbiology made ridiculously simple (4th edition). Miami: MedMaster.
  4. Radolf, J.D. (1996). Treponema. In: Baron S., (Ed.), Medical Microbiology. (4th edition). Galveston (TX): University of Texas Medical Branch at Galveston. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK7716/

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

Details