Rastreio e Monitorização Pré-Natal

Os principais objetivos do rastreio e monitorização pré-natal são avaliar o bem-estar fetal, identificar situações tratáveis que podem causar complicações e avaliar anomalias cromossómicas. Os testes pré-natal para aneuploidia são normalmente realizados no 1º e 2º trimestres. Estes testes são divididos em testes de rastreio (que incluem teste de DNA livre de células, análise sanguínea e medições de translucência nucal) e testes de diagnóstico, que fornecem um diagnóstico definitivo de aneuploidia e incluem amostra de vilosidades coriónicas (CVS, pela sigla em inglês) e amniocentese. A monitorização pré-natal é feita no 2º e 3º trimestres para avaliar o bem-estar fetal e avaliar o risco de morte fetal. Os testes de monitorização pré-natal incluem cardiotocografia contínua (ou seja, traçados da frequência cardíaca fetal), os testes de non-stress e stress de contração (NST e CST, pela sigla em inglês, respectivamente), o perfil biofísico fetal (BPP, pela sigla em inglês) e estudos com Doppler da artéria umbilical.

Última atualização: 8 Jun, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Descrição Geral

Definição

Teste pré-natal

  • 2 categorias:
    • Testes de rastreio: testes não invasivos, incluindo análise sanguínea materna e imagiologia
    • Testes de diagnóstico: testes invasivos que envolvem a obtenção de uma amostra de material do útero que contém DNA fetal
  • Deve ser oferecido a todas as mulheres grávidas para avaliar o risco de doenças genéticas (algumas podem recusar)

Monitorização pré-natal

  • Refere-se a uma variedade de testes usados para avaliar o bem-estar fetal e avaliar o risco de lesão hipóxica fetal intrauterina ou morte
  • Os testes de monitorização mais comuns (e mais clinicamente importantes) incluem:
    • Cardiotocografia contínua (também conhecida simplesmente como “monitorização fetal contínua”)
    • Teste non-stress (NST)
    • Teste stress de contração (CST)
    • Perfil biofísico (PBF)
    • Doppler da artéria umbilical

Indicações gerais

Existem muitas indicações para monitorização e/ou rastreio fetal, incluindo:

Indicações maternas

  • Trabalho de parto pré-termo e/ou rutura de membranas pré-termo (RMPT)
  • Morte fetal prévia
  • Diabetes preexistente ou gestacional
  • Hipertensão crónica ou relacionada com a gravidez (por exemplo, pré-eclâmpsia)
  • Aloimunização para antigénios dos eritrócitos
  • Colestase intra-hepática da gravidez (CIHG)
  • Outras condições médicas preexistentes, incluindo (mas não limitado a):
    • Lúpus eritematoso sistémico (LES) e/ou doença renal crónica
    • Síndrome do anticorpo antifosfolípidico
    • Cardiopatia cianótica materna
    • Hemoglobinopatias (por exemplo, doença falciforme)

Indicações fetais

  • Gestações múltiplas (por exemplo, gestações gemelares)
  • Gravidez pós-termo
  • Restrição de crescimento fetal
  • Oligoâmnio
  • Diminuição dos movimentos fetais (detetado pela mãe)

Testes de Rastreio

Testes laboratoriais de rotina da gravidez e estudos de imagem

Todas as mulheres grávidas devem ter certos exames laboratoriais de rastreio e estudos de imagem feitos em diferentes pontos durante a gravidez, incluindo:

Na 1ª consulta:

  • Rastreio de anemia: hemograma
  • Rastreio de incompatibilidade sanguínea materno-fetal: tipo sanguíneo e Rh
  • Rastreio de infeções:
    • Análise de urina
    • Estado de imunidade à rubéola
    • VIH
    • Antigénio de superfície da hepatite B
    • Teste rápido de reação plasmática para sífilis
    • Teste de gonorreia e clamídia
  • Rastreio de cancro: Papanicolau (somente se coincidir com exame de Papanicolau de rotina)
  • Rastreio de doenças hereditárias: com base na etnia (por exemplo, hemoglobinopatias, fibrose quística)
  • Rastreio de aneuploidias (por exemplo, trissomia 21) com base na vontade da mulher

Outros exames

  • Rastreio de problemas anatómicos: ecografia anatómica nas 18‒22 semanas de idade gestacional, que inclui avaliação do feto, da placenta e do útero/colo do útero
  • Rastreio para diabetes gestacional: teste de tolerância à glicose (TTG) de 1 hora nas 24‒28 semanas
  • Repetir o rastreio para anemia: o hemograma completo geralmente é repetido com o TTG.
  • Rastreio para colonização por Streptococcus do grupo B (SGB): cultura retovaginal SGB nas 35‒37 semanas
  • Rastreio para mau posicionamento: ecografia à cabeceira da doente para verificar a apresentação fetal (vértice/cabeça para baixo ou nádegas/nádegas para baixo) por volta das 35 semanas

Rastreio de aneuploidias fetais

Descrição geral

  • Rastreio (testes não invasivos) indiretamente avalia o risco de aneuploidia fetal por análise sanguínea materna e/ou realização de ecografia.
    • Várias opções disponíveis: combinações de diferentes parâmetros analíticos e/ou ecografia
    • Alguns testes apenas podem ser realizados em idades gestacionais específicas.
    • As taxas de deteção de anomalias cromossómicas variam.
  • Resultados:
    • Precisam de ser confirmados por testes diagnósticos para o diagnóstico definitivo
    • Influenciados pela idade materna
  • Os testes de rastreio mais utilizados são:
    • Pesquisa de DNA fetal sem células (cf-DNA, pela sigla em inglês)
    • Rastreio do 1º trimestre
    • Rastreio quádruplo
    • Rastreio integrado

Pesquisa de DNA fetal sem células

  • Também conhecido como rasteio pré-natal não invasivo ou teste pré-natal não invasivo
  • Realizada a qualquer momento após 10 semanas
  • Como funciona:
    • A apoptose das células placentárias (que contêm DNA fetal) liberta fragmentos de DNA fetal no sangue materno.
    • Estes fragmentos de DNA fetal livres de células (geralmente cerca de 50 a 200 pares de bases) podem ser isolados de sangue para teste.
    • É determinada a quantidade de DNA de cada cromossoma fetal → proporções elevadas de material genético de 1 cromossoma fortemente sugere triploidia
  • Tem a maior sensibilidade para detetar anomalias cromossómicas de todos os testes de rastreio:
    • Trissomia 21: > 99%
    • Trissomia 18: 98%
    • Trissomia 13: 96%
  • Baixa taxa cumulativa de falsos positivos: aproximadamente 0,1%
  • Ainda considerado um teste de rastreio devido aos mais baixos valores preditivos positivos, principalmente em mulheres mais jovens, nas quais as aneuploidias são muito menos comuns:
    • Valor preditivo positivo para trissomia 21 aos 20 anos: 48%
    • Valor preditivo positivo para trissomia 21 aos 40 anos: 93%
  • Devem ser usados testes diagnósticos para confirmar o diagnóstico, especialmente em doentes mais jovens.
  • De notar que o sexo fetal pode ser determinado usando a pesquisa de DNA fetal sem células.

Rastreio do 1º trimestre para aneuploidia

  • Muitas vezes chamado de rastreio combinado
  • Realizado por volta das 12 semanas (intervalo, 10–13 ⁶⁄₇ semanas)
  • Principalmente rastreios para trissomia 21, 18 e 13
  • Taxa de deteção de trissomia 21: 85%
  • Mede 3 marcadores:
    • β-hCG sérico materno
    • Proteína plasmática A associada à gravidez no sangue materno (PAPP-A, pela sigla em inglês)
    • Medição ecográfica da translucência da nuca, um espaço hipoecoico na face posterior do pescoço fetal
Tabela: Resultados do teste de rastreio do 1º trimestre associados a aneuploidias comuns
Doença hCG PAPP-A Translucência da nuca
Trissomia 21 ↓↓ ↑↑
Trissomia 18 ↓↓ ↓↓ ↑↑
Trissomia 13 ↓↓

Rastreio quádruplo

  • Feito no 2º trimestre entre 15 e 22 ⁶⁄₇ semanas
  • Telas para trissomias 21 e 18
  • Taxa de deteção de trissomia 21: 80%
  • Usa marcadores séricos, idade materna, peso, raça e presença de diabetes pré-gestacional para calcular uma estimativa de risco
  • Mede 4 marcadores séricos:
    • β-hCG sérico materno
    • Alfafetoproteína sérica materna (MS-AFP, pela sigla em inglês)
    • Estriol não conjugado (uE3, pela sigla em inglês)
    • Inibina A
  • Não requer ecografia ou medição da translucência da nuca
Tabela: Resultados de testes de rastreio quádruplos associados a trissomias 21 e 18
Doença hCG AFP Estriol Inibina A
Trissomia 21
Trissomia 18 ↓↓ ↓↓

Rastreio integrado:

  • Combina os resultados dos testes do 1º e 2º trimestres
  • Os resultados são usados para calcular um único risco específico para aneuploidias.
  • Taxa de deteção de trissomia 21: 96%
  • Variações:
    • Testes totalmente integrados: São avaliados todos os parâmetros séricos e translucência da nuca.
    • Rastreio integrado do soro: É analisado apenas o soro (sem avaliação da translucência da nuca).
    • Rastreio sequencial: A avaliação de risco inicial é fornecida após os testes do 1º trimestre e depois reavaliada após os testes do 2º trimestre.

Testes de Diagnóstico

O teste de diagnóstico é invasivo e envolve a amostra das vilosidades coriónicas ou líquido amniótico de tecido fetal que pode ser usado diretamente para testes genéticos.

Biópsia de vilosidades coriónicas (BVC)

  • Procedimento:
    • A placenta é biopsiada sob orientação de ecografia em tempo real.
    • A amostra é rastreada para anomalias genéticas (por exemplo, cariótipo).
    • Pode ser realizado por via transabdominal ou transcervical
  • Tempo: feito entre 10 e 13 semanas
  • Indicações:
    • Confirmar os resultados de rastreios anormais
    • Anomalia congénita observada no exame de ecografia do 1º trimestre
    • Gravidez anterior com anomalia cromossómica ou doença genética
    • Anomalias genéticas conhecidas (por exemplo, translocação balanceada) num dos pais
Biópsia de vilosidades coriónicas

Ilustração representa o procedimento da biópsia de vilosidades coriónicas (BVC)

Imagem por Lecturio.

Amniocentese

  • Procedimento:
    • Sob orientação de ecografia, é usada uma agulha longa para obter uma amostra de líquido amniótico para rastreio.
    • Feito via transabdominal
  • Tempo: em qualquer momento após 15 semanas
  • O líquido amniótico obtido também pode ser usado para testes que não sejam genéticos.
  • Indicações:
    • Confirmar resultados de rastreios anormais
    • Avaliação fetal para infeção
    • Anomalias estruturais fetais
    • Preocupação com a incompatibilidade do tipo sanguíneo materno-fetal
    • Avaliação da maturidade pulmonar fetal (anteriormente uma indicação comum, agora raramente feita)
Amniocentese

Ilustração representa o procedimento de amniocentese

Imagem por Lecturio.

Contraindicações relativas

As únicas contraindicações relativas para ambos os procedimentos incluem:

  • Aloimunização materna
  • Infeções maternas mal controladas com risco de transmissão vertical (por exemplo, VIH e hepatite B)

Complicações

As complicações potenciais são semelhantes para a BVC e a amniocentese e incluem:

  • Perda fetal (risco é de aproximadamente 0,7% com BVC e aproximadamente 0,2% com amniocentese)
  • Lesão fetal
  • Infeção
  • Transmissão vertical de infeções maternas
  • RMPT na amniocentese feita mais tarde na gravidez

Testes de Cardiotocografia (ou seja, Monitorização Fetal)

A cardiotocografia é usada para monitorizar a frequência cardíaca fetal (FCF) e as contrações traçadas em tempo real, geralmente através de ecografia abdominal e transdutores de pressão, respetivamente. A frequência cardíaca fetal é registada no painel superior e as contrações no painel inferior do traçado.

Características do traçado cardiotocográfico

Existem 5 componentes principais que devem ser avaliados ao interpretar um traçado cardiotocográfico:

  • Linha de base da FCF: o número médio de batimentos por minuto
    • Normal: 110‒160/min
    • Taquicardia: > 160/min quando sustentada ≥ 10 minutos
    • Bradicardia: < 100/min quando sustentada ≥ 10 minutos
  • Variabilidade da FCF: o quanto a FCF muda de batimento para batimento acima ou abaixo da linha de base (ou seja, quão “irregular” é a linha)
    • Variabilidade moderada (normal): 6‒25/min
      • O coração fetal tem capacidade mínima de ajustar o volume sistólico, portanto, deve ajustar a FC para ajustar o débito cardíaco.
      • Ajustes rápidos na FCF representam um SNC funcional → prediz com segurança a ausência de dano hipóxico
    • Variabilidade acentuada: > 25/min (achado inespecífico)
    • Variabilidade mínima: < 5/min
      • Representa uma FCF bastante constante devido à depressão do SNC
      • Pode ser vista normalmente durante os ciclos de sono fetal ou após o uso materno de opiáceos (frequentemente prescritos no início do trabalho de parto)
      • Pode ser devido a lesão hipóxica/acidemia do SNC
    • Variabilidade ausente: nenhuma alteração na FCF (linha plana)
      • FCF completamente constante
      • Sempre preocupante para hipóxia/acidemia fetal
  • Acelerações da FCF: breve ↑ na FCF
    • > 32 semanas: definido como ↑ ocasional na FCF em ≥ 15/min por 15 segundos
    • < 32 semanas: definido como ↑ ocasional na FCF em ≥ 10/min por 10 segundos
  • Desacelerações da FCF: breve ↓ na FCF
    • Precoce (não patológico):
      • Declínio mais lento e retorno à linha de base (em forma de U)
      • O nadir traduz o pico de contração.
      • Resposta vagal normal devido à compressão da cabeça
      • Nenhuma intervenção é necessária
    • Variável (às vezes uma preocupação):
      • Declínio acentuado com rápido retorno à linha de base (em forma de V)
      • Devido à compressão do cordão
      • A interpretação depende do contexto clínico
    • Tardia (sempre patológica):
      • Declínio mais lento e retorno à linha de base (em forma de U)
      • O nadir segue o pico da contração.
      • Devido a insuficiência uteroplacentária
      • Requer sempre intervenção
  • Contrações:
    • Normal: 2 a 5 contrações em 10 minutos durante o trabalho de parto
    • Taquissistolia: > 5 contrações em 10 minutos
    • Transdutores de pressão externa versus cateteres de pressão intrauterina (IUPCs, pela sigla em inglês):
      • Transdutores de pressão externa: mostram apenas a pressão relativa dentro do útero num determinado momento
      • IUPC: cateter inserido no útero durante o trabalho de parto (após a rutura das membranas) para medir a pressão numérica real gerada pelas contrações; medido em unidades de Montevideu (MVUs)

Interpretação de traçados cardiotocográficos

As características do traçado contínuo da FCF são avaliadas periodicamente e usadas para classificar os traçados em 1 de 3 categorias. Estas categorias fornecem algumas informações prognósticas sobre o estado atual do bem-estar fetal e podem ajudar a orientar o tratamento.

Categoria I: normal

  • Todas as seguintes características devem estar presentes:
    • FCF: 110‒160/min
    • Variabilidade moderada
    • Sem desacelerações variáveis ou tardias
  • As desacelerações precoces podem estar presentes ou ausentes
  • Interpretação: probabilidade mínima de acidemia fetal/lesão hipóxica neste momento
  • Atitude terapêutica: observação/continuar o curso de ação atual
Categoria i traçado da frequência cardíaca fetal

Categoria I (normal) do traçado da frequência cardíaca fetal
É observada uma linha de base da FCF de 150/min, variabilidade moderada, várias acelerações e nenhuma desaceleração. Estão presentes três contrações; se estas contrações foram medidas com um cateter de pressão intrauterina, cada uma atinge aproximadamente 60 unidades de Montevideu (MVUs), com um total de 180 MVUs nos 8 minutos mostrados. Com base neste padrão, provavelmente haveria uma 4ª contração próximo dos 10 minutos, tornando este padrão de contração adequado (definido como > 200 MVUs em 10 minutos) para induzir alteração cervical.

Imagem por Lecturio.

Categoria II: indeterminado

  • Tudo o que não é categoria I ou III
  • Esta categoria inclui:
    • Uma FCF normal (110‒160/min) com desacelerações variáveis ou tardias
    • Uma FCF normal (110‒160/min) com variabilidade mínima ou ausente sem quaisquer desacelerações
    • FCF < 100/min or > 160/min com variabilidade mínima ou moderada
  • Interpretação: requer observação contínua para confirmar o bem-estar fetal
  • Tratamento:
    • Depende da avaliação clínica (Existem razões conhecidas para explicar o traçado da categoria II? Por exemplo, a febre materna geralmente causa taquicardia fetal.)
    • Experimentar técnicas de “ressuscitação fetal”:
      • Reposicionar a mãe
      • Oxigénio materno
      • Bólus de fluido intravenoso materno
      • ↓ Pitocina
      • Amnioinfusão: Um bólus de fluido intrauterino administrado através de um cateter IUPC pode aliviar a compressão do cordão.
      • Antibióticos para infeções maternas diagnosticadas
Rastreamento da frequência cardíaca fetal de categoria ii

Traçado da frequência cardíaca fetal de categoria II, que é indeterminado:
A linha de base é normal, mas há variabilidade mínima. Não há desacelerações ou acelerações neste traçado.

Imagem por Lecturio.

Categoria III: anormal

  • Padrões:
    • A variabilidade é mínima ou ausente com desacelerações tardias ou variáveis presentes
    • Bradicardia terminal: FCF < 100/min por ≥ 10 minutos
    • Padrão sinusoidal (representa anemia fetal)
  • Interpretação: indica que o feto está acidótico e em sofrimento
  • Atitude: geralmente requer parto imediato (por exemplo, cesariana urgente)
Traçado da frequência cardíaca fetal demonstrando uma desaceleração tardia prolongada

Traçado da frequência cardíaca fetal demonstra uma desaceleração tardia prolongada:
A variabilidade parece moderada, no entanto, há um retorno espontâneo à linha de base. Se este padrão persistir, trata-se de um traçado preocupante, demonstrando sofrimento fetal.

Imagem por Lecturio.

Teste non-stress (NST) fetal

Um NST é a cardiotocometria realizada durante 20 minutos (ou mais, se necessário) para avaliar o bem-estar fetal pré-parto, geralmente após as 28 semanas. Os testes non-stress são classificados como reativos ou não reativos, e não por categorias usadas para descrever a monitorização fetal contínua.

NST reativo

  • ≥ 2 acelerações na FCF em 20 minutos
  • A variabilidade moderada está quase sempre presente com ≥ 2 acelerações, embora não seja necessária para ser considerada reativa
  • Podem estar presentes desacelerações variáveis.
  • Padrão tranquilizador: prevê uma baixa probabilidade de morte fetal devido a lesão hipóxica nos próximos dias
  • Atitude: observação

NST não reativo

  • < 2 acelerações da FCF em 20 minutos
  • Podem estar presentes desacelerações variáveis
  • Padrões não tranquilizadores: incapaz de descartar morte fetal devido a lesão hipóxica nos próximos dias
  • Atitude:
    • Indica que é necessário monitorização adicional (por exemplo, monitorização fetal prolongada/contínua, PBF). Exemplo: FCF normal, variabilidade moderada, sem desacelerações, mas sem acelerações (não reativo) → continuar a monitorizar com cardiotocografia (a criança pode estar num ciclo de sono e tornar-se reativa na próxima 1 ou 2 horas)
    • Dependendo da idade gestacional e da gravidade do NST não reativo, pode considerar-se o parto imediato. Exemplo: bradicardia com ausência de variabilidade num feto de termo → cesariana urgente

Teste stress de contração (CST)

Um CST é semelhante a um NST, mas é realizado com contrações induzidas (por exemplo, com pitocina) ou espontâneas, o que permite que os profissionais avaliem os impactos das contrações no padrão da FCF. As interpretações incluem:

  • Negativo:
    • Sem desacelerações significativas
    • Resultado tranquilizador
  • Positivo:
    • Presença de desacelerações tardias > 50% do tempo
    • Resultado não tranquilizador → é indicada a intervenção
  • Equívoco: presença de desacelerações tardias < 50% do tempo ou contrações inadequadas para fazer uma avaliação

Testes Baseados na Ecografia

Perfil biofísico (PBF)

  • Avaliação não invasiva do bem-estar fetal
  • Realizado após 28 semanas
  • Inclui 2 partes:
    • Avaliação ecográfica, avaliando:
      • Movimento fetal
      • Respiração fetal
      • Tónus fetal
      • Volume de líquido amniótico
    • NST para avaliar a reatividade da FCF.
  • Cada componente recebe uma pontuação de 0 (anormal) ou 2 (normal) pontos.
    • Sem pontuação parcial (não pode ganhar uma pontuação de 1)
    • Por exemplo, para obter pontuação pelo movimento fetal, devem ser visualizados 3 movimentos distintos; se apenas 2 movimentos forem vistos, a criança ganha 0 pontos por movimento.
  • O PBF é pontuado em 10 pontos (ou 8 quando não é realizado um NST).
  • Interpretação:
    • Pontuação total ≥ 8 pontos: sem sinais de compromisso fetal
    • Pontuação total 6 pontos: risco incerto de compromisso fetal
    • Pontuação total ≤ 4 pontos: potencial compromisso fetal, intervenção indicada
Tabela: Critérios de pontuação do perfil biofísico
Componente Critérios mínimos normais (observação por 30 minutos) Pontuação
Teste non-stress Padrão reativo (≥ 2 episódios de acelerações da FCF de ≥ 15/min e ≥ 15 segundos em 20 minutos) 2
Movimento fetal ≥ 3 movimentos discretos do corpo ou dos membros 2
Respiração fetal ≥ 1 episódio(s) de respiração rítmica com duração ≥ 30 segundos 2
Tónus fetal ≥ 1 episódio(s) de extensão de uma extremidade fetal ou da coluna fetal com retorno à flexão 2
Volume de líquido amniótico Uma única bolsa vertical com profundidade ≥ 2 cm com uma dimensão horizontal ≥ 1 cm 2

Doppler da artéria umbilical

Os estudos Doppler da artéria umbilical (AU) (feitos em máquinas de ecografia) são usados para ajudar a avaliar o bem-estar fetal em gestações afetadas pela restrição de crescimento fetal (RCF).

  • Mede a direção e a velocidade do fluxo sanguíneo através do AU, que está diretamente relacionado com o fluxo sanguíneo através da placenta
  • Os estudos de Doppler da AU fornecem avaliação da função placentária:
    • Vasos doentes na placenta causam um aumento na resistência ao fluxo sanguíneo fetal (frequentemente devido a doenças hipertensivas e diabéticas maternas)
    • ↑ Resistência na placenta → fluxo sanguíneo fetal mais lento através da placenta → troca de O2 e nutrientes menos efetiva → crescimento deficiente → RCF
  • A forma de onda AU geralmente tem um padrão em dente de serra:
    • Fluxo para frente mais alto/mais rápido durante a sístole fetal
    • Fluxo anterior mais baixo/mais lento durante a diástole fetal
  • É calculada a relação sistólica-diastólica (S:D).
  • À medida que a resistência na placenta aumenta, o fluxo anterior durante a diástole fetal diminui muito mais do que o fluxo durante a sístole → a razão S:D aumenta
  • Em casos graves, o fluxo diastólico pode estar completamente ausente ou mesmo revertido.
  • Os resultados são usados para ajudar a orientar as decisões sobre quando realizar o parto numa criança com RCF.

Referências

  1. Manning, A. F. (2021). Biophysical profile test for antepartum fetal assessment. UpToDate. Retrieved December 28, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/biophysical-profile-test-for-antepartum-fetal-assessment
  2. Palomaki, G. E., Messerlian, G. M., Halliday, J. V. (2021). Prenatal screening for common aneuploidies using cell-free DNA. UpToDate. Retrieved December 28, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/prenatal-screening-for-common-aneuploidies-using-cell-free-dna
  3. Messerlian, G. M., Farina, A., Palomaki, G. E. (2020). First-trimester combined test and integrated tests for screening for Down syndrome and trisomy 18. Retrieved December 28, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/first-trimester-combined-test-and-integrated-tests-for-screening-for-down-syndrome-and-trisomy-18
  4. Springer, S. C. (2020). Prenatal diagnosis and fetal therapy. MedScape. Retrieved December 28, 2021, from https://emedicine.medscape.com/article/936318-overview#a1
  5. Messerlian, G. M., Palomaki, G. E. (2021). Down syndrome: overview of prenatal screening. UpToDate. Retrieved December 28, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/down-syndrome-overview-of-prenatal-screening
  6. Ghidini, A. (2021). Diagnostic amniocentesis. UpToDate. Retrieved December 28, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/diagnostic-amniocentesis
  7. Ghidini, A. (2021). Chorionic villus sampling. UpToDate. Retrieved December 28, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/chorionic-villus-sampling
  8. Ghidini, A. (2020). Fetal blood sampling. UpToDate. Retrieved December 28, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/fetal-blood-sampling
  9. American College of Obstetricians and Gynecologists. (2020). Screening for fetal chromosomal abnormalities. ACOG Practice Bulletin Summary, no. 226. Obstetrics & Gynecology 136(4):859–867. https://doi.org/10.1097/aog.0000000000004107 

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

Details