Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Ingestão de Cáusticos (Produtos de Limpeza)

Os agentes cáusticos são substâncias ácidas ou alcalinas que provocam lesões graves dos tecidos nos casos de ingestão. A ingestão de substâncias alcalinas habitualmente causa lesão esofágica por necrose liquefativa, enquanto as substâncias ácidas causam lesão gástrica mais grave, levando a necrose coagulativa. A ingestão de grandes volumes e altas concentrações de agentes cáusticos pode provocar lesões graves e extensas. Além disso, a aspiração destas substâncias afeta as estruturas laríngeas e traqueobrônquicas. Os sinais e sintomas incluem dor oral, queimaduras, disfagia, vómitos e dor abdominal. As lesões graves podem apresentar choque, rigidez abdominal, desconforto respiratório e/ou alteração do estado mental. O diagnóstico é por exames laboratoriais, exames de imagem abdominais e torácicos, e endoscopia em 24 horas (se não houver contraindicações) para determinar a extensão da lesão. O tratamento envolve a estabilização cardiorrespiratória, descontaminação e tratamento de suporte. As lesões graves podem exigir cirurgia.

Última atualização: Feb 25, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Descrição Geral

Introdução

Os cáusticos e corrosivos provocam lesão tecidual através de uma reação química.

As lesões provocadas por produtos químicos alcalinos são, em geral, mais tóxicas do que as provocadas por substâncias ácidas:

  • Substâncias alcalinas:
    • Mais comum
    • Inclui hidróxido de sódio ou potássio (“lixívia”) presente nos produtos de limpeza de ralos, produtos de limpeza doméstica e baterias de discos
  • As substâncias ácidas incluem os ácidos clorídrico, sulfúrico e fosfórico concentrados presentes nos produtos de limpeza sanitários e fluidos de bateria.

Ingestão cáustica:

  • Geralmente acidental nas crianças
  • Geralmente intencional nos adultos
  • Associada a doenças psiquiátricas

Epidemiologia

  • Nos Estados Unidos, as substâncias de limpeza são responsáveis por > 190.000 exposições por ano.
  • 80% de ingestão de substâncias cáusticas ocorre em crianças < 5 anos
  • As exposições ocupacionais são muitas vezes mais graves porque os produtos industriais são mais concentrados do que os produtos domésticos.

Etiologia

Produtos ácidos comuns:

  • Produtos de limpeza sanitários
  • Produtos para remoção de ferrugem
  • Produtos para limpeza de metais
  • Produtos de limpeza de cimento
  • Produtos de limpeza de esgotos
  • Líquido de bateria automotiva

Produtos alcalinos comuns:

  • Produtos de limpeza de esgotos
  • Materiais de limpeza que contêm amónia
  • Produtos de limpeza de piscinas
  • Produtos de limpeza de forno
  • Detergentes automáticos para máquinas de lavar louça
  • Relaxantes capilares
  • Água sanitária
  • Cimento

Fisiopatologia

A lesão tecidual ocorre através da alteração do estado de ionização e da estrutura das moléculas, rompendo assim as ligações covalentes.

Ingestão alcalina

  • O ião hidróxido (OH-) é responsável pela toxicidade nas substâncias alcalinas.
  • Aceita um protão nas soluções aquosas e provoca uma reação química → necrose liquefativa:
    • Saponificação de gorduras
    • Solubilização de proteínas
    • Rutura das membranas celulares e emulsificação → morte celular
  • Efeitos:
    • Queimadura em toda a espessura/lesão penetrante:
      • Ocorre segundos após a ingestão e dura 3 a 4 dias
      • Leva a perfuração e mediastinite nos casos graves
    • Trombose vascular e inflamação da mucosa → descamação e ulceração focal ou extensa
    • Estreitamento progressivo do esófago por descamação e desenvolvimento de fibrose em 2 semanas
    • O processo de reepitelização pode levar até 3 meses.
  • A neutralização parcial, pela acidez gástrica, da substância alcalina ingerida resulta numa diminuição das lesões gástricas.
  • Lesões específicas com baterias de disco (baterias de botão):
    • Pode aderir à mucosa esofágica ou gástrica
    • A aderência leva à perfuração devido ao contacto prolongado com produtos químicos (hidróxido de sódio ou hidróxido de potássio) e à descarga elétrica residual.

Ingestão de ácido

  • Os iões hidrogénio (H+) do ácido são responsáveis pelos principais efeitos tóxicos
  • Os ácidos podem doar um protão nas soluções aquosas provocando uma reação química → necrose de coagulação:
    • Dessecação ou desnaturação de proteínas teciduais superficiais
    • Trombose da microvasculatura da mucosa
  • Efeitos:
    • Formação de uma escara ou coágulo (é protetor, diminuindo assim a lesão dos tecidos mais profundos)
    • Em < 5 dias, a escara desprende-se e o tecido de granulação é preenchido, tornando a área suscetível à perfuração
    • A obstrução pode ocorrer à medida que a cicatriz contrai.
  • Causa dor devido ao contacto na orofaringe: limita a quantidade de substâncias ácidas ingeridas
  • A exposição significativa pode resultar na absorção GI de substâncias ácidas, que podem afetar outros sistemas:
    • Acidose metabólica
    • Hemólise
    • LRA

Fatores que afetam a lesão

  • pH:
    • > 12: considerado uma base forte
    • < 2: considerado um ácido forte
  • Consistência da substância:
    • Alcalina: viscoso (maior tempo de contacto)
    • Ácida: flui/passa mais rapidamente
  • Duração do contacto: ↑ tempo, ↑ lesão
  • Anatomia mais frequentemente afetada:
    • Ingestão alcalina: o esófago é habitualmente afetado
    • Ingestão ácida:
      • Via aérea superior (dor com contacto, provocando engasgamento e asfixia, que danifica as via aérea superior)
      • Estômago
  • Volume e concentração da solução ingerida: grandes volumes e concentrações mais elevadas provocam dano mais extenso.
  • Forma física:
    • Sólido: efeito/lesão localizada, visto que pode aderir à mucosa e não atingir o estômago
    • Líquido: afeta superfícies/áreas maiores

Mnemónica

Para ajudar a lembrar as lesões causadas por substâncias alcalinas e ácidas, pode utilizar-se a mnemónica seguinte:

Alcalina = necrose liquefativa

Ácida = necrose de coagulação

Vídeos recomendados

Apresentação Clínica

  • Lesão orofaríngea:
    • Dor oral
    • Hipersalivação
    • Lingua esbranquiçada
    • Queimaduras e ulcerações orofaríngeas
  • Lesão laríngea:
    • Rouquidão
    • Estridor
  • Lesão esofágica:
    • Disfagia
    • Odinofagia
  • Lesão gástrica:
    • Dor epigástrica
    • Hematemeses
    • Dor retroesternal ou lombar (significa perfuração ou mediastinite)
    • Dor abdominal com defesa e rigidez (sugere peritonite)
  • Outros sintomas que indicam lesão extensa:
    • Febre
    • Dificuldade respiratória
    • Choque (por exemplo, hipotensão, taquicardia)
    • Alteração do estado mental
    • Morte habitualmente por perfuração e mediastinite

Diagnóstico

  • Tentar identificar a substância ingerida:
    • Concentração
    • pH
    • Quantidade
  • Análises laboratoriais:
    • Análises:
      • Hemograma
      • Perfil metabólico completo, incluindo cálcio ionizado
      • Lactatos
      • Rastreio toxicológico
      • Gasimetria
      • PCR
    • Alterações:
      • Leucocitose, trombocitopenia, acidose grave, PCR elevada, insuficiência renal e alterações da função hepática indicam um mau outcome.
      • A ingestão de fluoreto de hidrogénio pode levar a hipocalcémia abrupta com risco de vida.
  • ECG: verificar se há isquémia e/ou arritmia.
  • Imagiologia:
    • Raio-X
      • Tórax: verificar a presença de pneumomediastino, pneumonia de aspiração e presença de corpo estranho (p. ex., bateria).
      • Abdominal: verificar se existe pneumoperitoneu e presença de corpos estranhos.
    • TC:
      • Avaliar a profundidade da necrose.
      • Determinar a presença de perfuração e avaliar a necessidade de cirurgia de emergência
  • Endoscopia digestiva alta:
    • O primeiro passo é estabilizar o paciente.
    • Contraindicada em casos de instabilidade hemodinâmica e perfuração GI
    • Deve ser realizada nas primeiras 24 horas (média de 12 a 48 horas)
    • A endoscopia precoce pode não indicar corretamente a extensão da lesão, enquanto a endoscopia tardia aumenta o risco de perfuração.
    • Classificação patológica da lesão:
      • Lesão de 1º grau: atingimento da mucosa superficial; eritema, edema, hemorragia são expectáveis durante a cicatrização
      • Lesão de 2º grau: úlceras e exsudatos afetam até à camada submucosa; podem ocorrer cicatrizes e estenoses
      • Lesão de 3º grau: transmural em profundidade, com úlceras profundas e perfuração da parede

Tratamento e Complicações

Tratamento

Pacientes assintomáticos sem ingestão significativa ou queimaduras orais podem receber alta para ambulatório com segurança.

O tratamento dos pacientes sintomáticos e com ingestão significativa inclui:

  • Assegurar a via aérea (laringoscopia).
  • Ressuscitação hídrica e controlo da dor
  • Descontaminação (retirar roupas, irrigação da pele)
  • Não colocar sonda nasogástrica
  • Fármacos:
    • Utilizar inibidores da bomba de protões IV.
    • Evitar emese (vómitos agravam a queimadura/lesão) e utilizar agentes neutralizantes ou corticosteróides.
  • Lesões ligeiras necessitam apenas de tratamento de suporte.
  • Lesões mais graves:
    • Observar se existem sinais de perfuração.
    • Pode exigir alimentação por sonda
    • Possibilidade de cirurgia (laparotomia e esofagectomia)

Complicações

  • Via Aérea/Cardiorrespiratória:
    • Edema ou obstrução da via aérea pode ocorrer imediatamente, ou até 48 horas após a exposição.
    • Mediastinite
    • Pericardite
    • Pleurite
  • Gastroenterológicas:
    • Perfuração gastroesofágica que pode ocorrer de 4 dias (ou até 3 semanas) após a ingestão
    • Formação de estenose esofágica:
      • Complicação mais comum
      • Pode ser prevenida por dilatação ou colocação de stent após 3-4 semanas
    • Fistulização:
      • Formação de fístula traqueoesofágica
      • Formação de fístula esofágica-aórtica
    • Hemorragia e úlceras do trato GI superior
    • Peritonite
    • ↑ Risco de carcinoma de células escamosas (CCE) com ingestão de soda cáustica (endoscopia digestiva alta de vigilância 15 – 20 anos após para rastreio de CCEs)

Diagnóstico Diferencial

  • Carcinoma esofágico: tumor maligno do esófago. Quase todos os carcinomas do esófago são adenocarcinomas ou CCEs. O cancro no estadio inicial geralmente é assintomático, a disfagia e perda ponderal manifestam-se à medida que a doença progride. O diagnóstico é realizado através de biópsia endoscópica ou biópsia guiada por imagem do local metastático. O tratamento depende do estadio da doença. A ingestão de substâncias alcalinas é um fator de risco para CCE.
  • Estenose esofágica: um estreitamento esofágico anormal, que pode ocorrer devido a condições benignas ou malignas. Estenoses benignas (não cancerosas) podem ocorrer devido à acumulação de tecido fibroso e depósitos de colágenio de úlceras ou inflamação crónica do esófago.
  • Esofagite: inflamação ou irritação esofágica. As principais variantes da esofagite são: induzida por fármacos, infecciosa, eosinofílica, corrosiva e esofagite de refluxo ácido. Os doentes apresentam-se tipicamente com odinofagia, disfagia e dor torácica retroesternal. O diagnóstico é feito por endoscopia com biópsia. O tratamento depende da etiologia, mas inclui fármacos e possível cirurgia.
  • Herbicidas: substâncias utilizadas para controlar o crescimento de plantas indesejadas e na indústria da construção. O paraquat é um exemplo de herbicida potencialmente fatal quando ingerido. As manifestações clínicas variam de queimaduras orais locais a vómitos, diarreia, insuficiência renal e dificuldade respiratória. A deteção precoce (com base na história) é importante para evitar mais toxicidade. O tratamento depende da quantidade ingerida e do tempo desde a exposição. A hemodiálise é recomendada nalguns casos.
  • Pesticidas: substâncias químicas utilizadas para controlar pragas, incluindo ervas daninhas. Os pesticidas habitualmente utilizados incluem os organoclorados, carbamatos e organofosforados. A ingestão de agrotóxicos diferentes resulta em manifestações clínicas distintas, que incluem náuseas, vómitos e neurotoxicidade. A deteção precoce após a exposição é importante para evitar mais toxicidade. O tratamento envolve tratamento de suporte e pode incluir antídotos dependendo do pesticida ingerido.

Referências

  1. De Lusong, M., Timbol, A., & Tuazon, D. (2017). Management of esophageal caustic injury. World Journal of Gastrointestinal Pharmacology and Therapeutics, 8(2), 90–98. https://doi.org/10.4292/wjgpt.v8.i2.90
  2. Dire, D. (2020). Disk Battery Ingestion. Emedicine. Retrieved March 15, 2021, from https://emedicine.medscape.com/article/774838-overview
  3. Lung, D. (2020). Caustic Ingestions Clinical Presentation. Emedicine. Retrieved March 14, 2021, from https://emedicine.medscape.com/article/813772-clinical
  4. Triadafilopoulos, G. (2020). Caustic esophageal injury in adults. UpToDate. Retrieved March 15, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/caustic-esophageal-injury-in-adults

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

Details