Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Cancro Testicular

O cancro do testículo é a neoplasia sólida mais comum que afeta homens entre os 15 e os 35 anos. A maioria dos cancros testiculares são do tipo tumor de células germinativas, e podem ser classificados como seminomas e não seminomas. A apresentação mais comum do cancro testicular é uma massa testicular indolor. O diagnóstico é feito por exame físico, ecografia testicular e marcadores tumorais séricos. Imagens adicionais ajudam no estadiamento e avaliação de metástases. O tratamento consiste em orquiectomia inguinal cirúrgica e a terapia adjuvante adicional é baseada na patologia e no estádio da doença. As estratégias subsequentes incluem vigilância da doença, radioterapia e quimioterapia. O prognóstico da doença é excelente, pois o cancro testicular é uma das neoplasias sólidas mais curáveis.

Última atualização: 7 Apr, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Descrição Geral

Epidemiologia

  • As neoplasias testiculares são o tumor mais comum em homens entre os 15 e os 35 anos de idade:
    • Os tumores de células germinativas (GCTs, pela sigla em inglês) compreendem 95% de todos os cancros testiculares.
    • Apresenta-se mais comummente como um seminoma localizado em cerca de 50% dos casos
    • Apenas 10%–30% dos pacientes terão doença metastática.
  • Incidência anual nos Estados Unidos: 6 em 100.000 homens:
    • A incidência é maior entre os brancos não hispânicos.
    • Menor incidência entre afro-americanos

Fatores de risco

  • História de um GCT ou neoplasia de células germinativas in situ (GCNIS, pela sigla em inglês)
  • História de criptorquidia (aumento do risco relativo de 4 a 6 vezes)
  • História familiar de cancro testicular
  • VIH
  • Síndrome de Klinefelter, síndrome de Down
  • Síndrome de Peutz-Jeghers
  • Complexo de Carney
  • Infertilidade
  • Disgenesia testicular
  • Hipospádia

Classificação

  • GCTs (95%):
    • Seminoma
    • GCT não seminoma (NSGCT, pela sigla em inglês):
      • Carcinoma embrionário
      • Saco vitelino
      • Coriocarcinoma
      • Teratoma
      • Tumores mistos de células germinativas
  • Não-GCTs (5%):
    • Tumores de células de Leydig
    • Tumores de células de Sertoli
    • Linfoma

Fisiopatologia

Os mecanismos não são totalmente conhecidos, mas diferentes fatores parecem desempenhar um papel no desenvolvimento do cancro testicular.

Síndrome de disgenesia testicular

  • Fatores ambientais (ou seja, exposições in utero) e mutações genéticas afetam a célula germinativa durante o desenvolvimento inicial.
  • Um distúrbio da função leva a diferentes fenótipos, variando de criptorquidia, hipospádia e outras malformações genitais até um GCTs/cancro testicular.

Fatores genéticos

  • 4x maior risco em filhos de indivíduos afetados
  • 8 a 10 vezes maior risco em irmãos de indivíduos afetados
  • O locus KITLG (ligante KIT) no cromossoma 12 tem uma forte associação com o risco de GCT nos testículos.

Apresentação Clínica

Achados clássicos

  • Genitais:
    • A massa testicular indolor é a apresentação mais comum.
    • Alguns homens podem apresentar edema testicular, dor ou desconforto.
    • Peso ou dor em moedeira
    • Eritema escrotal, dor e edema (semelhantes aos sintomas de epididimite aguda)
  • A doença metastática pode estar associada a dor abdominal, dor nas costas e falta de ar.
  • Seminomas: metastatizam frequentemente através do sistema linfático → apresentam-se com sinais de doença disseminada
  • No exame objetivo: teste de transiluminação negativo

Subtipos histológicos

Tabela: Tumores de células germinativas (GCTs)
Tipo Subtipo Características
Seminoma
  • Tumor testicular mais comum
  • Idade média na apresentação: 40 anos
  • Causa um aumento testicular homogéneo
  • Células grandes em lóbulos com aparência de ovo frito
  • Marcadores séricos: ↑ β-hCG
  • ↑ ALP placentário
  • Prognóstico:
    • Excelente
    • Metástase linfática tardia e radiossensibilidade
Não seminoma Saco vitelino ou tumor do seio endodérmico testicular
  • Comum em rapazes < 3 anos
  • Morfologia: estão presentes corpos de Schiller-Duval.
  • Marcadores serológicos: ↑ AFP (altamente característico)
  • Agressivo
Coriocarcinoma
  • Disseminação hematogénica precoce; pode incluir o cérebro
  • Alteração de células trofoblásticas
  • Marcadores serológicos: ↑ β-hCG, sem produção de AFP
  • O mais agressivo; mau prognóstico
  • Pode causar ginecomastia ou sintomas de hipertiroidismo
Carcinoma embrionário
  • Idade média de apresentação: 30 anos
  • Clusters e camadas de células com atipia
  • Localmente agressivo
  • Marcador serológico: pode haver ↑ β-hCG
Teratoma
  • Envolve tecidos de ≥ 1 das 3 camadas germinativas
  • Os que têm transformação maligna são resistentes à quimioterapia.
  • Benigno em crianças
GCT misto
  • Composto por > 1 tipo
  • Cerca de 30% dos GCTs
AFP: alfa-fetoproteína
ALP: fosfatase alcalina
Tabela: Tumores de células não germinativas
Tipo Características
Tumor de células de Leydig
  • Cor castanha a nível macroscópico
  • Contém cristais de Reinke
  • Produz androgénios ou estrogénios → ginecomastia em homens e puberdade precoce em meninos
  • Em alguns casos, pode produzir corticosteroides
Tumor de células de Sertoli
  • Massa testicular (hormonalmente silenciosa)
  • Arranjo celular: formam cordões e túbulos
Linfoma testicular
  • Cancro testicular mais comum em homens mais velhos (> 60 anos)
  • Não é um cancro primário
  • Surge de um linfoma que metastiza para os testículos
Biópsia de massa retroperitoneal compatível com seminoma clássico

Coloração de H&E de amostra de biópsia de massa retroperitoneal consistente com um seminoma clássico

Imagem : “Testicular seminoma presenting with duodenal perforation: a case report” por Miocinovic R, Abaza R. Licença: CC BY 2.0 , recortado por Lecturio.

Diagnóstico

Exame objetivo

Exame focado no sistema genito-urinário:

  • Exame testicular palpando massas:
    • Palpar suavemente o testículo, o epidídimo e o escroto.
    • Avaliar a presença de massas, lesões e nódulos.
  • Exame abdominal geral para palpar massas
  • Exame do tórax para avaliar ginecomastia
  • Exame inguinal para palpar linfonodos inguinais aumentados
Ginecomastia bilateral

Ginecomastia bilateral num paciente

Imagem : Finasteride induced Gynecomastia: Case report and Review of the Literature” por Ramot Y, Czarnowicki T, Zlotogorski A Licença: CC BY 2.0

Análises laboratoriais

Obter marcadores tumorais:

  • Alfafetoproteína (AFP):
    • Semivida: 5-7 dias
    • Elevado em cerca de 50%–80% dos NSGCT
    • A AFP também pode estar elevada em doenças hepáticas e cancros abdominais, como o carcinoma hepatocelular.
    • Os bebés terão uma elevação temporária da AFP que normalizará.
  • β-hCG:
    • Semivida: 24-36 horas
    • Elevado em 20%–60% dos NSGCT e 15% dos seminomas
    • Podem existir falsas elevações com o uso de marijuana
    • O hipogonadismo pode causar baixos níveis de β-hCG.
  • LDH:
    • Semivida: 24 horas
    • Isoenzima mais frequentemente elevada em GCTs
    • Usado como substituto para avaliar a carga da doença, tumores volumosos

Imagiologia

  • Ecografia:
    • Seminomas: lesões testiculares hipoecoicas sólidas (sem componente quístico)
    • Não seminomas: lesões com calcificações e áreas quísticas
  • Radiografia de tórax para descartar metástases pulmonares
  • Tomografia computorizada abdominal e pélvica: útil no estadiamento da doença
  • Outros exames de imagem (por exemplo, TC cerebral): avaliar metástases

Estadiamento

O cancro do testículo é classificado de acordo com o Sistema de Estadiamento TNM do American Joint Committee on Cancer e da Union for International Cancer Control (UICC).

  • Componentes do estadiamento:
    • Patologia do tumor primário
    • Estudos imagiológicos de estadiamento
    • Marcadores tumorais séricos pós-orquiectomia
  • Tumor (T):
    • pTx: não pode ser avaliado
    • pT0: sem evidência de tumor primário
    • pTis: neoplasia de células germinativas intratubulares
    • pT1: tumor limitado ao testículo e epidídimo sem invasão linfovascular; pode invadir a túnica albugínea, mas não a túnica vaginal
    • pT2: tumor limitado ao testículo e epidídimo com invasão linfovascular ou tumor a envolver a túnica vaginal
    • pT3: invasão tumoral do cordão espermático com ou sem invasão linfovascular
    • pT4: invasão tumoral do escroto com ou sem invasão linfovascular
  • Nódulos (N):
    • Nx: não pode ser avaliado
    • N0: sem metástase em linfonodos regionais
    • N1-3: metástase em linfonodo (o número e o tamanho dos linfonodos variam)
  • Metástase (M):
    • Mx: não pode ser avaliado
    • M0: sem metástase à distância
    • M1: metástase
  • Marcadores tumorais séricos (S):
    • Sx: marcadores tumorais não disponíveis ou não avaliados
    • S0: marcadores tumorais normais
    • S1-3: níveis crescentes de LDH, AFP e β-hCG
Tabela: Estadiamento do cancro testicular
Estádio Descrição
I Limitado ao testículo, sem gânglios linfáticos, sem metástases
II Testículos + gânglios linfáticos, sem metástases:
  • IIA: 1-5 gânglios linfáticos, todas as massas ganglionares com < 2cm de tamanho (todos ≤ 5 cm)
  • IIB: gânglios linfáticos 2–5 cm ou > 5 gânglios linfáticos (todos ≤ 5 cm)
  • IIC: gânglios linfáticos > 5 cm
III Metástases à distância, com marcadores tumorais significativamente elevados
Algoritmo de diretriz aua

Visão geral do diagnóstico e tratamento inicial do cancro testicular:
AFP: alfa-fetoproteína
AUA: American Urological Association

Imagem por Lecturio. Licença: CC BY-NC-SA 4.0

Tratamento

Tratamento dos seminomas

A preservação da fertilidade (isto é, banco de esperma) deve ser amplamente discutida com homens em idade reprodutiva antes de qualquer tratamento. O tratamento primário é a orquiectomia inguinal radical, seguida de terapia, dependendo do estágio:

  • Seminomas em estádio I (alta taxa de cura): o tratamento primário é a orquiectomia inguinal, seguida de:
    • Vigilância pós-orquiectomia com exames físicos seriados, marcadores tumorais séricos, imagem abdominopélvica conforme indicado
    • Radioterapia (RT): para pacientes incapazes de aderir às medidas de vigilância; é necessária uma baixa dose terapêutica, pois o seminoma é muito radiossensível.
    • Carboplatina isolada: também uma opção para quem recusa a vigilância
  • Seminomas em estádio II:
    • IIA:
      • RT
      • Quimioterapia em caso de recaída
    • IIB ou IIC:
      • Quimioterapia com bleomicina, etoposídeo e cisplatina (BEP), ou
      • Etoposídeo e cisplatina sozinhos (EP)
      • Bleomicina: associada a toxicidade pulmonar relacionada com a dose
      • Quimioterapia também associada a trombocitopenia de curto prazo e complicações gastrointestinais
  • Estádio III (seminomas metastáticos pulmonares ou não pulmonares): quimioterapia com BEP ou EP

Tratamento dos não seminomas

A preservação da fertilidade (isto é, banco de esperma) deve ser amplamente discutida com homens em idade reprodutiva antes de qualquer tratamento. O tratamento primário é a orquiectomia inguinal, seguida de terapia dependendo do estádio:

  • Não seminomas estádio I :
    • Vigilância pós-orquiectomia com exames físicos seriados, marcadores tumorais séricos, imagem abdominopélvica conforme indicado
    • Dissecção de linfonodo retroperitoneal: para homens com características patológicas de alto risco e alto risco de recorrência da doença
    • Quimioterapia adjuvante: BEP
  • Não seminomas estádio IIA e IIB:
    • Quimioterapia com BEP ou EP ou
    • Disseção de linfonodo retroperitoneal primário
  • Não seminomas estádio IIC e III: tratamentos standard para tumores avançados (inclui BEP ou EP)

Prognóstico

  • GCTs testiculares: taxas de sobrevida em 5 anos de aproximadamente 95%
  • Cerca de 1%–2% apresentam metástase cerebral.
  • A recaída é rara após os 2 anos.
  • O hipogonadismo é uma complicação potencial (pode estar associado a disfunção sexual e infertilidade).
  • Há risco de uma segunda malignidade naqueles tratados com RT e quimioterapia.

Diagnóstico Diferencial

  • Varicocelo: dilatação do plexo venoso pampiniforme. O varicocelo apresenta-se sem dor, como o cancro testicular. Os varicocelos têm a aparência característica de “saco de vermes” no exame objetivo. A ecografia mostra uma transiluminação negativa e um complexo venoso dilatado com um fluxo sanguíneo retrógrado.
  • Espermatocelo: apresenta-se como um quisto epididimal, originando-se frequentemente da cabeça do epidídimo. Como o cancro testicular, o espermatocelo também é uma massa indolor, muitas vezes encontrada acidentalmente. Além disso, na imagem, são observadas lesões quísticas e, no Doppler colorido, há uma aparência/sinal característico de “neve a cair” (movimento de ecos internos para longe do transdutor, indicando partículas sólidas). O espermatocelo requer tratamento conservador.
  • Hidrocelo: representa fluido extra na túnica vaginal levando a um edema do escroto. A condição surge de diferentes fluidos e fatores anatómicos. Os achados incluem uma massa escrotal indolor que pode estar a aumentar de tamanho ou peso progressivo ou dor no escroto. Comparado ao cancro testicular, um hidrocelo terá um teste de transiluminação positivo na ecografia.
  • Hérnia inguinal indireta: a hérnia inguinal congénita ocorre quando o processo vaginal não fecha após o testículo ter descido. A hérnia inguinal indireta permite a passagem do conteúdo abdominal. Ao contrário do cancro testicular, a hérnia apresenta-se como uma protuberância na virilha que pode atingir o escroto, que se torna mais proeminente com o aumento da pressão intra-abdominal (esforço, tosse). O tratamento é a reparação cirúrgica.

Referências

  1. Gaddam, S., Chesnut, G. (2021). Testicle cancer. StatPearls. Retrieved May 21, 2021, from https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK563159/
  2. Oh, W. (2021). Overview of the treatment of testicular germ cell tumors. UpToDate. Retrieved May 21, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/overview-of-the-treatment-of-testicular-germ-cell-tumors
  3. Rose, T. (2021). Testis neoplasms. AUA Core Curriculum. Retrieved May 22, 2021, from https://auau.auanet.org/core 
  4. Steele, G. (2021). Clinical manifestations, diagnosis, and staging of testicular germ cell tumors. UpToDate. Retrieved May 21, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/clinical-manifestations-diagnosis-and-staging-of-testicular-germ-cell-tumors
  5. Rajpert-De Meyts, E., Skakkebaek, N.E., Toppari, J. (2018). Testicular Cancer Pathogenesis, Diagnosis and Endocrine Aspects. Feingold, K.R., et al. (Ed.). Endotext. South Dartmouth (MA): MDText.com, Inc. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK278992/

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

🍪 Lecturio is using cookies to improve your user experience. By continuing use of our service you agree upon our Data Privacy Statement.

Details