Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Vírus Lassa

O vírus Lassa, parte da família Arenaviridae, é um vírus ssRNA que causa a febre de Lassa, um tipo de doença hemorrágica viral. O vírus é endémico em partes da África Ocidental (Serra Leoa, Libéria, Guiné e Nigéria) e países vizinhos. O reservatório é o rato multimamato (Mastomys natalensis), e a transmissão é por inalação ou contato com excreções de roedores ou consumo de roedores. A transmissão de pessoa para pessoa também ocorre. A maioria dos pacientes infetados não tem sintomas. No entanto, os pacientes sintomáticos apresentam febre, mal-estar, dores de cabeça, vómitos e dor torácica, que podem progredir para hemorragia, hipovolémia e choque. O tratamento é feito principalmente com ribavirina e cuidados de suporte. Não existe uma vacina eficaz, mas medidas preventivas tais como evitar a exposição a roedores e o uso de EPI, podem reduzir a transmissão. A ribavirina também é administrada como profilaxia pós-exposição.

Última atualização: Jul 21, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Classificação

Fluxograma de classificação de vírus de rna

Identificação de vírus de RNA:
Os vírus podem ser classificados de várias maneiras. Contudo, a maioria dos vírus terá um genoma formado por DNA ou RNA. Os vírus do genoma de RNA podem ainda ser caracterizados por um RNA de cadeia simples ou dupla. Os vírus “envelopados” são cobertos por uma fina camada de membrana celular (geralmente retirada da célula hospedeira). Se esta camada estiver ausente, os vírus são chamados de vírus “nus”. Os vírus com genomas de fita simples são vírus de “sentido positivo” se o genoma for empregado diretamente como RNA mensageiro (mRNA), que é traduzido em proteínas. Os vírus de cadeia simples de “sentido negativo” empregam RNA polimerase dependente de RNA, uma enzima viral, para transcrever o seu genoma em RNA mensageiro.

Imagem de Lecturio. Licença: CC BY-NC-SA 4.0

Características Gerais

Características básicas

  • Envelopado
  • Esférico
  • Agente de tamanho médio, medindo 70-150 nm de diâmetro
  • 2 glicoproteínas de superfície viral no envelope: G1 e G2
  • Genoma do vírus:
    • Encapsulado por um nucleocapsídeo helicoidal
    • RNA de cadeia simples segmentado de sentido negativo, composto de:
      • Fragmento grande (L): codifica a RNA polimerase dependente de RNA (RdRP)
      • Fragmento pequeno (S): codifica as proteínas estruturais virais
  • Taxonomia:
    • Família Arenaviridae
    • Género Mammarenavirus
    • Os vírus contêm ribossomas hospedeiros, dando ao vírus uma aparência granular ( Arenosus em latim significa “arenoso”).
    • Outros arenavírus incluem:
      • Vírus da coriomeningite linfocítica (LCMV)
      • Vírus Junin (febre hemorrágica argentina)
      • Vírus de Machupo (febre hemorrágica boliviana)
      • Vírus Guanarito (febre hemorrágica venezuelana)
      • Sabiá (febre hemorrágica brasileira)
      • Chapare (febre hemorrágica do Chapare)
      • Lujo (febre hemorrágica de Lujo)

Epidemiologia

  • Endémica na África Ocidental:
    • Guiné
    • Libéria
    • Serra Leoa
    • Nigéria
    • Benin
    • Gana
    • Mali
  • Maior incidência em março, quando as estações passam de seca para chuvosa
  • Morbilidade e mortalidade:
    • Estimativa de 300.000 casos por ano
    • 5000 mortes anualmente
    • Taxa geral de letalidade: 1%

Patogénese

Reservatório e transmissão

  • Reservatório:
    • Rato multimamato ( Mastomys natalensis )
    • A infestação de roedores Mastomys é frequentemente vista em residências construídas com materiais como lama, que permite tocas para roedores.
  • Transmissão:
    • Contato com roedor(es):
      • Contato direto com urina ou fezes de ratos infetados
      • Inalação de excreções aerossolizadas de roedores
      • Consumo de roedores infetados
    • Transmissão de pessoa para pessoa:
      • Contato direto com sangue, urina, fezes ou outras secreções corporais de uma pessoa infetada
      • A eliminação viral na urina pode durar até 9 semanas
      • Transmissão sexual: a eliminação viral no sémen ocorre por até 3 meses

Fatores de risco do hospedeiro

  • Habitantes e visitantes de regiões endémicas
  • Profissional de saúde (requer medidas de proteção e métodos de esterilização adequados)

Entrada viral e patogénese

  • A entrada pela mucosa nasofaríngea e o vírus Lassa tem como alvo as células apresentadoras de antigéneo:
    • Células dendríticas
    • Macrófagos
    • Monócitos
  • Os vírus Lassa ligam-se às células principalmente através do recetor G1 de ligação à célula α-distroglicano (α-DG).
  • A partícula viral entra na célula (endocitose) e é engolfada por um endossoma.
  • Há um rearranjo do complexo de glicoproteína do envelope viral (GPC) (em pH baixo), levando à fusão mediada por G2 da partícula com a membrana da vesícula.
  • Isso posteriormente liberta o genoma viral no citoplasma para replicação e transcrição.
  • A maturação das novas partículas virais ocorre por brotamento na membrana da célula hospedeira.
  • O vírus espalha-se para os gânglios linfáticos e segue-se a disseminação para outros tecidos.
  • Macrófagos e células dendríticas libertam mediadores que causam disfunção endotelial, perturbações da hemostase e diminuição da agregação plaquetária, levando a:
    • Necrose hepática e / ou esplénica
    • Edema alveolar
    • Miocardite
    • Hemorragia gastrointestinal

Apresentação Clínica

Febre de Lassa

  • Período de incubação: 6–21 dias
  • Aproximadamente 80% das pessoas que são infetadas apresentam sintomas ligeiros:
    • Febre baixa
    • Mal-estar
    • Dor de cabeça
    • Melhoria em 8–10 dias
  • Aproximadamente 20% das infeções progridem e desenvolvem:
    • Tosse, dor de garganta, conjuntivite
    • Dor abdominal, náuseas, vómitos
    • Dor no peito
    • Situações clínicas graves e/ou potencialmente fatais:
      • Edema facial
      • Derrame pleural, edema pulmonar
      • Miocardite
      • Hemorragia da boca, nariz, vagina ou trato gastrointestinal
      • Hipotensão
      • Insuficiência renal
      • Choque
      • Convulsões, tremor, desorientação e coma

Complicações e mortalidade

  • Surdez (complicação mais comum) em até 30% dos pacientes, com cerca de 20% sofrendo perda auditiva permanente
  • Na doença fatal, a morte geralmente ocorre dentro de 2 semanas após o início dos sintomas.
  • Na gravidez:
    • Doença geralmente grave
    • Perda fetal (> 60%) e morte materna na maioria das infeções que ocorrem no terceiro trimestre
    • “Síndrome do bebé inchado”:
      • Distensão abdominal, anasarca, hemorragia
      • Bebés nascidos de mães infetadas no terceiro trimestre
  • Mesmo após a recuperação, a eliminação viral pode persistir por até 3 meses.

Diagnóstico e Abordagem

Exames

  • Diagnóstico:
    • ELISA: deteta antigéneo, anticorpos IgM e IgG
    • RT-PCR
    • Cultura: realizada apenas em laboratórios de alta contenção
  • Outros achados laboratoriais:
    • CBC:
      • Leucopenia
      • Trombocitopenia
    • Transaminases e amilase elevadas
    • Estudos de coagulação geralmente normais
    • Alterações da função renal (associada ao aumento da mortalidade)

Abordagem

  • Ribavirina:
    • IV é preferível à preparação oral, mas a forma oral pode ser administrada se a IV não estiver disponível
    • Demonstrou melhorar os resultados do tratamento quando administrado no início do curso da doença
  • Cuidados de suporte:
    • Fluidos IV (é necessária precaução para evitar sobrecarga)
    • Suporte respiratório (oxigenação)
    • Transfusões de sangue conforme indicado

Prevenção

  • Atualmente não há vacinas eficazes
  • Evite roedores
  • Isolamento de pacientes
  • Uso de EPI em ambientes hospitalares ou de atendimento ao paciente
  • O corpo do paciente falecido deve ser manuseado de maneira adequada (saco para o corpo lacrado e enterrado por pessoal treinado).
  • Para reduzir o risco de transmissão sexual, espere 3 meses (após a resolução) antes de fazer sexo desprotegido.
  • Profilaxia pós-exposição:
    • Ribavirina
    • Monitoramento de perto

Comparação de Arenavírus

Os arenavírus podem causar febres hemorrágicas (vírus de Lassa) e / ou doença neurológica (vírus da coriomeningite linfocítica (LCMV)).

Tabela: Comparação de Arenavírus
Organismo LCMV Vírus Lassa
Família Arenaviridae Arenaviridae
Género Mammarenavirus Mammarenavirus
Características
  • Envelopado
  • Médio
  • Esférico
  • Genoma segmentado
  • ssRNA
  • Envelopado
  • Médio
  • Esférico
  • Genoma segmentado
  • ssRNA
Reservatório Roedores Roedores
Transmissão
  • Aerossóis
  • Contacto direto
  • Transmissão vertical
  • Transplante de órgão
  • Aerossóis
  • Contacto direto
  • Ingestão
  • Pessoa a pessoa (através da exposição ao sangue, secreções, tecido de indivíduo infetado)
Curso clínico Bifásico:
  • Doença semelhante à gripe
  • Meningite, encefalite
  • Maioria assintomática ou com sintomas ligeiros
  • Manifestações hemorrágicas
  • Surdez é comum
Diagnóstico
  • Serologia
  • RT-PCR
  • Serologia
  • RT-PCR
Abordagem
  • De suporte
  • De suporte
  • Ribavirina
Prevenção
  • Evitar o contato com roedores e seus fluidos corporais
  • Evitar o contato com roedores e seus fluidos corporais
  • EPI
LCMV: vírus da coriomeningite linfocítica

Diagnóstico Diferencial

Outras febres hemorrágicas virais:

  • Ebola: febre hemorrágica altamente contagiosa e potencialmente letal causada pelo vírus Ebola (Filoviridae) O ébola tem regiões endémicas e apresentação semelhantes às do vírus de Lassa. Os pacientes apresentam sintomas de febre, mal-estar, náuseas, vómitos e dor abdominal. Esses sintomas podem progredir para hemorragia, falência multiorgânica e choque. O diagnóstico é confirmado por PCR, serologia e microscopia eletrónica de tecido ou sangue. O tratamento é de suporte.
  • Febre hemorrágica da dengue : doença febril aguda causada pelo vírus da dengue (Flaviviridae) O vírus é transmitido por mosquitosAedes aegypti. A maioria das infeções é assintomática. Indivíduos sintomáticos podem passar por diferentes fases, com manifestações graves ocorrendo naqueles com infeções prévias. A doença manifesta-se por febre alta, cefaleia e dor retro-orbitária, mialgias e artralgias (dor “ossos quebrados”) e erupção cutânea macular ou maculopapular. Podem surgir hemorragias e choque. O diagnóstico é feito por serologia, teste de antigéneo ou PCR. O tratamento é de suporte.
  • Febre amarela: causada pelo vírus da febre amarela (Flaviviridae) Humanos e primatas servem como reservatórios, e a transmissão ocorre a partir da picada de uma fêmea de mosquito infetada. Os pacientes apresentam febre e sintomas semelhantes aos da gripe na maioria dos casos. A doença grave pode causar disfunção multiorgânica, resultando em icterícia, disfunção renal, hemorragia, choque e eventualmente morte. O diagnóstico é por serologia e PCR. Não há tratamento antiviral, portanto, o tratamento é de suporte. A prevenção inclui a vacinação e evitar o mosquito.
  • Febre hemorrágica da Crimeia-Congo (CCHF): doença zoonótica causada por um vírus (Bunyaviridae) transmitido por carrapatos. Os sintomas e sinais incluem febre, mialgias, dor abdominal, náuseas e vómitos. A maioria dos pacientes recupera da doença após 1 semana, mas pode progredir para hemorragia, choque e falência multiorgânica. O vírus é endémico em partes da África, Médio Oriente, Ásia e sudeste da Europa. O diagnóstico é feito por RT-PCR ou serologia.
  • Hantavírus: causa febre hemorrágica com síndrome renal. Hantavírus (Bunyaviridae) é transmitido por roedores (inalação, contato direto ou ingestão de excreções de roedores). Os casos ocorrem em todo o mundo (Américas, Europa, Ásia, África). As infeções podem causar sintomas pulmonares, hemorragia e danos renais por lesão endotelial vascular. O diagnóstico é por RT-PCR e serologia. O tratamento é de suporte.

Patologias causadas por outros patógenos não virais:

  • Malária: doença infecciosa transmitida por mosquitos causada pelas espécies dePlasmodium. A malária frequentemente apresenta-se com febre, calafrios, sudorese, icterícia, dor abdominal, anemia hemolítica, hepatoesplenomegalia e insuficiência renal. Deve-se suspeitar de Malária em pessoas com apresentação típica e com residência ou viagem para áreas endémicas (geralmente, áreas tropicais). O diagnóstico é por esfregaço de sangue. Também podem ser realizados testes rápidos para antigéneos de Plasmodium. O tratamento requer um curso prolongado de vários medicamentos antimaláricos.
  • Leptospirose: doença causada por Leptospira interrogans. As bactérias eliminadas na urina de roedores e outros animais podem ser transmitidas aos humanos através de água contaminada. Os pacientes apresentam uma doença ligeira semelhante à gripe na maioria dos casos, e as manifestações são bifásicas. Em cerca de 10% das infeções, desenvolve-se leptospirose icterohemorrágica, manifestando-se como hemorragia, insuficiência renal e icterícia. A cultura bacteriana leva semanas e portanto, outros testes diagnósticos, como serologia e microscopia de campo escuro, são usados. O tratamento é principalmente com penicilina.

Referências

  1. Centers for Disease Control and Prevention. (2019). Lassa fever. Centers for Disease Control and Prevention. https://www.cdc.gov/vhf/lassa/index.html
  2. Ryan K.J. (2017). Arthropod-borne and other zoonotic viruses. Chapter 16 of Sherris Medical Microbiology, 7th ed. McGraw-Hill. https://accessmedicine.mhmedical.com/content.aspx?bookid=2268&sectionid=176083946
  3. Schieffelin, J. (2021). Lassa fever. UpToDate. Retrieved June 15, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/lassa-fever
  4. Shao, J., Liang, Y., Ly, H. (2015). Human hemorrhagic fever causing arenaviruses: molecular mechanisms contributing to virus virulence and disease pathogenesis. Pathogens 4:283–306. https://doi.org/10.3390/pathogens4020283
  5. Yun, N.E., Walker, D.H. (2012). Pathogenesis of Lassa fever. Viruses 4:2031–2048. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/23202452/

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

Details