Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Vesícula Biliar e Vias Biliares: Anatomia

A vesícula biliar é um saco em forma de pêra, localizado diretamente abaixo do fígado, que fica no topo da parte superior do duodeno. As funções primárias da vesícula biliar incluem concentrar e armazenar até 50 mL de bile. A bile é secretada pelos hepatócitos em canais finos chamados canalículos. Esses canalículos conduzem a dúctulos biliares interlobulares ligeiramente maiores, que fazem parte das tríades portais nos vértices dos lóbulos hepáticos. A bile deixa o fígado através dos ductos hepáticos direito e esquerdo, que se unem para formar o ducto hepático comum. O ducto hepático comum une-se ao ducto cístico para formar o ducto biliar comum, que desemboca no intestino delgado. Se os esfíncteres que levam ao intestino estiverem ocluídos, a bile será conduzida pelo ducto cístico até a vesícula biliar para armazenamento.

Última atualização: 2 May, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Desenvolvimento

  • A vesícula biliar e a árvore biliar começam a desenvolver-se na 3ª a 4ª semanas de gestação.
  • Derivada da endoderme
  • Divertículo hepático (por vezes denominado broto hepático):
    • Uma bolsa do intestino anterior ventral do tubo intestinal primitivo
    • O broto craniano do divertículo hepático (grande) forma:
      • Fígado
      • Ductos intra-hepáticos
      • Porções extra-hepáticas dos ductos hepáticos
      • Ducto biliar comum: conexão entre o divertículo hepático e o intestino anterior (remanescente do divertículo hepático)
    • O broto caudal do divertículo hepático (pequeno):
      • Vesícula biliar
      • Ducto cístico: conexão entre o broto caudal e o divertículo hepático

Anatomia Geral da Vesícula Biliar

Localização

  • No QSD do abdómen
  • Imediatamente sob o lobo direito do fígado, na fossa da vesícula biliar
  • Conectado à superfície visceral do fígado através da placa cística
  • Senta-se no topo da parte superior do duodeno
Relações anatômicas do pâncreas com os órgãos adjacentes

Relações anatómicas da vesícula biliar com os órgãos adjacentes:
Observar que o fígado e o estômago estão a cinza claro e que os intestinos foram removidos completamente para permitir uma melhor visualização desse órgão posterior.

Imagem por BioDigital, editada por Lecturio

Estrutura da vesícula biliar

  • Forma: saco em forma de pêra
  • Tamanho:
    • 7-10 cm de comprimento
    • 4-5 cm de largura
    • Volume: aproximadamente 50 mL
  • Fundo:
    • Base arredondada do órgão
    • Geralmente projeta-se um pouco além da margem inferior do fígado
  • Corpo:
    • Parte principal do órgão
    • Em contacto direto com:
      • Superfície visceral do fígado
      • Parte superior do duodeno
  • Pescoço:
    • Normalmente faz uma curva em forma de S
    • Desemboca no ducto cístico
    • Válvulas espirais (de Heister):
      • Dobras ou válvulas ondulantes no ducto cístico
      • Mantém o ducto aberto para que a bile possa ser facilmente desviada para a vesícula biliar quando os esfíncteres distais estiverem fechados
      • Ajuda a prevenir a libertação de bile no intestino durante aumentos súbitos da pressão intra-abdominal (e.g., tosse) quando os esfíncteres estão fechados
Vesícula biliar

Localização e anatomia básica da vesícula biliar e ductos biliares principais

Imagem: “The gallbladder stores and concentrates bile, and releases it into the two-way cystic duct when it is needed by the small intestine” por OpenStax College. Licença: CC BY 4.0

Anatomia Geral da Árvore Biliar

A bile, um fluido digestivo produzido e secretado pelos hepatócitos do fígado, é transportada para a vesícula biliar e intestino delgado por uma série de ductos biliares ramificados, conhecidos coletivamente como árvore biliar.

Ductos biliares intra-hepáticos

Ductos que se originam no fígado. São conhecidos como ductos biliares intra-hepáticos e podem ser divididos em:

  • Canalículos biliares:
    • Canais estreitos localizados entre as camadas de hepatócitos dentro dos lóbulos hepáticos (unidades funcionais em forma de hexágono no fígado)
    • Drenam para os ductos biliares no exterior do lóbulo hepático
  • Ductos biliares (também chamados de ductos biliares interlobulares):
    • Parte das tríades portais localizadas nos “vértices” de cada lóbulo hepático, que contêm:
      • Arteríolas hepáticas
      • Vénulas portais
      • Ductos biliares
    • No final, drenam para o ducto hepático direito ou esquerdo
  • Ductos hepáticos:
    • Segmentos intra-hepáticos e extra-hepáticos
    • Ducto hepático direito: drena o lobo direito do fígado
    • Ducto hepático esquerdo: drena o lobo esquerdo do fígado
Microscopic_anatomy_of_fígado

Anatomia microscópica do fígado:
A bile é produzida nos hepatócitos e secretada nos canalículos biliares. Estes canalículos drenam para os dúctulos biliares (localizados próximo às arteríolas e vénulas portais). Os dúctulos biliares drenam para os ductos hepáticos direito e esquerdo.

Imagem: “The liver receives oxygenated blood from the hepatic artery and nutrient-rich deoxygenated blood from the hepatic portal vein” por OpenStax College. Licença: CC BY 4.0

Ductos biliares extra-hepáticos

Os ductos biliares extra-hepáticos estão localizados fora do fígado e são contínuos com os ductos biliares intra-hepáticos. Existem muitas variantes anatómicas normais. Estes ductos incluem:

  • Segmentos extra-hepáticos dos ductos hepáticos direito e esquerdo
  • Ducto hepático comum: formado pela combinação dos ductos hepáticos direito e esquerdo
  • Ducto cístico:
    • Via de saída da vesícula biliar
    • Aproximadamente 7 mm de diâmetro
    • Contém válvulas de Heister
    • Muitas variantes anatómicas normais
  • Ducto biliar comum:
    • Formado através da combinação do ducto hepático comum e do ducto cístico
    • Tamanho:
      • Aproximadamente 6 mm de diâmetro
      • Aproximadamente 6-8 cm de comprimento
    • Segue posteriormente ao duodeno
    • Atravessa a cabeça do pâncreas, onde se une ao ducto pancreático principal para formar uma tumefação denominada ampola hepatopancreática (também conhecida como ampola de Vater)
      • Localizado na cabeça do pâncreas, pouco antes da sua inserção no intestino delgado
      • Desemboca na parte descendente do duodeno através de uma abertura denominada papila duodenal maior
      • Contém o esfíncter hepatopancreático (também conhecido como esfíncter de Oddi): controla a libertação de bile e suco pancreático

Anatomia Microscópica

Existem 3 camadas primárias na parede da vesícula biliar (de interna para externa):

  • Mucosa:
    • Contém sulcos/dobras que se achatam quando a vesícula biliar se enche/distende
    • Células epiteliais colunares simples:
      • Revestem o lúmen da vesícula biliar
      • Contêm bombas de Na+-ATP para ajudar a concentrar a bile
      • Conectados uns aos outros através de junções apertadas
      • Espaço intercelular: espaços entre as células epiteliais onde a água é absorvida (incapaz de voltar para o lúmen devido às junções apertadas)
    • Lâmina própria:
      • Tecido conjuntivo colagenoso
      • Contém vasos sanguíneos
  • Muscular externa:
    • Fina camada de músculo liso
    • Diretamente abaixo da lâmina própria da mucosa
  • Serosa:
    • Camada de tecido conjuntivo
    • Funde-se com a cápsula de Glisson do fígado
  • Diferenças entre a parede da vesícula biliar e outros lúmens intestinais:
    • Sem muscularis mucosa (dentro da camada mucosa)
    • Sem camada submucosa
    • O músculo externo é muito mais fino
  • Os ductos biliares têm a mesma estrutura que a vesícula biliar (exceto o lúmen dos canalículos biliares, que são revestidos pelos polos apicais dos hepatócitos, sem epitélio)
Lâmina histológica mostrando a vesícula biliar e as pregas mucosas

1) Lâmina histológica a mostrar as 3 camadas da vesícula biliar, além do lúmen e tecido hepático vizinho
2) Lâmina histológica a mostrar as pregas e cristas mucosas, bem como a fina camada de músculo liso presente na vesícula biliar

Imagem de Geoffrey Meyer, PhD.

Vídeos recomendados

Neurovasculatura

Sangue e linfáticos

  • Suprimento de sangue arterial:
    • Vesícula biliar: artéria cística, que se origina mais frequentemente da artéria hepática direita
    • Ductos hepáticos: ramos da artéria hepática
    • Porção retroduodenal do ducto biliar comum:
      • Artéria pancreáticoduodenal posterior superior
      • Artéria gastroduodenal
  • Drenagem venosa:
    • Corpo e fundo da vesícula biliar: pequenas veias que desembocam nos sinusoides hepáticos
    • Pescoço e ducto cístico: veias císticas → veia porta
    • Ducto hepático e colédoco: veia pancreaticoduodenal posterior superior → veia porta
  • Drenagem linfática: gânglios císticos → gânglios hepáticos → gânglios celíacos
Irrigação do fígado

Visão geral do suprimento sanguíneo arterial abdominal:
O tronco celíaco é o primeiro ramo principal da aorta abdominal. O tronco supre o fígado, estômago, baço, pâncreas, partes do esófago e duodeno com sangue oxigenado.
O tronco celíaco origina a artéria gástrica esquerda, a artéria esplénica e a artéria hepática comum. A artéria hepática comum divide-se em artéria hepática própria, artéria gastroduodenal e artéria gástrica direita, sendo que todas podem ser visualizadas aqui.

Imagem por Lecturio.

Inervação

A vesícula biliar e a árvore biliar são inervadas principalmente por 3 nervos/complexos:

  • Plexo do nervo celíaco:
    • Fibras simpáticas (estimulam o armazenamento de bile)
      • Relaxamento da vesícula biliar
      • Contração dos músculos do esfíncter
    • Fibras aferentes viscerais → sensação de dor
  • Nervo vago: fibras parassimpáticas (desencadeiam a libertação da bile)
    • Contração da vesícula biliar
    • Relaxamento dos músculos do esfíncter
  • Nervo frénico direito: fibras aferentes somáticas sensitivas

Funções da Vesícula Biliar e Bile

Funções da vesícula biliar

  • Armazenamento de bile:
    • 40–50 mL em condições normais
    • Até 300 mL em casos de obstrução biliar
  • Concentração de bile:
    • As bombas mucosas de Na+-ATP desviam Na+ da bile para a lâmina própria.
    • A água segue o Na+ para a lâmina própria (é incapaz de voltar para o lúmen da vesícula biliar devido às junções de oclusão apertadas na superfície)
    • Resulta na concentração de bile dentro do lúmen
  • Libertação de bile: a camada muscular contrai para libertar a bile no lúmen intestinal, quando necessário

Bile

A bile é um fluido escuro castanho-esverdeado-amarelado produzido pelo fígado.

  • Composição:
    • 97% de água
    • 0,7% de sais biliares: cruciais para a emulsificação de gorduras
    • 0,5% de gorduras, incluindo:
      • Colesterol: para excreção
      • Fosfolípidos: cruciais para a emulsificação
    • 0,2% de bilirrubina:
      • Pigmento primário responsável pela cor da bile (e, finalmente, das fezes)
      • Produto residual da degradação de hemácias senescentes/danificadas no baço
  • Funções:
    • Emulsão e absorção de lípidos
    • Absorção de substâncias lipossolúveis, como vitaminas A, D, E e K
    • Excreção de bilirrubina e colesterol
    • Os sais biliares estimulam o movimento intestinal.
    • Ajuda a neutralizar o ácido clorídrico que entra no intestino a partir do estômago (pH da bile: 7,6–8,6)
    • Ação antisséptica contra microrganismos presentes nos alimentos
  • Fisiologia básica:
    • Colecistoquinina:
      • Hormona GI que é libertada quando o quimo gorduroso entra no duodeno
      • Causa contração da vesícula biliar e relaxamento do esfíncter de Oddi
    • Os hepatócitos produzem cerca de 500 a 1.000 mL de bile por dia
    • Os ácidos biliares são reabsorvidos no íleo → veia porta → fígado (circulação entero-hepática)

Relevância Clínica

  • Colelitíase: presença de cálculos na vesícula biliar. Os cálculos são predominantemente do tipo de colesterol, enquanto os restantes são compostos por bilirrubina (pedras de pigmento) e outros componentes mistos. Os indivíduos são frequentemente assintomáticos, mas podem apresentar cólica biliar (dor intermitente no quadrante superior direito, geralmente após uma refeição gordurosa); a dor é causada por contrações da vesícula biliar em redor das pedras. O diagnóstico é estabelecido pela ultrassonografia.
  • Vesícula biliar de porcelana: cálculos biliares crónicos irritam a parede da vesícula biliar, levando a uma extensa deposição de cálcio e paredes duras e quebradiças. A vesícula biliar de porcelana acarreta um risco aumentado de adenocarcinoma da vesícula biliar.
  • Colecistite: inflamação da vesícula biliar geralmente resultante da obstrução do ducto cístico por um cálculo biliar. A colecistite apresenta-se com dor abdominal no quadrante superior direito, febre e leucocitose. O diagnóstico é realizado, geralmente, clinicamente e confirmado por ultrassonografia. O tratamento geralmente é cirúrgico (colecistectomia).
  • Colangite aguda: condição com risco de vida que se desenvolve como resultado de estase e infeção do trato biliar. A colangite aguda é caracterizada por febre, icterícia e dor abdominal. O choque séptico, o abcesso hepático e a disfunção de múltiplos órgãos são complicações potenciais graves.
  • Colangite esclerosante primária: condição inflamatória crónica caracterizada por fibrose e estenose do sistema ductal biliar. A apresentação é com início insidioso de fadiga, prurido e icterícia, podendo evoluir para cirrose e complicações relacionadas com a obstrução biliar. A etiologia exata é desconhecida, mas existe uma forte associação com a doença inflamatória intestinal.
  • Cirrose biliar primária: doença crónica que resulta na destruição autoimune dos ductos biliares intra-hepáticos. A apresentação típica é a de uma mulher de meia-idade com prurido, fadiga e dor abdominal no quadrante superior direito. O dano lento ao tecido hepático pode levar a cicatrizes, fibrose e, eventualmente, cirrose.
  • Colangiocarcinoma: tipo de cancro que se forma nos ductos biliares. Os fatores de risco incluem colangite esclerosante primária, hepatolitíase, fibrose cística, cirrose, hepatite B e C e certos parasitas hepáticos. O colangiocarcinoma apresenta-se com icterícia, prurido, dor abdominal, fezes cor de barro e fadiga.
  • Icterícia: pele e/ou escleras anormalmente amarelas, causado pela acumulação de bilirrubina. A bilirrubina é excretada na bile, de modo que a alteração da excreção biliar pode levar à icterícia. A icterícia pode ser observada clinicamente quando os níveis séricos de bilirrubina aumentam para > 2–3 mg/dL.

Referências

  1. Hundt M, Wu CY, Young M. (2021). Anatomia, abdome e pelve, ductos biliares. StatPearls. Recuperado em 28 de agosto de 2021, de https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK459246/
  2. Jones M, Hannoodee S. (2021). Anatomia, abdômen e pelve, vesícula biliar. StatPearls. Recuperado em 28 de agosto de 2021, de https://www.statpearls.com/ArticleLibrary/viewarticle/32113
  3. Drake RL, Vogl AW, Adam Mitchell WM. (2020). Anatomia de Gray para estudantes, 4ª ed. Churchill Livingstone/Elsevier.
  4. Moore KL, Dalley AF, & Agur, AMR (2014). Anatomia Clinicamente Orientada (7ª ed.). Lippincott Williams & Wilkins, uma empresa da Wolters Kluwer.

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

🍪 Lecturio is using cookies to improve your user experience. By continuing use of our service you agree upon our Data Privacy Statement.

Details