Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Tifo Epidémico

O tifo epidémico é uma doença febril causada pela bactéria gram-negativa intracelular obrigatória, Rickettsia prowazekii. O tifo epidémico é também conhecido como tifo piolhoso ou febre da prisão, e os seus sintomas incluem febres elevadas, cefaleias, mialgias, tosse seca, delírio, letargia e erupção cutânea. O tifo epidémico não tratado pode levar a hipotensão, choque e morte. AR. prowazekii pode ser transmitida pelas picadas de ácaros, pulgas ou piolhos infetados. Os fatores que levam a propagação do tifo epidémico são: desnutrição, doenças crónicas, sobrelotação populacional e falta de higiene. A melhoria na nutrição e higiene pode ajudar a prevenir a propagação, diminuindo assim o risco de infeções de tifo. O tratamento inicial é com o uso do antibiótico doxiciclina.

Última atualização: 7 Apr, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Descrição Geral

Definição

O tifo epidémico é uma doença potencialmente letal, febril, causada pela bactéria gram-negativa intracelular obrigatória, Rickettsia prowazekii.

Epidemiologia

Transmissão:

  • O tifo é transmitido por piolhos infetados.
  • As infeções ocorrem no inverno ou na primavera.

Fatores de risco:

  • Condições de sobrelotação:
    • Reportados em campos do exército, campos de refugiados, prisões e abrigos para sem-abrigo
    • Às vezes chamado de “febre da prisão”.
  • Má higiene:
    • Conflito civil
    • Zonas de guerra
  • Desnutrição:
    • Fome
    • Pobreza extrema

Geografia:

  • Nos Estados Unidos:
    • Raro
    • Casos frequentemente associados com exposição a esquilos-voadores
  • Foram relatados surtos de tifo epidémico nos seguintes países:
    • África:
      • Etiópia
      • Nigéria
      • Ruanda
      • Burundi
    • México
    • América Central
    • América do Sul
    • Europa de Leste
    • Afeganistão
    • Rússia
    • Norte da Índia
    • China

Etiologia e Fisiopatologia

Etiologia

  • Agente causador: R. prowazekii é o agente mais patogénico do género Rickettsia.
  • Vector:
    • Piolho do corpo, Pediculus humanus corporis
    • Piolho da cabeça, P. humanus capitis
  • Hospedeiros:
    • Humanos
    • Esquilos-voadores
  • Transmissão:
    • Os piolhos infetados deixam fezes infetadas quando se alimentam.
    • São as fezes do piolho e não a sua mordida que transmitem doenças aos humanos.
    • Transmitido quando as fezes infetadas de piolhos ou piolhos esmagados, infetados, são esfregados em pequenos cortes ou abrasões na pele
    • A doença também pode ser disseminada quando:
      • Uma pessoa respira pó contendo fezes secas infetadas de piolhos
      • As membranas mucosas, como a conjuntiva do olho, são expostas a fezes infeciosas

Fisiopatologia

  • Após entrar no corpo, a Rickettsiainfeta e multiplica-se nas células endoteliais dos pequenos vasos venosos, arteriais e capilares.
  • As células endoteliais infetadas aumentam devido à proliferação microbiana.
  • Desenvolve-se vasculite multiorgânica.
  • A vasculite pode levar a:
    • Trombose dos vasos arteriais: gangrena das partes distais das extremidades, nariz, lóbulos das orelhas e genitais
    • A deposição de leucócitos, macrófagos e plaquetas leva à formação de pequenos nódulos.
    • Aumento da permeabilidade vascular:
      • Perda do coloide intravascular com hipovolemia subsequente
      • Perda de eletrólitos
      • Diminuição da perfusão tecidual → falência orgânica

Vídeos recomendados

Apresentação Clínica

  • Período de incubação: normalmente < 14 dias
  • Manifestações clínicas:
    • Geral:
      • Febre
      • Cefaleias fortes
      • Exantema (uma erupção cutânea macular rosada, que poupa as palmas das mãos e as plantas dos pés)
      • Calafrios
      • Mialgias
      • Artralgias
      • Anorexia
      • Tosse não-produtiva
    • GI:
      • Náuseaa
      • Dor abdominal
      • Vómitos
      • Diarreia
  • O tifo epidémico grave pode levar a:
    • Hipotensão
    • Gangrena
    • Perda dos dedos, membros ou outros apêndices
    • Disfunção do SNC (desde a alteração ligeira do estado de consciência a coma)
    • Falência multiorgânica
    • Morte
  • Doença de Brill-Zinsser:
    • Recrudescência do tifo epidémico após um episódio inicial
    • Os pacientes podem ter uma infeção R. prowazekii prolongada e assintomática durante anos.
    • Uma recidiva que ocorre meses ou anos após a 1ª doença, quando o sistema imunológico está enfraquecido devido a certos medicamentos, idade avançada, ou doença.
    • Os sintomas são semelhantes aos da infeção original, mas geralmente mais suaves.

Diagnóstico e Tratamento

Diagnóstico

  • O tifo epidémico é diagnosticado pelas suas características clínicas no contexto de uma infeção por piolhos.
  • Testes laboratoriais confirmatórios:
    • Biópsia da erupção cutânea usando coloração de anticorpos fluorescentes para determinar o microorganismo causador
    • Testes serológicos agudos e de convalescença
    • PCR
Erupção num paciente com tifo epidémico

Erupção em um paciente com tifo epidêmico

Imagem: “Epidemic typhus Burundi” de D. Raoult, V. Roux, J.B. Ndihokubwayo, G. Bise, D. Baudon, G. Martet, e R. Birtles. Licença: Public Domain

Tratamento

Antibióticos:

  • Tratamento de eleição: doxiciclina (4 mg/kg/dia)
  • Tratamentos alternativos:
    • Tetraciclina (25-50 mg/kg/dia)
    • Cloranfenicol 500 mg por via oral ou IV 4 vezes por dia, durante 7 dias

Prevenção:

  • Controlo da pediculose:
    • Os piolhos podem ser eliminados com a aplicação de malatião ou lindano pelos indivíduos infestados.
    • Lavagem da roupa em água quente
    • Limpar partículas de pó, pois contêm excrementos de piolhos infetados
  • A vacinação é altamente eficaz na prevenção; no entanto, as vacinas contra o tifo já não estão disponíveis nos EUA.
  • A profilaxia antibiótica com doxiciclina (semanal) em indivíduos que viajam para áreas de alto risco

Prognóstico:

  • Taxa de mortalidade do tifo epidémico não tratado:
    • 20% em indivíduos saudáveis
    • 60% nos idosos ou em indivíduos debilitados
  • Quando tratada com antibióticos adequados, a taxa de mortalidade pode diminuir para aproximadamente 3%–4%.

Diagnóstico Diferencial

  • Febre maculosa das Montanhas Rochosas (FMMR): uma doença causada por R. rickettsii e transmitida por carraças da família Ixodidae. A incidência é maior em crianças < 15 anos e em indivíduos que frequentam áreas de trabalho ou recreação infestadas de carraças. A febre maculosa das Montanhas Rochosas apresenta-se com cefaleias abruptas, calafrios, prostração, mialgias e erupção cutânea centrípeta, e o diagnóstico é feito com base nas características clínicas, serologia e PCR. O tratamento é com doxiciclina.
  • Doença de Kawasaki: uma doença febril aguda da primeira infância de causa desconhecida. A doença de Kawasaki é a principal causa da doença arterial coronária adquirida nos países desenvolvidos e caracteriza-se por vasculite das artérias de médio calibre, especialmente das artérias coronárias. Outras características da doença de Kawasaki incluem erupções nas extremidades, erupções orofaríngeas e conjuntivite bulbar, bem como linfadenopatia cervical aguda, unilateral e não purulenta. O diagnóstico é feito baseado na história clínica e exame objetivo e o teste diagnóstico de eleição é a ecocardiografia. Os pilares do tratamento são aspirina e imunoglobulina IV.
  • Antrax: uma doença causada pela bactéria gram-positiva Bacillus anthracis. O antrax é transmitido aos seres humanos quando entram em contacto com animais infetados ou com os seus produtos. O carbúnculo cutâneo começa como uma pápula vermelha-acastanhada, pruriginosa e indolor, que surge 1-10 dias após a exposição a esporos infecciosos. A pápula pode aumentar, tornar-se necrótica e formar um escara negra. O diagnóstico é feito pelos achados clínicos e baseado na história ocupacional e de exposição. Os testes laboratoriais de confirmação incluem cultura e coloração Gram, teste direto de anticorpos fluorescentes e PCR. O tratamento empírico é feito com ciprofloxacina, levofloxacina, moxifloxacina, ou doxiciclina.

Referências

  1. Chapman, A.S., et al. (2009). Cluster of sylvatic epidemic typhus cases associated with flying squirrels, 2004-2006. Emerg Infect Dis. 15(7), 1005–11. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/19624912/
  2. Reynolds, M.G., et al. (2003). Flying squirrel-associated typhus, United States. Emerg Infect Dis. 9(10), 1341–3. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/14609478/
  3. Boostrom, A., et al. (2002). Geographic association of Rickettsia felis-infected opossums with human murine typhus, Texas. Emerg Infect Dis. 8(6), 549–54. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/12023908/
  4. Blanton, L.S., et al. (2015). The reemergence of murine typhus in Galveston, Texas, USA, 2013. Emerg Infect Dis. 21(3), 484–6. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25695758/
  5. Civen, R., Ngo, V. (2008). Murine typhus: An unrecognized suburban vectorborne disease. Clin Infect Dis. 46(6), 913–8. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/18260783/
  6. Badiaga, S., et al. (2012). Murine typhus in the homeless. Comp Immunol Microbiol Infect Dis. 35(1), 39–43. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/22093517/
  7. Jensenius, M., et al. (2013). Acute and potentially life-threatening tropical diseases in western travelers-A GeoSentinel multicenter study, 1996-2011. Am J Trop Med Hyg. 88(2), 397–404. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/23324216/
  8. Fischer, M. (2018). Rickettsioses: Cutaneous findings frequently lead to diagnosis – a review. J Dtsch Dermatol Ges. 16(12), 1459–76. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30537329/
  9. Rauch, J., et al. (2018). Rickettsia typhi as cause of fatal encephalitic typhus in hospitalized patients, Hamburg, Germany, 1940-1944. Emerg Infect Dis. 24(11), 1982–87. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30334722/
  10. Ulutasdemir, N., et al. (2018). The epidemic typhus and trench fever are risks for public health due to increased migration in the southeast of Turkey. Acta Trop. 178, 115–8. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29126839/
  11. Pieracci, E.G., et al. (2017). Fatal flea-borne typhus in Texas: A retrospective case series, 1985-2015. Am J Trop Med Hyg. 96(5), 1088–93. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28500797/
  12. Watson, A.K., et al. (2017). Preparing for biological threats: Addressing the needs of pregnant women. Birth Defects Res. 109(5), 391–8. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28398677/
  13. Dzelalija, B., et al. (2016). Rickettsiae and rickettsial diseases in Croatia: Implications for travel medicine. Travel Med Infect Dis. 14(5), 436–43. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27404664/
  14. Umulisa, I., et al. (2016). A mixed outbreak of epidemic typhus fever and trench fever in a youth rehabilitation center: Risk factors for illness from a case-control study, Rwanda, 2012. Am J Trop Med Hyg. 95(2), 452–6. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27352876/
  15. Tarasevich, I.V., et al. (2015). Brill-Zinser disease as a consequence of Rickettsia prowazekii persistence in previously ill who have had epidemic typhus (epidemiologic aspects). Zh Mikrobiol Epidemiol Immunobiol. (4), 118–24. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26470431/

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

🍪 Lecturio is using cookies to improve your user experience. By continuing use of our service you agree upon our Data Privacy Statement.

Details