Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Raios-X

Os raios-X são partículas de radiação eletromagnética de alta energia utilizadas na área médica para a formação de imagens anatómicas. Os raios-X são projetados através do corpo de um doente e para um filme, e esta técnica é chamada de radiografia convencional ou projecional. Como a radiação por raios-X pode causar efeitos adversos dependendo da dose absorvida, é necessário tomar medidas de proteção para reduzir os danos. A radiografia digital utiliza o formato de dados digitais e permite a manipulação digital de imagens. Os usos comuns incluem avaliação de condições torácicas, mediastinais, espinhais e ósseas/articulares. Embora a radiografia ainda seja usada para visualizar as estruturas da cabeça e do abdómen, as modalidades mais avançadas (TC e RMN) são agora preferidas. A radiografia continua a ser um componente essencial dos exames iniciais em muitas doenças, dada a sua ampla disponibilidade, baixo custo e facilidade de operação.

Última atualização: 7 Jun, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Descrição Geral

Definição

Um raio-X é uma partícula discreta e de alta energia de radiação eletromagnética (fotão) que se propaga pelo espaço à velocidade da luz.

Produção de raios-X

  • Os raios-X são produzidos através de diferentes processos:
    • Radiação de raios-X característica:
      • Resulta do movimento ou transição de eletrões de uma camada externa (órbita) para espaços na camada interna
      • A emissão de fotões de raios X depende do material.
    • Radiação de frenação (Bremsstrahlung):
      • Os eletrões movem-se rapidamente em direção ao ânodo (elétrodo carregado positivamente) e desaceleram quando colidem.
      • Durante a desaceleração, 99% da energia dissipa-se como calor e 1% é libertado como fotões de raios-X.
  • A imagiologia de raios-X utiliza um tubo de raios-X que consiste num:
    • Filamento aquecido que emite eletrões
    • Alvo/ânodo de tungstênio onde os eletrões atuam, produzindo raios-X
  • Os raios-X penetram na matéria e interagem com os eletrões atómicos do material. Durante este processo, os raios-X podem ser absorvidos ou dispersos.
  • Nem todos os raios-X podem penetrar no doente. A maioria dos raios-X estão espalhados e não contribuem para a criação da imagem.
Um diagrama de um tubo de raios x

Diagrama de um tubo de raios-X:
No tubo, os eletrões estão acelerados em direção a um alvo de tungstênio (ânodo), que então desacelera após atingir o alvo, libertando calor e fotões de raios-X.

Imagem por Lecturio.

Efeitos da radiação de raios X

  • Os danos biológicos causados pelos raios-X são atribuídos à radiação ionizante que é produzida quando os raios-X interagem com a matéria.
    • A dose absorvida é a energia (da interação) depositada na matéria.
    • Radiação absorvida: medida em unidades conhecidas como Gray (Gy) ou rad (100 rads equivalem a 1 Gy)
  • Tipos de efeitos de radiação:
    • Efeito determinístico:
      • O dano ocorre quando é ultrapassado um limiar de radiação, de tal forma que é ultrapassada a capacidade da célula de se reparar.
      • Resulta de doses muito altas de radiação, causando eritema da pele, catarata e esterilidade
    • Efeito estocástico: O dano é aditivo e a probabilidade do efeito aumenta com o aumento da exposição.
      • O dano ocorre a nível genético durante a divisão celular e pode levar à carcinogénese.
      • A probabilidade de efeitos aumenta com a dosagem de radiação.
  • Em última análise, os danos resultantes incluem:
    • Formação de radicais livres
    • Interrupção da função metabólica normal e mitose
  • Indução do cancro:
    • Órgãos com células que se dividem mais rapidamente são mais suscetíveis, o que também explica por que as crianças, em geral, são mais suscetíveis.
    • Órgãos mais suscetíveis:
      • Na medula óssea
      • Cólon
      • Pulmões
      • Estômago
    • Órgãos moderadamente suscetíveis:
      • Bexiga
      • Mama
      • Fígado
      • Esófago
      • Tiroide

Risco fetal de radiação

Tabela: Risco fetal de radiação
Semanas após a conceção Efeitos da grande exposição
2
  • 10–50 rads: risco de incapacidade de implantação uterina
  • > 50 rads: alta probabilidade de incapacidade de implantação uterina
3–5
  • 10–50 rads: possibilidade de restrição de crescimento
  • > 50 rads: anomalias congénitas, restrição de crescimento, risco de aborto espontâneo
6–13
  • 10–50 rads: possibilidade de restrição de crescimento
  • > 50 rads: restrição de crescimento, risco de aborto
14–23
  • 10-50 rads: efeitos não cancerosos na saúde improváveis
  • > 50 rads: restrição de crescimento, risco de aborto espontâneo, possíveis anomalias congênitas
24 semanas para terminar
  • 10-50 rads: improbabilidade de efeitos não cancerígenos na saúde
  • > 50 rads: aborto espontâneo, morte neonatal (dependendo da dose)

Proteção contra radiação

  • Minimizar a dosagem de radiação sempre que possível (ALARA: o mais baixo possível).
  • Medidas:
    • Pessoal exposto deve ser monitorizado usando um “film badge”.
    • Proteção de chumbo e aumento da distância da fonte
    • Proteção dentro dos quartos
    • Aumentando a quilovoltagem do feixe de raios-X , aumentando assim a sua penetração

Terminologia e Aspectos Técnicos

Radiografia

  • Radiografia: o uso de raios-X para gerar imagens
  • Tipos:
    • Radiografia de projeção: geração de uma imagem radiográfica pela projeção de um feixe de partículas de raios-X através de um doente e para um filme:
      • A imagem de raios-X é uma imagem de sombra obtida usando uma única fonte de “luz”.
      • Fluoroscopia: o uso de radiografia de projeção para observar estruturas internas em tempo real (por exemplo, imagem GI)
    • TC: geração de uma imagem multicamada por um feixe projetado através de um tubo de raios-X rotativo em detetores de radiação

Geração de imagens por raios-X

Ordem de produção de uma imagem com raios-X:

  1. Tubo de raios-X: raios-X gerados após a colisão de eletrões com o ânodo.
  2. Doente: O feixe de raios X atravessa o doente e é atenuado dependendo dos tecidos.
  3. Grade anti-difusão: tiras de chumbo que melhoram o contraste da imagem reduzindo os fotões espalhados
  4. A captura de imagem é feita usando uma placa de imagem numa cassete.

Tecnologias que produzem imagem radiográfica:

  • Radiografia convencional :
    • O filme de tela é usado e é revelado.
    • Alta sensibilidade, baixo custo e fácil manuseio
  • Radiografia digital (utiliza o formato de dados digitais, permitindo a manipulação digital das imagens):
    • Radiografia computorizada: A cassete é inserida num scanner e a imagem é mostrada num monitor.
    • Radiografia direta: nenhuma cassete é usada. Os raios-X são convertidos em cargas elétricas por um fotocondutor.
Mão de wilhelm röntgen

Imagem de um raio-X inicial: raio-X da mão esquerda tirada numa palestra pública por Wilhelm Röntgen

Imagem: “An early X-ray” por Wilhelm Röntgen; versão atual criada por Old Moonraker. Licença: Public Domain

Interpretação

Densidades radiológicas básicas

  • Ar
  • Gordura
  • Fluido
  • Cálcio (osso)
  • Metal

Terminologia segundo a densidade do objeto

  • Radiotransparente: um objeto de baixa densidade que é permeável aos raios-X (parece preto)
  • Radiopaco: um objeto de alta densidade que bloqueia os raios-X (parece branco)

Princípios de radiografia

  • Soma de sombras: As imagens aparecem mais radiopacas devido à sobreposição de densidades.
  • Sinal de silhueta:
    • As arestas de um objeto são indistinguíveis quando as densidades são adjacentes umas às outras.
    • Pensar na pneumonia no lobo médio direito, que obscurece a borda direita do coração.
  • Imagem ortogonal: fazer 2 incidências da mesma estrutura para documentar melhor a sua tridimensionalidade

Elementos que reduzem o rendimento diagnóstico de um raio-X

  • Penetração excessiva ou insuficiente
  • Rotação do doente
  • Ampliação da imagem
  • Movimento do doente
  • Artefactos, como partículas de poeira

Tórax

Incidências

As imagens radiográficas do tórax podem ser produzidas nas seguintes incidências:

  • Postero-anterior (PA):
    • O feixe de raios-X penetra inicialmente na face posterior do corpo enquanto a cassete é colocada em contacto direto com a face anterior.
    • Método preferido para avaliar o tamanho da silhueta cardíaca
  • Antero-posterior (AP):
    • O feixe de raios-X penetra inicialmente na face anterior do corpo enquanto a cassete é colocada em contacto direto com a face posterior.
    • Usada em radiografia portátil (muito comum em doentes hospitalizados que não se conseguem mover)
    • Estruturas mais distantes da cassete aparecem ampliadas, criando falsos positivos para cardiomegalia.
  • Lateral:
    • O feixe de raios-X incide numa face lateral do corpo e a cassete é colocada em contacto com a outra face lateral.
  • Posicionamento lordótico e semi-vertical:
    • O feixe de raios-X penetra no doente num ângulo de forma a exibir 2 estruturas diferentes em diferentes níveis.
  • Decúbito:
    • O doente deita-se do lado direito ou esquerdo.
    • Um substituto para a incidência lateral usado para doentes que não conseguem ficar de pé

Aspetos técnicos

Para obter uma imagem anatómica ideal:

  • Inspiração: O doente é solicitado a respirar fundo enquanto o raio-X é obtido.
  • Devem ficar visíveis 8 a 9 costelas posteriores para que a inspiração seja ideal.

Os seguintes aspetos reduzem a qualidade da imagem anatómica:

  • Penetração: A penetração excessiva ou deficiente de raios-X através das estruturas anatómicas afeta os resultados.
    • Regiões sobrepenetradas podem simular coleções de ar (pneumotórax).
    • Regiões subpenetradas podem simular consolidações (pneumonia).
  • Rotação: Quando o doente não está posicionado adequadamente na frente da cassete, as estruturas são representadas de forma desigual na imagem anatómica.
    • O mediastino e o hilo mimetizam massas.
    • A imagem pode ser girada para a direita ou para a esquerda.
    • Inspecionar verificando a distância entre os aspetos mediais da clavícula e os processos espinhosos das vértebras torácicas.
Diferenças entre a radiografia de tórax expiratória e inspiratória

Diferenças entre uma radiografia de tórax expiratória e inspiratória:
Observar que na radiografia inspiratória as costelas posteriores e o parênquima pulmonar são mais facilmente visualizados, enquanto na radiografia expiratória o parênquima parece turvo e sem definição.

Imagem de Hetal Verma.

Sequência

A inspeção de qualidade da imagem deve ser incluída e deve ser feita preferencialmente antes da seguinte sequência de leitura:

  1. Objetos estranhos: tubos/linhas
  2. Parênquima pulmonar
  3. Vias aéreas
  4. Limites mediastínicas
  5. Tecido mole circundante
  6. Estruturas ósseas (costelas e clavículas)
  7. Abdómen superior

Tubos e linhas

Os seguintes elementos devem ser verificados quanto ao posicionamento adequado:

  • Tubo endotraqueal
  • Tubo de traqueostomia
  • Tubos de alimentação:
    • Sonda nasogástrica
    • Tubo Dobhoff
  • Linhas centrais
  • Cateter central de inserção periférica
  • Cateter Swan-Ganz
  • Tubo torácico

Anatomia do pulmão

As seguintes estruturas devem ser identificadas de maneira cefalocaudal e verificadas quanto a anomalias (por exemplo, cavitações, consolidações):

  • Incidência PA:
    • Hemitórax direito:
      • Lobo superior direito
      • Lobo inferior direito
      • Ângulo costofrénico direito
      • Ângulo cardiofrénico direito
    • Hemitórax esquerdo:
      • Lobo superior esquerdo
      • Lobo inferior esquerdo
      • Ângulo costofrénico esquerdo
      • Ângulo cardiofrénico esquerdo
    • Traqueia e carina
  • Incidência lateral:
    • Os lobos pulmonares são identificados traçando uma linha diagonal e dividindo o pulmão na:
      • Porção superior (2 lobos superiores à direita, 1 lobo superior à esquerda)
      • Porção inferior (1 lobo inferior cada à direita e à esquerda)

Anatomia do coração e mediastino

  • Mediastino:
    • A área entre os pulmões e as cavidades pleurais que fica no meio da cavidade torácica
    • Dividido em mediastino anterior, médio e posterior, este espaço abriga todas as estruturas localizadas medialmente aos pulmões.
    • Este espaço contém:
      • Grandes vasos, como a veia cava superior (VCS), a veia cava inferior, as artérias pulmonares, as veias pulmonares e a aorta
      • O timo pode ser observado no mediastino anterior em crianças e adultos jovens.
  • As seguintes estruturas devem ser identificadas de maneira cefalocaudal e verificadas quanto a anomalias de tamanho ou forma:
    • Incidência PA:
      • Traqueia: deve estar na linha média
      • VCS
      • Aorta ascendente e descendente (arco aórtico)
      • Hilo pulmonar (direito e esquerdo)
      • Artéria pulmonar
      • Aurícula direita (borda direita do coração)
      • Ventrículo esquerdo (borda esquerda do coração)
    • Para identificar facilmente as estruturas na borda esquerda em ordem cefalocaudal, lembrar:
      • 1ª protuberância: aorta
      • 2ª protuberância: artéria pulmonar
      • 3ª protuberância (maior): ventrículo esquerdo
  • Incidência lateral:
    • Espaço retroesternal
    • Ventrículo direito
    • Hemidiafragma direito
    • Arco aórtico
    • Hilo pulmonar
    • Aurícula direita
    • Ventrículo esquerdo
    • Hemidiafragma esquerdo
    • Espaço cardíaco posterior

Ossos

As seguintes estruturas devem ser identificadas de maneira cefalocaudal e verificadas quanto a anomalias (por exemplo, fraturas):

  • Incidência PA:
    • Clavículas
    • Escápulas
    • Processos espinhosos das vértebras
  • Incidência lateral: coluna torácica (avaliar as alturas do corpo vertebral para fraturas por compressão)
Uma projeção pa do tórax identificando as principais estruturas ósseas do tórax e as principais estruturas do abdome superior

Incidência postero-anterior do tórax identifica as principais estruturas ósseas do tórax e as principais estruturas do abdómen superior

Imagem de Hetal Verma.

Abdómen superior

  • O clínico deve estar atento a coleções anormais de ar nesta área.
  • As seguintes partes do abdómen superior são vistas em radiografia de tórax (PA e incidências laterais):
    • Fígado
    • Estômago
    • Cólon ascendente, transverso e descendente

Abdómen e Pélvis

As radiografias de abdómen têm baixa sensibilidade para avaliação de órgãos sólidos, razão pela qual foram substituídas por TC e exames de ecografia.

Incidências

As imagens de raios-X do abdómen podem ser produzidas nas seguintes incidências:

  • AP:
    • Em ortostatismo e supino
    • Emparelhado com uma incidência PA do tórax no abdómen agudo
    • KUB (pela sigla em inglês de rins, ureteres e bexiga): uma variante da incidência AP otimizada para avaliar o sistema urogenital (por exemplo, nefrolitíase)
  • Decúbito lateral: usado em doentes que não podem ficar de pé
  • Oblíqua: obtida quando necessário
Exemplo de uma radiografia abdominal

Radiografia abdominal mostra um cálculo oval que se projeta sobre a localização esperada do rim direito/sistema coletor adjacente ao processo transverso de L3

Imagem de Hetal Verma.

Sequência

A inspeção de qualidade da imagem é feita preferencialmente antes da sequência de leitura para radiografias abdominais:

  1. Bases pulmonares
  2. Ar livre
  3. Padrão de gases intestinais
  4. Órgãos sólidos
  5. Massas de tecidos moles
  6. Calcificações
  7. Ossos

Gás intestinal

  • O achado mais radiolucente no abdómen
  • As maiores quantidades são vistas no estômago e no cólon.
  • Intestino delgado:
    • Aparência de moedas empilhadas (“stacked-coin”)
    • Grandes quantidades de gás no intestino delgado devem ser consideradas anormais.
    • > 3 níveis hidroaéreos no intestino delgado distendido é indicativo de íleo funcional ou obstrução mecânica
  • Intestino grosso:
    • Localizado na periferia do abdómen
    • A haustra separa o gás em segmentos maiores.
    • Não devem ser observados níveis hidroaéreos devido à absorção de fluidos.
    • As fezes são vistas como pequenas bolhas de gás na trajetória esperada do cólon.
  • Gás na cavidade peritoneal é indicativo de estado pós-operatório ou pneumoperitoneu.

Tecidos moles e sombra da gordura

  • Tecidos moles:
    • O abdómen é ocupado predominantemente por tecidos moles.
    • Fígado (QSD)
    • Baço (QSE)
  • Sombra da gordura:
    • Os depósitos de gordura delineiam os órgãos.
    • A faixa do flanco (faixa de gordura properitoneal) pode ser vista nas paredes laterais do abdómen.
      • A faixa do flanco pode ser identificada seguindo o curso do cólon ascendente ou descendente.
      • O alargamento do espaço entre a faixa e o cólon sugere a presença de fluido.

Ossos

  • O achado mais radiopaco no abdómen
  • Costelas, coluna lombar e torácica e pélvis
  • Calcificações (por exemplo, artérias calcificadas, cálculos urinários, cálculos prostáticos, calcificações pancreáticas)
Radiografia abdominal mostrando estruturas relevantes

Radiografia abdominal com as estruturas relevantes identificadas

Imagem de Hetal Verma.

Vídeos recomendados

Cabeça e Coluna

A imagem da coluna e da medula espinhal usando raios-X foi amplamente utilizada para estudar o conteúdo da abóbada craniana e os ossos da coluna antes da TC e RMN.

Incidências

  • As imagens de raios-X do crânio são produzidas nas seguintes incidências:
    • PA
    • Lateral
    • Visão de Waters (occipitomental)
  • As imagens de raios-X da coluna são produzidas nas seguintes incidências:
    • AP
    • PA
    • Lateral
    • Oblíqua
    • A visão de boca aberta (odontoide) permite a visualização do processo odontoide do áxis (vértebra C2).
    • Panorâmica
Raio-x orbital (visão de águas)

Visão do crânio de Waters:
Este doente em particular mostra espessamento difuso proeminente da mucosa no seio maxilar direito e leve espessamento da mucosa no seio maxilar esquerdo.

Imagem: “Orbital X-ray (Waters’ view)” por Erhan Erdogan, Vural Fidan and Ersem Giritli. Licença: CC BY 4.0

Ossos

  • No crânio, grandes quantidades de raios-X são absorvidas pelos ossos, dificultando a visualização do conteúdo do crânio e dos tecidos moles.
  • Estruturas da coluna:
    • Corpos vertebrais
    • Articulações facetárias
    • Espaços dos discos
    • Pedículos
    • Lâminas
    • Processos transversos e espinhosos
    • Buraco neural
  • Pode ser obtida uma visão panorâmica da coluna, mas as seguintes visualizações são possíveis:
    • A coluna torácica usando uma radiografia de tórax
    • A coluna lombar usando um raio-X abdominal

Alinhamento da coluna

  • Os processos espinhosos, pedículos e lâminas das vértebras devem ser verificados quanto ao posicionamento adequado.
  • As linhas vertebrais devem ser paralelas:
    • Linha vertebral anterior: conecta as margens anteriores dos corpos vertebrais
    • Linha vertebral posterior: conecta as margens posteriores dos corpos vertebrais
    • Linha espinolaminar: conecta as margens posteriores do canal espinhal
    • Linha interespinhosa: conecta as pontas dos processos espinhosos

Membros e Articulações

As radiografias são usadas para avaliar os ossos e as articulações das extremidades com suspeita de fraturas, problemas articulares e anomalias dos tecidos moles (inflamação, edema ou gases/enfisema, como observado nos casos de fasceíte necrotizante).

Incidências

  • As incidências específicas a serem solicitadas dependem do osso ou articulação a ser estudada.
  • Incidências frequentemente usadas incluem:
    • Vista frontal
    • Lateral
    • Oblíqua: vista frontal com rotação interna de 15 graus (geralmente solicitada para o estudo da articulação do tornozelo)
  • A imagem adequada de ossos e articulações depende muito da imagem ortogonal.

Articulações

As seguintes articulações são frequentemente estudadas por radiografia convencional:

  • Articulação do ombro
  • Articulação do cotovelo
  • Articulação do pulso
  • Articulação sacroilíaca
  • A articulação do quadril
  • Articulação do joelho
  • Articulação do tornozelo

Fraturas

O diagnóstico de fraturas pode ser feito com base em uma radiografia do membro ou articulação afetada, geralmente utilizando 2 ou mais incidências:

  • Fraturas da clavícula
  • Fraturas de quadril
  • Fraturas do rádio distal
  • Fratura pélvica
Separação ac ray (aprimorado)

Radiografia de uma articulação acromioclavicular separada (seta cinza)

Imagem: “AC Separation XRAY (aprimorado)” por Root4(one). Licença: CC BY 2.5

Outras Modalidades de Imagem

  • Imagiologia do SNC (cérebro, medula espinhal e coluna vertebral):
    • A radiografia é frequentemente usada para avaliar fraturas da coluna vertebral.
    • A TC é uma boa escolha para avaliar traumatismo craniano e excluir hemorragia intracraniana.
    • A RMN fornece imagens mais detalhadas do cérebro e da medula espinhal, permitindo a identificação de enfarte, tumores, hérnia de disco e doença desmielinizante.
  • Radiologia pulmonar e imagem do mediastino:
    • A radiografia é o estudo de imagem inicial preferível para visualizar a patologia pulmonar.
    • A TC fornece visualizações mais detalhadas do parênquima pulmonar, estruturas mediastínicas e vasculatura.
    • Embora a RMN não seja frequentemente usada, ela pode ser útil para avaliar malignidades e doenças cardíacas.
    • A ecografia pode ser usada para avaliação rápida de traumas junto à cabeceira do doente e para orientar procedimentos (toracocentese).
  • Imagiologia da mama:
    • A mamografia é muitas vezes a escolha inicial para rastrear o cancro da mama.
    • A RMN pode ser usada para avaliar e estadiar o cancro da mama.
    • A ecografia é útil para avaliar os gânglios linfáticos e orientar a biópsia.
  • Imagiologia do abdómen e imagiologia renal:
    • A radiografia é frequentemente usada para avaliar cálculos renais, obstrução intestinal e pneumoperitoneu. Além disso, o bário pode ser usado para avaliar a deglutição e a função intestinal.
    • A TC e a RMN fornecem avaliações mais detalhadas das vísceras e vasculatura abdominal.
    • A medicina nuclear pode ser usada para avaliar a função da vesícula biliar, esvaziamento gástrico e hemorragia GI.
  • Imagiologia do útero e ovários:
    • A ecografia é a modalidade mais utilizada para avaliar os ovários e o útero, incluindo avaliação da gravidez e determinação das causas de hemorragia uterina anormal.
    • A TC e a RM fornecem visualizações mais detalhadas e geralmente são úteis na avaliação de quistos, malignidades e massas benignas.
  • Imagiologia do sistema músculo-esquelético:
    • A radiografia é frequentemente usada para excluir fraturas.
    • A TC é mais sensível com patologia óssea, incluindo osteomielite.
    • A RMN é preferível para avaliação de tecidos moles, como avaliação de malignidade e miosite.
    • A cintigrafia óssea pode ser útil na determinação de fraturas ocultas, osteomielite e doença óssea metabólica.

Referências

  1. Berger, M., Yang, Q., Maier, A. (2018). X-ray Imaging. In: Maier, A., Steidl, S., Christlein, V., et al., Editors. Medical Imaging Systems: An Introductory Guide [Internet]. Cham (CH): Springer. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK546155/
  2. Chen, M.M. (2011). Chapter 8. Plain film of the abdomen. Chen, M.M., Pope, T.L., Ott, D.J. (Eds.), Basic Radiology, 2e. McGraw-Hill. https://accessmedicine-mhmedical-com.ezproxy.unbosque.edu.co/content.aspx?bookid=360&sectionid=39669017
  3. Dixon, R.L., Whitlow, C.T. (2011). Chapter 2. The physical basis of diagnostic imaging. In Chen, M.Y.M., Pope, T.L., Ott, D.J. (Eds.), Basic Radiology, 2e. New York, NY: The McGraw-Hill Companies. accessmedicine.mhmedical.com/content.aspx?aid=6668091
  4. Guha-Thakurta, N., & Ginsberg, L.E. (2011). Chapter 13. Imaging of the spine. Chen, M.M., Pope, T.L., Ott, D.J. (Eds.), Basic Radiology, 2e. McGraw-Hill. https://accessmedicine-mhmedical-com.ezproxy.unbosque.edu.co/content.aspx?bookid=360&sectionid=39669023
  5. Miner Haygood, T., Sayyouh, M.H. (2011). Chapter 6. Musculoskeletal imaging. Chen, M.M., Pope, T.L., Ott D.J. (Eds.), Basic Radiology, 2e. McGraw-Hill. https://accessmedicine-mhmedical-com.ezproxy.unbosque.edu.co/content.aspx?bookid=360&sectionid=39669014
  6. Wasserman, P.L., Pope, T.L. (2011). Chapter 7. Imaging of joints. Chen, M.M., Pope T.L., Ott D.J. (Eds.), Basic Radiology, 2e. McGraw-Hill. https://accessmedicine-mhmedical-com.ezproxy.unbosque.edu.co/content.aspx?bookid=360&sectionid=39669015
  7. Zaer, N.F., Amini, B., Elsayes, K.M. (2015). Overview of diagnostic modalities and contrast agents. In Elsayes, K.M., Oldham, S.A.A. (Eds.), Introduction to diagnostic radiology. New York, NY: McGraw-Hill Education. Retrieved from accessmedicine.mhmedical.com/content.aspx?aid=1115257266
  8. Zapadka, M.E., Bradbury, M.S., Williams, D.W. III. (2011). Chapter 12. Brain and its coverings. Chen, M.M., Pope, T.L., Ott, D.J. (Eds.), Basic Radiology, 2e. McGraw-Hill. https://accessmedicine-mhmedical-com.ezproxy.unbosque.edu.co/content.aspx?bookid=360&sectionid=39669022
  9. CDC. (2020). Radiation and Pregnancy: A Fact Sheet for Clinicians. Retrieved April 19, 2021, from https://www.cdc.gov/nceh/radiation/emergencies/prenatalphysician.htm

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

🍪 Lecturio is using cookies to improve your user experience. By continuing use of our service you agree upon our Data Privacy Statement.

Details