Queratose Seborreica

A queratose seborreica (QS) é a neoplasia cutânea epitelial benigna mais comum. Consiste em queratinócitos imaturos. A queratose seborreica é o tumor cutâneo benigno mais comum em adultos de meia-idade e idosos e apresenta-se como uma lesão cutânea exofítica, nitidamente demarcada, que pode ser acastanhada ou preta e tem uma aparência “colada”. Pode haver prurido ou dor se houver inflamação secundária das lesões por trauma, especialmente se estiverem dentro das pregas cutâneas. Acredita-se que a genética desempenhe um papel relevante, mas a patogénese é mal compreendida. As mutações mais comuns envolvem dois oncogenes: o recetor 3 do fator de crescimento dos fibroblastos (FGFR3) e o PIK3CA. Existe uma predisposição familiar para desenvolver um elevado número de queratoses seborreicas. Não é necessário tratamento porque esta é uma situação benigna, mas pode realizar-se crioterapia, curetagem ou eletrodissecação para o desconforto ou por questões estéticas.

Última atualização: Jun 13, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Descrição Geral

Definição

A queratose seborreica (QS) é um tumor benigno da pele que consiste na proliferação de queratinócitos imaturos.

Epidemiologia

  • As queratoses seborreicas são os tumores benignos mais comuns em adultos de meia-idade e idosos.
  • A maioria dos adultos desenvolverá pelo menos 1 QS ao longo da vida.
  • Prevalência de faixa etária:
    • 15–25 anos: 8%–24% têm pelo menos 1 QS
    • > 64 anos: 90% têm pelo menos 1 QS; 30%-60% têm ≥ 10 QS
  • Mais frequente em pessoas com tons de pele mais claros
  • Sexo: Sem diferenças

Etiologia

  • Genética:
    • Mutações mais comuns em dois oncogenes: recetor 3 do fator de crescimento dos fibroblastos (FGFR3) e PIK3CA
    • Predisposição familiar/genética para desenvolver um número elevado de queratoses seborreicas
  • Sinal de Leser-Trélat:
    • Síndrome paraneoplásica associada à erupção súbita de múltiplas QS causada por uma doença maligna interna
    • Possivelmente devido à hipersensibilidade a um fator de crescimento (FC) do tumor (por exemplo, FC epidérmico ou FC alfa-transformador)
  • Exposição cumulativa à radiação UV:
    • A maioria dos padrões de mutação são típicos de lesões provocadas por UV com alteração das bases C > T e CC > TT em locais dipirimidínicos.
    • Mais comum em pessoas de pele mais clara; 3× mais comum em surfistas australianos
  • Infeção por HPV: evidência inconsistente

Fisiopatologia e Apresentação Clínica

Patogénese

  • Expansão clonal de células com mutação somática (não uma hiperplasia epidérmica):
    • O crescimento é impulsionado por mutações em oncogenes, mais frequentemente FGFR3 e PIK3CA.
    • Geneticamente estável (ao contrário de tumores malignos)
  • Ausência de potencial maligno, possivelmente devido a:
    • Ausência de mutações do gene supressor tumoral
    • Estimulação de FGFR3 do fator de transcrição de diferenciação FOXN1

Morfologia

  • Locais: apenas superfícies com pelos (por exemplo tronco, cabeça, pescoço, face, extremidades, genitais)
  • Tamanho: 0,2 cm a > 3 cm
  • Forma: abobadada ou plana; bordos redondos ou irregulares
  • 3 características comuns a todas as QSs:
    • Bordos nitidamente circunscritos (podem ser irregulares)
    • Aparência “colada” devido ao crescimento limitado à epiderme
    • Cor acastanhada, castanha ou preta (pode ser variada)
  • As características da superfície são uniformes em cada lesão (diferente do melanoma):
    • QSs com superfície áspera são mais comuns do que de superfície lisa: aspeto de chifres perolados queratinosos submilimétricos na superfície (diferente do melanoma)
    • Aparência cerosa devido à produção de queratina
  • Lesões solitárias ou múltiplas: número crescente com a idade

Histologia

  • Lesão proliferativa exofítica, composta por pequenos queratinócitos inteiramente dentro da epiderme, sem atipia citológica; semelhante às células basais da epiderme normal
  • “Pseudoquistos de chifre”: quistos intralesionais redondos de queratina solta
  • A lesão estende-se uniformemente na mesma profundidade, de forma a que se poça traçar uma linha horizontal paralelamente à superfície epidérmica subjacente à lesão (“sinal da corda”).
  • Está presente pigmentação de melanina variável.
  • Muitas variantes histológicas, mas sem significado clínico (por exemplo, hiperqueratótico, irritado com metaplasia escamosa pronunciada)

Apresentação clínica

  • Lesões cutâneas elevadas com aparência colada
  • Bem demarcadas, com superfície verrucosa
  • Beges, castanhas ou pretas
  • Únicas ou múltiplas
  • Geralmente indolores, mas o trauma por fricção pode causar hemorragia e prurido.
Queratose seborreica com superfície áspera

Queratose seborreica com superfície áspera:
Observe a aparência cerosa típica, o bordo bem circunscrito e a aparência superficial “colada”.

Imagem : “Queratose seborreica 2” de Lmbuga. Licença: Domínio Público
Múltiplas ceratoses seborreicas eruptivas

A e B: Sinal de Leser-Trélat numa mulher de 92 anos com carcinoma do ovário avançado. Múltiplas queratoses seborreicas eruptivas aumentaram dramaticamente em tamanho e número nos 2 anos anteriores.
C: TC mostrando tumor ovárico necrótico acompanhado por sinais de carcinomatose peritoneal

Imagem : “Leser-Trélat sign presenting in a patient with ovarian cancer: a case report” por Bölke E, et al. Licença: CC BY 3.0

Diagnóstico e Tratamento

Diagnóstico

Exame objetivo:

  • Aparência clínica clássica
  • Tipicamente no tronco, na face ou nos membros superiores
  • Quistos em chifre podem ser vistos com lentes manuais.

Dermatoscopia:

  • Quistos de milia, aberturas tipo comedão
  • Padrão cerebriforme (sulcos e fissuras)

Biópsia:

  • Se o diagnóstico for incerto e houver suspeita de doença maligna
  • Raramente pode coexistir com melanoma ou com carcinoma basocelular

Tratamento

  • O tratamento geralmente não é necessário.
  • Se a lesão for sintomática ou causar problemas estéticos, podem ser usados vários métodos de remoção, dependendo do tamanho da lesão e do tipo de pele:
    • Crioterapia:
      • Método mais comum, particularmente em lesões planas ou finas
      • Necessidade de cuidados mínimos com a ferida pós-operatória
      • Evitar em indivíduos de pele escura (pode causar hipopigmentação)
    • Curetagem/excisão por raspagem: pode submeter-se a análise patológica para diagnóstico
    • Eletrodissecação: isolada ou seguida de curetagem
    • Laser: vários tipos
    • 40% de peróxido de hidrogénio: apenas modestamente eficaz

Diagnóstico Diferencial

  • Melanoma: tumor maligno da pele mais letal, derivado da transformação maligna dos melanócitos: Os melanomas apresentam-se como lesões cutâneas pigmentadas crescentes, elevadas ou planas, geralmente com bordos irregulares e variação da cor. O diagnóstico é estabelecido com biópsia. Os melanomas são tratados com excisão local alargada.
  • Queratose actínica: as queratoses actínicas são lesões pré-cancerígenas que afetam áreas expostas ao sol e consistem em queratinócitos atípicos/displásicos que não ocupam toda a espessura da epiderme. Estas lesões podem resolver espontaneamente, permanecer estáveis ou progredir para carcinoma espinocelular ou, às vezes, carcinoma basocelular. O diagnóstico pode ser estabelecido com base na aparência clínica e na biópsia. As queratoses actínicas podem ser tratadas com excisão.
  • Carcinoma basocelular: neoplasia da pele invasiva mais comum, com origem nos queratinócitos basais da epiderme: O carcinoma basocelular geralmente apresenta-se como lesões peroladas elevadas, mais frequentemente na face. O diagnóstico pode ser feito com base na aparência clínica e confirmado com biópsia. O tratamento passa por excisão cirúrgica.
  • Carcinoma de células escamosas: segunda neoplasia da pele mais comum: O carcinoma de células escamosas geralmente apresenta-se como uma placa ou pápula firme, eritematosa e ceratótica. O diagnóstico é estabelecido com biópsia. O tratamento geralmente é com excisão cirúrgica, mas pode envolver radioterapia ou quimioterapia tópica.
  • Nevo atípico (NA, nevo displásico): O nevo atípico é uma lesão benigna, mas é um marcador fenotípico da existência de risco aumentado de melanoma, especialmente se houver múltiplas lesões e/ou se houver história familiar positiva de melanoma. Um NA pode evoluir para melanoma. O diagnóstico é feito com biópsia. Pode ser necessário fazer excisão se houver dúvida diagnóstica.
  • Dermatofibroma (DF): uma reação proliferativa fibro-histiocítica comum, benigna, geralmente devida a trauma, a infeção viral ou a picada de inseto: o dermatofibroma está presente frequentemente nas superfícies anteriores da parte inferior das pernas como um nódulo firme, endurecido e móvel de 0,5 a 1 cm que se retrai sob a pele durante uma tentativa de comprimi-lo e elevá-lo (“retração” ou “sinal da covinha”). O diagnóstico geralmente é clínico e o tratamento geralmente não é necessário.

Referências

  1. Balin AK. (2020). Seborrheic keratosis: background, pathophysiology, etiology. https://emedicine.medscape.com/article/1059477-overview#a7
  2. Dinulos JGH. (2020). Benign skin yumors. In Dinulos J. (Ed.). Habif’s Clinical Dermatology, 7th ed. Elsevier, pp. 787–793.
  3. Lazar AJ. (2020). The skin. In Kumar V, et al. (Eds.), Robbins & Cotran Pathologic Basis of Disease. 10th ed. p. 1142.
  4. Goldstein BG, Goldstein AO. (2020). Overview of benign lesions of the skin. Uptodate. Retrieved December 24, 2020, from https://www.uptodate.com/contents/overview-of-benign-lesions-of-the-skin
  5. Heidenreich B, et al. (2017). Genetic alterations in seborrheic keratoses. Oncotarget 8:36639–36649. https://www.oncotarget.com/article/16698/text/

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

Details