Miocardiopatia Hipertrófica

A miocardiopatia hipertrófica (MCH) é a miocardiopatia hereditária mais frequentemente herdada, caracterizada por um aumento da espessura (hipertrofia) assimétrico da parede ventricular esquerda, disfunção diastólica e, muitas vezes, obstrução da saída do ventrículo esquerdo. A miocardiopatia hipertrófica é causada por várias mutações genéticas que afetam os componentes contráteis do coração, conhecidos como sarcómeros. A hereditariedade da MCH é tipicamente autossómica dominante, embora também ocorram mutações esporádicas. Os pacientes podem ser assintomáticos, apresentar dispneia e dor torácica ou sofrer morte súbita cardíaca sem sintomas prévios. O diagnóstico é feito com base no ECG, ecocardiograma, testes de stress cardíaco e ressonância magnética cardíaca. A MCH sintomática é tratada normalmente com beta-bloqueadores como terapêutica de 1ª linha. O tratamento adicional depende da presença de obstrução da via de saída do ventrículo esquerdo.

Última atualização: 30 May, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Descrição Geral

Epidemiologia

  • Miocardiopatia herdada mais frequentemente
  • Prevalência: 1 em 200-500 adultos
  • Prevalência mais elevada nos homens do que nas mulheres
  • Pacientes com apresentação mais frequente na casa dos 30 anos.
  • Causa bem conhecida de morte súbita cardíaca em atletas (aproximadamente 50% das mortes ocorridas durante ou imediatamente após a atividade física)
  • Obstruções da via de saída do ventrículo esquerdo observada em 70%–75% casos

Etiologia

Aproximadamente 60%–70% dos casos são causados por mutações que afetam as proteínas dos miofilamentos grossos ou finos dos sarcómeros (componentes contráteis do coração).

  • Mutações que levam à miocardiopatia hipertrófica (MCH) encontradas em 6 genes diferentes em 4 cromossomas diferentes
  • Identificadas mais de 50 mutações genéticas associadas
  • A maioria são mutações missense (um único aminoácido é substituído).
  • Padrão de hereditariedade mais frequentemente autossómico dominante
  • Também podem ocorrer mutações de novo (esporádicas) sem um padrão familiar.
  • A penetrância e a expressão fenotípica variam devido a um vasto número de mutações e genes sarcoméricos que causam MCH.

Fisiopatologia

  • Ventrículo esquerdo (VE) torna-se espesso e hipertrofiado (assimétrico com predominância septal) → cavidade ventricular esquerda torna-se pequena/não complacente → mais difícil para o coração bombear sangue e relaxar para encher durante a diástole
  • Dependendo da localização e da gravidade do espessamento da parede dentro do ventrículo:
    • A obstrução da via de saída do ventrículo esquerdo compromete o fluxo sanguíneo do coração para o resto do corpo, especialmente com o esforço:
      • Dinâmico e afetado pelo ↑ contratilidade do LV, ↓ pré-carga, e ↓ pós-carga
      • ↑ obstrução da via de saída do ventrículo esquerdo → ↓ débito cardíaco
    • Disfunção diastólica
    • Regurgitação mitral
    • Isquemia miocárdica
    • Morte súbita cardíaca
  • Mecanismos de obstrução da via de saída do ventrículo esquerdo:
    • Deslocamento anterior da válvula mitral durante a sístole, também conhecido como movimento anterior sistólico
    • Efeito Venturi: O fluxo de sangue de alta velocidade através da via de saída do ventrículo esquerdo durante a sístole cria pressão negativa, puxando as cúspides da válvula mitral em direção ao septo ventricular e pressionando as cúspides contra ele.
    • Folhetos de válvula mitral anormalmente alongados em pacientes com MCH
    • Obstrução muscular devido a um septo hipertrófico que estreita a cavidade
  • Também pode haver hipertrofia ou inserção anómala do músculo papilar, aumentando a pressão apical do ventrículo esquerdo e o risco de aneurismas apicais ventriculares.

Apresentação Clínica

Muitos indivíduos afetados pela MCH são assintomáticos ao longo das suas vidas. Para alguns, normalmente durante a adolescência, a morte súbita cardíaca é o 1º sintoma.

História

Sintomas:

  • Falta de ar, particularmente com atividade física (sintoma mais comum)
  • Dor no peito, especialmente com o esforço
  • Fadiga
  • Palpitações
  • Tonturas/sensação de desmaio
  • Síncope, particularmente durante o exercício:
    • 15%–25% dos pacientes relatam pelo menos 1 episódio de síncope.
    • Mais comum em indivíduos < 30 anos de idade
    • Síncope inexplicada = ↑ risco de morte súbita cardíaca

Antecedentes familiares:

  • Importante para determinar a história da MCH, para ajudar no diagnóstico
  • A história de morte súbita cardíaca num membro da família piora o prognóstico:
    • Às vezes, a morte súbita cardíaca não é reconhecida como a causa da morte de um membro da família.
    • Importante perguntar sobre mortes inexplicáveis (afogamentos, acidentes de carro, etc.)

Exame físico

  • Os pacientes com obstrução mínima ou sem obstrução da via de saída do ventrículo esquerdo tendem a ter um exame normal.
  • A auscultação cardíaca deve ser realizada em pelo menos 2 posições diferentes (sentado e em pé).
  • Os pacientes com obstrução da via de saída do ventrículo esquerdo podem apresentar-se com:
    • Sopro sistólico crescendo-decrescendo rude, mais audível no ápice e no bordo inferior esquerdo do esterno:
      • Pode irradiar para a axila, mas não para o pescoço.
        • Intensidade ↑ com posição de pé, sentado ou deitado
        • Intensidade ↑ com a manobra de Valsalva
        • Intensidade ↓ com o agachamento
      • O sopro panssistólico de regurgitação mitral é ouvido às vezes
      • Frémito (sensação vibratória palpável) sistólico no ápice ou no bordo inferior esquerdo do esterno
      • Pavimento ventricular esquerdo palpável (sensação de empurrão/movimento para cima na mão)
      • O 2º som cardíaco pode ter dissociação.
      • Podem ser ouvidos galopes S3 ou S4 em pacientes mais jovens.
      • Impulso proeminente e enérgico no ápice
      • Pode estar presente pulso bisferians (bifásico) carotídeo ou arterial.
      • PA elevada
      • Taquicardia
      • Hipotensão num cenário de colapso hemodinâmico agudo
Sopros cardíacos na mcho

Fonocardiogramas de sons cardíacos anormais causados pela miocardiopatia hipertrófica obstrutiva (MCHO):
Os pacientes com MCHO e obstrução da via de saída do ventrículo esquerdo podem apresentar um sopro sistólico crescendo-decrescendo, mais audível no ápice e no bordo esternal esquerdo inferior.

Imagem por Lecturio.

Diagnóstico

  • Diagnóstico inicial baseado na história e no exame físico:
    • Dada a prevalência de ausência de sintomas, é essencial fazer-se um exame físico e rastreio anual de todos os atletas durante a pré-época.
    • Pode exigir mais investigação:
      • Toracalgia inexplicável, falta de ar com o esforço, síncope, palpitações
      • História familiar de MCH ou morte súbita cardíaca em idade precoce
      • Sopro cardíaco sistólico
  • ECG:
    • Anormal em > 90% dos casos
    • Desvio esquerdo do eixo
    • Anomalias da onda P (difásica) consistentes com o alargamento da da aurícula esquerda ou biauricular
    • Anormalias patológicas da onda Q nas derivações inferiores (II, III e aVF) e laterais (I, aVL, V5, V6)
    • Ondas R aumentadas nas derivações laterais com ondas S profundas em V1, V2:
      • Soma em milímetros (mm) da onda S em V1 e da onda R em V5 > 35 mm, indicativo de hipertrofia ventricular esquerda (HVE)
    • Pode ou não mostrar o alargamento do QRS
    • Anormalias da onda ST-T nas derivações laterais, incluindo segmento ST horizontal ou em declive com inversão da onda T
  • Ecocardiograma com Doppler:
    • Avaliação de:
      • Tamanho e estrutura cardiaca
      • Função sistólica e diastólica
      • Presença e gravidade da obstrução da via de saída do ventrículo esquerdo ou regurgitação mitral
    • Achados sugestivos de MCH
      • Espessamento assimétrico da parede ventricular esquerda
      • Espessamento de parede variável, mais frequentemente visto no septo interventricular
    • Critérios de diagnóstico:
      • HVE com uma espessura máxima de parede > 15 mm em adultos ou um z-score > 3 em crianças
      • Em caso de história familiar positiva para MCH ou variante de sarcómero patogénico, HVE com espessura máxima de parede > 13 mm suporta o diagnóstico
    • A maioria dos pacientes tem fração de ejeção ventricular esquerda (FEVE) normal.
  • Prova de esforço:
    • Prova de esforço em passadeira de preferência sob intervenção farmacológica → dá uma melhor ideia da capacidade funcional e das alterações cardiovasculares com a atividade física
    • Deve ser realizada em conjunto com o ecocardiograma
  • Monitoração em ambulatório (monitorização com Holter):
    • Deve ser realizado durante 24-48 horas
    • Usado para avaliar arritmias auriculares e ventriculares
  • RM cardíaca com gadolínio: proporciona uma avaliação mais avançada e confiável da estrutura cardíaca, anatomia e função do que o ecocardiograma.
  • A angiografia coronária e/ou cateterismo cardíaco está reservada para pacientes nos quais a doença arterial coronária precisa de ser excluída.
  • Testes genéticos: apenas se houver suspeita de MCH familiar

Tratamento

Tratamento

Não é conhecido nenhum tratamento farmacológico que melhore o prognóstico.

Objetivos do tratamento:

  • Reduzir os sintomas.
  • Reduzir a obstrução da via de saída do ventrículo esquerdo.
  • Controlar a FC para ↑ tempo de enchimento (com cautela para evitar bradicardia)
  • Manter as contrações auriculares.
  • Gerir/corrigir quaisquer defeitos de condução.
  • Evitar a depleção de volume.

Casos assintomáticos:

  • Observação com acompanhamento e vigilância de rotina (incluindo ECG e ecocardiograma de repetição)
  • Evitar exercício extenuante.

No estabelecimento de sintomas de insuficiência cardíaca sem obstrução da via de saída do ventrículo esquerdo:

  • Beta-bloqueadores (tratamento de eleição) ou bloqueadores dos canal de cálcio (BCCs) não dihidropiridínicos
  • Diuréticos se sinais ou sintomas de sobrecarga de fluidos
  • Se persistirem sintomas graves e em caso de reconfirmação da ausência de obstrução da via de saída do ventrículo esquerdo, poderá ser necessário um transplante cardíaco.

No quadro de sintomas de insuficiência cardíaca e obstrução da via de saída do ventrículo esquerdo:

  • Monoterapia com beta-bloqueadores: Tratamento de 1ª linha
  • Monoterapia com BCCs não dihidropiridinicos (ou seja, verapamil) pode ser usada se:
    • Os beta-bloqueadores são contra-indicados ou não tolerados
    • Sem sinais ou sintomas de hipotensão, sobrecarga de volume ou dispneia grave
  • Se a monoterapia não for suficiente:
    • Adição de disopiramida (não deve ser usada como monoterapia ou se houver prolongamento do intervalo QT no ECG)
    • Terapia combinada beta-bloqueador + BCCs não dihidropiridinicos
  • Evitar
    • Diuréticos e vasodilatadores como a BCCs dihidropiridínicos (ou seja, amlodipina)
    • Inibidores da ECA
    • Antagonistas dos recetores da angiotensina II (ARAs)
  • Se os sintomas limitantes persistirem:
    • Miectomia septal cirúrgica (resseção parcial da parede septal espessada)
    • Ablação septal com álcool (etanol) via cateterismo cardíaco (cria um enfarte do miocárdio localizado resultando em remodelação cardíaca)

Complicações

  • Fibrilhação auricular concomitante:
    • Beta-bloqueadores, BCCs, ou terapêutica com fármacos antiarrítmicos
    • Cardioversão como último recurso
    • Fibrilhação auricular: profilaxia do tromboembolismo com um anticoagulante como a varfarina
    • Arritmias ventriculares: deve considerar-se um cardioversor-desfibrilador implantável (CDI).
  • Aneurisma apical do VE: profilaxia do tromboembolismo com um anticoagulante como a varfarina

Prognóstico

  • Mortalidade entre 1% e 4%
  • Mais alta em jovens
  • O diagnóstico precoce e a intervenção têm diminuído a mortalidade.

Diagnóstico Diferencial

  • Doença cardíaca hipertensiva: a PA elevada, não tratada e não controlada, pode causar hipertrofia cardíaca do ventrículo esquerdo. A doença cardíaca hipertensiva é tipicamente observada em adultos que têm uma PA alta há > 10 anos e apresentam sinais de outras lesões de órgão-alvo. O diagnóstico é feito com base no ECG e no ecocardiograma. A espessura da parede ventricular esquerda raramente excede 15 mm na doença hipertensiva. O tratamento é com fármacos anti-hipertensivos, perda de peso e restrição de sódio. A regressão gradual da HVE pode ocorrer ao longo do tempo com tratamento adequado.
  • Estenose da válvula aórtica: pode ocorrer devido a anomalias congénitas da válvula em pacientes mais jovens ou secundária à estenose aterosclerótica da válvula numa fase mais tardia da vida. A estenose da válvula aórtica é a causa mais comum de obstrução da via de saída do ventrículo esquerdo causando hipertrofia da parede ventricular esquerda. Os sinais e sintomas são semelhantes aos da MCH. O ecocardiograma confirma o diagnóstico, mostrando folhetos aórticos espessados e calcificados com um orifício aórtico estreito. O tratamento é com fármacos usados com frequência na insuficiência cardíaca. Em casos graves, é recomendada a cirurgia de substituição valvular.
  • Doença de Fabry: uma doença recessiva ligada ao X de armazenamento de glicolípidos causada por uma deficiência da enzima lisossómica, alfa-galactosidase A. Os homens são mais afetados do que as mulheres. A doença de Fabry causa hipertrofia concêntrica (mais comum), excêntrica e assimétrica do ventrículo esquerdo, mas a obstrução da via de saída do ventrículo esquerdo é rara. Embora o ECG, o ecocardiograma e a RM cardíaca sejam úteis na avaliação, é necessário a determinação da atividade dos leucócitos alfa-galactosidase A e testes genéticos para o diagnóstico. O tratamento envolve terapia de substituição enzimática, além de terapia farmacológica para insuficiência cardíaca.
  • Coração de atleta: a hipertrofia cardíaca não patológica com espessura de parede ventricular esquerda de até 13-15 mm também pode ser observada em atletas altamente treinados. O treino de força e de resistência intenso pode induzir aumento na massa ventricular esquerda, espessura simétrica da parede e tamanho da cavidade. Uma história completa, incluindo história familiar e diferenciando as características de apresentação usando ECG, ecocardiograma, ressonância magnética cardíaca e prova de esforço, ajuda a distinguir o coração de atleta da MCH. Não é necessário nenhum tratamento para o coração de atleta, uma vez que é uma situação benigna.
  • Miocardiopatia restritiva: uma doença que ocorre secundária à cicatrização e/ou infiltração do músculo cardíaco. A miocardiopatia restritiva é caracterizada por um endurecimento dos ventrículos, causando um relaxamento e um enchimento do coração deficientes, resultando em disfunção diastólica e eventual insuficiência cardíaca. Os pacientes normalmente apresentam-se com sinais e sintomas de insuficiência cardíaca. Um estudo semelhante ao utilizado para a MCH ajuda a fazer o diagnóstico. O tratamento inclui farmacoterapia e o uso de dispositivos implantáveis. Pode ser necessário um transplante cardíaco em casos refratários.
  • Miocardiopatia dilatada (MCD): o tipo mais comum de miocardiopatia não isquémica. A miocardiopatia dilatada causa insuficiência cardíaca sistólica. A etiologia pode ser idiopática, familiar ou secundária a várias doenças subjacentes. A miocardiopatia dilatada é caracterizada pelo aumento de 1 ou ambos os ventrículos e pela redução da função sistólica. Os pacientes normalmente apresentam-se com sinais e sintomas de insuficiência cardíaca. Um estudo semelhante ao utilizado para a MCH ajuda a fazer o diagnóstico. O tratamento inclui a farmacoterapia e o uso de dispositivos implantáveis. A miocardiopatia dilatada é a causa mais comum de transplante cardíaco.

Referências

  1. Iantorno, M. (2020). Hypertrophic cardiomyopathy. MedlinePlus. Retrieved February 6, 2021, from https://medlineplus.gov/ency/article/000192.htm
  2. Morita, H., et al. (2006). Single-gene mutations and increased left ventricular wall thickness in the community: The Framingham Heart Study. Circulation. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/16754800/
  3. Veselka, J., Anavekar, N.S., Charron, P. (2017). Hypertrophic obstructive cardiomyopathy. Lancet. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27912983/
  4. Wigle, E.D., Rakowski, H., Kimball, B.P., Williams, W.G. (1995). Hypertrophic cardiomyopathy. Clinical spectrum and treatment. Circulation. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/7671349/
  5. Elliott, P.M., Kaski, J.C., Prasad, K., Seo, H., Slade, A.K., Goldman, J.H., McKenna, W.J. (1996). Chest pain during daily life in patients with hypertrophic cardiomyopathy: An ambulatory electrocardiographic study. Eur Heart J. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/8809524/
  6. Gersh, B.J. et al. (2011). American College of Cardiology Foundation/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines; American Association for Thoracic Surgery; American Society of Echocardiography; American Society of Nuclear Cardiology; Heart Failure Society of America; Heart Rhythm Society; Society for Cardiovascular Angiography and Interventions; Society of Thoracic Surgeons. 2011 ACCF/AHA guideline for the diagnosis and treatment of hypertrophic cardiomyopathy: Executive summary: A report of the American College of Cardiology Foundation/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines. Circulation. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/22068435/
  7. Veselka, J., Anavekar, N.S., Charron, P. Hypertrophic obstructive cardiomyopathy. Lancet. 2017 Mar 25;389(10075):1253-1267. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27912983/
  8. Cirino, A.L., Ho, C. (2008, updated 2019) Hypertrophic Cardiomyopathy Overview. GeneReviews® [Internet]. Retrieved February 6, 2021, from https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK1768/
  9. Shore, S. (2020). 2020 AHA/ACC Guideline for Hypertrophic Cardiomyopathy: Key Perspectives. American College of Cardiology. Retrieved February 8, 2021, from https://www.acc.org/latest-in-cardiology/ten-points-to-remember/2020/11/18/18/47/2020-aha-acc-guideline-for-hcm-gl-hcm

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

Details