Micologia: Visão Geral

Os fungos pertencem ao domínio eucariota e, tal como as plantas, apresentam paredes celulares e vacúolos, exibem fluxo citoplasmático e são imóveis. No entanto, praticamente todos os fungos possuem paredes celulares compostas por quitina e não por celulose. Os fungos não realizam a fotossíntese, obtendo os substratos para o seu metabolismo como saprófitas (obtêm o seu alimento a partir da matéria morta). Uma micose é uma infeção causada por fungos.

Última atualização: May 6, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Formas de Crescimento e Reprodução

Formas de crescimento

  • As formas multicelulares incluem bolores e cogumelos:
    • Compostas principalmente por hifas filiformes:
      • Septadas: paredes celulares subdividem as hifas.
      • Cenocíticas: Hifas que não possuem paredes celulares.
    • Os “cogumelos” que nos são familiares são os órgãos reprodutores (talos) dos fungos.
    • Sistemas tubulares em rede nos quais as hifas formam redes ramificadas (micélio)
  • As formas unicelulares incluem as leveduras:
    • As leveduras não possuem hifas ou micélio.
    • Algumas espécies formam estruturas pseudo-multicelulares (leveduras que se reproduzem por gemulação).
  • Fungos dimórficos:
    • Podem existir como formas uni ou multicelulares
    • Os fatores ambientais (temperatura, humidade, presença de nutrientes) podem desencadear alterações.

Estrutura

  • As células fúngicas têm características semelhantes às células vegetais e animais:
    • Características comuns às células animais:
      • Presença de um núcleo ligado à membrana
      • Organelos como mitocôndrias
      • Falta de cloroplastos
    • Características comuns às células vegetais:
      • Presença de uma parede celular
      • Contêm vacúolos
  • Os fungos têm propriedades únicas que os distinguem dos animais e das plantas:
    • As paredes celulares contêm quitina, ao contrário das paredes celulares das plantas que contêm celulose.
    • As membranas celulares contêm ergosterol, ao contrário das membranas celulares animais que contêm colesterol.

Reprodução

A reprodução pode ser sexuada ou assexuada.

  • Tipos de reprodução assexuada:
    • Fissão binária
    • Quebra das hifas, desagregação e regeneração
    • Gemulação (leveduras)
    • Formação de conídios (contendo esporos mitóticos assexuados)
  • Reprodução sexuada:
    • Fusão de 2 células haploides:
      • Autofecundação: 2 células do mesmo organismo
      • Fertilização cruzada: células de diferentes organismos
    • O zigoto diploide que surge sofre meiose para formar esporos haploides.
    • Os esporos germinam para criar mais micélios haploides.
Gemulação nos fungos

A gemulação nos fungos:
As leveduras com reprodução por gemulação dividem-se assimetricamente. Existem os estados haploide e diploide (2 tipos a cruzar-se, a e α). Cada tipo que se cruza secreta a sua própria feromona.
1: Gemulação: A divisão celular mitótica pode ocorrer nos estados haploide e diploide, resultando em células-filhas geneticamente idênticas.
2: Cruzamento: Cada tipo secreta a sua própria feromona, iniciando o processo de cruzamento. Isso resulta numa célula diploide.
3: Esporulação: as células diploides podem sofrer meiose, o que resulta na formação de esporos. Estes esporos podem germinar em células haploides.

Imagem: “Yeast lifecycle” de Masur. Licença: Domínio Público

Produtos Tóxicos de Fungos

Tabela: Produtos tóxicos de fungos
Toxina Fungo Efeito
Aflatoxina
  • Aspergillus flavus
  • A. parasiticus
Altamente cancerígeno e frequentemente a causa de intoxicação alimentar (vestígios em nozes, grãos, especiarias)
Amanitina Amanita phalloides (cogumelo chapéu-da-morte) Inibição da RNA polimerase II, letal mesmo em pequenas doses
Muscarina A. muscaria (cogumelo venenoso ou cogumelo agário-das-moscas) Afeta a regulação parassimpática do sistema nervoso
Ergotamina Esporão-do-centeio (Claviceps purpurea) Afeta o sistema nervoso autónomo, causa alucinações e afeta as contrações uterinas
Ciclosporina A
  • Cylindrocarpon
  • Tolypocladium
Imunossupressor (utilização clínica: após o transplante de órgãos)

Efeito Patogénico dos Fungos

  • Micoses : doenças infeciosas causadas por fungos:
    • Geralmente não causam problemas em indivíduos saudáveis
    • Podem causar infeções oportunistas em indivíduos imunocomprometidos
  • Classes:
    • Micoses superficiais:
      • Orofaringe: observada frequentemente em bebés, idosos ou indivíduos imunocomprometidos
      • Área anogenital: as infeções vaginais fúngicas são frequentes mesmo em indivíduos saudáveis.
      • Pele: fungos queratinofílicos (também conhecidos como dermatófitos) que afetam a pele, o cabelo e as unhas humanas
    • Micoses sistémicas:
      • Desenvolvem-se quando os esporos dos fungos são inalados ou introduzidos na corrente sanguínea
      • Podem manifestar-se em diferentes órgãos internos, resultando em infeções graves e letais.
      • Os doentes VIH positivos ou imunossuprimidos são suscetíveis a micoses sistémicas.
  • Exemplos:
    • Candidíase oral: infeção da mucosa oral; espécies Candida
    • Onicomicose: infeção das unhas; Trichophyton rubrum
    • Dermatofitose: infeção da pele (tinea pedis, corporis ou cruris)
      • Microsporum canis, M. audouinii, M. gypseum
      • Epidermophyton floccosum
      • Trichophyton tonsurans, T. mentagrophytes, T. verrucosum, T. schoenlenii
    • Coccidioidomicose: uma infeção fúngica pulmonar ou disseminada
      • Coccidioides immitis
      • C. posadasii
Tinea pedis

A tinea pedis também é conhecida como pé de atleta.

Imagem: “Tinea pedis interdigitalis” de Falloonb. Licença: Domínio Público

Síntese de Antimicrobianos

Alguns fungos são capazes de produzir substâncias que são eficazes como antimicrobianos:

  • Penicilina pelo Penicillium notatum
  • Cefalosporina pelo Acremonium
  • Estreptomicina pelo Streptomyces griseus
  • Griseofulvina pelo P. griseofulvum
  • 50 das cerca de 2.000 substâncias caracterizadas como antibióticos são utilizadas como quimioterápicos.

Relevância Clínica

Infeções fúngicas oportunistas

Muitos fungos são oportunistas e são especialmente patogénicos em doentes imunocomprometidos. As infeções fúngicas sistémicas oportunistas (micoses) incluem a candidíase, a aspergilose, a mucormicose e a fusariose, e geralmente manifestam-se por pneumonia rapidamente progressiva ou fungémia.

Infeções fúngicas primárias

Causadas pela inalação dos esporos dos fungos, o que resulta em pneumonia. As diferentes infeções têm uma distribuição geográfica específica:

  • Coccidioidomicose: sudoeste dos EUA, Washington, norte do México e América Central e do Sul
  • Histoplasmose: Leste e Meio-Oeste dos EUA, regiões da América Central e do Sul, África, Ásia e Austrália
  • Blastomicose: confinada à América do Norte e a África
  • Paracoccidioidomicose: América do Sul

Referências

  1. Centers for Disease Control and Prevention. (2019). Types of Fungal Diseases. http://www.cdc.gov/fungal/diseases/index.html
  2. Blackwell, M. (2011). The fungi: 1, 2, 3 … 5.1 million species? American Journal of Botany. 98(3), 426–438. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/21613136/
  3. Centers for Disease Control and Prevention. (2015). Candidiasis. http://www.cdc.gov/fungal/diseases/candidiasis/index.html
  4. Centers for Disease Control and Prevention. (2014). Vaginal Candidiasis. http://www.cdc.gov/fungal/diseases/candidiasis/genital/index.html
  5. Centers for Disease Control and Prevention. (2015). Invasive Candidiasis. http://www.cdc.gov/fungal/diseases/candidiasis/invasive/index.html
  6. Delaloye, J., Thierry, C. (2014). Invasive candidiasis as a cause of sepsis in the critically ill patient. Virulence. 5(1), 161–169. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/24157707/
  7. Centers for Disease Control and Prevention. (2015). Ringworm. http://www.cdc.gov/fungal/diseases/ringworm/index.html
  8. Centers for Disease Control and Prevention. (2014). Sporotrichosis. http://www.cdc.gov/fungal/diseases/sporotrichosis/index.html
  9. Centers for Disease Control and Prevention. (2015). Aspergillosis. http://www.cdc.gov/fungal/diseases/aspergillosis/index.html
  10. Centers for Disease Control and Prevention. (2015). Blastomycosis. http://www.cdc.gov/fungal/diseases/blastomycosis/index.html
  11. van de Peppel, R.J., et al. (2018). The burden of invasive aspergillosis in patients with haematological malignancy: A meta-analysis and systematic review. The Journal of Infection. 76(6), 550–562. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29727605/
  12. Fernández-Cruz, A., et al. (2018). Bronchoalveolar lavage fluid cytology in culture-documented invasive pulmonary aspergillosis in patients with hematologic diseases: Analysis of 67 episodes. Journal of Clinical Microbiology. 56(10), e00962–e00918. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30021823/
  13. Mohedano Del Pozo, R.B., et al. (2018). Diagnosis of invasive fungal disease in hospitalized patients with chronic obstructive pulmonary disease. Revista Iberoamericana de Micología. 35(3), 117–122. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30078525/
  14. Alanio, A., Bretagne, S. (2017). Challenges in microbiological diagnosis of invasive Aspergillus infections. F1000Res. 6(F1000) Faculty Rev-157. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28299183/
  15. Zilberberg, M.D., et al. (2018). Epidemiology and outcomes of hospitalizations with invasive aspergillosis in the United States, 2009-2013. Clinical Infectious Diseases. 67(5), 727–735. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29718296/
  16. Kanj, A., et al. (2018). The spectrum of pulmonary aspergillosis. Respiratory Medicine. 141, 121–131. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30053957/
  17. Davda, S., et al. (2018). The development of pulmonary aspergillosis and its histologic, clinical, and radiologic manifestations. Clinical Radiology. 73(11), 913–921. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30075854/
  18. Hoenigl, M., et al. (2018). Global guidelines and initiatives from the European Confederation of Medical Mycology to improve patient care and research worldwide: New leadership is about working together. Mycoses. 61(11), 885–894. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30086186/
  19. Jenks, J.D., Hoenigl, M. (2018). Treatment of aspergillosis. Journal of Fungi (Basel). 4(3), 98. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30126229/
  20. Fang, J., et al. (2021). Efficacy of antifungal drugs in the treatment of oral candidiasis: A Bayesian network meta-analysis. The Journal of Prosthetic Dentistry. 125(2), 257–265. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32165010/
  21. Valente, P., et al. (2020). Management of laryngeal candidiasis: An evidence-based approach for the otolaryngologist. European Archives of Otorhinolaryngology. 277(5), 1267–1272. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32107617/
  22. Hurvitz, A.Z., et al. (2020). Palatal erythema with histological psoriasiform pattern: An enigmatic oral finding shared by a range of conditions. Head and Neck Pathology 14(4), 1111–1116. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31989432/
  23. Willems, H.M.E., et al. (2020). Vulvovaginal candidiasis: A current understanding and burning questions. Journal of Fungi (Basel). 6(1), 27. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32106438/
  24. Dubey, A.K., Singla, R.K. (2019). Current trends in anti-Candida drug development. Current Topics in Medicinal Chemistry. 19(28), 2525–2526. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31876267/
  25. Hashemi, S.E., et al. (2019). Species distribution and susceptibility profiles of Candida species isolated from vulvovaginal candidiasis, emergence of C. lusitaniae. Current Medical Mycology. 5(4), 26–34. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32104741/
  26. Bertolini, M., Dongari-Bagtzoglou, A. (2019). The relationship of Candida albicans with the oral bacterial microbiome in health and disease. Advances in Experimental Medicine and Biology. 1197, 69–78. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31732935/
  27. Raesi Vanani, A., et al. (2019). Antifungal effect of the effect of Securigera securidaca L. vaginal gel on Candida species. Current Medical Mycology. 5(3), 31–35. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31850394/

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

Details