Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Menopausa

A menopausa é um processo fisiológico que ocorre em mulheres, esta caracteriza-se pela cessação permanente da menstruação após os ovários deixarem de ter atividade. A menopausa só pode ser diagnosticada de forma retrospetiva, após 12 meses sem hemorragia menstrual. Durante a transição para a menopausa, os níveis de hormonas reprodutivas podem flutuar significativamente, provocando sintomas que incluem sensações súbitas de calor, distúrbios do sono e do humor e secura vaginal. Nas mulheres pós-menopausa, os baixos níveis de estrogénio contribuem para um risco aumentado de doença cardiovascular, osteoporose e disfunção sexual devido à atrofia vulvovaginal resultante. Para algumas mulheres, estes sintomas afetam de forma negativa a qualidade de vida, sendo necessário tratamento. O tratamento assenta, geralmente, na terapêutica hormonal da menopausa (THM), mas também existem outras opções.

Última atualização: 1 Jun, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Definição e Epidemiologia

Definição

A menopausa corresponde à cessação permanente e fisiológica da menstruação, após a perda de atividade dos ovários. Esta é determinada retrospetivamente, após 12 meses consecutivos sem hemorragia menstrual e com níveis baixos de estrogénio.

Epidemiologia

  • Idade média: 51 anos
  • Faixa etária típica: 44-55 anos (95% das mulheres)
  • Anormal < 40 anos: insuficiência ovárica primária
  • Fatores que influenciam a idade da menopausa:
    • Genética
    • Etnia
    • Tabagismo
    • História reprodutiva
    • Quimioterapia ou radiação pélvica
    • Histerectomia com conservação ovárica → comprometimento pós-cirúrgico do suprimento sanguíneo
    • Ooforectomia bilateral → menopausa cirúrgica

Fisiologia

A menopausa carateriza-se por uma ↓ fisiológica dos oócitos causada por atresia progressiva, o que culmina num estado hipoestrogénico crónico na pós-menopausa. Durante o período de transição, os níveis hormonais flutuam de forma significativa.

Hormônios que antecedem, durante e após a menopausa

As principais alterações hormonais observadas na perimenopausa/menopausa são a diminuição do estrogénio e da progesterona e um aumento da hormona folículo-estimulante (FSH, pela sigla em inglês) e da hormona luteinizante (LH, pela sigla em inglês).
GnRH: hormona libertadora de gonadotrofinas

Imagem por Lecturio.

Fisiologia da transição da menopausa

Contagens normais de oócitos:

  • Ao nascimento: 1-2 milhões de oócitos
  • Na puberdade: 400.000 oócitos
  • Aos 30-35 anos: 100.000 oócitos
  • Na menopausa: < 1.000 oócitos

Efeitos do estrogénio:

  • Inibição da libertação da FSH
  • Estimulação do endométrio
  • Lubrificação vaginal
  • Crescimento mamário
  • Formação óssea
  • Efeitos moduladores na termorregulação e no humor

Idade reprodutiva tardia/transição para a menopausa precoce:

  • Perimenopausa:
    • Período de transição entre o estadio reprodutivo e o não reprodutivo
    • Começa em média 4 anos antes da última menstruação
    • Geralmente dura entre 2 a 8 anos
    • Caracteriza-se pelo aumento das irregularidades menstruais e por níveis hormonais flutuantes
  • ↓ Oócitos → ↓ estrogénio → ↓ inibição da FSH → ↑ FSH → ↑ resposta folicular → ↑ estrogénio (meio do ciclo)
  • Flutuações significativas no nível de estrogénio ao longo do ciclo

Transição para a menopausa tardia:

  • Atresia acelerada dos oócitos
  • Suprimento folicular muito diminuído → mais ciclos anovulatórios
  • ↓ Oócitos → ↓ estrogénio → ↓ inibição da FSH → ↑ FSH → oócitos de ↓ qualidade que são incapazes de responder → estrogénio permanece ↓

O estrogénio principal muda de estradiol (E2) para estrona (E1):

  • Estradiol (E2):
    • Estrogénio principal nas mulheres em pré-menopausa
    • Produzido nos ovários
    • Significativamente ↓ na menopausa
  • Estrona (E1):
    • Estrogénio principal nas mulheres em pós-menopausa
    • Produzido principalmente pelo tecido adiposo
Contagem de oócitos ao longo da vida

Contagem de oócitos ao longo da vida de uma mulher:
A oogénese está quase completa ao nascimento e a contagem de oócitos viáveis vai diminuindo ao longo da vida da mulher.

Imagem por Lecturio.

Outras alterações hormonais da perimenopausa

Tabela: Outras alterações hormonais da perimenopausa
Hormona Alteração Explicação
Hormona anti-Mülleriana (HAM)
  • Secretada por folículos prematuros
  • Marcador da reserva ovárica
  • Começa a diminuir 5 anos antes da última menstruação
  • Pode aumentar o risco de gestações gemelares
Inibina B
  • Inibe a secreção de FSH
  • Pode começar a ↓ por volta dos 35 anos (primeiro marcador mensurável) → ↑ FSH
Hormona luteinizante (LH) e hormona folículo-estimulante (FSH) A inibina B tem um efeito inibitório sobre a LH e FSH, portanto, durante a menopausa, os seus níveis aumentam.
Testosterona
  • A fonte principal de produção muda dos ovários para as glândulas suprarrenais.
  • A hipoplasia do córtex adrenal leva a uma diminuição de 25% na testosterona.

Apresentação Clínica

A flutuação dos níveis hormonais no período de transição provoca os sintomas da perimenopausa. A apresentação clínica da pós-menopausa resulta dos níveis baixos de estrogénio decorrentes da perda de função ovárica, que persiste pelo resto da vida da mulher.

Sintomas da menopausa

Sintomas da menopausa, que também podem ser observados na insuficiência ovárica primária

Imagem : “Symptoms of menopause” por Mikael Häggström. Licença: CC0

Sintomas associados à perimenopausa

  • Alterações menstruais:
    • Idade reprodutiva tardia: Os ciclos menstruais são mais curtos (maior proximidade entre ciclos).
    • Transição para a menopausa: ciclos mais curtos → ciclos mais longos → ciclos muito irregulares/esporádicos → último período menstrual
  • Sintomas vasomotores:
    • Sensações súbitas de calor
    • Ocorrem em 50%–90% das mulheres
    • Geralmente duram entre 1 a 5 minutos, mas podem durar até 45 minutos
    • Suores noturnos
      • podem causar alterações significativas do sono → fadiga crónica
  • Sintomas emocionais:
    • Mudanças de humor e irritabilidade
    • Stress e ansiedade
  • Sintomas relacionados com a função sexual:
    • Síndrome geniturinária da menopausa (GSM, pela sigla em inglês):
      • atrofia vulvovaginal: as alterações físicas da vulva, vagina e do trato urinário inferior causadas pelo défice de estrogénio
    • Secura e prurido vaginal
    • Dispareunia

Sintomas e patologias associadas à pós-menopausa

Estes sintomas resultam do défice de estrogénio a longo prazo:

  • Perda óssea:
    • Osteoporose
    • Fraturas de fragilidade
  • Doença cardiovascular:
    • Agravamento do perfil lipídico ( colesterol).
    • Aumento de peso
    • ↑ Risco de enfarte do miocárdio e eventos tromboembólicos
  • Alterações capilares, musculares e cutâneas:
    • O cabelo torna-se mais fino.
    • A pele fica mais seca e áspera.
    • ↓ Massa magra e do tónus muscular
    • ↑ Massa gorda
  • Sintomas de GSM:
    • Secura/dispareunia
    • ↑ Risco de prolapso de órgãos pélvicos
    • Incontinência
    • ↑ Infeções do trato urinário (ITUs)

Mnemónica

HAVOCS:

  • Hot flashes (Sensações súbitas de calor)
  • Atrophy of the Vagina (atrofia vaginal)
  • Osteoporosis (Osteoporose)
  • Coronary artery disease (doença arterial coronária)
  • Sleep disturbances (distúrbios do sono)

Diagnóstico

  • Principalmente clínico
  • Exame pélvico:
    • Avalia a presença de atrofia vaginal no contexto de queixas relacionadas com a função sexual.
  • Não está indicada uma avaliação laboratorial de rotina:
    • Os níveis de FSH, LH e estrogénio flutuam significativamente, não sendo clinicamente úteis na maioria dos casos.
    • Exceção: se uma doente tiver uma hemorragia anormal na idade da menopausa, o ↑ FSH pode ser útil para esclarecimento diagnóstico
  • A presença de hemorragia uterina anormal deve ser investigada:
    • Biópsia endometrial
    • Ecografia pélvica
    • Histeroscopia se diagnóstico incerto
    • Possíveis achados patológicos:
      • Hiperplasia/cancro endometrial
      • Leiomiomas
      • Pólipos
      • Adenomiose
      • Disfunção ovulatória por outras causas

Tratamento

A maioria das mulheres na peri e pós-menopausa não necessita de tratamento. Os principais objetivos do tratamento são o alívio dos sintomas que afetam a qualidade de vida e a promoção da saúde através de rastreios adequados.

Terapêutica hormonal da menopausa (THM)

  • Terapêutica com estrogénio (TE):
    • Eficaz no tratamento de:
      • Sintomas vasomotores: sensações súbitas de calor, suores noturnos → distúrbios do sono
      • Alterações do humor na peri- (mas não na pós-) menopausa
      • GSM: secura vaginal, dispareunia
    • Vias terapêuticas:
      • Terapêutica sistémica: oral, adesivos transdérmicos, géis tópicos
      • Terapêutica vaginal: cremes, comprimidos vaginais, anel
    • Seleção da via e dosagem:
      • Administração contínua.
      • A via transdérmica é geralmente preferida para os sintomas vasomotores.
      • A TE vaginal é preferida para o tratamento da GSM isolada.
    • O estrogénio estimula o endométrio → é necessário um progestativo se a doente tiver útero
  • Progestinas:
    • Maior risco de eventos adversos do que a terapêutica com estrogénio
    • Necessário para a proteção do endométrio em doentes com útero
    • Seleção da via e dosagem:
      • Geralmente oral
      • Dar ciclicamente se ainda menstruar regularmente.
      • Dar de forma contínua no pós-menopausa.
  • Candidatas à terapêutica:
    • Doentes nos primeiros 10 anos após a menopausa
      • Doentes com < 60-65 anos
      • Sintomas graves o suficiente para afetar a qualidade de vida
      • Sem contraindicações
  • As contraindicações à THM incluem uma história de:
    • Cancro da mama hormono-sensível
      • Cancro do endométrio de alto risco
      • Hemorragia vaginal inexplicável
      • Doença cardiovascular
      • Tromboembolismo venoso
      • AVC ou acidente isquémico transitório (AIT)
      • Doença hepática aguda
  • Princípios gerais:
    • Utilizar a dose mais baixa durante o mínimo de tempo possível para tratar os sintomas.
    • Não deve ser usada para prevenção de doenças crónicas.
  • Riscos e benefícios para além do alívio dos sintomas:
    • A MHT ↑ risco de:
      • Cancro da mama
      • Doença cardiovascular
      • Trombose venosa profunda e acidente vascular cerebral
      • Doenças da vesícula biliar
    • A MHT ↓ risco de:
      • Osteoporose
      • Cancro colorretal
      • Mortalidade por todas as causas

Outras opções de tratamento para os sintomas vasomotores

  • Moduladores seletivos dos recetores de estrogénio (SERMs, pela sigla em inglês):
    • Modulam os efeitos do estrogénio
    • Efeitos diferentes (agonista vs. antagonista) consoante o tipo de tecido
    • Exemplos comuns:
      • Raloxifeno (agonista no osso, antagonista na mama e no útero)
      • Bazedoxifeno
      • Ospemifeno (especificamente para GSM)
  • Fármacos não hormonais:
    • Inibidores seletivos da recaptação de serotonina (SSRIs, pela sigla em inglês):
      • A paroxetina é o único SSRI aprovado pela FDA.
    • Inibidores da recaptação de serotonina e noradrenalina (SNRIs, pela sigla em inglês)
    • Gabapentina
    • Clonidina
  • Medicamentos botânicos e fitoterápicos:
    • Não se mostraram eficazes em ensaios clínicos
  • Modificação do estilo de vida:
    • Utilização de várias camadas de roupa.
    • Manter a temperatura ambiente em casa mais baixa.
    • Evitar álcool e cafeína.
    • Tratamento do stress.

Opções de tratamento para a GSM

  • Estrogénio vaginal de baixa dose:
    • Corresponde ao tratamento mais eficaz
    • As doses são suficientemente baixas para que não seja necessária a toma de progestativos como proteção endometrial.
  • Lubrificantes vaginais
  • Hidratantes vaginais
  • Atividade sexual regular ou uso de dilatadores

Rastreios recomendados para mulheres na menopausa

Tabela: Testes de rastreio para mulheres na menopausa
Teste Frequência
Citologia cervical Até aos 65 anos/ a cada 3 anos
Rastreio de diabetes Aos 45 anos/ a cada 3 anos
Colonoscopia Aos 50 anos (45 se for uma doente de alto risco)/ a cada 10 anos
Mamografia Aos 40 anos/ anualmente
Densidade mineral óssea Aos 65 anos/ a cada 2 anos se estiverem presentes fatores de risco

Vídeos recomendados

Diagnóstico Diferencial

  • Insuficiência ovárica primária (IOP): uma patologia caracterizada por perda da função ovárica em mulheres com < 40 anos. Os sintomas são semelhantes aos da menopausa, incluindo amenorreia, sintomas vasomotores e secura vaginal. A principal diferença é a idade da doente. A menopausa é um processo fisiológico natural, enquanto a IOP é patológica e pode ser causada por alterações genéticas ou cromossómicas, um processo autoimune ou toxinas ováricas. O tratamento passa por TRH, abordagem às questões de fertilidade e aconselhamento.
  • Hemorragia uterina anormal (HUA): o termo preferencialmente utilizado para hemorragias uterinas fora dos parâmetros da normalidade, que inclui hemorragias intensas e irregulares. As causas mais comuns incluem leiomiomas, pólipos, hiperplasia ou neoplasia do endométrio, coagulopatia (especialmente em mulheres mais jovens) e disfunção ovulatória. O diagnóstico geralmente requer uma biópsia do endométrio e uma ecografia pélvica. O tratamento depende da etiologia subjacente. Em mulheres na perimenopausa é importante excluir causas patológicas de HUA.
  • Distúrbios de ansiedade: podem causar sensações súbitas de calor, palpitações e alterações do humor, semelhantes à menopausa. Muitas vezes, estas patologias podem coexistir com a menopausa. O tratamento pode incluir SSRIs, SNRIs, outros ansiolíticos e psicoterapia.

Referências

  1. Casper, R.F. (2020). Clinical manifestations and diagnosis of menopause. In Martin, K. A. (Ed.), UpToDate. Retrieved February 4, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/clinical-manifestations-and-diagnosis-of-menopause 
  2. Martin, K. A., and Barbieri, R. L. (2020). Treatment of menopausal symptoms with hormone therapy. In Mulder, J.E. (Ed.), UpToDate. Retrieved February 4, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/treatment-of-menopausal-symptoms-with-hormone-therapy 
  3. Martin, K. A., and Barbieri, R. L. (2020). Menopausal hormone therapy: benefits and risks. In Mulder, J.E. (Ed.), UpToDate. Retrieved February 4, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/treatment-of-menopausal-symptoms-with-hormone-therapy 
  4. Welt, C. K. (2019). Ovarian development and failure (menopause) in normal women. In Martin, K. A. (Ed.), UpToDate. Retrieved February 4, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/ovarian-development-and-failure-menopause-in-normal-women 
  5. Schorge J.O., Schaffer J.I., et al. (2008). Williams Gynecology (1st ed. pp. 468-491).
  6. Kaunitz, A.M., Manson, J.E. (2015). Clinical expert series: Management of menopausal symptoms. Obstetrics & Gynecology. Vol. 126(4), pp. 859-876.
  7. Committee on Practice Bulletins-Gynecology. (2014). Practice bulletin: Management of menopausal symptoms. Obstetrics & Gynecology.

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

🍪 Lecturio is using cookies to improve your user experience. By continuing use of our service you agree upon our Data Privacy Statement.

Details