Domina os Conceitos Médicos

Estuda para o curso e exames de Medicina com a Lecturio

Malassezia Fungi

A Malassezia é uma levedura lipofílica encontrada frequentemente na superfície da pele de muitos animais, incluindo os humanos. Na presença de certos ambientes ou fatores desencadeantes, este fungo pode causar doenças patológicas que variam desde doenças superficiais da pele (tinea versicolor e dermatite) a doenças invasivas (por exemplo, foliculite por Malassezia, fungémia associada a cateter, meningite e infeções do trato urinário). Os doentes com tinea versicolor desenvolvem um exantema cutâneo hipo ou hiperpigmentado, assintomático ou levemente pruriginoso, no tórax, nas costas, no abdómen ou na face. A dermatite seborreica apresenta-se com uma erupção cutânea eritematosa e pruriginosa com descamação oleosa e crostas amarelas, afetando mais frequentemente áreas da face, a parte superior do tronco ou as regiões intertriginosas. A apresentação da foliculite por Malassezia é semelhante à da foliculite bacteriana, com pápulas ou pústulas monomórficas pruriginosas em padrão folicular. O diagnóstico das doenças superficiais da pele é feito principalmente pelo exame objetivo, no entanto, pode ser confirmado pela microscopia da raspagem de pele. O tratamento envolve a utilização de antifúngicos tópicos e orais.

Última atualização: 6 May, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Características Gerais e Epidemiologia

Características gerais da Malassezia

  • Conhecida anteriormente como Pityrosporum
  • Taxonomia:
    • Família: Malasseziaceae
    • Género: Malassezia
  • Dimórfica:
    • Levedura: esférica ou oval
    • Forma filamentosa (micélio): hifas curtas
  • As colónias são de cor creme ou amarelada.
  • Lipofílica
  • A maioria das espécies é dependente de lípidos.
  • Não é um dermatófito
  • Reproduz-se por gemulação unipolar

Espécies clinicamente relevantes

Existem várias espécies reconhecidas:

  • M. furfur (mais comum)
  • M. globosa (comum)
  • M. caprae
  • M. cuniculi
  • M. dermatis
  • M. equina
  • M. japonica
  • M. nana
  • M. obtusa
  • M. pachydermatis
  • M. psittaci
  • M. restricta
  • M. slooffiae
  • M. sympodialis
  • M. yamatoensis

Doenças associadas

  • Tinea (pitiríase) versicolor
  • Dermatite seborreica
  • Foliculite por Malassezia
  • Fungémia associada a cateter
  • Meningite
  • Artrite sética
  • Peritonite
  • Infeções do trato urinário

Epidemiologia

Tinea versicolor:

  • Maior incidência em climas tropicais e nos meses de verão
  • Mais comum em adultos (idades dos 20 aos 50 anos)

Foliculite por Malassezia:

  • Comum em ambientes quentes e húmidos
  • Mais comum em adolescentes e adultos jovens (idades dos 13 aos 45 anos)

Patogénese

Reservatório

As Malassezia fazem parte da flora normal da pele em humanos e animais.

Fatores de risco do hospedeiro

Os fatores de risco que predispõem a doença incluem:

  • Predisposição genética
  • Ambientes quentes e húmidos
  • Imunossupressão:
    • Uso de esteroides
    • Diabetes
    • Neoplasia hematológica
    • Transplante de órgão
  • Desnutrição
  • Produção excessiva de sebo
  • Hiperidrose
  • Recém-nascidos (infeções associadas ao cateter)

Fisiopatologia

Tinea versicolor:

  • Conversão da Malassezia na forma patogénica de micélio → sobrecrescimento no estrato córneo → degradação dos lípidos → produção de ácido azelaico → inibição da tirosinase e lesão dos melanócitos → hipopigmentação e descamação
  • Resposta inflamatória → hiperpigmentação e / ou coloração rosada

Dermatite seborreica:

  • O mecanismo fisiopatológico exato permanece desconhecido.
  • A Malassezia cliva os ácidos gordos do sebo → liberta ácidos gordos livres inflamatórios
  • Produção aberrante de queratinócitos → estrato córneo anormal → resposta inflamatória estimulada → erupção cutânea
  • Outros fatores podem ser o stress oxidativo e os radicais de oxigénio que danificam as células.

Foliculite por Malassezia:

  • Obstrução de um folículo piloso → ambiente sebáceo para o crescimento das leveduras
  • Degradação dos lípidos → ácidos gordos inflamatórios → resposta inflamatória

Apresentação Clínica e Diagnóstico

Tinea versicolor

Sintomas:

  • Geralmente assintomático, mas pode causar prurido leve
  • Exantema em evolução
  • As áreas afetadas não ficam bronzeadas (geralmente torna-se mais evidente durante os meses de verão).

Exame objetivo:

  • Aspeto do exantema:
    • Numerosas lesões ovais ou redondas bem delimitadas
    • Máculas, placas ou manchas
    • Descamativo
    • Hipopigmentado, hiperpigmentado ou rosado
  • Distribuição:
    • Tórax
    • Costas
    • Abdómen
    • Face
    • Pescoço

Dermatite seborreica

  • Prurido moderado a grave
  • Aspeto do exantema:
    • Pápulas e placas eritematosas
    • Descamação espessa e gordurosa
    • Crostas amarelas
  • Distribuição:
    • Couro cabeludo
    • Sobrancelhas
    • Área do bigode / barba
    • Pregas nasolabiais
    • Parte superior do tórax e dorso
    • Áreas intertriginosas
Dermatite seborreica em recetor de transplante renal

Dermatite seborreica num doente recetor de transplante renal:
Notar as pápulas eritematosas descamativas no queixo e nas pregas nasolabiais.

Imagem: “Inflammatory Cutaneous Diseases in Renal Transplant Recipients” do International Journal of Molecular Sciences. Licença: CC BY 4.0

Foliculite por Malassezia

Esta condição pode parecer semelhante ao acne vulgar ou à foliculite bacteriana:

  • Pápulas ou pústulas eritematosas monomórficas
  • Padrão folicular
  • Prurido
  • Distribuição:
    • Costas
    • Região superior do braço
    • Tórax
    • Pescoço
    • Testa
    • Queixo
    • Faces laterais do rosto

Diagnóstico

O diagnóstico é feito sobretudo clinicamente, com base na história e no exame objetivo. O estudo adicional pode incluir:

  • Observação com lâmpada de Wood:
    • Fluorescência amarela a amarela-esverdeada
    • Em apenas ⅓ dos casos
  • Microscopia:
    • Raspagem da pele com preparação de KOH
    • As hifas e os esporos conferem uma aparência em “esparguete com almôndegas”
  • Podem ser obtidas culturas se doença invasiva (por exemplo, meningite, artrite sética).
Organismos fúngicos de malassezia furfur

Organismos fúngicos de Malassezia furfur:
Esta fotomicrografia de uma amostra tecidual de descamação da pele revela a presença de numerosos organismos fúngicos de M. furfur. Notar o aspeto em esparguete com almôndegas devido à presença de leveduras e de hifas.

Imagem: “2916” do CDC/Dr. Lucille K. Georg. Licença: Domínio Público

Tratamento e Prevenção

Tratamento

  • Antifúngicos tópicos:
    • Champô de sulfureto de selénio
    • Champô piritionato de zinco
    • Creme ou champô de cetoconazol
    • Miconazol
    • Terbinafina
  • Antifúngico oral (para infeções generalizadas, recorrentes, invasivas ou refratárias):
    • Fluconazol
    • Itraconazol
    • Voriconazol
    • Anfotericina B (para a doença invasiva grave)

Prevenção

As recorrências de tinea versicolor e de dermatite seborreica podem ser prevenidas com profilaxia antifúngica tópica.

Diagnósticos Diferenciais

  • Dermatite atópica: doença cutânea crónica, recorrente e inflamatória. Os doentes apresentam-se com manchas pruriginosas, eritematosas, espessadas e descamativas que afetam frequentemente as regiões flexoras. Esta distribuição e aparência diferenciam a dermatite atópica da tinea versicolor e da dermatite seborreica. O diagnóstico é clínico. O tratamento centra-se na evicção dos potenciais desencadeantes, em corticoides tópicos e em terapia imunossupressora.
  • Pitiríase alba: doença cutânea comum que geralmente afeta crianças e adolescentes. A pitiríase alba é frequentemente considerada uma manifestação de dermatite atópica. Os doentes apresentam, tipicamente, eritema e descamação, seguidos de máculas e manchas redondas e hipopigmentadas, que aparecem geralmente na face, tronco superior ou membros superiores. O diagnóstico é clínico. A pitiríase alba é considerada autolimitada, no entanto, pode levar meses a anos para se resolver. Para acelerar a resolução podem ser utilizados corticoides tópicos, emolientes e inibidores da calcineurina.
  • Vitiligo: doença despigmentante que causa a destruição dos melanócitos. A etiologia do vitiligo é desconhecida, mas os fatores genéticos e autoimunes podem desempenhar um papel relevante. Os doentes apresentam-se com máculas ou manchas hipo ou despigmentadas que surgem geralmente na face, mãos, joelhos e / ou órgãos genitais. O diagnóstico é clínico. O tratamento pode incluir corticoides tópicos, inibidores da calcineurina tópicos, imunossupressores e fototerapia.
  • Pitiríase rósea: doença cutânea aguda autolimitada de etiologia desconhecida. A pitiríase rósea apresenta-se com uma mancha única ovoide “sentinela”. A esta apresentação seguem-se placas difusas, pruriginosas e ovais com uma descamação fina periférica em colarete, distribuídas em árvore de natal no tronco. O diagnóstico é clínico. O tratamento não é necessário, no entanto, o prurido pode ser tratado com emolientes, corticoides tópicos e anti-histamínicos.
  • Psoríase gutata: variante da psoríase, uma doença inflamatória imunomediada da pele. Esta forma de psoríase manifesta-se por pequenas pápulas cor de salmão com aspeto em gota de orvalho sobre a pele. O tronco e as extremidades são as zonas comummente envolvidas. O diagnóstico é clínico e o tratamento inclui corticoides tópicos, calcitriol e fototerapia.
  • Tinea corporis: infeção fúngica superficial da pele que pode afetar a face, o tronco e as extremidades. As lesões de tinha do corpo são caracterizadas por descamação periférica, clareamento central e eritema. O diagnóstico geralmente é clínico, embora um exame de KOH mostre as hifas fúngicas. O tratamento inclui fármacos antifúngicos tópicos ou orais.
  • Acne vulgaris: doença comum das unidades pilossebáceas em adolescentes e adultos jovens. A Acne vulgaris é causada por hiperqueratinização folicular, produção excessiva de sebo, colonização folicular por Cutibacterium acnes e inflamação. A acne pode apresentar-se com comedões abertos ou fechados, pápulas, pústulas, nódulos ou quistos. O diagnóstico é baseado no exame clínico. O tratamento depende da gravidade, incluindo técnicas de cuidados de pele, tratamentos tópicos, antibióticos e retinoides.

Referências

  1. Goldstein, B., Goldstein, A. (2020). Tinea versicolor (pityriasis versicolor). UpToDate. Obtido a 23 de abril de 2021, em https://www.uptodate.com/contents/tinea-versicolor-pityriasis-versicolor
  2. Sasseville, D. (2021). Seborrheic dermatitis in adolescents and adults. In Corona, R. (Ed.), UpToDate. Recuperado a 28 de abril de 2021, em https://www.uptodate.com/contents/seborrheic-dermatitis-in-adolescents-and-adults
  3. Spelman, D. (2021). Invasive Malassezia infections. In Bond, S. (Ed.), UpToDate. Recuperado a 28 de abril de 2021, em https://www.uptodate.com/contents/invasive-malassezia-infections
  4. Jackson, J. D. (2020). Infectious folliculitis. In Ofori, A. O. (Ed.), UpToDate. Obtido a 28 de abril de 2021, em https://www.uptodate.com/contents/infectious-folliculitis
  5. Aaron, D. M. (2020). Tinea versicolor. MSD Manual Professional Version. Recuperado a 28 de abril de 2021, em https://www.msdmanuals.com/professional/dermatologic-disorders/fungal-skin-infections/tinea-versicolor
  6. Vest, B. E., Krauland, K. (2021). Malassezia furfur. StatPearls. Recuperado a 28 de abril de 2021, em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK553091/
  7. American Academy of Dermatology. (2021). Tinea versicolor. https://www.aad.org/public/diseases/a-z/tinea-versicolor-overview
  8. Mayo Clinic. (2020). Tinea versicolor. https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/tinea-versicolor/symptoms-causes/syc-20378385
  9. Pinney, S. S., Rashid, R. M., Rapini, R. P. (2020). Malassezia (Pityrosporum) folliculitis. In James, W. D. (Ed.), Medscape. Recuperado a 28 de abril de 2021, em https://emedicine.medscape.com/article/1091037-overview
  10. Sayed, C., del Mar Melendez-Gonzalez, M., Burkhart, C.N. (2020). Tinea versicolor. In Elston, D. M. (Ed.), Medscape. Recuperado a 28 de abril de 2021, em https://emedicine.medscape.com/article/1091575-overview

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

🍪 Lecturio is using cookies to improve your user experience. By continuing use of our service you agree upon our Data Privacy Statement.

Details