Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Fratura em Ramo Verde

Os ossos das crianças em crescimento apresentam características únicas, que, combinadas com os mecanismos únicos de lesão observados em idade pediátrica, resultam em padrões de fratura significativamente diferentes dos padrões comuns em adultos. A fratura em ramo verde é uma fratura incompleta geralmente vista em ossos longos. Normalmente, o osso fica dobrado, e a fratura estende-se apenas parcialmente através do osso. As fraturas em ramo verde têm alto risco de refratura e devem ser completamente imobilizadas. As fraturas em ramo verde raramente requerem redução, mas devem ser tratadas com cautela para evitar malunião ou deformidades com angulação. Um paciente com uma fratura em ramo verde deve ser encaminhado para ortopedia.

Última atualização: May 17, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Descrição Geral

Definição

Uma fratura em ramo verde é uma fratura de espessura parcial, que envolve uma fratura completa do osso cortical e do periósteo em apenas 1 lado do osso. A fratura é chamada “ramo verde” por se assemelhar à fratura de um ramo verde vivo, onde 1 lado do galho permanece intacto.

Greenstick fracture

Fratura em ramo verde do rádio:
As fraturas em ramo verde caracterizam-se pela ruptura do periósteo e do córtex ósseo em apenas 1 lado. Por vezes também se pode ver uma deformidade plástica do cúbito.

Imagem por Lecturio.

Epidemiologia

  • 12% de todas as idas ao serviço de urgência pediátrica dos EUA devem-se a lesões músculo-esqueléticas.
  • As fraturas são uma grande parte das lesões músculo-esqueléticas.
  • A fratura em ramo verde é mais comum <10 anos, mas pode ser vista em todas as idades (adultos incluídos)
  • A razão M:F é de 1:1
  • Aumento do risco com desnutrição e deficiência de vitamina D

Etiologia

Localização:

  • Mais comum em ossos longos:
    • Cúbito
    • Rádio
    • Perónio
    • Tíbia
    • Fémur
  • Pode ocorrer em qualquer osso (incluindo em ossos planos)

Causas:

  • O mais comum é uma queda em cima de uma mão estendida (FOOSH)
  • Saltos de trampolim (muitas vezes com várias crianças num trampolim) são a atividade mais comum para fratura em ramo verde
  • Também:
    • Acidente com veículo motorizado
    • Lesão desportiva
    • Trauma secundário ao abuso de crianças

Fisiopatologia

  • Características únicas do osso pediátrico:
    • Durante o crescimento, os ossos pediátricos consistem em cartilagem calcificada
    • O periósteo é mais ativo, espesso e resistente.
  • O osso pediátrico é mais complacente.
  • Fratura mais instável do que a fratura em toro, com potencial para deformidade com angulação e malunião

Apresentação Clínica e Diagnóstico

A apresentação clínica dos pacientes pediátricos com fraturas em ramo verde é semelhante a outras fraturas pediátricas.

História e física

  • Dor após trauma com diminuição da amplitude de movimento
  • O exame físico revela dor sobre o local de fratura com possível deformidade ou angulação.
  • O exame neurológico detalhado é essencial.

Imagiologia

  • As radiografias são diagnósticas:
    • Devem ser obtidas pelo menos 2 incidências (ortogonais ou em ângulo reto).
    • A imagem mostra fratura num lado do osso e deformidade angular (em toro) no outro.
  • Recomenda-se obter a imagem da articulação acima e abaixo do osso lesionado para excluir outras lesões associadas.

Vídeos recomendados

Tratamento

O tratamento de uma fratura em ramo verde baseia-se no deslocamento e no grau de angulação da fratura.

  • A fratura angulada pode exigir uma redução ou mesmo uma fratura completa (há falta de consenso sobre o tratamento).
  • Geralmente tratada com gesso ou com uma tala gessada após a redução da deformidade
  • As fraturas em ramo verde do antebraço requerem frequentemente uma redução seguida de imobilização numa tala gessada ou gesso fechado.
  • A fratura pode ter um aumento da deformidade após o gesso e potencial para malunião; portanto, é necessário o seguimento em ortopedia frequente.

Relevância Clínica

Outras lesões importantes do esqueleto pediátrico:

  • Fratura em toro: fratura que afeta o crescimento do osso metafisário secundário a uma carga compressiva, na qual o osso se dobra ou comprime. Uma fratura em toro é geralmente considerada uma fratura estável com um bom prognóstico e tratada com imobilização.
  • Fratura supracondiliana: uma fratura completa que afeta o úmero distal após FOOSH. Uma fratura supracondiliana é uma fratura do cotovelo comum em crianças e requer avaliação ortopédica imediata. Muitos casos estão associados a lesão neurovascular e requerem intervenção cirúrgica.
  • Fratura com avulsão da apófise: a apófise é um centro secundário de ossificação encontrado em segmentos de ossos que não suportam peso e são um local de inserção ligamentar ou tendinosa. Uma fratura com avulsão da apófise ocorre quando uma porção da apófise é arrancada por um ligamento, geralmente secundária a movimentos explosivos e a contrações musculares excêntricas. Uma fratura com avulsão da apófise é tratada principalmente de forma conservadora com repouso e controlo da dor, mas pode requerer tratamento cirúrgico se o fragmento de osso avulsionado for grande e estiver significativamente deslocado.

Referências

  1. Cheng JC, Shen WY. Limb fracture pattern in different pediatric age groups: a study of 3,350 children. J Orthop Trauma. 1993;7(1):15-22. doi: 10.1097/00005131-199302000-00004. PMID: 8433194.
  2. Naranje SM, Erali RA, Warner WC Jr, Sawyer JR, Kelly DM. Epidemiology of Pediatric Fractures Presenting to Emergency Departments in the United States. J Pediatr Orthop. 2016 Jun;36(4):e45-8. doi: 10.1097/BPO.0000000000000595. PMID: 26177059.
  3. Chasm RM, Swencki SA. Pediatric orthopedic emergencies. Emerg Med Clin North Am. 2010 Nov;28(4):907-26. doi: 10.1016/j.emc.2010.06.003. PMID: 20971397.
  4. Nellans KW, Kowalski E, Chung KC. The epidemiology of distal radius fractures. Hand Clin. 2012 May;28(2):113-25. doi: 10.1016/j.hcl.2012.02.001. Epub 2012 Apr 14. PMID: 22554654; PMCID: PMC3345129.
  5. Franklin CC, Robinson J, Noonan K, Flynn JM. Evidence-based medicine: management of pediatric forearm fractures. J Pediatr Orthop. 2012 Sep;32 Suppl 2:S131-4. doi: 10.1097/BPO.0b013e318259543b. PMID: 22890452.

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

Details