Estenose Hipertrófica do Piloro

A estenose hipertrófica pilórica é a hipertrofia e hiperplasia do músculo do esfíncter pilórico. A condição é a causa mais comum de obstrução gastrointestinal em bebés. Os recém-nascidos afetados, geralmente, apresentam-se sintomáticos após a terceira à quinta semana de vida, com vómitos progressivos não biliares e uma massa firme e semelhante a uma azeitona no epigástrio. A ecografia confirma o diagnóstico com base na espessura e no comprimento do músculo pilórico e no diâmetro do canal. O tratamento inicial consiste em ressuscitação volémica com correção dos desequilíbrios eletrolíticos, seguida de piloromiotomia aberta ou laparoscópica.

Última atualização: Sep 28, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Descrição Geral

Definição

A estenose hipertrófica do piloro é uma obstrução funcional do trato de saída gástrico, causada por hipertrofia e hiperplasia das camadas circular e longitudinal do piloro, em lactentes.

Estenose hipertrófica do piloro

Estenose hipertrófica do piloro

Imagem por Lecturio.

Epidemiologia

  • A causa mais comum de obstrução intestinal em lactentes
  • Ocorre em 1 3 em 1.000 crianças nos Estados Unidos
  • Mais comum em leucodérmicos, homens, primogénitos, grupos sanguíneos B ou O e aqueles com história positiva de estenose pilórica na mãe ou no pai

Etiologia

  • Associa-se a gastroenterite eosinofílica, síndrome de Apert, síndrome de Zellweger, trissomia 18, uso de eritromicina nas primeiras 2 semanas de gravidez e uso materno de macrólidos durante a gravidez ou amamentação.
  • Redução dos níveis da sintetase neuronal do óxido nítrico demonstraram estar envolvidos na patogénese.

Manifestações Clínicas

Sintomas

  • Inicialmente, regurgitação após a alimentação
  • Mais tarde, vómitos em jato não biliares imediatamente após a alimentação
  • Geralmente começa após as 3 semanas de idade (intervalo: 1 semana a 5 meses)
  • Ganho de peso escasso
  • O bebé mostra sinais de fome (irritabilidade, aumento do reflexo de sucção).

Sinais

  • Massa firme e móvel, em forma de azeitona, 2 cm acima e à direita do umbigo, no epigástro
  • Onda peristáltica gástrica através do abdómen, após a alimentação
  • Podem estar presentes sinais de desidratação, incluindo depressão das fontanelas, atraso do preenchimento capilar, membranas mucosas secas e/ou diminuição da produção de urina.

Diagnóstico

Exames laboratoriais

  • Alcalose metabólica hipoclorémica
  • Hipocaliemia
  • Elevação do azoto ureico no sangue (BUN, pela sigla em inglês) e da creatinina com desidratação severa
  • A hiperbilirrubinemia não conjugada (e ocasionalmente conjugada) é a associação clínica mais comum.

Ecografia

  • Diagnóstico baseado na:
    • Espessura do músculo pilórico: > 3 mm (o critério mais discriminativo e preciso)
    • Comprimento do músculo pilórico: > 15 mm
    • Diâmetro pilórico: > 15 mm

Estudos contrastados

  • Se o diagnóstico não for confirmado por ecografia, mas existir ainda assim uma forte suspeita
  • Sinal da corda: canal pilórico alongado
  • Sinal do ombro: saliência pilórica no canal
  • Sinal do duplo trilho: faixas paralelas de contraste num canal estreito

Tratamento

Cuidados pré-operatórios

  • Reposição de fluidos + descompressão
  • Corrigir alterações eletrolíticas
  • Restaurar o equilíbrio ácido-base

Tratamento cirúrgico

  • Piloromiotomia de Ramstedt: incisão cutânea transversal curta mais incisão longitudinal do músculo pilórico até a submucosa
  • Laparoscopia: igualmente eficaz com menor tempo de internamento
Cirurgia de estenose hipertrófica pilórica

Este é o tratamento cirúrgico definitivo clássico da estenose hipertrófica do piloro, denominado “piloromiotomia de Ramstedt”, no qual é realizada uma incisão longitudinal da superfície anterior do piloro, através da camada muscular, apenas até ao nível da submucosa, deixando a submucosa e a mucosa num estado de prolapso.

Imagem por Lecturio.

Cuidados pós-operatórios

  • A alimentação oral pode ser iniciada dentro de 12–24 horas.
  • Se vómitos persistentes, sugere piloromiotomia incompleta ou um diagnóstico alternativo.

Abordagem conservadora

  • Se a cirurgia não for tolerada ou indisponível
  • Atropina oral e intravenosa e monitorização cardíaca → introdução gradual da alimentação

Diagnóstico Diferencial

  • Doença do refluxo gastroesofágico (DRGE): distúrbio crónico em que o ácido gástrico, os alimentos ou os fluidos voltam do estômago para o esófago. Os doentes geralmente apresentam azia, mau hálito, dor no peito e regurgitação. A doença do refluxo gastroesofágico pode causar danos nos dentes, esofagite e esófago de Barrett. O tratamento inclui alterações no estilo de vida e terapêutica médica com antiácidos, inibidores da bomba de protões (IBPs) e procinéticos.
  • Síndrome do vómito cíclico (SVC): condição de patogénese desconhecida, caracterizada por episódios recorrentes de náuseas, vómitos e letargia. Os sintomas podem durar horas ou dias. A síndrome do vómito cíclico ocorre mais frequentemente em crianças, mas pode afetar indivíduos de qualquer idade.
  • Gastroenterite: inflamação do trato gastrointestinal geralmente causada por um vírus, mas também por bactérias ou parasitas. Os sintomas geralmente duram menos de 14 dias e incluem aumento da frequência da evacuação de fezes ou diarreia, febre, vómitos ou dor abdominal.
  • Hiperplasia suprarrenal congénita (HAC, pela sigla em inglês): grupo de doenças autossómicas recessivas raras, caracterizadas por defeitos nas enzimas das glândulas suprarrenais envolvidas na síntese de cortisol, androgénios e aldosterona. Os doentes podem apresentar uma ampla variedade de sintomas, incluindo virilização em mulheres, perda de sal que conduz à hipotensão, outros desequilíbrios eletrolíticos e término prematuro do crescimento, resultando em baixa estatura.
  • Aumento da pressão intracraniana: emergência médica definida por uma pressão intracraniana superior a 20 mmHg, que pode levar à diminuição da perfusão cerebral, bem como à herniação cerebral. Os sintomas comuns incluem dor de cabeça, vómitos, alteração do estado mental, papiledema e bradicardia. As causas incluem aumento da produção ou obstrução parcial da circulação do líquido cefalorraquidiano, hemorragias, tumores e infeções.
  • Vólvulo: condição na qual uma ansa intestinal se torce em torno de si mesma e do mesentério circundante, causando obstrução intestinal. O vólvulo é frequentemente causado por um defeito de nascença e apresenta-se no início da vida, mas pode ocorrer em qualquer idade. Os sintomas comuns incluem vómitos, dor e distensão abdominal, obstipação e fezes com sangue, que podem ser de início gradual ou súbito. A cirurgia de emergência é necessária para prevenir a necrose das estruturas intestinais.

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

Details