Enterobius/Enterobiose

A enterobiose é uma infeção causada por Enterobius vermicularis, também conhecida como parasita "pinworm". Esta infeção é tipicamente observada em crianças e é transmitida através da via fecal-oral. A principal característica clínica é o prurido anal, mas os pacientes são frequentemente assintomáticos. A observação de óvulos ou vermes nos testes com fita adesiva de celofane é muitas vezes necessária para o diagnóstico. Os fármacos anti-helmínticos são utilizados no tratamento. A prevenção da reinfecção e transmissão requer a lavagem frequente das mãos e de banho, bem como a lavagem de roupa e lençóis.

Última atualização: 24 May, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Características Gerais e Epidemiologia

Características básicas do Enterobius

  • Nematóde
  • Aparência:
    • Branco
    • Elegante
    • Cauda pontiaguda
  • Tamanho:
    • Fémeas: 8-13 mm de comprimento
    • Machos: 2-5 mm de comprimento
  • Ovos:
    • Alongados
    • Planos de 1 lado
    • Translúcidos

Espécies clinicamente relevantes

Enterobius vermicularis, ou “pinworm”, responsável pela enterobiose.

Epidemiologia

A enterobiose é a infeção por helmintas mais comum nos Estados Unidos e na Europa Ocidental.

  • Prevalência:
    • Estados Unidos: 5%–15% da população geral (aproximadamente 40 milhões de pessoas)
    • Mundialmente: 60 a 100 milhões de infeções anualmente
  • Crianças > adultos
  • Homens > mulheres

Patogénese

Reservatórios

Os humanos são os hospedeiros primários de E. vermicularis.

Transmissão

  • Fecal-oral
  • Contacto com superfícies contaminadas e fómites

Fatores de risco do hospedeiro

  • Pessoas portadoras de deficiência
  • Crianças em idade escolar
  • Prisioneiros
  • Trabalhadores na área da saúde, ensino ou em estabelecimentos prisionais

Ciclo de vida

O ciclo de vida de E. vermicularis ocorre no trato gastrointestinal humano.

  • Ingestão de ovos → eclosão e libertação de larvas no intestino delgado
  • Os vermes adultos situam-se no cego, apêndice e cólon ascendente.
  • Os vermes fémeas migram através do reto (habitualmente durante a noite) → depositam ovos na região perianal
  • Reação inflamatória a vermes e ovos na pele → prurido intenso
  • A autoinfeção ocorre quando o paciente transfere os ovos para a boca através das mãos contaminadas, após contactar com a região afetada.
  • A contaminação pelo ambiente também pode ocorrer através do consumo de alimentos contaminados ou do contacto com superfícies contaminadas com ovos.

Apresentação Clínica

  • A enterobiose é frequentemente assintomática.
  • Apresentação mais comum: prurido perianal (“pruritus ani”)
    • Mais exacerbado durante a noite
    • As escoriações provenientes de coçar, podem levar a infeções bacterianas secundárias.
  • Sintomas raros que indicam uma elevada carga parasitária:
    • Dor abdominal
    • Náuseas e vómitos
  • Manifestações extra-intestinais raras:
    • Vulvovaginite
    • Salpingite
    • Ovarite
    • Granuloma cervical
    • Inflamação peritoneal

Diagnóstico e Abordagem

Diagnóstico

  • Inspeção visual de vermes móveis:
    • Perto do ânus
    • Na roupa ou roupa de cama
  • Teste da fita adesiva de celofane (também conhecido como “Scotch tape test”):
    • Aplicar uma fita adesiva ou semelhante na região perianal.
    • Os ovos irão acumular-se na superfície adesiva.
    • A observação microscópica da fita pode demonstrar óvulos ou vermes.
    • Melhor eficiência do teste à noite ou de manhã
Fotomicrografia de ovos de enterobius vermicularis enterobíase

Fotomicrografia de 8 ovos de Enterobius vermicularis em fita adesiva de celofane

Imagem: “Photomicrograph depicts eight eggs of the human pinworm, Enterobius vermicularis” por CDC. Licença: Public Domain

Tratamento

Terapêutica médica:

  • Fármacos anti-helmínticos:
    • Mebendazol
    • Pirantel Pamoato
    • Albendazole
  • Devem ser tratados os familiares e colegas de escola do paciente (devido à alta taxa de transmissão).

Medidas para reduzir a reinfeção e a propagação:

  • Lavar todos os lençóis e roupas.
  • Lavagem frequente das mãos e banhos
  • Cortar as unhas.

Comparação de Helmintas Semelhantes

Tabela: Comparação de helmintas semelhantes e as suas doenças associadas
Microorganismo Enterobius vermicularis Toxocara canis Ascaris lumbricoides Strongyloides stercoralis Schistosoma mansoni
Características Nemátode Nemátode Nemátode Nemátode Tremátode
Reservatórios Humanos Cães Humanos
  • Humanos
  • Cães
  • Gatos
Humanos
Transmissão Fecal-oral Fecal-oral Fecal-oral Contacto da pele com o solo contaminado Contacto da pele com água contaminada
Clínica
  • Prurido anal
  • Dor abdominal e vómitos são menos comuns.
  • Larvas migrans visceral
  • Larvas migrans ocular
  • Tosse
  • Sibilos
  • Hemoptises
  • Cólica abdominal
  • Náuseas
  • Desnutrição
  • Tosse
  • Sibilos
  • Dor abdominal
  • Diarreia
  • Erupção cutânea
  • Dermatite cercarial (“swimmer’s itch”)
  • Febre de Katayama
  • As infeções crónicas levam à formação de granulomas que podem provocar doenças cerebrais, pulmonares, intestinais e hepáticas.
Diagnóstico
  • Clínica
  • Teste da fita adesiva de celofane
  • Serologia
  • Biópsia
Análise das fezes
  • Análise das fezes
  • Serologia
  • Análise das fezes
  • Serologia
Tratamento
  • Albendazole
  • Mebendazol
  • Pirantel Pamoato
  • Albendazole
  • Mebendazol
  • Albendazole
  • Mebendazol
  • Ivermectina
  • Albendazole
Praziquantel
Prevenção Boa higiene
  • Boa higiene
  • Desparasitação de cães.
  • Eliminação adequada das fezes dos cães
  • Boa higiene
  • Lavar as frutas e legumes crus antes de consumir.
  • Usar sapatos e roupas de proteção.
  • Melhorar o saneamento.
  • Evitar nadar ou tomar banho em água contaminada.
  • Beber água fervida ou engarrafada.
  • Melhorar o saneamento.

Diagnósticos Diferenciais

  • Proctite: inflamação da mucosa retal, que pode ser causada por doença inflamatória intestinal, microorganismos infeciosos (por exemplo, Salmonella, Shigella), radiação e isquemia: Os sintomas incluem dor, tenesmo, prurido e hemorragia. O diagnóstico depende do exame físico, proctoscopia ou colonoscopia, culturas e biópsia. O tratamento depende da etiologia e pode incluir antibióticos e corticosteróides.
  • Psoríase: condição inflamatória crónica da pele: A psoríase inversa causa placas simétricas, suaves, brilhantes e eritematosas em áreas intertriginosas, incluindo a região interglútea. Os pacientes podem manifestar prurido, particularmente noturno. O diagnóstico é clínico, e não se observam ovos num teste de fita adesiva de celofane. O tratamento pode incluir corticosteróides tópicos, inibidores da calcineurina, análogos de vitamina D e emolientes. Os fármacos anti-reumáticos e biológicos modificadores da doença podem ser utilizados nos casos graves.
  • Dermatite atópica: doença inflamatória crónica da pele, de causa multifatorial, resultando da interação de fatores ambientais, genéticos, e imunológicos: Os pacientes apresentam lesões pruriginosas e eritematosas nas superfícies flexoras, que também podem ser observadas, raramente, na região glútea. O diagnóstico baseia-se na história clínica e no exame objetivo, e o teste de celofane em fita adesiva é negativo para ovos. O tratamento inclui a evicção de desencadeantes, uso de hidratantes e corticosteróides tópicos.
  • Hemorróidas internas: vasos dilatados do plexo hemorroidal do canal anal, frequentemente provocados por obstipação: As hemorróidas internas são indolores, mas o prurido pode ser uma manifestação de hemorróidas prolapsadas. A observação das hemorróidas no exame objetivo estabelece o diagnóstico. O tratamento inclui laxantes, hidrocortisona tópica, e banhos de sal. Outras opções de tratamento são a ligadura elástica e a remoção cirúrgica.
  • Abcesso perianal e anorretal: coleção de pus no espaço fechado próximo aos tecidos periretais: Estas infecções têm origem na obstrução das glândulas anais. Os pacientes apresentam dor intensa na região anal ou retal. O prurido é menos comum. A observação de uma massa dolorosa e móvel ao exame objetivo pode fornecer o diagnóstico. O tratamento requer incisão cirúrgica e drenagem imediatas, seguida por um esquema de antibioterapia em alguns casos.
  • Doença inflamatória intestinal (DII): inclui doença de Crohn e colite ulcerose e é caracterizada por inflamação crónica do trato gastrointestinal devido a uma resposta imune mediada por células à mucosa gastrointestinal: Os sintomas incluem diarreia, dor abdominal, perda de peso e manifestações extraintestinais. O diagnóstico inclui exames imagiológicos, endoscopia e biópsia. O tratamento envolve corticosteróides, aminossalicilatos, imunomoduladores e agentes biológicos.

Referências

  1. Ramezani MA, Dehghani MR. (1997). Relationship between Enterobius vermicularis and the incidence of acute appendicitis. Southeast Asian J Trop Med Public Health. https://reference.medscape.com/medline/abstract/17539241
  2. Cho SY, Kang SY. (1975). Significance of scotch-tape anal swab technique in the diagnosis of Enterobius vermicularis infection. Korean J Parasitol. https://www.parasitol.kr/journal/view.php?doi=10.3347/kjp.1975.13.2.102
  3. Bøås H, Tapia G, Sødahl JA, Rasmussen T, Rønningen KS. (2012). Enterobius vermicularis and risk factors in healthy Norwegian children. Pediatr Infect Dis J. https://reference.medscape.com/medline/abstract/22531241
  4. Centers for Disease Control and prevention. Parasitic Diseases Information. Retrieved April 13, 2021, from https://www.cdc.gov/parasites/pinworm/index.html
  5. Rawla P, Sharma S. (2020). Enterobius vermicularis. [online] StatPearls. Retrieved April 13, 2021, from https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK536974/
  6. Pearson RD. (2020). Pinworm infestation. MSD Manual Professional Version. Retrieved April 13, 2021, from https://www.msdmanuals.com/professional/infectious-diseases/nematodes-roundworms/pinworm-infestation
  7. Wolfram W, Afuwape LO, Indra S. (2016). Enterobiasis. In Steele, R.W. (Ed.), Medscape. Retrieved April 13, 2021, from https://emedicine.medscape.com/article/997814-overview
  8. Leder K, Weller PF. (2020). Enterobiasis (pinworm) and trichuriasis (whipworm). In Baron, E.L. (Ed.), UpToDate. Retrieved April 13, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/enterobiasis-pinworm-and-trichuriasis-whipworm

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

Details