Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Deficiência de C3

A deficiência do componente 3 do complemento (C3) é a ausência, redução ou disfunção do fator do complemento C3 e os seus fragmentos, C3a e C3b. Os fatores de complemento são componentes-chave do sistema imunológico inato. Níveis reduzidos de C3b aumentam a probabilidade de desenvolver infeções com organismos encapsulados (por exemplo, Pneumococcus , Haemophilus influenza, Neisseria meningitidis ), especialmente infeções respiratórias, devido à opsonização reduzida. Indivíduos com deficiência de C3 também são mais suscetíveis a reações de hipersensibilidade do tipo III devido a uma depuração reduzida de complexos antigénio-anticorpo C3b da circulação que causa um risco aumentado de reações de hipersensibilidade.

Última atualização: Apr 4, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Descrição Geral

Epidemiologia

A deficiência do componente 3 (C3) do complemento faz parte da maior categoria de deficiências do complemento:

  • As deficiências de complemento são raras: representam 5% de todas as deficiências imunológicas.
  • A prevalência varia de acordo com a localização geográfica.
  • Nenhum sexo ou propensão étnica relatados.

Etiologia

  • Deficiência hereditária de C3:
    • Codificada no cromossoma 19 pelo gene C3
    • 17 mutações no gene C3 impedem a formação da proteína C3: frequentemente afeta o fragmento C3b
    • Herança autossómica recessiva
  • Deficiência adquirida de C3:
    • Aumento do consumo de C3 durante a infeção:
      • Sobreativação de C3 por complexos imunes
      • Observado na lepra lepromatosa, endocardite bacteriana, malária, mononucleose infecciosa, dengue hemorrágica e hepatite B aguda
    • Consumo de C3 devido a condições médicas:
      • Lúpus
      • Glomerulonefrite membranoproliferativa

Fisiopatologia

  • Cascata do complemento (3 vias que convergem na via comum):
    1. Via clássica (C1qrs, C2, C4)
    2. Via alternativa ( C3, fator B, properdina)
    3. Via da lectina (lectina de ligação a manana (MBL, pela sigla em inglês))
  • A deficiência de C3 resulta em mau funcionamento da cascata do complemento:
    • Níveis diminuídos de opsonina C3b → diminuição da opsonização de patogénios (especialmente bactérias)
    • Leva à redução da depuração de complexos imunes
    • Aumento do risco de infeções bacterianas piogénicas
Membrane attack complex (mac) formation

Formação do complexo de ataque à membrana (MAC, pela sigla em inglês):
Quando a primeira proteína da série do complemento é ativada (tipicamente por um anticorpo que se prendeu a um antigénio), esta desencadeia um efeito dominó. Cada componente desempenha a sua ação numa cadeia precisa de etapas conhecida como cascata do complemento. O produto final é um cilindro (MAC) inserido (e que perfura) a parede da célula. Coma entrada e saída de fluidos e moléculas, a célula aumenta e explode.

Imagem por Lecturio.

Diagnóstico

Apresentação clínica

  • Infeções bacterianas recorrentes durante a infância, especialmente organismos encapsulados:
    • Infeções do trato respiratório superior
    • Pneumonia
    • Meningite
  • Infeções generalizadas e sépsis podem ocorrer semelhantes à agamaglobulinemia de Bruton: infeções por Staphylococcus, Pneumococcus ou Haemophilus influenzae
  • Também associado a doenças autoimunes:
    • Lúpus eritematoso sistémico
    • Reações de hipersensibilidade tipo III
    • 25% dos doentes desenvolvem glomerulonefrite.

Exames laboratoriais

Testes clínicos direcionados por padrão de infeção:

  • Tipos bacterianos
  • Localização da infeção

Tratamento

O tratamento de doentes com deficiência de C3 centra-se na prevenção da doença.

Prevenção de infecção

  • Promoção da higiene e lavagem frequente das mãos
  • Monitorizar de perto os primeiros sinais de doença.
  • Vacinação: as vacinas meningocócica, pneumocócica e H. influenzae são importantes.
  • Antibiótico profilático:
    • A profilaxia crónica é controversa.
    • Pode ser indicado em indivíduos selecionados com base na gravidade, frequência e tipo de infeção

Tratamento da infecção

  • Antibioticoterapia dirigida por bactérias isoladas
  • Infusão de complemento: indicada na doença aguda

Referências

  1. Grumach AS, Kirschfink M. Are complement deficiencies really rare? Overview on prevalence, clinical importance and modern diagnostic approach. Mol Immunol. 2014 Oct. 61(2):110-117
  2. Figueroa JE, Densen P. Infectious diseases associated with complement deficiencies. Clin Microbiol Rev. 1991 Jul;4(3):359-95. doi: 10.1128/cmr.4.3.359. PMID: 1889047; PMCID: PMC358203.
  3. Botto M, Kirschfink M, Macor P, Pickering MC, Würzner R, Tedesco F. Complement in human diseases: Lessons from complement deficiencies. Mol Immunol. 2009 Sep;46(14):2774-83. doi: 10.1016/j.molimm.2009.04.029. Epub 2009 May 28. PMID: 19481265.

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

Details