Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Corynebacterium

As corinebactérias são bacilos Gram-positivos em forma de raquete. As corinebactérias são isoladas em telurito ou meio de Loeffler e apresentam grânulos metacromáticos característicos. A principal espécie patogénica é Corynebacterium diphtheriae, que causa difteria – uma infeção respiratória superior grave. Os achados característicos da difteria incluem pseudomembranas faríngeas (exsudatos tonsilares acinzentados), faringite grave e linfadenopatia em “pescoço de touro”. O tratamento baseia-se essencialmente na imunização passiva com antitoxina e antibioterapia. A prevenção é feita através da vacina do toxóide diftérico.

Última atualização: 31 Mar, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Classificação

Fluxograma de microbiologia classificação de bactérias gram-positivas

Bactérias gram-positivas:
A maioria das bactérias pode ser classificada de acordo com um procedimento de laboratório chamado coloração de Gram.
As bactérias com paredes celulares que possuem uma camada espessa de peptidoglicano retêm a coloração de cristal violeta utilizada na coloração de Gram, mas não são afetadas pela contracoloração de safranina. Estas bactérias aparecem azul-púrpura na coloração, o que indica que são gram-positivas. As bactérias podem ainda ser classificadas de acordo com a morfologia (filamentos ramificados, bacilos e cocos em aglomerados ou cadeias) e capacidade de crescer na presença de oxigénio (aeróbio versus anaeróbio). Os cocos também podem ser identificados. Os estafilococos podem ser reduzidos com base na presença da enzima coagulase e na sua sensibilidade ao antibiótico novobiocina. Os estreptococos são cultivados no meio agar de sangue e classificados com base no padrão de hemólise (α, β ou γ). Os estreptococos são ainda mais reduzidos com base na sua resposta ao teste de pirrolidonil-β-naftilamida (PYR), sensibilidade a antimicrobianos específicos (optoquina e bacitracina) e capacidade de crescer em meio de cloreto de sódio (NaCl).

Imagem por Lecturio. Licença: CC BY-NC-SA 4.0

Características Gerais

Características principais

As características gerais das espécies de Corynebacterium são:

  • Bacilos Gram-positivos em forma de raquete (“coryne” = forma de raquete)
  • Imóvel
  • Não produz esporos
  • Não encapsulado
  • Aeróbio ou anaeróbio facultativo
  • Contém grânulos metacromáticos (volutina)
Micrografia de corynebacterium diphtheriae

Micrografia de Corynebacterium diphtheriae

Imagem : “12163” por CDC/Graham Heid. Licença: Public domain.

Crescimento e propriedades bioquímicas

  • Catalase positiva (divide o peróxido de hidrogénio em água e oxigénio)
  • Oxidase negativa, indol negativa
  • Fermentam glicose, amido e glicogénio
  • Crescem a 37°C (98,6°F) em meios que contêm sangue ou soro:
    • Agar de Hoyle/Tinsdale (meio telurito; a C. diphtheriae forma colónias pretas)
    • Meio de Loeffler (aumenta o desenvolvimento de grânulos metacromáticos)

Espécies clinicamente relevantes

  • C. diphtheriae :
    • Principais espécies patogénicas
    • Causa difteria (faringite e formas cutâneas)
  • Corynebacterium não diftérica (difteróides):
    • Principalmente contaminador
    • Pode ser patogénico, especialmente em hospedeiros imunodeprimidos
    • C. minutissimum :
      • Habitante da flora da pele normal
      • Pode causar eritrasma: infeção superficial das áreas intertriginosas
    • Muitas espécies causam doenças em animais domésticos.

Vídeos recomendados

Corynebacterium diphtheriae

Epidemiologia

  • Nos indivíduos imunizados, a taxa é baixa: < 5 em cada 100.000.
  • Permanece endémico em certas partes do mundo (Brasil, Nigéria, Índia, algumas regiões da antiga União Soviética)
  • Sem predileção racial ou sexual
  • Pode afetar crianças e adultos

Transmissão

  • Os humanos são o único reservatório conhecido.
  • Gotículas no ar
  • Contacto direto com secreções respiratórias
  • Contacto com lesões de pele
  • Pode ser transmitido por portadores imunizados e assintomáticos

Fatores de virulência

  • Não é um microorganismo invasivo
  • A patogenicidade baseia-se na toxina da difteria (exotoxina):
    • Produzida apenas se lisogenizada por um β-bacteriófago
    • Possui 2 subunidades:
      • A—ativação
      • B—vinculação
    • A subunidade B liga-se à membrana celular e a A entra na célula.
    • Ribosilação do fator de alongamento (EF-2)
    • Inibição da síntese de proteínas
    • Causa morte celular

Apresentação Clínica

Difteria (respiratória):

  • Odinofagia, mal-estar, linfadenopatia cervical, febre baixa
  • Eritema faríngeo com manchas de exsudato branco e cinza
  • Também pode apresentar-se sob as formas nasal, laríngea e traqueobrônquica
  • Pseudomembranas:
    • Formam-se em ⅓ dos casos
    • Compostas por fibrina, restos necróticos, células inflamatórias e microorganismos
    • Fortemente aderentes ao tecido subjacente; sangram com raspagem
    • Podem disseminar-se para qualquer parte do trato respiratório
  • “Difteria maligna”:
    • Associada a extensas pseudomembranas (“faringite pseudomembranosa”)
    • Linfadenopatia grave em “pescoço de touro”
    • Edema grave das amígdalas e úvula
    • Pode resultar em obstrução das vias aéreas, estridor respiratório e eventual morte
  • Dica de exame: Uma questão frequente pode incluir um imigrante com odinofagia; o exame objetivo revela amígdalas com exsudato acinzentado.

Complicações/toxemia sistémica:

  • Manifestações cardíacas:
    • Miocardite
    • Arritmias
  • Neurológicas:
    • Neuropatias locais
    • Neuropatias cranianas
    • Neuropatia periférica
  • Renais: insuficiência renal por hipertensão ou efeitos diretos da exotoxina

Difteria cutânea (ferida):

  • Pápula inicial que se torna uma úlcera crónica que não cicatriza
  • A úlcera geralmente é coberta por uma membrana cinza.
  • Pode ser causada por estirpes produtoras de toxinas ou não
  • Nos Estados Unidos, é mais frequente nos homens sem-abrigo com antecedentes de alcoolismo ou utilizadores de drogas

Identificação

  • Culturas:
    • Devem ser obtidas pela nasofaringe, incluindo uma parte da membrana
    • Cultivado em meios de Loeffler ou telurito
  • Deteção de toxinas:
    • Teste de Elek: isola bactérias produtoras de toxinas da pseudomembrana
    • Imunoensaio enzimático (EIA)

Prevenção

  • Vacina toxóide
  • Os bebés são protegidos por anticorpos maternos.

Tratamento

  • Imunização passiva ou antitoxina: 1ª linha
  • Antibióticos: Eritromicina ou penicilina são as primeiras opções, durante 14 dias.
  • Tratamento de suporte:
    • Proteção das vias aéreas
    • Repouso

Mnemónica

ABCDEFGs de Corynebacterium diphtheriae” :

  • ADP-ribosylation – ADP-ribolisação
  • β-bacteriophage – bacteriófago
  • Corynebacterium
  • Diphtheriae – difteria
  • Elongation Factor 2 (EF-2) – fator de elongação 2
  • Granules – grânulos

Referências

  1. Barroso L.F., & Pegram P.S. (2020). Clinical manifestations, diagnosis, and treatment of diphtheria. UpToDate. Retrieved December 28, 2020, from https://www.uptodate.com/contents/clinical-manifestations-diagnosis-and-treatment-of-diphtheria?search=diphtheria&source=search_result&selectedTitle=1~150&usage_type=default&display_rank=1#H11
  2. Barroso L.F., & Pegram P.S. (2019). Epidemiology and pathophysiology of diphtheria. UpToDate. Retrieved December 28, 2020, from https://www.uptodate.com/contents/epidemiology-and-pathophysiology-of-diphtheria?search=diphtheria&source=search_result&selectedTitle=2~150&usage_type=default&display_rank=2
  3. Frassetto, L.A. (2019). Corynebacterium Infections Treatment & Management. https://emedicine.medscape.com/article/215100-treatment
  4. Nisha R. (2020). Corynebacterium diphtheriae: Properties, Pathogenesis, and Lab Diagnosis. https://microbeonline.com/corynebacterium-diphtheriae-properties-pathogenesis-diagnosis/

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

🍪 Lecturio is using cookies to improve your user experience. By continuing use of our service you agree upon our Data Privacy Statement.

Details