Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Celulite Orbitária e Pré-septal

Celulite orbitária e pré-septal são infeções diferenciadas pelos sítios anatómicos afetados na órbita. A infeção anterior ao septo orbital é a celulite pré-septal; A infeção posterior ao septo é a celulite orbitária. A inoculação com o patogénio pode ocorrer por meio de trauma ou cirurgia. A celulite também ocorre por extensão de uma estrutura próxima (como infeção sinusal ou sinusite). Os pacientes terão eritema palpebral, dor e inchaço. As características distintivas da celulite orbitária incluem oftalmoplegia, proptose, movimentos oculares dolorosos e possível deficiência visual. As complicações são raras na celulite pré-septal, e o tratamento pode ser iniciado com antibióticos orais. A celulite orbitária, no entanto, requer antibióticos intravenosos de amplo espectro e, em casos graves, drenagem cirúrgica.

Última atualização: 14 Jun, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Descrição Geral

Anatomia orbital

Órbita:

  • Cavidade do crânio na qual o olho e os seus apêndices estão situados
  • O conteúdo é composto pelo olho, fáscia, músculos extraoculares, nervos cranianos, vasos sanguíneos, gordura e estruturas lacrimais e palpebrais.
  • Flanqueado pelos seios paranasais:
    • Seio frontal (superior à órbita)
    • Seio etmoidal (medial à órbita)
    • Seio maxilar (inferior à órbita)

Septo orbital:

  • Camada membranosa originada do revestimento periosteal orbitário
  • Estende-se para as placas tarsais das pálpebras
  • Dois compartimentos formados:
    • Pré-septal: anterior ao septo
    • Pós-septal: posterior ao septo
  • Função:
    • Suporte estrutural para o olho
    • Atua como uma barreira impedindo a propagação bacteriana

Infecções relacionadas

  • Celulite pré-septal:
    • Inflamação infecciosa do tecido anterior ao septo orbitário
    • Envolve a pele e o tecido subcutâneo
  • Celulite orbitária:
    • Inflamação infecciosa do tecido posterior ao septo orbitário
    • Envolve a gordura orbital, músculos extraoculares e estruturas ósseas
Celulite pré-septal e orbitária

Celulite pré-septal e orbitária:

A celulite pré-septal é diferenciada da celulite orbitária de acordo com a localização da infeção em relação ao septo orbitário. A infeção pré-septal ocorre anterior ao septo orbitário, enquanto a celulite orbitária afeta a área posterior ao septo.

Imagem por Lecturio.

Epidemiologia

  • A celulite pré-septal é mais comum do que a celulite orbitária.
  • Ambas as condições são mais comuns em crianças.
  • 80% dos casos ocorrem em crianças com < 10 anos de idade.

Etiologia

Microbiologia:

  • Staphylococcus aureus:
    • MSSA
    • MRSA
  • Streptococcus do grupo A
  • Streptococcus pneumoniae
  • Espécies de Bacteroides (sinusite resultante de infeções dentárias)
  • Infeção polimicrobiana
  • Causas fúngicas: espécies Mucorales e Aspergillus (em pacientes imunocomprometidos)

Fisiopatologia

  • Inoculação direta:
    • Mais comum com a celulite pré-septal
    • Mecanismo:
      • Trauma ocular/pálpebra
      • Tratamento cirúrgico
      • Picadas de insetos/animais (infetados)
    • Patogénio causador comum: S. aureus
  • Disseminação de outras estruturas infetadas:
    • Sinusite aguda:
      • Principalmente etmoidite, pois as estruturas neurovasculares penetram na lâmina papirácea e separam o seio etmoidal da órbita
      • Principal fonte de infeção para celulite orbitária
      • Até 98% dos casos de celulite orbitária ocorrem com uma sinusite coexistente.
      • Patogénio causador comum: S. pneumoniae ou Streptococcus β-hemolíticos
    • Dacriocistite aguda
    • Infeções no ouvido/dentárias
    • Infeção da pele (impetigo, erisipela)
    • Lesões de herpes simples e herpes zoster
  • Disseminação hematogénica: via vasos sanguíneos a partir de bacteriemia

Apresentação Clínica e Diagnóstico

Características clínicas

A celulite pré-septal e orbital têm achados comuns:

  • Inchaço da pálpebra, dor e vermelhidão
  • Às vezes, corrimento ocular

No entanto, a celulite orbitária envolve inflamação e inchaço dos músculos extraoculares e tecidos adiposos, o que não é encontrado na celulite pré-septal.

Sinais de alerta que levantam suspeita de celulite orbital:

  • Oftalmoplegia com diplopia
  • Dor com movimento dos olhos
  • Défice da acuidade visual
  • Proptose

Descobertas contrastantes

Celulite orbitária versus celulite pré-septal
Apresentação clínica Orbital Preseptal
Inchaço e vermelhidão das pálpebras, secreção ocular sim sim
Resposta pupilar normal Geralmente sim
Dor com o movimento dos olhos sim Não
Diplopia Pode estar presente Não
Oftalmoplegia Pode estar presente Não
Proptose Pode estar presente Não
Deficiência visual Pode estar presente Não
Quemose (inchaço conjuntival) Pode estar presente Rara
Febre Geralmente Rara
Complicações
  • Perda de visão
  • Pode ser fatal
Rara

Abordagem diagnóstica

Ambas as condições são geralmente diagnosticadas clinicamente.

Estudos de imagem:

Tomografia computadorizada com contraste:

  • Confirma o diagnóstico de celulite orbitária em casos incertos
  • Deteta complicações (por exemplo, abcesso orbitário)
  • Também mostra opacificação dos seios nasais na sinusite
A tomografia computadorizada axial (admissão) mostra proptose direita e inchaço dos tecidos moles faciais

Celulite orbitária:
A tomografia computadorizada mostra proptose direita e inchaço dos tecidos moles faciais.

Imagem: “Axial CT scan” pelo Departamento de Oftalmologia, Wills Eye Hospital, Filadélfia, PA 19107-5109, EUA. Licença: CC BY 2.0

Os exames laboratoriais têm geralmente baixo valor diagnóstico.

  • Não é rotina no diagnóstico de celulite pré-septal
  • CBC: A leucocitose pode estar presente em ambas as condições.
  • Hemoculturas: obtidas na celulite orbitária antes da administração de antibióticos
  • Cultura de pus aspirado e outros materiais:
    • Obtido da fonte de infecção ou do seio (se houver infecção concomitante do seio)
    • Especialmente útil em pacientes imunocomprometidos nos quais fungos e outras etiologias raras podem ser detectadas

Tratamento e Complicações

Tratamento da celulite pré-septal

  • Antibióticos orais com cobertura de MRSA
  • Clindamicina ou trimetoprim-sulfametoxazol mais um dos seguintes agentes:
    • Amoxicilina-ácido clavulânico
    • Amoxicilina
    • Cefpodoxima
    • Cefdinir
  • Incisão e drenagem do abcesso palpebral
  • Usar marcadores cutâneos para delinear o eritema para avaliar a progressão e a resposta ao tratamento com antibióticos.
  • Crianças com < 1 ano de idade (o exame pode ser limitado) ou aqueles que estão gravemente doentes devem ser tratados como se tivessem celulite orbitária.
  • A falta de resposta em 48 horas requer tomografia computadorizada para avaliar complicações.

Tratamento da celulite orbitária

  • Antibióticos IV de amplo espectro
  • Vancomicina mais um dos seguintes medicamentos:
    • Ceftriaxone
    • Cefotaxima
  • Se houver preocupação com extensão intracraniana, adicionar tratamento anaeróbio (metronidazol).
  • Ampicilina-sulbactam ou piperacilina-tazobactam:
    • Não é uma opção inicial, pois esses medicamentos não são eficazes contra MRSA
    • Não é terapia de primeira linha, especialmente para extensão intracraniana, devido à penetração subótima no SNC
  • Resposta esperada em 48 horas; se não houver melhoria, é feita imagem:
    • Procurar complicações.
    • Investigar outras causas não infeciosas.
  • Cirurgia:
    • Má resposta ao tratamento
    • Pioria da acuidade visual
    • Extensão intracraniana
    • Objetivo:
      • Drenagem do abcesso (especialmente > 10 mm de diâmetro)
      • Biópsia para determinar o patogénio ou a presença de causa não infecciosa

Complicações

  • Mais comum com celulite orbitária
  • Abcesso orbitário e subperiosteal:
    • Colheita de pus a envolver o tecido orbitário (abscesso orbitário) e as estruturas ósseas que sustentam o globo (abcesso subperiosteal)
    • Desenvolvimento rápido
    • Pode resultar em perda de visão
  • Extensão extraorbital:
    • Trombose do seio cavernoso:
      • Raro, mas com risco de vida
      • As veias orbitárias superior e inferior drenam para o seio cavernoso.
      • A infeção espalha-se das áreas afetadas através de veias sem válvulas.
      • A apresentação pode incluir edema facial e periorbital, ptose, proptose, quemose, dor ao movimento dos músculos oculares e perda de visão.
    • Meningite bacteriana:
      • Inflamação das meninges
      • Resultados de disseminação hematogénica ou direta
      • Apresenta-se com febre, cefaleia e sinais de aumento da pressão intracraniana (p.e. vómitos)
      • Diagnóstico por estudos do LCR (líquido obtido por punção lombar)
      • Antibióticos empíricos devem ser iniciados imediatamente.
    • Abcesso cerebral:
      • Lesão supurativa que pode ocorrer numa ou mais regiões do cérebro
      • Causado pela disseminação direta de sinusite, ouvido ou infeções dentárias
      • Apresenta-se com febre, cefaleia focal, sinais de pressão intracraniana aumentada (por exemplo, por vómito) e défices neurológicos focais devido ao efeito de massa
Abscesso orbitário inferior direito

Abcesso orbitário:
A tomografia computadorizada mostra o desenvolvimento de um abcesso (coleção) posterior ao olho direito.

Imagem: “Right inferior orbital abscess” pelo Department of Ophthalmology, Wills Eye Hospital, Philadelphia, PA 19107-5109, USA.. Licença: CC BY 2.0

Diagnóstico Diferencial

  • Erisipela: infeção bacteriana da camada superficial da pele que se estende até os vasos linfáticos superficiais dentro da pele: a erisipela apresenta-se como uma erupção cutânea elevada, bem definida, sensível e vermelha brilhante que geralmente aparece nas pernas ou no rosto, mas pode ocorrer em qualquer parte da pele. O diagnóstico é baseado principalmente na história e exame físico. O tratamento inclui antibióticos.
  • Blefarite: condição ocular caracterizada por inflamação das pálpebras: A blefarite pode afetar a pele da pálpebra, as pestanas e as glândulas meibomianas. A blefarite inclui edema palpebral com coceira e vermelhidão, crostas e escamas ao redor das pestanas e uma sensação de areia. O tratamento inclui compressas quentes, esfoliação das pálpebras e antibióticos tópicos ou orais.
  • Chalázio: massa firme e indolor na pálpebra resultante da obstrução das glândulas de Zeis ou meibomianas: o chalázio geralmente é tratado de forma conservadora com compressas mornas. A persistência da lesão requer incisão e curetagem ou injeção de glucocorticóide por um oftalmologista.
  • Hordéolo: infeção localizada decorrente da glândula de Zeis, glândula de Moll ou glândula meibomiana: S. aureus é uma causa comum de hordéolo. Os achados de um nódulo sensível, eritematoso e cheio de pus ajudam a estabelecer o diagnóstico. O tratamento geralmente é conservador, embora casos graves possam exigir antibióticos ou drenagem. O chalázio, por outro lado, deve-se à inflamação granulomatosa estéril e não é doloroso.

Referências

  1. Gappy C, Archer S, Barza M. (2020) Orbital cellulitis. UpToDate. Retrieved February 16, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/orbital-cellulitis
  2. Gappy C, Archer S, Barza M. (2020) Preseptal Cellulitis. UpToDate. Retrieved February 16, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/preseptal-cellulitis 
  3. Harrington J. (2019). Orbital cellulitis. Medscape. Retrieved February 25, 2021, from https://emedicine.medscape.com/article/1217858-overview
  4. Kwitko GM (2020). Preseptal Cellulitis. Medscape. Retrieved February 16, 2021, from https://emedicine.medscape.com/article/1218009
  5. Rashed F, Cannon A, Heaton P, Paul S (2016). Diagnosis, management and treatment of orbital and periorbital cellulitis in children. Emergency Nurse24(1), 30-5.

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

Details