Cancro do Pénis

As lesões malignas do pénis surgem do epitélio escamoso da glande, prepúcio ou eixo peniano. O cancro do pénis é raro nos Estados Unidos, mas há maior prevalência em regiões socioeconómicas mais baixas. O subtipo histológico mais comum é o carcinoma espinocelular. Homens não circuncisados e aqueles com infeções por HPV estão em maior risco de neoplasias penianas. O diagnóstico é uma combinação de exame físico, história, estudos de imagem e biópsia de tecido. É necessário o estadiamento TNM adequado para determinar o tratamento correto, que varia desde a terapia tópica local até a cirurgia multimodal/radiação/quimioterapia.

Última atualização: May 6, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Descrição Geral

Epidemiologia

  • Em geral, as malignidades penianas são raras.
  • Maior incidência: faixa etária entre os 50 e os 70 anos
  • Nos Estados Unidos da América:
    • Incidência anual estimada de aproximadamente 2.000 novos casos
    • Incidência média: 1 em 100.000 homens por ano
  • Em países altamente industrializados (Estados Unidos, Europa, Canadá), as taxas de incidência anuais são menores.
  • As taxas de prevalência são 5 a 10 vezes maiores em países não industrializados.

Fatores de risco

  • Homens não circuncisados:
    • Maior risco que contribui para lesões penianas malignas
    • Risco 22 vezes maior versus homens circuncisados
    • Redução máxima do risco de cancro do pénis se a circuncisão for realizada no período neonatal
  • História de infeção por HPV ou HIV:
    • Aumento de 8 vezes nas lesões penianas
    • Até 50% dos cancros do pénis estão associados aos serotipos 16 (mais comuns), 6 e 18 do HPV.
    • Risco particularmente aumentado de carcinomas penianos basalóides e verrucosos
  • VIH
  • Nível socioeconómico mais baixo
  • Má higiene genital (acumulação de esmegma)
  • Tabagismo
  • Psoralenos e fotoquimioterapia ultravioleta A
  • Condições inflamatórias crónicas:
    • Fimose
    • Balanite

Fisiopatologia

Anatomia

  • A maioria dos cancros do pénis surgem do epitélio escamoso da epiderme e da derme.
  • Duas camadas fasciais distintas surgem abaixo da pele do eixo peniano:
    • Fáscia de dartos superficial
    • Fáscia profunda (de Buck)
  • Dentro da fáscia de Buck estão os dois corpos cavernosos dorsalmente e o esponjoso solitário ventralmente.
  • A drenagem linfática do pénis é realizada principalmente através dos nódulos inguinais na virilha:
    • Sem padrão de lateralidade para a drenagem, com muito cruzamento
    • Linfáticos superficiais e profundos, acima ou abaixo da fáscia lata
Anatomia reprodutiva externa masculina

Anatomia reprodutiva masculina (externa)

Imagem: “Male Reproductive System” por Phil Schatz. Licença: CC BY 4.0
Corte transversal do pênis

Corte transversal do pénis:
A imagem mostra a forma que os tecidos eréteis assumem dentro do corpo do pénis. Aqui, observar a túnica albugínea a envolver ambos os tipos de tecido erétil, bem como a uretra, que está totalmente dentro do corpo esponjoso.

Imagem: “Penis cross section” por Mcstrother. Licença: CC BY 3.0

Patogénese e patologia

  • Crescimento do cancro:
    • Pequenas lesões inicialmente, muitas vezes observadas na glande ou prepúcio
    • Carcinomas do pénis mediados por HPV:
      • As oncoproteínas E6 e E7 produzidas por infeções por HPV podem interferir na função do gene supressor tumoral.
      • Ocorrem alterações nas vias genéticas RB1 e p53 e nos reguladores do ciclo celular p21 e p16.
  • Carcinoma in situ (CIS) ou neoplasia intraepitelial peniana:
    • A doença de Bowen apresenta-se como lesões na haste peniana.
    • A eritroplasia de Queyrat apresenta lesões na glande.
  • Carcinoma de células escamosas (SCC, pela sigla em inglês):
    • Variante comum:
      • Compreende até ⅔ dos casos de SCC
      • Tipicamente invade o corpo esponjoso
      • Metástases em nódulos inguinais estão presentes em 25%–40% dos casos.
    • Carcinoma papilar: 2%–15% dos casos
      • Geralmente de baixo grau ou bem diferenciado, mas superficialmente invasivo
      • Evidência microscópica de hiperqueratose e papilomatose
      • Não associado à infeção por HPV
      • Não está frequentemente associado a invasão vascular ou perineural
    • Verruga (condilomatosa): 7%–10% dos casos
      • Lesões tipo couve-flor
      • Núcleo fibrovascular proeminente com formações papilomatosas
      • Geralmente não atinge estruturas vasculares e neuronais
      • Associado à infeção pelo HPV
      • Metástases em nódulos inguinais em 17%–25% dos casos
    • Carcinoma basaloide: 4%–10% dos casos
      • Massas irregulares ulceradas relacionadas com o HPV
      • Histologicamente apresentam-se como células hipercromáticas uniformes e pequenas com necrose central.
      • Geralmente é profundamente invasivo no corpo cavernoso ou esponjoso
    • Carcinoma verrucoso: 3%–7% dos casos
      • Geralmente de baixo grau e exofítico
      • Papilas histologicamente retas revestidas por células neoplásicas extremamente bem diferenciadas
      • Superfície hiperqueratótica com queratina interpapilar
    • Carcinoma sarcomatoide (célula fusiforme): 1%–6% dos casos
      • Variante mais agressiva
      • Massas polipoides pouco diferenciadas, ulceradas ou arredondadas
      • Geralmente com invasão vascular e perineural
  • Carcinoma basocelular: baixo risco de metastização
  • Sarcoma (incluindo o sarcoma de Kaposi, que está associado ao HHV-8)
  • Melanoma: cancro de pele mais agressivo
  • A metastização para o pénis é rara.

Apresentação Clínica e Diagnóstico

Apresentação clínica

  • Apresenta-se inicialmente como uma anormalidade cutânea ou lesão palpável no pénis:
    • A maioria surge da glande do pénis, no sulco coronal ou no prepúcio.
    • Pode ser doloroso, mas geralmente é indolor
  • As lesões podem variar em tamanho e características:
    • Lesões ulceradas
    • Infiltrativas com crescimento progressivo
  • A adenopatia inguinal está presente em cerca de 30%–60% casos.
  • Metástases à distância:
    • Geralmente significa uma apresentação tardia da doença
    • Afeta órgãos genitourinários adjacentes ou órgãos distantes
    • Presente em cerca de 1%–10% dos casos

Exame objetivo

  • Exame constitucional generalizado (avaliar a performance status geral)
  • Exame genitourinário focado:
    • Exame peniano:
      • Determinar o estado da circuncisão.
      • Caracterizar o tamanho, profundidade, localização e características da lesão.
      • Avaliar se há secreção, eritema e edema.
    • Exame inguinal:
      • Avaliar a presença de linfadenopatia inguinal.
      • Número de nódulos inguinais palpáveis
      • Nódulos fixos ou móveis
Câncer de pênis

Carcinoma de células escamosas do pénis

Imagem: “Cancer of the penis” pelo Service d’Urologie, CHU de Cocody, Abidjan, Ivory Coast, Africa. Licença: CC BY 4.0

Diagnóstico

  • Biópsia de tecido para confirmar:
    • Puncional
    • Incisional
    • Excisional
  • Imagiologia:
    • Opções:
      • Ecografia
      • RM/TC
    • Funções:
      • Avaliar o estadio do tumor primário e a abordagem cirúrgica
      • Identificar a invasão dos corpos cavernosos ou esponjosos
      • Determinar o envolvimento dos nódulos regionais
      • Imagem de outros locais em caso de metástase
  • Estadiamento de nódulos inguinais:
    • Aspiração por agulha fina:
      • Realizado sob anestesia local com agulha de calibre 23
      • Amostras de nós clinicamente palpáveis
    • Biópsia dinâmica do nódulo sentinela:
      • Necessária a injeção de corante marcador radioativo
      • Examina a drenagem dos nódulos inguinais
      • Permite o mapeamento linfático e a biópsia do nódulo sentinela
    • Disseção de nódulo inguinal superficial:
      • Fornece informações diretas sobre nódulos suspeitos
      • Realizado por cirurgiões pélvicos experientes
      • Maiores taxas gerais de complicações

Estadiamento

Tabela: Sistema de Estadiamento de Tumor, Nódulo, Metástase (TNM) para o cancro do pénis (American Joint Committee on Cancer)
T: tumor
Tumor primário (T) Descrição
Tx O tumor primário não pode ser avaliado.
T0 Sem evidência de tumor
Tis Carcinoma in situ
T1
  • Glande: Tumor invade a lâmina própria.
  • Prepúcio: Tumor invade a derme, lâmina própria ou fáscia de dartos.
  • Eixo: O tumor invade o tecido conjuntivo entre a epiderme e o corpo.
T1a Tumor sem invasão linfovascular ou invasão perineural e não de alto grau
T1b Tumor com invasão linfovascular e/ou invasão perineural ou tumor de alto grau
T2 Tumor invade o corpo esponjoso com ou sem invasão uretral.
T3 Tumor invade o corpo cavernoso com ou sem invasão uretral.
T4 Tumor invade estruturas adjacentes.
Tabela: Sistema de Estadiamento de Tumor, Nódulo, Metástase (TNM) para o cancro do pénis (American Joint Committee on Cancer)
N: nódulo
Nódulos regionais (N) Descrição
cNx Os nódulos linfáticos regionais não podem ser avaliados.
cN0 Sem nódulos inguinais palpáveis ou visivelmente aumentados
cN1 Nódulo inguinal unilateral móvel palpável
cN2 ≥ 2 nódulos inguinais unilaterais móveis palpáveis ou nódulos inguinais bilaterais
cN3 Massa nodal inguinal fixa palpável ou linfadenopatia pélvica uni ou bilateral
Tabela: Sistema de Estadiamento de Tumor, Nódulo, Metástase (TNM) para o cancro do pénis (American Joint Committee on Cancer)
M: metástase
Metástase à distância (M) Descrição
M0 Sem metástases à distância
M1 Metástases à distância

Tratamento

Opções terapêuticas

Tabela: Opções de tratamento para lesões cancerígenas do pénis
Estratégia de tratamento Explicação
Intervenções que preservam o pénis
  • Excisão local com reconstrução
  • Glansectomia
  • Terapia a laser
  • Radioterapia
  • Braquiterapia
Amputação parcial/total A decisão de excisão parcial deve ser tomada com muita cautela em pacientes selecionados com tumores localmente invasivos.
Vigilância de metástases nodais/td> Paciente de baixo risco sem invasão vascular
Linfadenectomia precoce Para pacientes de alto risco ou com invasão vascular

Abordagem terapêutica

Carcinoma in situ ou Tis-T1:

  • Terapia tópica:
    • Fluorouracilo em creme indicado para o CIS
    • Imiquimod em creme para o CIS
  • Ablação a laser:
    • Laser de CO2 comummente usado
    • Para ablação local de lesões superficiais
    • Geralmente eficaz para o CIS
  • Recapeamento total da glande:
    • Remove as camadas de pele e a lâmina própria da glande do pénis
    • Seguido de colocação de enxerto de pele
    • Método eficaz para o CIS
  • Cirurgia micrográfica de Mohs:
    • Excisão camada por camada da lesão peniana
    • Requer vários procedimentos e coordenação
  • Radioterapia:
    • Através de braquiterapia de feixe externo ou intersticial
    • Requer várias sessões e altas doses de radiação
    • Efeitos colaterais significativos: mucosite uretral, edema, riscos de infeção secundária

Tumores volumosos T2 T4:

  • Excisões limitadas para tumores T2 distais e menores
  • Amputação peniana:
    • Determinada pela extensão e localização do tumor primário
    • Amputação parcial para tumores invasivos distais
    • Amputação total para tumores extensivamente invasivos
  • Quimioterapia ± radioterapia também usada para diminuir o tumor ou para grandes nódulos linfáticos

Nódulos

  • Não palpáveis:
    • Baixo risco (até T1): vigilância para metástase nodal
    • Alto risco: confirmar com biópsia de nódulo e, se positivo, proceder com linfadenectomia
  • Palpáveis: linfadenectomia inguinal

Diagnóstico Diferencial

  • Angioqueratomas: pápulas violáceas benignas incomuns com uma escama sobrejacente: os angioqueratomas geralmente aparecem na glande do pénis, mas também podem ser encontrados no escroto. Na maioria dos casos, as lesões são assintomáticas e não requerem tratamento.
  • Líquen plano (pénis): caracterizado por pápulas violáceas na glande: O líquen plano raramente é sintomático, embora alguns pacientes possam apresentar prurido. O tratamento será para controlo sintomático, se necessário.
  • Condilomas acuminados: crescimentos papilomatosos moles altamente associados à infeção por HPV: a maioria dos condilomas acuminados são benignos e associados a tipos 6 e 11 de HPV de baixo risco. O tratamento envolve a remoção das lesões com tratamento a laser, agentes tópicos ou excisão cirúrgica.
  • Psoríase genital: placas eritematosas com margens bem definidas na área genital: essas lesões são frequentemente assintomáticas, mas podem ser pruriginosas. A presença de outras placas psoriáticas em outras partes do corpo distingue esta condição do cancro do pénis.

Referências

  1. Chipollni, J. (2021). Penile neoplasms. AUA Urology Core Curriculum. Retrieved April 3, 2021, from https://auau.auanet.org/core 
  2. Engelsgjerd J. S., LaGrange, C. A. (2020). Penile cancer. StatPearls. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK499930/
  3. Pagliaro L. C. (2016). Penile cancer. Kantarjian H. M., Wolff R. A. (Eds.), MD Anderson Manual of Medical Oncology, 3rd ed. McGraw-Hill. https://accessmedicine.mhmedical.com/content.aspx?bookid=1772&sectionid=121901369
  4. Pettaway, C. (2020). Carcinoma of the penis: Clinical presentation, diagnosis, and staging. UpToDate. Retrieved April 3, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/carcinoma-of-the-penis-clinical-presentation-diagnosis-and-staging
  5. Pettaway, C. (2021). Carcinoma of the penis: epidemiology, risk factors, and pathology. UpToDate. Retrieved April 3, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/carcinoma-of-the-penis-epidemiology-risk-factors-and-pathology
  6. Pettaway, C. (2021). Carcinoma of the penis: Surgical and medical treatment. UpToDate. Retrieved April 3, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/carcinoma-of-the-penis-surgical-and-medical-treatment

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

Details