Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Cancro do Ovário

O cancro do ovário é um tumor maligno proveniente do tecido ovárico, sendo classificado de acordo com o tipo de tecido do qual se origina. Os três principais tipos de cancro do ovário são os carcinomas epiteliais do ovário (CEO), tumores de células germinativas do ovário (TCGO) e tumores estromais de cordão sexual (TECS). De longe, os CEO são os mais comuns e tendem a manifestar-se em mulheres na pós-menopausa com doença avançada, apresentando um prognóstico desfavorável. Por outro lado, os TGCO e TECS que afetam frequentemente mulheres mais jovens, tendem a apresentar-se mais cedo e têm um melhor prognóstico. As mulheres afetadas estão frequentemente assintomáticas, embora possam apresentar sintomas inespecíficos, como fadiga, aumento do perímetro abdominal, sintomas gastrointestinais e dor pélvica. Além disso, se o tumor secreta hormonas, a hemorragia anormal pode ser um sintoma manifesto. O diagnóstico é feito com base em estudos de imagem e confirmado com exame histológico. O tratamento é principalmente cirúrgico e é frequentemente necessária quimioterapia adjuvante.

Última atualização: May 10, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Descrição Geral

Definição

O cancro do ovário é um tumor maligno que surge dos tecidos ováricos.

Epidemiologia

  • Incidência:
    • 11,4 por 100.000 mulheres anualmente
    • O risco de cancro do ovário ao longo da vida nas mulheres, nos Estados Unidos, é de aproximadamente 1,3%.
    • 3º cancro ginecológico mais comum (depois do colo do útero)
  • Impacto na mortalidade:
    • Principal causa de morte por cancro ginecológico em mulheres
    • 5ª causa mais comum de mortes relacionadas com cancro em mulheres

Fatores de risco

  • Mulheres pós-menopáusicas
  • História familiar de cancro da mama e/ou cancro do ovário
  • Aumento da idade
  • Tabagismo
  • Menarca precoce e/ou menopausa tardia (↑ número de ciclos menstruais)
  • Nuliparidade
  • Endometriose

Fatores de proteção

Vários fatores comuns reduzem significativamente o risco de cancro do ovário, incluindo:

  • Uso prolongado de anticoncecionais orais
  • Laqueação tubar
  • Histerectomia
  • Amamentação
  • Paridade
  • Salpingo-ooforectomia bilateral (SOB) diz respeito à remoção das trompas de Falópio e ovários:
    • Realizada profilaticamente em mulheres com mutações conhecidas, como mutações BRCA, que as colocam em alto risco de desenvolvimento de cancro do ovário
    • Apesar da excisão cirúrgica, o risco de cancro não é totalmente eliminado.

Classificação

Descrição geral da classificação do tumor ovárico

  • Os tumores ováricos são classificados de acordo com o tipo de célula de onde se originam:
    • Tumores epiteliais
    • Tumores de células germinativas
    • Tumores estromais do cordão sexual
    • Tumores metastáticos (com origem em outros tecidos e que metastatizam para o ovário)
  • Existem vários subtipos histológicos dentro de cada classe de tumor principal.
  • Os tumores podem ser classificados como:
    • Benigno (adenomas): neoplasias que exibem crescimento anormal, mas não invadem o tecido adjacente
    • Tumores com mínimo/baixo potencial maligno (BPM): neoplasias malignas que não são muito agressivas e têm excelente prognóstico
    • Maligno (carcinomas ou adenocarcinomas): tumores que invadem o tecido adjacente
Imagem que descreve os diferentes tipos de cancro do ovário e a origem da sua localização

Imagem que descreve os diferentes tipos de cancro do ovário e a origem da sua localização

Imagem por Lecturio.
Tabela: Resumo da classificação do cancro do ovário
Proporção de tumores ováricos malignos primários Faixa etária frequentemente afetada Tipos principais
Tumores epiteliais 90% Mulheres pós-menopáusicas
  • Seroso
  • Mucinoso
  • Endometrioide
  • Células claras
Tumores de células germinativas 5% 10‒30 anos
  • Teratoma
  • Disgerminoma
  • Tumores do saco vitelino
  • Coriocarcinoma
Estroma do cordão sexual 5% Mulheres na perimenopausa
  • Tumores de células granulosas
  • Tumores de células teca
  • Fibroma
  • Fibrossarcoma
Metastização para os ovários Variável A partir de:
  • Endométrio
  • Colo do útero
  • Mama
  • Estômago (tumores de Krukenberg)
  • Cólon

Tumores epiteliais do ovário

Os carcinomas epiteliais do ovário (CEO) originam-se a partir de células epiteliais da superfície e são responsáveis por 90 %‒95% das doenças malignas do ovário. Os principais tipos de CEO incluem:

  • Adenocarcinoma seroso:
    • Tipo mais comum responsável por 50% dos CEO malignos
    • Estruturas papilares dentro de uma área quística
    • Corpos de Psammoma:
      • Depósitos de cálcio intracelular
      • Característica principal dos CEO serosos
    • Ao diagnóstico, normalmente alto grau
    • Geralmente associado a mau prognóstico
  • Adenocarcinoma endometrioide:
    • Aproximadamente 15%‒20% dos CEO malignos
    • Arquitetura glandular complexa com crescimento glandular “back to back”
    • Melhor prognóstico em comparação com os tipos serosos:
      • Ao diagnóstico, tipicamente baixo grau
      • Mais quimiossensível
    • Associado a:
      • Adenocarcinoma endometrial coexistente (15%‒20% dos casos)
      • Endometriose (40%‒50% dos casos)
  • Adenocarcinoma de células claras:
    • Aproximadamente 5%‒10% dos CEO malignos
    • Apresenta-se como uma grande massa quística (tamanho médio: 15 cm)
    • Camadas de células com citoplasma claro
    • Normalmente apresenta-se num estádio inicial
    • Quimiossensibilidade reduzida
    • Associado a endometriose
  • Adenocarcinoma mucinoso:
    • Grandes massas quísticas que têm normalmente 8 a 20 cm, mas podem ser muito maiores
    • Pseudomixoma do peritoneu:
      • Síndrome clínica com abundante material mucoide na cavidade abdominopélvica
      • Embora possível a sua presença em CEO mucinosos, o pseudomixoma peritoneu está tipicamente associado a tumores mucinosos do apêndice
  • Tipos menos comuns de CEO:
    • Carcinoma de células escamosas
    • Carcinoma pulmonar de pequenas células (CPPC)
    • Tumores de células transicionais: tumores de Brenner
    • Carcinoma misto
    • Carcinoma indiferenciado
Corpos de psammoma em adenocarcinoma do ovário

Corpos de Psammoma em adenocarcinoma do ovário

Imagem: “Moderately differentiated ovarian adenocarcinoma” por Pusiol T, Parolari AM, Piscioli I, Morelli L, Del Nonno F, Licci S. License: CC BY 2.0, editado por Lecturio.

Tumores de células germinativas

Os tumores de células germinativas do ovário (TCGO) originam-se a partir de células germinativas primordiais (ou seja, oócitos primordiais).

  • Pode ser benigno ou maligno
  • Os TCGO malignos são responsáveis por 5% dos cancros do ovário malignos.
  • Normalmente surge em mulheres jovens entre os 10-30 anos
  • Excelente prognóstico porque:
    • Normalmente está presente na fase I
    • Excelente quimiossensibilidade

Tipos histológicos de TCGO malignos:

  • Disgerminomas:
    • O TCGO maligno mais comum, responsável por aproximadamente 30% dos casos
    • Menos agressivo do que muitos outros cancros do ovário
    • Composto por células germinativas indiferenciadas
    • Associado a disgenesia gonadal (que ocorre em mulheres com fenótipo de cromossoma Y):
      • Disgenesia gonadal pura 46XY
      • Disgenesia gonadal mista em mosaico de Turner 45X/46XY
      • Síndrome de insensibilidade androgénica completa 46XY
    • Desenvolve-se a partir da transformação maligna de gonadoblastomas (TCGO benignos)
  • Teratomas imaturos:
    • Aproximadamente 20% dos TCGO malignos
    • Normalmente massas sólidas com algumas áreas quísticas
    • Contém uma mistura desordenada dos 3 tipos de tecido da camada germinativa primária (ectoderme, mesoderme e endoderme)
    • A neuroectoderme é geralmente predominante.
    • ↑ Risco de torção devido à natureza “desproporcional” das massas
    • Desenvolve-se a partir da transformação maligna de teratomas maduros (TCGO benignos também conhecidos como quistos dermoides)
  • Tumores do saco vitelino:
    • Anteriormente conhecido como tumores do seio endodérmico
    • Aproximadamente 15% dos TCGO malignos
    • Derivados de células do saco vitelino primitivo
    • Corpos de Schiller-Duval: estrutura semelhante a um glomérulo composta por vasos sanguíneos centrais rodeados de células germinativas
    • O TCGO mais perigoso
  • Coriocarcinoma:
    • Derivado de células germinativas, mas tem uma aparência semelhante ao coriocarcinoma gestacional (derivado de tecido trofoblástico encontrado nas gestações)
    • Pior prognóstico em comparação com o coriocarcinoma gestacional
  • Outros tipos menos comuns:
    • Carcinoma embrionário
    • Tumores mistos de células germinativas
Teratoma quístico maduro

Teratoma quístico maduro (tumor benigno de células germinativas do ovário (TCGO)):
Observar o cabelo, material sebáceo e o dente. Os teratomas quísticos maduros são o tipo mais comum de TCGO benignos e podem sofrer transformação maligna em teratomas imaturos.

Imagem: “Mature Cystic Teratoma of the Ovary” por Ed Uthman. Licença: CC BY 2.0

Tumores estromais do cordão sexual (TECS)

Os TECS ováricos originam-se a partir de células do cordão sexual, células do estroma ou ambos.

  • Pode ser benigno ou maligno
  • Os TECS malignos são responsáveis por aproximadamente 5% dos cancros do ovário malignos.
  • Mais comum em mulheres na perimenopausa (idade média no diagnóstico: 50 anos)

Tipos histológicos de TECS:

  • Tumores de células da granulosa (frequentemente malignos):
    • 90% (tipo mais comum) de TECS malignos
    • Composto por células da granulosa (células que normalmente revestem os folículos em desenvolvimento)
    • Geralmente secretam estrogénios; ocasionalmente secretam andrógenios → presença de sintomas estimulados por hormonas (por exemplo, hemorragia anormal, virilização)
    • Corpos de Call-Exner: pequenos folículos com material eosinofílico
  • Tumores de células da teca (geralmente benignos):
    • Muito mais raros do que os tumores de células da granulosa
    • Composto por células da teca (células de suporte que produzem hormonas)
    • Secretam frequentemente estrogénios e/ou androgénios
  • Fibroma (benigno):
    • Tumor benigno com origem nos fibroblastos do tecido conjuntivo
    • O TECS mais comum de forma geral
  • Fibrossarcoma (maligno):
    • Tumor maligno de tecido mole (por exemplo, sarcoma) decorrente de fibroblastos no tecido conjuntivo
    • Extremamente raro
  • Tumores de células de Sertoli-Leydig:
    • Células anormais que tipicamente são encontradas apenas em homens (mas encontradas em mulheres com essa condição)
    • Secretam andrógenios → apresenta-se como virilização
    • Rara

Fisiopatologia

Patogénese

  • O cancro do ovário desenvolve-se como resultado de mutações celulares → leva ao crescimento celular desregulado → ↑ proliferação → tumor
  • As mutações podem:
    • Surgir de novo (a maioria das mutações)
    • Ser geneticamente herdadas
  • Alguns tumores sofrem progressão de quistos benignos → tumores com mínimo/baixo potencial maligno (BPM) → carcinoma invasivo
  • Na verdade, acredita-se que muitos CEO tem origem a partir do epitélio das fímbrias das tubas uterinas adjacentes (portanto, laqueação tubar e salpingectomias – risco de CEO).
  • Teoria: a ovulação regular durante um período prolongado leva a uma necessidade maior de reparação da superfície do ovário → reparação, inflamação e proliferação constantes podem levar à acumulação de mutações genéticas responsáveis pelo desenvolvimento do cancro

Mutações genéticas associadas

Algumas mutações são frequentemente associadas a cancros do ovário, incluindo:

  • BRCA1 e 2:
    • Genes supressores tumorais envolvidos na reparação do DNA
    • Mutações herdadas mais frequentemente associadas ao cancro do ovário
    • Transmitido num padrão autossómico dominante
    • BRCA1: risco de aproximadamente 40% ao longo da vida de desenvolver cancro do ovário
    • BRCA2: risco de aproximadamente 20% ao longo da vida de desenvolver cancro do ovário
  • P53 (de novo ou como parte da síndrome de Li-Fraumeni)
  • Alguns dos genes “mismatch” de reparação que causam a síndrome de Lynch:
    • MLH1
    • MSH2
    • MSH6
  • Outros genes envolvidos no sistema de reparação de rutura da dupla hélice:
    • CHEK2
    • RAD61
    • BRIP1
  • Mutações KRAS são comuns nos carcinomas mucinosos.

Mecanismos de propagação

O cancro do ovário espalha-se através de:

  • Extensão local direta
  • Metástases na cavidade peritoneal:
    • Omentum
    • No mesentério e serosa do intestino
    • Sub-superfície do diafragma ou superfície do fígado
  • Invasão linfática:
    • Gânglios linfáticos para-aórticos (relembrar: o suprimento sanguíneo primário para os ovários é feito pelas artérias ováricas, diretamente da aorta.)
    • Gânglios linfáticos pélvicos
  • Disseminação hematogénica para locais distantes (mais frequentemente os pulmões)

Apresentação Clínica

Mulheres com doença precoce (especialmente CEO) tendem a ser assintomáticas ou apresentar queixas vagas e inespecíficas. A maioria das mulheres com CEO tende a apresentar mais tarde sinais/sintomas associados à metastização.

  • Sinais sistémicos de doença:
    • Perda de apetite
    • Perda de peso inexplicada
    • Fadiga
  • Sintomas ginecológicos:
    • Dor pélvica
    • Hemorragia uterina irregular (com TECS secretores de hormonas)
    • Dispareunia (dor durante a relação sexual)
    • Massa palpável ao exame pélvico
  • GI/abdominal:
    • Dor abdominal
    • Inchaço / distensão abdominal
    • Náuseas/vómitos
    • Diarreia ou obstipação
    • Grande massa palpável ao exame abdominal (especialmente com CEO de células mucinosas e de células claras)
    • Ascite
    • Obstrução intestinal
  • Manifestações genitourinárias:
    • Aumento da frequência urinária
    • Urgência urinária
  • Músculo-esquelético:
    • Dor de costas
    • Fraqueza muscular
  • Endócrino (comum com TECS secretores de hormonas):
    • Desenvolvimento mamário em meninas/crescimento mamário em adultos
    • Hemorragia uterina anormal
    • Infertilidade devido à anovulação, uma vez que o estrogénio e a testosterona suprimem a ovulação
    • Sintomas androgénicos:
      • Acne
      • Hirsutismo
      • Virilização em meninas
  • Outros sinais de doença avançada:
    • Derrame pleural
    • Linfadenopatia palpável na virilha
    • Nódulo “Sister Mary Joseph” (metástase no umbigo)

Diagnóstico e Estadiamento

O diagnóstico de cancro do ovário depende da biópsia do tecido. A deteção inicial do cancro é baseada no exame objetivo e em técnicas de imagem, incluindo ecografia.

Exame objetivo

  • Características da massa que são particularmente suspeitas para cancro do ovário:
    • Não móvel (ou seja, “fixo”)
    • Nodular
    • Globalmente aumentada
  • O exame deve incluir:
    • Exame pélvico
    • Exame retovaginal
  • A deteção de uma massa não é indicativa de cancro maligno, mas deve-se solicitar exames de imagem.

Imagiologia

A imagiologia é geralmente solicitada primeiro, se houver sinais / sintomas sugestivos de massa pélvica. A descoberta de massas preocupantes é geralmente identificada pela primeira vez em exames de imagem e pode ajudar a diminuir os diagnósticos diferenciais, avaliar a extensão da doença e auxiliar no plano do tratamento. As modalidades incluem:

  • Ecografia transvaginal: modalidade inicial de escolha na imagiologia
  • RM pélvica: ↑ especificidade quando os achados da ecografia são indeterminados
  • TC abdomino-pélvico:
    • Pode ser útil na orientação do tratamento
    • Geralmente não é sensível o suficiente para detetar pequenos focos de doença intraperitoneal
  • Os achados imagiológicos que causam preocupação para possível doença maligna incluem:
    • Septos espessos, especialmente se vascularizados
    • Componentes sólidos
    • Nódulos da parede/excrescências papilares
    • Ascite
  • Imagiologia adicional:
    • Raio-X de tórax: para detetar derrame e avaliar metástases nos pulmões
    • Mamografia: deve estar atualizada, especialmente em mulheres com tumores produtores de estrogénios

Avaliação laboratorial

Os marcadores tumorais geralmente são inespecíficos, mas podem ajudar no diagnóstico e na avaliação da resposta ao tratamento se a imagem for sugestiva de cancro do ovário. Os marcadores tumorais séricos frequentemente obtidos incluem:

  • CA-125:
    • Associado a vários tumores ováricos, especialmente tumores epiteliais
    • Apenas ↑ em 50% dos CEO em estádio inicial
    • Também ↑ em condições benignas, incluindo endometriose, gravidez e quistos
  • CA19-9
  • Antigénio carcinoembrionário (CEA, pela sigla em inglês)
  • α-Fetoproteína (AFP, pela sigla em inglês): associada a tumores de células germinativas
  • LDH
  • Inibinas A e B: associadas a tumores da granulosa
  • β-hCG: ↑ na gravidez e coriocarcinomas
  • Proteína 4 do epidídimo humano (HE4, pela sigla em inglês): novo marcador associado a tumores epiteliais

Histopatologia e citologia

A avaliação histopatológica é, em último recurso, necessária para o diagnóstico (“gold standard”).

  • A histopatologia determina o subtipo de cancro do ovário.
  • Recomendado:
    • A amostra é geralmente obtida durante a excisão cirúrgica de uma massa relevante.
    • Laparotomia ou laparoscopia são técnicas cirúrgicas aceitáveis.
  • Não recomendado:
    • Aspiração por agulha fina (FNA, pela sigla em inglês)
    • Biópsia percutânea
  • Lavagens pélvicas:
    • Preencher a cavidade pélvica com fluido e, em seguida, aspirar fluido → enviar para citologia
    • Ajuda a identificar a disseminação dentro da cavidade

Estadiamento

O cancro do ovário é estadiado cirurgicamente. Existem 4 estádios primários (cada um contém vários sub-estádios, que estão além do conhecimento exigido pelo curso de medicina).

Procedimentos de estadiamento:

Uma vez que o estadiamento depende da extensão da doença e da presença de metástases, os procedimentos de estadiamento envolvem a avaliação de:

  • Citologia peritoneal
  • Biópsias peritoneais múltiplas
  • Biópsias omentais
  • Amostragem de gânglios linfáticos pélvicos e para-aórticos

Estádios do cancro do ovário:

As mulheres são estadiadas com base nos seus achados de maior grau (“highest findings”). Por exemplo, uma mulher com um tumor confinado ao ovário, mas com gânglios linfáticos para-aórticos positivos, é classificado como estádio III.

Tabela: Resumo do estadiamento do cancro do ovário
Estádio Extensão da invasão do tumor ao tecido adjacente Metástases à distância
I O tumor está confinado aos ovários (pode ser bilateral). Nenhuma
II Invasão direta do tumor noutros tecidos restritos à cavidade pélvica (ou seja, abaixo do bordo pélvico), que normalmente inclui:
  • Útero
  • Trompas de Falópio
  • Peritoneu
Nenhuma
III O tumor invade fora da pelve/cavidade peritoneal, potencialmente incluindo:
  • Omento
  • Intestino
  • Cápsula do fígado/baço
Metástases para gânglios linfáticos regionais: gânglios para-aórticos ou pélvicos
IV Invasão tumoral do parênquima hepático ou esplénico
  • Metástases para gânglios linfáticos além dos gânglios regionais
  • Metástases para órgãos extra-abdominais (por exemplo, pulmões)

Tratamento

O tratamento primário para cancro do ovário é a cirurgia; entretanto, o tratamento específico depende do estádio do cancro. Outras modalidades de tratamento incluem quimioterapia e imunoterapia.

Tratamento cirúrgico

  • A excisão cirúrgica é normalmente o tratamento de eleição.
  • Os procedimentos podem ser realizados para remover:
    • 1 ou ambos os ovários
    • Trompas de Falópio ipsilaterais ou bilaterais
    • Útero
    • Gânglios linfáticos para-aórticos e pélvicos
    • Apêndice (para tumores mucinosos)
    • Citorredutor (ou seja, procedimentos “redutores da massa”):
      • Remoção de outros tecidos (por exemplo, intestino, bexiga, fígado, baço, omento) afetados pelo tumor
      • O objetivo é reduzir a carga tumoral quando a excisão completa não for possível.
  • Lavagens pélvicas são geralmente obtidas primeiro para ajudar no estadiamento.
  • Procedimentos típicos para tumores malignos:
    • O procedimento “padrão” é a histerectomia total com salpingo-ooforectomia bilateral (SOB) e linfadenectomia.
    • Os procedimentos de preservação da fertilidade podem ser considerados em mulheres jovens, dependendo da situação.
  • Questões importantes para mulheres jovens:
    • BSO → menopausa induzida cirurgicamente → ↑ risco de osteoporose precoce
    • Fertilidade: A recuperação de oócitos pode ser considerada antes da BSO.

Quimioterapia

  • Indicada em quase todas as mulheres, exceto naquelas com doença em estadio inicial I
  • Regime típico:
    • Para CEO: combinação taxano-platina
      • Taxanos: paclitaxel (preferível) ou docetaxel
      • Platinas: carboplatina (preferível) ou cisplatina
    • Para TCGO e TECS: terapia à base de derivados da platina, geralmente bleomicina + cisplatina + etoposídeo
  • Momento da administração:
    • Pode ser administrada após a cirurgia (terapia adjuvante)
    • Pode ser administrada antes da cirurgia para reduzir o tamanho do tumor (terapia neoadjuvante)
    • Pode ser usada como tratamento primário em mulheres que não são boas candidatas a cirurgia
  • O número exato e o tempo dos ciclos são individualizados.

Tratamentos adicionais

  • Imunoterapia com anticorpos monoclonais:
    • Frequentemente usado em combinação com quimioterapia para doença avançada
    • Exemplo: bevacizumab (Avastin), que se liga e inibe o fator de crescimento endotelial vascular (VEGF, pela sigla em inglês)
  • A radioterapia pode ser considerada, mas é raramente usada no cancro do ovário.
  • O apoio psicossocial é um aspeto importante do tratamento. As mulheres afetadas devem receber ajuda para melhorar a sua qualidade de vida através de aconselhamento e apoio social.

Vigilância

  • Exames pélvicos regulares
  • Monitorizar os marcadores tumorais relevantes (por exemplo, CA-125 para CEO).
  • Obter imagiologia para quaisquer preocupações sobre recorrência (por exemplo, sintomas, ↑ marcadores tumorais, achados de exames).
  • A doença recorrente é geralmente tratada com um procedimento cirúrgico repetido e quimioterapia.

Prognóstico

O prognóstico depende principalmente do estadio ao diagnóstico e da histologia específica. As taxas gerais de sobrevivência aos 5 anos estão anotadas na tabela.

Tabela: Prognóstico no cancro do ovário
Estádio Carcinomas epiteliais do ovário Tumores de células germinativas do ovário Tumores estromais do cordão sexual
Estádio I Aproximadamente 85% Aproximadamente 100% Aproximadamente 90 %‒100%
Estádio II Aproximadamente 70% Aproximadamente 85% Aproximadamente 55 %‒75%
Estádio III Aproximadamente 40% Aproximadamente 80% Aproximadamente 25 %‒50% (dados combinados)
Estádio IV Aproximadamente 20% Aproximadamente 70%

Diagnóstico Diferencial

O diagnóstico diferencial de uma massa pélvica inclui:

  • Quistos foliculares (quistos fisiológicos): À medida que um oócito se desenvolve na primeira metade do ciclo menstrual, o folículo transforma-se num pequeno quisto, com aproximadamente 2‒3 cm de tamanho, antes da ovulação. Ocasionalmente, um oócito pode não ovular e o folículo pode aumentar (normalmente < 10 cm) e persistir. Na ecografia, estes folículos aparecem como quistos simples com paredes lisas. Os quistos geralmente resolvem espontaneamente, embora quistos grandes e persistentes possam ser tratados cirurgicamente.
  • Quistos do corpo lúteo: após a ovulação, os folículos transformam-se em quistos do corpo lúteo, que secretam estrogénio e progesterona. Na ecografia, os quistos do corpo lúteo podem apresentar paredes um pouco mais espessas e conter alguns detritos internos. Os quistos também podem aumentar (< 10 cm), mas geralmente resolvem-se espontaneamente. O corpo lúteo é fundamental para sustentar uma gravidez precoce e não deve ser confundido com uma gravidez ectópica.
  • Quistos hemorrágicos: os quistos foliculares ou do corpo lúteo sangram ocasionalmente e são conhecidos como quistos hemorrágicos. Estes quistos manifestam-se geralmente com dor pélvica de início súbito em mulheres no período da ovulação. Na ecografia, aparecem como quistos simples com ecos internos (representam sangue e coágulos). Os quistos hemorrágicos resolvem-se espontaneamente ao longo de 1‒2 ciclos menstruais. A cirurgia de emergência pode ser necessária para interromper a hemorragia se for significativa à apresentação.
  • Endometriose: condição na qual as células endometriais se implantam fora da cavidade uterina. Os implantes nos ovários podem-se transformar em endometriomas ou quistos de chocolate, quistos preenchidos por líquido endometrial. Endometriomas e quistos de chocolate parecem quase idênticos aos quistos hemorrágicos na ecografia, mas não se resolvem espontaneamente e devem ser excisados cirurgicamente. As mulheres afetadas geralmente apresentam dismenorreia, dispareunia e/ou infertilidade.
  • Leiomiomas (miomas uterinos): tumores benignos comuns decorrentes de células musculares lisas no miométrio uterino. Os leiomiomas manifestam-se geralmente com hemorragia anormal, dor pélvica e/ou sintomas de massa pélvica. Os miomas são identificados como massas hipoecoicas, bem circunscritas e redondas na ecografia pélvica e podem ser confundidos com massas anexiais sólidas, se forem pedunculadas. O tratamento é cirúrgico se as mulheres afetadas forem sintomáticas.
  • Gravidez ectópica: implantação do óvulo fertilizado (embrião) fora da cavidade uterina. Os indivíduos afetados podem apresentar dor abdominal e/ou hemorragia à medida que o embrião em desenvolvimento aumenta de tamanho. Uma gravidez ectópica é diagnosticada por ecografia pélvica e pela monitorização dos níveis de β-hCG. A gravidez ectópica é perigosa porque pode ocorrer uma hemorragia com risco de vida, se a trompa de Falópio se romper com a gravidez em expansão.

Referências

  1. Chen, L., Berek, JS (2021). Epithelial carcinoma of the ovary, fallopian tube, and peritoneum: Incidence and risk factors. UpToDate. Retrieved September 10, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/epithelial-carcinoma-of-the-ovary-fallopian-tube-and-peritoneum-incidence-and-risk-factors
  2. Salani, R., Cosgrove, CM (2021). Epithelial carcinoma of the ovary, fallopian tube, and peritoneum: Surgical staging. UpToDate. Retrieved September 10, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/epithelial-carcinoma-of-the-ovary-fallopian-tube-and-peritoneum-surgical-staging
  3. Chen, L. Berek, J. (2021). Epithelial carcinoma of the ovary, fallopian tube, and peritoneum: Clinical features and diagnosis. UpToDate. Retrieved September 10, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/epithelial-carcinoma-of-the-ovary-fallopian-tube-and-peritoneum-clinical-features-and-diagnosis
  4. Rendi, M. (2021). Epithelial carcinoma of the ovary, fallopian tube, and peritoneum: Histopathology. UpToDate. Retrieved September 10, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/epithelial-carcinoma-of-the-ovary-fallopian-tube-and-peritoneum-histopathology
  5. Chen, L., Berek, J. (2021). Overview of epithelial carcinoma of the ovary, fallopian tube, and peritoneum. UpToDate. Retrieved September 10, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/overview-of-epithelial-carcinoma-of-the-ovary-fallopian-tube-and-peritoneum
  6. Gershenson, D. (2020). Sex cord-stromal tumors of the ovary: Management in adults. UpToDate. Retrieved September 10, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/sex-cord-stromal-tumors-of-the-ovary-management-in-adults
  7. Gershenson, D. (2021). Sex cord-stromal tumors of the ovary: Epidemiology, clinical features, and diagnosis in adults. UpToDate. Retrieved September 10, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/sex-cord-stromal-tumors-of-the-ovary-epidemiology-clinical-features-and-diagnosis-in-adults
  8. Gershenson, D. (2021). Ovarian germ cell tumors: Pathology, epidemiology, clinical manifestations, and diagnosis. UpToDate. Retrieved September 10, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/ovarian-germ-cell-tumors-pathology-epidemiology-clinical-manifestations-and-diagnosis
  9. Gershenson, D. (2020). Treatment of malignant germ cell tumors of the ovary. UpToDate Retrieved September 10, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/treatment-of-malignant-germ-cell-tumors-of-the-ovary
  10. Hochberg, L., Hoffman, M. (2021). Types of adnexal masses. UpToDate. Retrieved Sep 10, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/types-of-adnexal-masses
  11. Green, A.E. (2021). Ovarian cancer. Medscape. Retrieved September 10, 2021, from https://emedicine.medscape.com/article/255771-overview
  12. Arora, T., Mullangi, S., Lekkala, MR (2021). Ovarian Cancer. StatPearls. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK567760/
  13. Doubeni, CA, Doubeni, AR, Myers, AE (2016). Diagnosis and Management of Ovarian Cancer. Am Fam Physician. 93, 937–44. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27281838/
  14. Momenimovahed, Z., Tiznobaik, A., Taheri, S., Salehiniya, H. (2019). Ovarian cancer in the world: Epidemiology and risk factors. Int J Womens Health. 11, 287–99. https://doi.org/10.2147/IJWH.S197604
  15. Committee on the State of the Science in Ovarian Cancer Research; Board on Health Care Services; Institute of Medicine; National Academies of Sciences, Engineering, and Medicine. (2016). Ovarian Cancers: Evolving Paradigms in Research and Care. National Academies Press (EUA), Washington (DC). https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK367619/

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

Details