Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Antiarrítmicos Classe II (Betabloqueadores)

Os antiarrítmicos de classe II incluem betabloqueadores, que exercem os seus efeitos terapêuticos bloqueando a ligação da epinefrina e da norepinefrina aos recetores beta-adrenérgicos no tecido cardíaco. O resultado é um efeito antiarrítmico, que resulta da diminuição da atividade do nó sinoauricular e aumento do tempo de condução auriculoventricular e do período refratário. Os efeitos adicionais incluem a diminuição da contratilidade cardíaca, da pós-carga e da pressão arterial. Os antiarrítmicos de classe II são usados no tratamento da fibrilhação auricular, do flutter auricular, da taquicardia supraventricular e das arritmias ventriculares. Os efeitos adversos incluem bradicardia, hipotensão, broncoespasmo, retenção de líquidos e fadiga. Os betabloqueadores não devem ser usados em indivíduos com insuficiência cardíaca descompensada, choque e com bradicardia grave.

Última atualização: Jun 28, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Estrutura Química e Farmacodinâmica

Definição

Os antiarrítmicos de classe II incluem betabloqueadores, que inibem competitivamente a ligação da epinefrina e da norepinefrina aos recetores beta-adrenérgicos nas células vasculares e cardíacas.

Estrutura química

  • Contêm um anel aromático ou heteroaromático com um grupo amina
  • O propranolol é o fármaco padrão.
  • A maioria dos betabloqueadores usados clinicamente são administrados como racematos, exceto o timolol.
Estrutura química do propranolol

Estrutura química do propranolol

Imagem: “Chemical structure of propranolol” por catclock. Licença: Domínio Público

Mecanismo de ação

  • Os betabloqueadores inibem competitivamente os recetores beta-adrenérgicos:
    • Agentes não seletivos que se ligam e induzem efeitos antagónicos nos recetores beta-1 (B1) e beta-2 (B2)
    • Os agentes cardiosseletivos só se ligam aos recetores B1.
  • Localizações do recetor:
    • B1:
      • Nó sinoauricular (SA)
      • Nó auriculoventricular (AV)
      • Músculo auricular e ventricular
      • Rins
    • B2:
      • Vasos sanguíneos
      • Brônquios
      • Trato GI
      • Útero
      • Fígado
      • Trato urinário
  • Ação nas células cardíacas:
    • Bloqueia a ligação das catecolaminas (epinefrina) aos recetores acoplados à proteína G (recetor B1) → inibe a ativação da adenilil ciclase
    • ↓ Conversão de ATP em cAMP → ↓ ativação da proteína cinase A
    • Os canais de cálcio (Ca) não são fosforilados → não se abrem → ↓ influxo de Ca nas células miocárdicas
    • Efeito nodal:
      • ↓ atividade do nó SA
      • ↑ Tempo de condução do nó AV e período refratário
      • ↓ Declive e fase 4 prolongada

Efeitos fisiológicos

  • Efeitos antiarrítmicos:
    • Efeitos cronotrópicos negativos (FC)
    • Efeitos dromotrópicos negativos:
      • Atrasa a velocidade e a capacidade de iniciar um potencial de ação
      • ↓ Velocidade de condução
    • Período refratário prolongado
    • A atividade estabilizadora de membrana (AEM) e a atividade simpaticomimética intrínseca (ASI) não têm um grande impacto na potência antiarrítmica.
  • Bloqueio de B1:
    • ↓ Necessidades de oxigénio:
      • ↓ FC
      • ↓ Contratilidade
      • ↓ Pós-carga
      • ↓ Pressão arterial
    • ↑ Fornecimento de oxigénio (indiretamente):
      • Prolonga a diástole
      • Melhora a perfusão
  • Bloqueio de B2:
    • Vasoconstrição
    • Broncoconstrição
  • Bloqueio alfa-1 (A1):
    • Visto com o carvedilol
    • Mais ↓ pós-carga devido a ↓ resistência vascular sistémica (RVS)
  • Efeitos do ECG: prolongamento do intervalo PR

Tipos de recetores adrenérgicos e as suas propriedades

Tabela: Tipos de recetores adrenérgicos e as suas propriedades
Localização do recetor Resposta ao estímulo Resposta ao bloqueio
Recetores B1
Coração Nó SA ↑ FC ↓ FC
Aurículas ↑ Contratilidade e velocidade de condução ↓ Contratilidade e velocidade de condução
Nó AV e fibras de His-Purkinje ↑ Automaticidade e velocidade de condução ↓ Automaticidade e velocidade de condução
Ventrículos ↑ Contratilidade, automaticidade, velocidade de condução ↓ Contratilidade, automaticidade, velocidade de condução
Rim Células JG ↑ Libertação de renina ↓ Libertação de renina
Recetores B2
Artérias
  • Carótidas
  • Coronárias
  • Periféricas
Vasodilatação Vasoconstrição
Pulmões Músculo liso bronquiolar Broncodilatação Broncoconstrição
Bexiga Parede Relaxamento Contração
Fígado Tecido hepático Estimula a glicogenólise
  • ↓ Secreção de insulina
  • ↓ Glicogenólise
Recetores A1
Artérias Periféricas Vasoconstrição Vasodilatação
Bexiga Esfíncter Contração Relaxamento
AV: auriculoventricular
SA: sinoauricular
JG: justaglomerulares

Propriedades adicionais dos betabloqueadores

Alguns betabloqueadores podem apresentar as seguintes propriedades e efeitos:

Tabela: Propriedades dos betabloqueadores
Propriedade do betabloqueador Efeito
ASI Estimulação parcial dos recetores B → redução subótima da FC (evitar pós-EAM)
AEM O fármaco pode ↓ velocidade de condução cardíaca bloqueando os canais de Na+ do miócito
NO O fármaco estimula a produção de NO → vasodilatação periférica
ASI: atividade simpaticomimética intrínseca
AEM: atividade estabilizadora de membrana

Classificação

Os antiarrítmicos de classe II podem ser classificados com base na seletividade do seu recetor beta:

  • Betabloqueadores cardiosseletivos (recetores B1):
    • Acebutolol
    • Atenolol
    • Betaxolol
    • Bisoprolol
    • Esmolol
    • Metoprolol
  • Betabloqueadores não cardiosseletivos (recetores B1 e B2):
    • Nadolol
    • Propranolol
    • Timolol
    • Carvedilol (também tem atividade de bloqueio do recetor A1)

Farmacocinética

Absorção

  • A maioria dos fármacos é rápida e completamente absorvida pelo trato GI.
  • ↓ Taxa de absorção:
    • Idosos
    • Indivíduos com insuficiência renal

Distribuição

  • Distribuição rápida dentro do corpo
  • A ligação às proteínas é variável.
  • Os agentes lipofílicos podem atravessar a barreira hematoencefálica.

Metabolismo

  • A maioria dos agentes lipofílicos sofre metabolismo hepático de 1ª passagem significativo:
    • Carvedilol
    • Metoprolol
    • Propranolol
  • Alguns fármacos são convertidos nos seus metabolitos ativos.
  • Os compostos hidrofóbicos tendem a sofrer metabolismo hepático limitado.

Excreção

  • Metabolismo hepático (agentes lipofílicos) → bílis
  • Agentes hidrofílicos → excreção renal
  • A diminuição da função hepática e renal pode ↓ taxa de eliminação

Indicações

Arritmia

Os antiarrítmicos de classe II são usados no tratamento de:

  • Fibrilhação auricular
  • Flutter auricular
  • Taquicardias supraventriculares
  • Arritmias ventriculares

Usos adicionais

Os betabloqueadores, como classe, estão aprovados pela FDA para o tratamento de:

  • Doença cardíaca coronária:
    • Angina
    • Pós-EAM
  • Tremor essencial
  • Glaucoma (timolol)
  • Insuficiência cardíaca com redução da fração de ejeção
  • Hipertensão arterial
  • Estenose subaórtica hipertrófica
  • Profilaxia da enxaqueca
  • Feocromocitoma; adjuvante
  • Profilaxia de hemorragia varicosa

Indicações para fármacos antiarrítmicos classe II

Tabela: Propriedades dos betabloqueadores
Fármaco Arritmia Angina SCA ICC Hipertensão arterial AEM
Atenolol*
  • FA/flutter
  • TSV
  • V
X X X
Betaxolol* FA X X
Bisoprolol*
  • FA/flutter
  • V
X X X
Metoprolol*
  • FA/flutter
  • TSV
  • V
X X X X X
Esmolol*
  • FA/flutter
  • TSV
  • V
X
Acebutolol* V X X X X
Nadolol
  • FA
  • TSV
  • V
X X X
Propranolol
  • FA/flutter
  • TSV
  • V
X X X X
Timolol FA X X X
Carvedilol FA/flutter X X X X X
* marca betabloqueadores cardiosseletivos
AEM: atividade estabilizadora de membrana
FA: fibrilhação auricular
TSV: taquicardia supraventricular
V: arritmias ventriculares
ICC: insuficiência cardíaca congestiva

Vídeos recomendados

Efeitos Adversos e Contraindicações

Efeitos adversos

  • Cardiovascular:
    • Bradicardia
    • Hipotensão
    • Exacerbação da insuficiência cardíaca (com terapia inicial)
    • Abstinência com descontinuação que pode precipitar (pelo ↑ atividade simpática):
      • EAM (em indivíduos com doença arterial coronária)
      • Taquiarritmias ventriculares
      • Morte súbita cardíaca
  • SNC:
    • Fadiga
    • Depressão
    • Sonhos vívidos
    • Disfunção sexual
  • Respiratório: broncoconstrição
  • Endócrino:
    • Hipoglicemia
    • Hiperglicemia (geralmente em indivíduos com diabetes mellitus não insulino-dependente)
    • Dislipidemia
    • Aumento de peso
    • Retenção de fluidos
  • Dermatológico: potencial exacerbação da psoríase

Contraindicações

  • Insuficiência cardíaca descompensada
  • Choque cardiogénico
  • Hipotensão
  • Bradicardia grave
  • Bloqueio AV de 2º ou 3º grau
  • Síndrome do seio doente (a menos que esteja presente um pacemaker)
  • Doença reativa grave das vias aéreas
  • Hipertensão pulmonar (esmolol)

Interações farmacológicas

  • Potenciamento da bradicardia:
    • Bloqueadores de canais de Ca
    • Amiodarona
    • Agonistas A2
    • Digoxina
  • Aumento da hipoglicemia:
    • Sulfonilureias
    • Insulina
  • Vasoconstrição excessiva: alcaloides do ergot

Comparação de Classes de Fármacos Antiarrítmicos

A tabela a seguir compara as classes de antiarrítmicos I‒IV. A classe V não está incluída devido aos variados mecanismos de ação e efeitos.

Tabela: Comparação das classes de fármacos antiarrítmicos I‒IV
Classe Mecanismo de ação Efeitos Indicações de arritmia
I I A
  • Bloqueia canais rápidos de Na
  • ↓ Entrada de Na nas células miocárdicas
  • Afeta a despolarização
  • ↓ Declive da fase 0
  • ↓ Velocidade de condução no tecido não nodal
  • Auricular e ventricular
  • WPW
I B Ventricular
I C Principalmente auricular
II
  • Bloqueia recetores beta
  • ↓ Influxo de Ca nas células miocárdicas
  • Afeta o período refratário
  • ↓ Declive da Fase 4
  • ↑ Duração da Fase 4
  • ↓ Velocidade de condução no tecido nodal e não nodal
Auricular e ventricular
III
  • Bloqueia canais K
  • ↓ Efluxo de K das células miocárdicas
  • Afeta a repolarização
  • ↑ Duração da Fase 3
  • A maioria dos fármacos ↓ transmissão do impulso no tecido não nodal
  • Amiodarona e sotalol também ↓ condução nodal
Auricular e ventricular
IV
  • Bloqueia canais de Ca
  • ↓ Influxo de Ca nas células miocárdicas
  • Afeta a fase 2 no tecido não nodal
  • ↓ Declive da fase 0 no tecido nodal
  • ↓ Velocidade de condução no tecido nodal
Auricular
AV: auriculoventricular
Ca: cálcio
SA: sinoauricular
WPW: Síndrome de Wolff-Parkinson-White

Referências

  1. Hall, J.E., Guyton, A.C. (2016). O Sistema Nervoso Autônomo e a Medula Adrenal. Guyton e Hall Textbook of Medical Physiology, 13e. Philadelphia, PA: Elsevier.
  2. Opie, LH (2013). agentes β-bloqueadores. Drogas para o Coração, 8e. Filadélfia, PA: Elsevier Saunders.
  3. Pencina, MJ, Navar, AM, Wojdyla, D., et al. (2019). Quantificando a importância dos principais fatores de risco para doença coronariana. Circulação; 139, 1603-1611. https://doi.org/10.1161/CIRCULATIONAHA.117.031855 .
  4. Benjamin, EJ, Muntner, P., Alonso, A., Bittencourt, MS, et al. (2019). Estatísticas de doenças cardíacas e derrames – atualização de 2019: um relatório da American Heart Association. Circulação; 139:e56–e528. https://doi.org/10.1161/CIR.0000000000000659 .
  5. Lipton, RB, Stewart, WF, Diamond, S., et ai. (2001). Prevalência e carga de enxaqueca nos Estados Unidos: dados do American Migraine Study II. Dor de cabeça; 41, 646-657. https://doi.org/10.1046/j.1526-4610.2001.041007646.x .
  6. Jackson, JL, Kuriyama, A., Kuwatsuka, Y., et ai. (2019). Betabloqueadores para a prevenção da cefaleia em adultos, uma revisão sistemática e meta-análise. PLoS Um; 14, e0212785. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0212785 .
  7. De Leo, S., Lee, SY, Braverman, LE (2016). Hyperthyroidism. A Lanceta; 388, 906-918. http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(16)00278-6 .
  8. Podrid, P. (2020). Principais efeitos colaterais dos betabloqueadores. Em Levy, S. (Ed.) UpToDate. Recuperado em 13 de junho de 2021, de https://www.uptodate.com/contents/major-side-effects-of-beta-blockers .
  9. Kannam, J., Gersh, B. (2021). Betabloqueadores no manejo da síndrome coronariana crônica. Verheugt, F. UpToDate. Recuperado em 13 de junho de 2021, de https://www.uptodate.com/contents/beta-blockers-in-the-management-of-chronic-coronary-syndrome .

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

Details