Domina os Conceitos Médicos

Estuda para o curso e exames de Medicina com a Lecturio

Anomalias e Condições Penianas

As anomalias e condições penianas podem ser congénitas ou adquiridas e podem afetar a abertura uretral, o prepúcio, o corpo, a glande ou o pénis. Exemplos incluem a fimose, parafimose, epispádia, hipospádia, balanite, doença de Peyronie e priapismo. A gravidade dos sintomas clínicos varia, mas o diagnóstico de cada uma dessas condições geralmente baseia-se na história e no exame físico. O tratamento varia de terapias médicas a intervenção cirúrgica. É importante estar atento a esses diagnósticos, pois alguns (como fimose e balanite) são relativamente comuns, enquanto outros (como parafimose e priapismo) podem ter complicações graves se não forem tratados em tempo útil.

Última atualização: 30 Mar, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Descrição Geral

Anatomia

O pénis é formado por:

  • Glande:
    • Também conhecida como a cabeça do pénis
    • Coberta pelo prepúcio
  • Eixo peniano:
    • Composto por 2 colunas de tecido erétil conhecidas como:
      • Corpo cavernoso
      • Corpo esponjoso
    • Essas regiões são cobertas por uma membrana: túnica albugínea
  • Uretra:
    • Vai da bexiga até o centro do pénis
    • Termina com uma abertura na ponta da glande, chamada meato uretral

Classificação

As condições penianas podem ser classificadas com base na região do pénis afetada:

  • Glande e prepúcio:
    • Balanite
    • Fimose
    • Parafimose
  • Eixo peniano:
    • Doença de Peyronie
    • Priapismo
  • Uretra:
    • Epispádias
    • Hipospádias

Epispádia e Hipospádia

Epispádia

  • Definição: abertura anormal da uretra na superfície dorsal do pénis
  • Epidemiologia:
    • Muito rara
    • Incidência relatada: < 1 em 100.000 recém-nascidos do sexo masculino
  • Etiologia:
    • Migração defeituosa do tubérculo genital → tubularização uretral incompleta
    • Associada a defeitos anormais da parede abdominal, como a extrofia da bexiga
  • Apresentação Clínica:
    • Abertura meatal no dorso do pénis
    • Prepúcio coberto ventralmente
    • Associa-se com a curvatura do pénis (chordee)
  • Diagnóstico: muitas vezes feito no momento do exame genital do recém-nascido
  • Tratamento: encerramento cirúrgico e reconstrução
  • Complicações:
    • ↑ Frequência de infeções do trato urinário (ITUs)
    • Incontinência urinária
    • Refluxo urinário
    • Infertilidade
Bebê masculino com epispadias

Bebé masculino com epispádia

Imagem : “Male baby with epispadias” pelo Department of Pediatric Urology, University Medical Center Regensburg, Germany. Licença: CC BY 2.0

Hipospádia

  • Definição: abertura anormal da uretra na superfície ventral do pénis
  • Epidemiologia:
    • Defeito peniano congénito mais comum
    • Ocorre em aproximadamente 1 em 250 recém-nascidos do sexo masculino nos Estados Unidos
  • Etiologia:
    • Devido à falha no encerramento das pregas uretrais
    • A causa é multifatorial
    • Pode estar associada aos seguintes fatores:
      • Ambiental
      • Genético
      • Endócrino
  • Apresentação clínica:
    • Abertura meatal na superfície ventral do pénis
    • Prepúcio deficiente na superfície ventral → encerramento incompleto do prepúcio ao redor da glande
    • Associada a chordee
  • Diagnóstico: muitas vezes feito no momento do exame genital do recém-nascido
  • Tratamento:
    • Correção cirúrgica
    • Não garantido para aqueles que têm defeitos leves
  • Complicações:
    • ↑ Risco de ITUs
    • Incontinência urinária
    • Obstrução urinária
    • Infertilidade

Fimose e Parafimose

Fimose

  • Definição: incapacidade de retrair o prepúcio sobre a glande
  • Epidemiologia: 1 das anormalidades penianas mais comuns
  • Etiologia:
    • Fisiológica:
      • Ocorre em quase todos os recém-nascidos do sexo masculino
      • Devido ao desenvolvimento normal de aderências congénitas entre o prepúcio e a glande
    • Patológica:
      • Prepúcio não retrátil secundário a cicatrização
      • Geralmente resultado de infeção e inflamação
  • Apresentação clínica:
    • Prepúcio não retrátil
    • Fisiológica: “balonismo” do prepúcio com a micção
    • Patológica:
      • Anel fibroso, branco e contraído → cicatriz
      • Dor
      • Irritação cutânea
      • Hematúria
  • Diagnóstico: exame físico
  • Tratamento:
    • A fimose fisiológica é autolimitada.
    • Boa higiene
    • Dilatação e alongamento suaves
    • Creme corticosteroide tópico
    • Circuncisão
  • Complicações:
    • Parafimose
    • Balanite
    • ↑ Risco de cancro do pénis
Fimose

Um pênis ereto com fimose

Imagem : “Example of an erect penis with Phimosis. The foreskin will not retract.” por Andrew1985 por Andrew1985. Licença: Domínio Público

Parafimose

  • Definição: condição na qual o prepúcio de um pénis não circuncisado fica preso atrás da glande e não pode ser reduzido:
    • Pode levar a estrangulamento e enfarte da glande
    • Considerada uma emergência urológica
  • Etiologia: vários fatores predisponentes potenciais:
    • Fimose
    • Trauma
    • Atividade sexual
    • Procedimentos (geralmente devido à não colocação do prepúcio sobre a glande após o procedimento):
      • Cistoscopia
      • Cateterismo
  • Apresentação clínica:
    • Tumefação
    • Dor e sensibilidade
    • Faixa constritiva de tecido proximal à glande
    • Prepúcio retraído não reduz facilmente de forma manual
    • Se não corrigido: isquemia ou necrose → descoloração azul ou preta
  • Diagnóstico: exame físico
  • Tratamento:
    • Controlo da dor
    • Redução manual
    • Intervenção cirúrgica:
      • Redução da fenda dorsal (incisão da faixa de constrição)
      • Circuncisão emergente
  • Complicações: necrose da glande
Parafimose complicada por gangrena da glande

Parafimose complicada com gangrena da glande:
Esta condição é causada pelo comprometimento do fluxo sanguíneo linfático e venoso, levando ao inchaço e comprometimento do fluxo sanguíneo arterial.

Imagem : “Demonstrating penile glans gangrene with paraphimotic constriction ring with purulent urethral discharge” by Balkan Medical Journal. Licença: CC BY 2.5

Balanite

Definição e epidemiologia

  • A balanite é a inflamação da glande do pénis.
  • Afeta aproximadamente 3% dos homens não circuncisados em todo o mundo

Etiologia

  • Fatores predisponentes:
    • Limpeza inadequada do pénis e prepúcio
    • Fimose
    • Exposição a irritantes:
      • Sabonetes
      • Lubrificantes
      • Látex
    • Doenças dermatológicas:
      • Reação alérgica
      • Eczema
      • Psoríase
      • Líquen plano
    • Trauma
    • Condições médicas crónicas, como:
      • Diabetes
      • Obesidade
      • Insuficiência cardíaca congestiva ou outras condições edematosas
  • Causas infeciosas comuns:
    • Candida
    • Bactérias
      • Neisseria gonorrhoeae
      • Streptococos do grupo B
      • Clamídia
      • Anaeróbios
      • Treponema pallidum
      • Trichomonas
      • Herpes simplex
      • Escabiose

Apresentação clínica

  • Eritema
  • Edema da glande
  • Dor e sensibilidade
  • Prurido
  • Prepúcio apertado
  • Exsudado purulento
  • Lesões ulceradas da glande e prepúcio
  • Obstrução urinária
  • Linfadenopatia
Balanitis_caused_by_smegma

Eritema e edema da glande do pénis consistentes com balanite

Imagem : ““Balanitis caused by smegma” por MFN24.. Licença: CC0 1.0

Diagnóstico

  • Exame objetivo
  • A investigação adicional é determinada com base na história clínica, mas pode incluir:
    • Culturas bacterianas
    • Teste para o vírus herpes simplex
    • Preparação de hidróxido de potássio → avaliar para Candida
    • Teste para gonorreia e clamídia

Tratamento

  • Boa higiene, com limpeza adequada do pénis e prepúcio
  • Evitar irritantes
  • Tratamento da infeção subjacente, se presente
  • Tratamento de condições crónicas predisponentes

Complicações

  • Fimose
  • Parafimose
  • ↑ Risco de cancro do pénis
  • Estenose uretral

Doença de Peyronie

Definição

A doença de Peyronie é uma deformidade peniana causada por fibrose/cicatrização da túnica albugínea.

Epidemiologia

  • Prevalência: aproximadamente 5% dos homens (provavelmente subnotificado)
  • Idade média: aproximadamente 68 anos

Etiologia

  • Placas fibrosas podem ocorrer devido a:
    • Trauma
    • Isquemia tecidual
  • Fatores de risco:
    • Procedimentos urológicos:
      • Cateterismo
      • Cistoscopia
      • Resseção transuretral da próstata
    • Doenças do tecido conjuntivo
    • Genéticos
    • Hipogonadismo
    • Diabetes
    • Tabagismo
    • Consumo de álcool
    • Idade avançada

Apresentação clínica

  • Mais frequentemente evidente com uma ereção
  • Desvio do pénis para o lado afetado
  • Dor
  • Nódulos ou placas palpáveis
Curvatura anormal do pênis doença de peyronie

Curvatura anormal do pénis secundária à doença de Peyronie

Imagem : “Penile deformity secondary to Peyronie’s disease” por Tran VQ et al. Licença: CC BY 3.0

Diagnóstico

O diagnóstico é clínico.

Tratamento

  • Observação (para aqueles com doença leve e estável)
  • Tratamento médico:
    • Pentoxifilina → previne a deposição de colagénio e fibrose
    • Injeções intralesionais:
      • Colagenase
      • Verapamil → ↑ atividade da colagenase, ↓ produção de colagénio
  • Correção cirúrgica para casos graves

Complicações

  • Disfunção erétil
  • Efeitos psicológicos:
    • Ansiedade
    • Baixa autoestima

Priapismo

Definição

O priapismo é uma ereção anormal e persistente (geralmente > 4 horas) que não está associado à estimulação sexual.

Epidemiologia

  • Incidência: 0,73 casos por 100.000 homens por ano
  • O priapismo isquémico é mais comum (aproximadamente ⅔ dos casos estão associados ao tratamento da disfunção erétil).
  • Distribuição etária bimodal:
    • 5-10 anos
    • 20-50 anos

Etiologia e Fisiopatologia

  • Isquémico:
    • Causado por falha do fluxo venoso, que pode ser devido a:
      • Excesso de neurotransmissores
      • Vénulas bloqueadas → impedem a drenagem venosa
      • Relaxamento prolongado do músculo liso
    • Pode levar à síndrome compartimental → dano tecidual
    • Causas:
      • Fármacos (por exemplo, sildenafil, anfetaminas, hidralazina, prazosina)
      • Drepanocitose
      • Leucemia
      • Vasculite
      • Estado hipercoagulante
  • Não isquémico:
    • Formação de uma fístula arterial → fluxo arterial anormal para os corpos cavernosos
    • Sem obstrução do fluxo venoso
    • Geralmente por uma lesão direta

Apresentação clínica

  • Isquémico:
    • Ereção dolorosa
    • Rígido
    • Se não tratado → necrose
  • Não isquémico:
    • Sem dor com a ereção
    • Menos rígido
    • Não associado a necrose

Diagnóstico

A suspeita diagnóstica é feita com base na história e no exame físico. O seguinte pode ajudar a diferenciar o priapismo isquémico do não isquémico:

  • Gases no sangue cavernoso:
    • Isquémico:
      • A amostra de sangue aparecerá preta
      • Hipóxia
      • Hipercarbia
      • Acidose
    • Não isquémico:
      • A amostra de sangue será vermelha
      • Oxigénio normal
      • Dióxido de carbono normal
      • pH normal
  • Ecografia de Doppler:
    • Isquémico: fluxo sanguíneo mínimo ou ausente nas artérias cavernosas
    • Não isquémico: fluxo sanguíneo arterial normal ou alto

Tratamento

  • Isquémico:
    • Consultar a especialidade de Urologia
    • Aspiração cavernosa
    • Injeção intracavernosa de fenilefrina → induz a contração do músculo liso → ↑ fluxo venoso
    • Cirurgia
  • Não isquémico:
    • Pode resolver espontaneamente
    • Arteriografia com embolização

Complicações

As complicações do priapismo isquémico incluem:

  • Disfunção erétil
  • Necrose peniana

Referências

  1. Fahmy, M. (2018). Congenital Anomalies of the Penis. Springer.
  2. Baskin, L.S. (2020). Hypospadias: pathogenesis, diagnosis, and evaluation. UpToDate. Retrieved August 10, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/hypospadias-pathogenesis-diagnosis-and-evaluation
  3. Baskin, L.S. (2020). Hypospadias: management and outcome. UpToDate. Retrieved August 10, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/hypospadias-management-and-outcome
  4. Wilcox, D. (2021). Care of the uncircumcised penis in infants and children. UpToDate. Retrieved August 13, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/care-of-the-uncircumcised-penis-in-infants-and-children
  5. Tews, M. (2020). Paraphimosis: clinical manifestations, diagnosis and treatment. UpToDate. Retrieved August 13, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/paraphimosis-clinical-manifestations-diagnosis-and-treatment
  6. Tews, M., Singer, J.I. (2020). Balanitis and balanoposthitis in children and adolescents: clinical manifestations, evaluation, and diagnosis. UpToDate. Retrieved August 19, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/balanitis-and-balanoposthitis-in-children-and-adolescents-clinical-manifestations-evaluation-and-diagnosis
  7. Barrisford, G.W. (2021). Balanitis in adults. UpTodate. Retrieved August 19, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/balanitis-in-adults
  8. Deveci, S. (2021). Priapism. UpToDate. Retrieved August 19, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/priapism
  9. Brant, W.O., Bella, A.J., Lue, T.F. (2021). Peyronie’s disease: diagnosis and medical management. UpToDate. Retrieved August 19, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/peyronies-disease-diagnosis-and-medical-management
  10. Rabinowitz, R., Cubillos, J. (2020). Penile and urethral anomalies. MSD Manual Professional Version. Retrieved August 19, 2021, from https://www.msdmanuals.com/professional/pediatrics/congenital-renal-and-genitourinary-anomalies/penile-and-urethral-anomalies
  11. Anand, S., Lotfollahzadaeh, S. (2021). Epispadias. StatPearls. Retrieved August 19, 2021, from https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK563180/
  12. McPhee, A.S., Stormont, G., McKay, A.C. (2020). Phimosis. StatPearls. Retrieved August 19, 2021, from https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK525972/
  13. Bragg, B.N., Kong, E.L., Leslie, S.W. (2021). Paraphimosis. StatPearls. Retrieved August 19, 2021, from https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK459233/
  14. Ghory, H.Z., Sharma, R. (2017). Phimosis and paraphimosis. Medscape. Retrieved August 19, 2021, from https://emedicine.medscape.com/article/777539-overview

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

🍪 Lecturio is using cookies to improve your user experience. By continuing use of our service you agree upon our Data Privacy Statement.

Details