Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Analgésicos Opioides

Os opiáceos são fármacos derivados da seiva da papoila dormideira. Os opiáceos têm sido usados desde a antiguidade para o alívio de dor aguda severa. Os opioides são opiáceos sintéticos com propriedades substancialmente semelhantes às dos opiáceos. Conhecidos pela sua notável eficácia, os opioides induzem os seus efeitos (analgesia, euforia e sedação) ao interagir com os recetores opioides (μ, κ e δ) no sistema nervoso. Os opiáceos/opioides têm efeitos adversos que incluem depressão respiratória, náuseas e vómitos, diminuição da motilidade gastrointestinal e obstipação, tolerância e dependência.

Última atualização: May 30, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Farmacodinâmica

Definições

Os opioides são uma classe de fármacos naturais ou sintéticos que atuam sobre os recetores opioides para garantir analgesia e efeitos no SNC.

  • Opiáceos: uma subclasse de opioides, constituída por alcaloides originários naturalmente da papoila dormideira.
  • Endorfinas: péptidos endógenos que proporcionam alívio da dor através da ligação a recetores opioides.
    • Beta-endorfinas
    • Dinorfinas
    • Encefalinas

Mecanismo de ação

  • Existem 3 recetores opioides clássicos localizados no sistema nervoso central e periférico:
    • Mu
    • Kappa
    • Delta
  • Efeito nos recetores opioides:
    • Ativação de recetores opioides → estimulação de proteínas G acopladas
    • ↓ Transmissão sináptica → inibe os sinais de dor:
      • Fecha os canais de cálcio pré-sinápticos → ↓ libertação de neurotransmissores
      • Abre os canais de potássio pós-sinápticos → movimento de K para fora → hiperpolarização → ↓ excitabilidade neuronal
  • Os opioides podem ser:
    • Agonistas
    • Agonistas parciais: têm ↑ afinidade com o recetor, mas ↓ eficácia no recetor
    • Agonistas-antagonistas: podem ter efeitos agonistas e antagonistas em diferentes recetores opioides

Recetores opioides

A tabela seguinte resume e compara os efeitos dos recetores opioides:

Tabela: Subtipos de recetores opioides
Recetor Mu (μ) Recetor Kappa (κ) Recetor Delta (δ)
Efeito na analgesia Espinhal e central Espinhal Espinhal
Efeito no trato gastrointestinal Trânsito gástrico atrasado
Outros efeitos
  • Depressão respiratória
  • Euforia
  • Sedação
  • Miose
  • Modulação de hormonas
  • Disforia
  • Sedação
  • Diurese
  • Ansiólise
  • Mudanças hormonais
Habituação Nenhuma Nenhuma Tolerância
Agonistas
  • Beta-endorfinas
  • Morfina
  • Fentanil
  • Dinorfinas
  • Agonistas de ação mista
  • Encefalinas
  • Morfina
  • Codeína

Efeitos fisiológicos

SNC:

  • Analgesia
  • Euforia
  • Disforia
  • Sedação
  • Depressão respiratória
  • Bradicardia
  • Supressão da tosse
  • Miose
  • Rigidez do tronco
  • Náuseas e vómitos
  • Tolerância
  • Hiperalgesia induzida por opioides
  • Alodinia induzida por opioides

Periféricos:

  • ↓ Motilidade gastrointestinal → obstipação
  • Contração do músculo liso biliar → cólica biliar
  • ↓ Fluxo de plasma renal → ↓ função renal
  • Trabalho de parto prolongado
  • ↑ Secreção de:
    • Hormona antidiurética (ADH)
    • Prolactina
    • Somatropina
  • Rubor
  • Transpiração
  • Urticária
Efeitos dos analgésicos opioides em relação à força da droga

Efeitos dos analgésicos opioides em relação à força da droga

Imagem por Lecturio. Licença: CC BY-NC-SA 4.0

Farmacocinética

Absorção

  • Pode ser administrado em preparações parenterais, orais, de insuflação nasal e transdérmicas.
  • A maioria é bem absorvida

Distribuição

  • A ligação a proteínas varia
  • Localizam-se em tecidos altamente perfundidos:
    • Cérebro
    • Pulmões
    • Fígado
    • Rins
    • Baço
  • A acumulação pode ocorrer no:
    • Músculo esquelético
    • Tecido adiposo

Metabolismo e excreção

  • Metabolismo significativo e variável de 1.ª passagem
  • A maioria dos opioides são metabolizados por:
    • CYP3A4
    • CYP2D6
    • Glucuronidação hepática
  • Excreção: renal

Classificação

Ação sobre os recetores

Os analgésicos opioides podem ser classificados com base na sua atividade nos recetores opioides:

  • Agonistas opioides:
    • Agonistas fortes:
      • Fentanil
      • Hidromorfona
      • Levorfanol
      • Meperidina
      • Metadona
      • Morfina
      • Oximorfona
    • Agonistas moderados:
      • Codeína
      • Hidrocodona
      • Oxicodona
    • Agonistas fracos: propoxifeno
  • Agonistas-antagonistas:
    • Nalbufina
    • Buprenorfina

Origem

Os opioides podem ser caracterizados como:

  • Naturais (opiáceos):
    • Morfina
    • Codeína
  • Opioides semissintéticos:
    • Heroína
    • Oxicodona
    • Hidrocodona
    • Hidromorfona
    • Oximorfona
  • Opioides sintéticos:
    • Fentanil
    • Metadona
    • Tramadol

Indicações

Indicações e usos

  • Dor:
    • Dor nociceptiva moderada a severa:
      • Cirúrgica
      • Dor oncológica
      • Crise de células falciformes
    • Enfarte agudo do miocárdio
    • Geralmente, a terapia com opioides só é indicada após a falha de medidas analgésicas mais conservadoras.
  • Dispneia (particularmente nos cuidados de fim de vida)
  • Tosse (codeína)
  • Diarreia (loperamida)
  • Anestesia antes da cirurgia
  • Tremor perioperatório

A tabela seguinte resume a abordagem por etapas recomendada para o tratamento da dor:

Tabela: Escala hierárquica da OMS aplicável aos analgésicos
Etapa Terapia recomendada
1 Analgésicos não opioides
2 Analgésicos não opioides + opioides leves (tramadol)
3 Analgésicos não opioides + opioides fortes (morfina, hidromorfona e oxicodona)
4 Técnicas invasivas como injeção epidural, anestesia local periférica e bloqueio ganglionar.

Dose equianalgésica

  • Útil na conversão de um opioide para outro
  • Ajuda a evitar a subdosagem/sobredosagem iatrogénica
  • A morfina é o padrão de excelência na comparação da dose equianalgésica.
  • A dosagem de outros opioides pode ser baseada na sua potência relativa em comparação com a morfina:
    • Denominada dose equivalente de morfina (DEM)
    • Expressa como um rácio: (fármaco X)/(1 DEM)
      • Exemplo: 1 mg de morfina tem uma eficácia analgésica igual a 1 mg de hidrocodona, portanto, hidrocodona = 1/1 DEM
      • Exemplo: 4 mg de morfina tem uma eficácia analgésica igual a 1 mg de hidromorfona, portanto, hidromorfona = 4/1 DEM
      • Exemplo: 1 mg de morfina tem uma eficácia analgésica igual a 6,6 mg de codeína, portanto codeína = 0,15 DEM
  • Deve ser dada especial atenção na conversão entre opiáceos/opioides intravenosos e orais:
    • Geralmente, os opioides IV são 3 vezes mais potentes do que os seus análogos orais.
    • Exemplo: 3 mg de morfina oral tem uma potência analgésica igual a 1 mg de morfina IV.
Tabela: Cálculo da dose equivalente de morfina (DEM)*
Fármaco DEM
Codeína 0.15
Fentanil transdermal (em mcg/hr) 2.4
Hidrocodona 1
Hidromorfona 4
Metadona:
  • 1–20 mg/dia
  • 21–40 mg/dia
  • 41–60 mg/dia
  • ≥ 61–80 mg/dia
  • 4
  • 8
  • 10
  • 12
Morfina 1
Oxicodona 1.5
Oximorfona 3
*Estas conversões da dose são estimadas e não podem contabilizar todas as diferenças genéticas e farmacocinéticas individuais.

Efeitos Adversos e Contraindicações

Efeitos adversos

  • Náuseas e vómitos
  • Obstipação
  • Prurido
  • Depressão respiratória
  • Depressão do SNC
  • Bradicardia
  • Hipotensão
  • Limiar convulsivo mais baixo (particularmente com o tramadol)
  • Prolongamento do intervalo QT (particularmente com a metadona)
  • Abuso e dependência de opioides
  • Hiperalgesia induzida por opioides
  • Alodinia induzida por opioides

Contraindicações

Absolutas:

  • Lesões cranianas agudas
  • Gravidez
  • Função pulmonar deficiente
  • Insuficiência adrenal (doença de Addison)
  • Hipotiroidismo (mixedema)
  • Reabilitação anterior de drogas e/ou álcool
  • Historial familiar ou pessoal de abuso de substâncias

Relativas:

  • Crianças < 1 ano de idade
  • Historial de depressão ou ansiedade
  • Insuficiência respiratória (por exemplo, doença pulmonar obstrutiva crónica)
  • Aumento da pressão intracraniana
  • Hipotensão ou hipovolemia devido aos efeitos de diminuição da pressão arterial
  • Dependência de opioides

Usar com precaução:

  • Deficiência hepática
  • Disfunção renal

Interações farmacológicas

  • Depressores da atividade do SNC (risco composto de sedação e de depressão respiratória potencialmente fatal):
    • Hipnóticos
    • Fenotiazinas
    • Tranquilizantes
    • Álcool
  • Fármacos metabolizados por sistemas P450
  • Agentes prolongadores do intervalo QT (com metadona)
  • Agentes serotonérgicos (com tramadol, meperidina) → síndrome de serotonina
  • Inibidores da monoamina oxidase (MAO) (com meperidina) → síndrome de hiperpirexia
  • Existe variabilidade com agentes individuais.

Tolerância e dependência física

  • Tolerância:
    • Uma perda gradual na eficácia com doses terapêuticas
    • Necessidade de aumentos progressivos da dose para atingir os níveis de analgesia, euforia, etc., anteriores
    • Reflete uma mudança na densidade de recetores opioides e na fisiologia dos recetores após exposição prolongada e/ou repetida a agonistas
  • Dependência:
    • A cessação do aumento da dose desencadeia sintomas de abstinência:
      • Dores musculares
      • Inquietação
      • Ansiedade
      • Lacrimação
      • Rinorreia
      • Diaforese
      • Insónia
      • Bocejos frequentes
      • Diarreia
      • Cólicas abdominais
      • Piloereção
      • Náuseas e vómitos
      • Midríase
      • Taquicardia
      • Hipertensão arterial
    • Pensa-se que seja devido à ativação persistente dos recetores mu.

Antagonistas Opioides

A tabela seguinte compara os antagonistas opioides mais comuns:

Tabela: Comparação dos antagonistas opioides mais comuns
Fármaco Mecanismo Indicação Efeitos colaterais
Naloxona Mu: antagonista competitivo
  • Reversão emergente da overdose de opioides
  • Reduz a sedação e a depressão respiratória
Síndrome de abstinência
Naltrexona Antagonista competitivo dos recetores mu, kappa e delta
  • Perturbação do uso de opioides:
    • Diminui os desejos
    • Diminui o risco de overdose
  • Alcoolismo
  • Síndrome de abstinência
  • Hepatotoxicidade
Metilnaltrexona Mu: antagonista competitivo no trato gastrointestinal (não atravessa a barreira hematoencefálica) Obstipação induzida por opioides
  • Dor abdominal
  • Náuseas
  • Diarreia

Comparação de Fármacos Analgésicos Opioides

A tabela seguinte compara e contrasta as características dos analgésicos opioides:

Tabela: Subtipos de recetores opioides
Fármaco e formulação Efeitos nos recetores Farmacocinética Factos importantes
Agonistas opioides
Morfina Agonista forte
  • M: glucuronidação hepática
  • H: cerca de 2–4 hr
O metabolito tem potenciais efeitos neuroexcitatórios.
Fentanil Agonista forte
  • M: CYP3A4
  • IV H: cerca de 2–4 hr
  • H transdérmico: 20–27 hr
Formulação transdérmica para libertação prolongada
Hidromorfona Agonista forte
  • M: glucuronidação hepática
  • H: cerca de 2–3 hr
  • Opioide preferencial na insuficiência renal
  • O metabolito tem potencial neurotóxico
Codeína Agonista moderado
  • M: CYP2D6, CYP3A4
  • H: cerca de 3 horas
Substância controlada do “Schedule III” em conjunto com o acetaminofeno
Oxicodona Agonista moderado
  • M: CYP3A4, CYP2D6
  • H: cerca de 4–6 hr
Combinado frequentemente com o acetaminofeno
Hidrocodona Agonista moderado
  • M: CYP2D6
  • H: cerca de 4 horas
Combinado frequentemente com o acetaminofeno
Tramadol
  • Agonista seletivo de recetores mu
  • Inibidor da reabsorção da serotonina
  • Inibidor da reabsorção de norepinefrina
  • M: CYP2D6, CYP3A4, glucuronidação
  • H: cerca de 6 horas
  • Uma mistura racémica de 2 enantiómeros
  • Doses tóxicas causam excitação e convulsões do SNC
Metadona
  • Agonista forte no recetor opioide
  • Antagonista no recetor NMDA
  • M: CYP3A4, CYP2D6
  • H: Variável, 8–59 hr
  • Os efeitos antagonísticos do NMDA tornam-no útil em dores neuropáticas graves
  • Potencial para torsades de pointes
  • Tolerância cruzada incompleta com outros opioides
Agonistas-antagonistas
Nalbufina
  • Mu: antagonista parcial
  • Kappa: agonista
  • M: glucuronidação hepática
  • H: 5 hr
  • Não associado com euforia ou depressão respiratória
  • Menor risco de dependência
Buprenorfina
  • Mu: agonista parcial fraco
  • Kappa: antagonista fraco
  • Delta: antagonista fraco
  • M: CYP3A4
  • H: cerca de 37 hr (sublingual)
  • Bloqueia a ligação/afastamento de outros agonistas totais opioides
  • Produz euforia, mas com efeito limite
  • Pode acelerar a síndrome de abstinência em pacientes tolerantes a opioides.
H: meia-vida de eliminação
M: metabolismo
NMDA: Recetor N-metil-D-aspartato (NMDA)
SL: sublingual

Referências

  1. Schumacher, M.A., Basbaum A.I., Naidu R.K. (2021). Opioid agonists & antagonists. In Katzung, B.G., Vanderah, T.W. (Eds.), Basic & Clinical Pharmacology, 15th ed. McGraw-Hill. https://accessmedicine-mhmedical-com.ezproxy.unbosque.edu.co/content.aspx?bookid=2988&sectionid=250599194
  2. Jamison, R.N., Mao, J. (2015). Opioid analgesics. Mayo Clin Proc 90:957–968. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26141334/
  3. Guy, G.P., et al. (2017). Vital signs: changes in opioid prescribing in the United States, 2006-2015. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 66:697–704. https://www.cdc.gov/mmwr/volumes/66/wr/mm6626a4.htm
  4. Aubrun, F., et al. (2019). Revision of expert panel’s guidelines on postoperative pain management. Anaesth Crit Care Pain Med 38:405–411. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30822542/
  5. Zöllner, C., Stein, C. (2007). Opioids. Handb Exp Pharmacol. (177), 31–63. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/17087119/
  6. Aiyer, R., Mehta, N., Gungor, S., Gulati, A. (2018). A systematic review of NMDA receptor antagonists for treatment of neuropathic pain in clinical practice. Clin J Pain 34:450–467. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28877137/
  7. Crockett, S.D., et al., American Gastroenterological Association Institute Clinical Guidelines Committee. (2019). American Gastroenterological Association Institute guideline on the medical management of opioid-induced constipation. Gastroenterology 156:218–226. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30340754/
  8. Dowell, D., Haegerich, T.M., Chou, R. (2016). CDC guideline for prescribing opioids for chronic pain—United States, 2016. JAMA 315:1624–1645. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26977696/
  9. Pandharipande, P., McGrane, S. (2020). Pain control in the critically ill adult patient. UpToDate. Retrieved July 25, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/pain-control-in-the-critically-ill-adult-patient
  10. Strain, E. (2021). Opioid use disorder: epidemiology, pharmacology, clinical manifestations, course, screening, assessment, and diagnosis. UpToDate. Retrieved July 25, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/opioid-use-disorder-epidemiology-pharmacology-clinical-manifestations-course-screening-assessment-and-diagnosis
  11. Pasternak, G.W. (2014). Opiate pharmacology and relief of pain. Journal of Clinical Oncology 32:1655–1661. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4031189/
  12. Pathan, H., Williams, J. (2012). Basic opioid pharmacology: an update. British Journal of Pain 6(1):11–16. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4590096/
  13. Ghelardini, C., Mannelli, L.D.C., Bianchi, E. (2015). The pharmacological basis of opioids. Clinical Cases in Mineral and bone metabolism. 12:219–221. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4708964/
  14. Centers for Disease Control and Prevention. (n.d.). Calculating total daily dose of opioids for safer dosage. Retrieved July 25, 2021, from https://www.cdc.gov/drugoverdose/pdf/calculating_total_daily_dose-a.pdf

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

Details