Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Acetaminofeno

O acetaminofeno é um analgésico e antipirético não opioide de venda livre e o analgésico mais usado em todo o mundo. Apesar do uso generalizado do paracetamol, o seu mecanismo de ação não é totalmente compreendido. No entanto, acredita-se que o paracetamol exerça os seus efeitos através da inibição indireta e reversível da ciclooxigenase (COX)-1 e COX-2. Os efeitos são geralmente limitados ao SNC. O acetaminofeno é metabolizado principalmente pelo fígado; portanto, uma overdose pode levar a hepatotoxicidade com risco de vida. Em adultos, é altamente recomendado limitar a dose total de acetaminofeno (de todas as fontes e vias) para < 4000 mg/dia. As contraindicações ao uso de paracetamol incluem hipersensibilidade, insuficiência hepática grave ou doença hepática ativa grave.

Última atualização: 9 May, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Estrutura Química e Farmacodinâmica

Definição

O acetaminofeno, também conhecido como paracetamol (N-acetil-p-aminofenol), é um agente analgésico e antipirético não opioide usado para tratar dor e febre.

Estrutura química

  • Derivado de p-aminofenol
  • Fórmula química: C 8 H 9 NO 2
Acetaminofeno (n-acetil-p-aminofenol)

Acetaminofeno (N-acetil-p-aminofenol)

Imagem : “Acetaminophen (N-acetyl-p-aminophenol)” por Huang. Licença: CC BY 3.0

Mecanismo de ação

  • O mecanismo exato de ação não é totalmente compreendido.
  • Acredita-se que os efeitos sejam através da inibição indireta das enzimas ciclooxigenase (COX)-1 e COX-2 no SNC (por inibição central da COX).
  • Inibidor fraco de COX nos tecidos periféricos

Efeitos fisiológicos

  • As prostaglandinas (PGs) desempenham um papel fundamental na inflamação aguda.
  • Os sinais cardinais da inflamação são observados:
    • Rubor (vermelhidão)
    • Calor
    • Dor
    • Inchaço
  • A produção de PG é dependente de COX-1 e COX-2.
  • Inibição indireta de COX → ↓ síntese de PG → ↓ resposta inflamatória

Farmacocinética

Absorção

  • Oral:
    • Alta biodisponibilidade (88%)
    • Início de ação < 1 hora
    • Concentração máxima atingida após 90 minutos
  • Retal:
    • Biodisponibilidade aproximadamente 50%
    • Início de ação < 1 hora
    • Concentração máxima não alcançada até 3 horas
  • IV:
    • Biodisponibilidade até 100%
    • Início de ação < 10 minutos
    • Concentração máxima atingida em cerca de 60 minutos

Distribuição

  • Distribuição uniforme na maioria dos tecidos e fluidos, exceto na gordura
  • Atravessa a barreira hematoencefálica e a placenta; encontrado no leite materno
  • Baixa ligação às proteínas plasmáticas (25%)

Metabolismo

  • Metabolizado principalmente pelo fígado e segue a cinética de 1ª ordem:
    • Conjugação com glicuronídeo
    • Conjugação com sulfato
    • Oxidação pela via do citocromo P450 (CYP) (principalmente CYP2E1)
  • O metabolismo através da via CYP2E1 resulta na produção de N-acetil-p-benzoquinona imina (NAPQI, pela sigla em inglês).
  • NAPQI é um metabolito tóxico:
    • Rapidamente conjugado com glutationa
    • Desintoxicado por glutationa → compostos não tóxicos de cisteína e mercaptato → excreção renal
  • Nota: Os fármacos administrados por via oral estão sujeitos ao metabolismo de 1ª passagem.

Excreção

  • Os metabolitos são excretados principalmente na urina:
    • Maioria como metabolitos de glicuronídeos, depois como metabolitos de sulfato
    • < 10% como metabolitos de cisteína e ácido mercaptúrico

Indicações

O acetaminofeno é um equivalente da aspirina e tem efeitos analgésicos e antipiréticos; no entanto, o paracetamol não tem efeitos inibidores de plaquetas nem afeta os níveis de ácido úrico.

Febre

  • Redução temporária da febre
  • Pode ser usado em indivíduos de todas as idades

Dor

  • Oral/retal: alívio temporário de pequenas dores e cefaleias
  • IV:
    • Alívio da dor leve a moderada
    • Alívio da dor moderada a intensa quando combinado com um opioide
    • Só deve ser usado em indivíduos ≥ 2 anos de idade

Efeitos Adversos e Contraindicações

Efeitos adversos do paracetamol oral/retal

  • Hepático (mais significativo):
    • Associado a doses > 4000 mg/dia e uso de > 1 produto que contém paracetamol (pode levar a overdose de paracetamol)
    • Limitar a dose total de todas as fontes e vias a < 4000 mg/dia (adultos).
    • Manifestações:
      • Aumento das enzimas hepáticas
      • Insuficiência hepática aguda
      • Hepatotoxicidade
  • Outros efeitos:
    • Otológicos: perda auditiva
    • Dermatológicos: eritema, rash cutâneo, síndrome de Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica
    • Hipersensibilidade: reações de hipersensibilidade, anafilaxia

Efeitos adversos do acetaminofeno IV

  • Hepático (mais significativo):
    • Aumento dos níveis de ALT e AST
    • Insuficiência hepática aguda
    • Hepatotoxicidade
  • GI (> 10%): náuseas, vómitos, obstipação, diarreia
  • ≤ 10%:
    • Cardiovascular: hipertensão ou hipotensão, edema periférico (adultos)
    • Dermatológicos: rash cutâneo, síndrome de Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica
    • Endócrinos e metabólicos: hipoalbuminemia, hipocalemia, hipomagnesemia, hipofosfatemia
    • Geniturinário: oligúria
    • Hematológico: anemia
    • Hipersensibilidade: reação de hipersensibilidade, anafilaxia
    • Local: dor no local da infusão
    • Sistema nervoso: agitação, dor de cabeça, insónia, trismus
    • Musculoesquelético: espasmos musculares
    • Respiratório: dispneia, estridor, sibilos, derrame pleural, edema pulmonar

Interações com outros fármacos

Tabela: Interações medicamentosas
Fármacos Interações/efeitos
Álcool (etil) ↑ Hepatotoxicidade
Barbitúricos
  • ↑ Metabolismo do acetaminofeno
  • ↓ Efeito terapêutico do paracetamol
  • ↑ Risco de hepatotoxicidade
Carbamazepina
  • ↑ Metabolismo do acetaminofeno
  • ↓ Efeito terapêutico do paracetamol
  • ↑ Risco de hepatotoxicidade
Fosfenitoína-fenitoína
  • ↓ Concentração sérica de paracetamol
  • ↑ Formação de N-acetil-p-benzoquinona imina
Isoniazida ↑ Hepatotoxicidade
Lamotrigina ↓ Concentração sérica de lamotrigina
Anestésicos locais ↑ Risco de metemoglobinemia
Prilocaína ↑ Probabilidade de metemoglobinemia
Rifampicina ↑ Hepatotoxicidade do paracetamol

Contraindicações

  • Hipersensibilidade ao acetaminofeno ou a qualquer componente da formulação IV
  • Comprometimento grave da função hepática ou doença hepática ativa

Comparação de Fármacos

Tabela: Comparação de acetaminofeno e AINEs
Classe do fármaco Acetaminofeno AINEs
Mecanismo de ação Inibição indireta de COX Inibição de COX
Efeito fisiológico Diminuição da resposta inflamatória Diminuição da resposta inflamatória
Indicações
  • Dor
  • Febre
  • Doenças inflamatórias
  • Distúrbios reumatoides
  • Dor
  • Febre
  • Dismenorreia
  • Osteoartrite
Contraindicações
  • Anafilaxia
  • Hipersensibilidade
  • Insuficiência hepática grave
  • Doença hepática ativa grave
  • Anafilaxia
  • Hipersensibilidade
  • Asma ou urticária induzidas por aspirina ou AINEs
  • Insuficiência renal (CrCl <30)
  • Gravidez após 20 semanas de gestação
  • Uso de CABG
COX: ciclooxigenase
CrCl: depuração de creatinina
CRM: cirurgia de revascularização do miocárdio

Referências

  1. Burns, M.J., Friedman, S.L., Larson, A.M. (2021). Acetaminophen (paracetamol) poisoning in adults: Pathophysiology, presentation, and evaluation. UpToDate. Retrieved July 14, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/acetaminophen-paracetamol-poisoning-in-adults-pathophysiology-presentation-and-evaluation
  2. Candido, K.D., Perozo, O.J., Knezevic, N.N. (2017). Pharmacology of acetaminophen, Nonsteroidal antiinflammatory drugs, and steroid medications: Implications for anesthesia or unique associated risks. Anesthesiol Clin 35, e145–e162.
  3. Forrest, J.A.H., Clements, J.A., Prescott, L.F. (1982). Clinical pharmacokinetics of paracetamol. Clin Pharmacokinet 7, 93–107.
  4. Gerriets, V., Anderson, J., Nappe, T.M. (2021) Acetaminophen. StatPearls. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK482369/
  5. Ghanem, C.I., Pérez, M.J., Manautou, J.E., Mottino, A.D. (2016). Acetaminophen from liver to brain: New insights into drug pharmacological action and toxicity. Pharmacol Res 109, 119–131.
  6. Ghlichloo, I., Gerriets, V. (2021). Nonsteroidal anti-inflammatory drugs (NSAIDs). StatPearls. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK547742/
  7. Grosser, T., Smyth, E., FitzGerald, G. (2017). Pharmacotherapy of inflammation, fever, pain, and gout. Brunton, L.L., Hilal-Dandan, R., Knollmann B.C. (Eds.), Goodman & Gilman’s: The Pharmacological Basis of Therapeutics, 13e. McGraw Hill. https://accessmedicine.mhmedical.com/content.aspx?bookid=2189&sectionid=170271972
  8. Heard, K., Dart, R. (2021). Clinical manifestations and diagnosis of acetaminophen (paracetamol) poisoning in children and adolescents. UpToDate. Retrieved July 14, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/clinical-manifestations-and-diagnosis-of-acetaminophen-paracetamol-poisoning-in-children-and-adolescents
  9. Mazaleuskaya, L.L., et al. (2015). PharmGKB summary: Pathways of acetaminophen metabolism at the therapeutic versus toxic doses. Pharmacogenet Genom 25, 416–426.
  10. Raffa, R.B., et al. (2015). Pharmacokinetics of oral and intravenous paracetamol (acetaminophen) when co-administered with intravenous morphine in healthy adult subjects. Clin Drug Invest 38, 259–268.
  11. Ricciotti, E., FitzGerald, G.A. (2011). Prostaglandins and inflammation. Arteriosclerosis Thrombosis Vasc Biology 31, 986–1000.
  12. Shagroni, T.T., Cazares, A., Kim, J.A., Furst, D.E. (2021). Nonsteroidal anti-inflammatory drugs, disease-modifying antirheumatic drugs, nonopioid analgesics, & drugs used in gout. Katzung, B.G., Vanderah, T.W. (Eds.), Basic & Clinical Pharmacology, 15e. McGraw Hill. https://accessmedicine.mhmedical.com/content.aspx?bookid=2988&sectionid=250600111
  13. Solomon, D.H., Furst, D.E., Romain, P.L. (2020). NSAIDs: Therapeutic use and variability of response in adults. UpToDate. Retrieved July 14, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/nsaids-therapeutic-use-and-variability-of-response-in-adults

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

🍪 Lecturio is using cookies to improve your user experience. By continuing use of our service you agree upon our Data Privacy Statement.

Details