Vírus Chikungunya

O vírus Chikungunya pertence ao género Alphavirus e causa uma infeção viral caracterizada por febre e dores nas articulações. O vírus transportado por artrópodes (arbovírus) é transmitido por mosquitos (geralmente Aedes albopictus e Aedes aegypti). Os sintomas geralmente aparecem dentro de 1 semana após a infeção. Manifestações adicionais do vírus Chikungunya podem incluir mialgias, cefaleias, rash maculopapular e linfadenopatia. A maioria dos indivíduos infetados recupera, mas podem desenvolver artrite crónica. O tratamento visa aliviar os sintomas. A doença é prevenida ao evitar mosquitos e pelo uso de repelente de insetos e roupas de proteção.

Última atualização: May 2, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Classificação

Classificação do fluxograma de vírus de rna

Identificação do vírus RNA:
Os vírus podem ser classificados de várias maneiras. A maioria dos vírus, no entanto, terá um genoma formado por DNA ou RNA. Os vírus de genoma de RNA podem ser ainda caracterizados por um RNA de cadeia simples ou dupla. Os vírus “envelopados” são cobertos por uma fina camada de membrana celular (geralmente retirada da célula hospedeira). Se a camada estiver ausente, os vírus são chamados de vírus “nus”. Os vírus com genomas de cadeia simples são vírus de “sentido positivo” se o genoma for usado diretamente como RNA mensageiro (mRNA), que é traduzido em proteínas. Os vírus de “sentido negativo” usam a RNA polimerase dependente de RNA, uma enzima viral, para transcrever o seu genoma em RNA mensageiro.

Imagem por Lecturio. Licença: CC BY-NC-SA 4.0

Características Gerais

Caraterísticas básicas

Vírus Chikungunya:

  • Família Togaviridae
  • Género Alphavirus
  • Genoma:
    • RNA de cadeia simples de sentido positivo
    • Tamanho: 11,8 kb
  • Propriedades:
    • Com envelope
    • O envelope de bicamada lipídica possui glicoproteínas codificadas por vírus, que medeiam a ligação e a entrada nas células:
      • E1: consiste em peptídeos de fusão, que se dissociam de E2 em pH baixo e facilitam a libertação de nucleocapsídeos no citoplasma do hospedeiro
      • E2: liga-se a recetores celulares, o que resulta em endocitose mediada pelos recetores
    • Capsídeo icosaédrico pequeno

Epidemiologia

Distribuição geográfica:

  • Surtos frequentes:
    • África
    • Sudeste da Ásia
  • Subcontinente indiano
  • América do Sul e ilhas das Caraíbas
  • Estados Unidos:
    • Casos relatados de turistas que viajam para as áreas acima referidas
    • Transmissão local observada na Florida, Porto Rico e Ilhas Virgens dos Estados Unidos

Patogénese

Vetores

  • Mosquitos do género Aedes
  • Principais vetores (também transmitem o vírus Zika e o vírus dengue):
    • A. aegypti
    • A. albopictus

Reservatórios

  • Humanos
  • Primatas: O vírus está presente em África e é mantido no ciclo selvagem (por exemplo, primatas selvagens, macacos e mosquitos).

Transmissão

  • Transmitida de mosquitos para humanos
  • Transmissão vertical (raro)
  • Transfusão de sangue (raro)
Ciclo de vida do vírus chikungunya

O ciclo de vida do vírus Chikungunya na África mostra a interconexão entre o ciclo selvagem, que envolve primatas e mosquitos, e o ciclo urbano, que envolve humanos e mosquitos.

Imagem : “Life cycle of Chikungunya virus” por Michelle M Thiboutot et al. Licença: CC BY 4.0

Fatores de risco do hospedeiro

  • Proximidade dos locais de reprodução de mosquitos
  • A doença grave pode ocorrer em:
    • Recém-nascidos
    • Adultos ≥ 65 anos de idade
    • Indivíduos com comorbilidades, como diabetes ou doença cardiovascular

Fisiopatologia

  • O vírus Chikungunya é introduzido na pele humana e na corrente sanguínea através de uma picada de mosquito.
  • A replicação viral ocorre nos fibroblastos dérmicos e depois na corrente sanguínea:
    • O vírus invade e replica diretamente nas articulações e nos músculos.
    • ↑ das citocinas pró-inflamatórias e células inflamatórias
  • A disseminação e invasão de outros órgãos pode ocorrer:
    • Fígado (células endoteliais)
    • Cérebro (células endoteliais e epiteliais)
    • Tecido linfoide (gânglios linfáticos e baço)
  • A doença articular crónica é observada em até 60% dos doentes e causada por:
    • Replicação viral persistente
    • Resposta imune contínua ao RNA remanescente
    • Autoimunidade

Apresentação Clínica

Infeção neonatal

A infeção do recém-nascidos é observada até 1 semana após o parto. Os sinais e sintomas incluem:

  • Febre
  • Má alimentação
  • Edema
  • Rash
  • Trombocitopenia
  • Doença neurológica (meningoencefalite)

Infeção de crianças e adultos

O período de incubação é de 3 a 7 dias. Os sintomas da febre Chikungunya aparecem até 1 semana após a infeção e incluem:

  • Febre alta
  • Artralgia debilitante e artrite:
    • Bilateral e simétrica
    • Poliarticular: geralmente envolve as pequenas articulações das mãos, punhos e tornozelos
    • Os doentes geralmente apresentam-se em postura fletida devido à dor.
    • O desenvolvimento de artrite crónica aumenta naqueles ≥ 45 anos de idade e/ou com osteoartrite preexistente.
  • Cefaleia
  • Mialgias
  • Rash maculopapular (extremidades e tronco)
  • Conjuntivite
  • Linfadenopatia

Sintomas graves podem ocorrer em pessoas com fatores de risco:

  • Encefalite
  • Miocardite
  • Hepatite
  • Insuficiência renal
  • Hemorragia
Chikungunya virus

Poliartrite simétrica das pequenas articulações num indivíduo com febre Chikungunya em estádio crónico

Imagem: “Symmetrical inflammatory polyarthritis of the small joints of the hands and tenosynovitis of the wrist joints in a patient with chronic stage of Chikungunya fever” por Alladi Mohan et al. Licença: CC BY 2.0

Diagnóstico

Diagnóstico

  • História clínica: febre, dor nas articulações e exposição relevante (ou seja, viajar ou morar em área endémica)
  • Testes confirmatórios:
    • Serologia via ELISA ou anticorpo fluorescente indireto (IFA, pela sigla em inglês):
      • IgM observada no 5º dia do início dos sintomas e pode persistir até 3 meses
      • IgG observada 2 semanas após o início dos sintomas
    • RT-PCR do RNA do vírus Chikungunya
    • Cultura do vírus

Testes adicionais

Como os complexos de sintomas são semelhantes e os doentes podem estar coinfetados com mais de 1 vírus, o CDC e a WHO recomendam testar os vírus Chikungunya, Dengue e Zika em doentes que apresentam sintomas suspeitos.

Hemograma:

  • Linfopenia
  • Trombocitopenia

Outros achados:

  • ↑ Transaminases hepáticas
  • ↑ Creatinina

Tratamento

Doença aguda

O tratamento da febre Chikungunya é sintomático:

  • Analgesia:
    • Acetaminofeno para dor e febre
    • Evitar AINEs e aspirina até febre dengue estar excluída (devido ao risco de hemorragia)
  • Hidratação

O rash desaparece espontaneamente e os sintomas geralmente melhoram em 1 mês.

Doença pós-aguda

  • Os sintomas podem persistir ou recidivar, especialmente dor nas articulações.
  • Analgésicos como acetaminofeno e/ou AINEs podem ser usados.
  • Para sinovite grave e elevação contínua de marcadores inflamatórios, pode ser administrado um esquema curto de glucocorticoides.
  • Para sintomas ≥ 3 meses, podem ser administrados fármacos antirreumáticos modificadores da doença (DMARDs, pela sigla em inglês), como metotrexato e sulfassalazina.

Prevenção

Evitar áreas de reprodução de mosquitos atarvés de controlo ambiental (ou seja, sem água parada em recipientes) e usar proteção individual:

  • Repelente de insetos
  • Usar roupas de proteção.
  • Dormir debaixo de uma rede de mosquitos.

Comparações de Espécies

O vírus Chikungunya e o vírus da Encefalite Equina pertencem ao género Alphavirus e são as principais etiologias de encefalite nos Estados Unidos.

Tabela: Comparação do vírus Chikungunya e vírus da Encefalite Equina
Organismo Vírus Chikungunya Vírus da Encefalite Equina
Família Togaviridae
Género Alfavírus
Características
  • capsídeo icosaédrico envelopado
  • Sentido positivo
  • ssRNA
Transmissão Mosquito
Clínica
  • Febre
  • Cefaleia
  • Artrite
  • Rash
  • Febre
  • Cefaleia
  • Náuseas/vómitos
  • Grave: encefalite
Diagnóstico
  • Serologia
  • RT-PCR
Tratamento
  • Sintomático
  • Controlo das dores articulares
Suporte
Prevenção
  • Evitar mosquitos
  • Repelente de insetos
  • Roupa de proteção
  • Rede de mosquitos

Diagnóstico Diferencial

Condições que mimetizam a febre Chikungunya aguda, têm um complexo de sintomas semelhante e pertencem à família Flaviridae e ao género Flavivirus:

  • Vírus dengue: pequeno vírus de RNA cadeia simples, de sentido positivo, transmitido aos humanos pela picada de uma fêmea do mosquito Aedes. A maioria das infeções é assintomática. Indivíduos sintomáticos podem progredir por diferentes estadios. A fase febril inclui febre, cefaleia, dor retro-orbitária, mialgias, artralgias e rash maculopapular. Manifestações mais graves de extravasamento capilar, hemorragia e choque podem ocorrer na fase crítica. A resolução dos sinais e sintomas ocorre na fase de convalescença. Os testes de diagnóstico incluem serologia, teste de antigénio ou PCR. O tratamento é de suporte.
  • Vírus Zika: vírus de RNA cadeia simples, de sentido positivo mais frequentemente transmitido por um mosquito A. aegypti. O vírus pode também ser transmitido sexualmente e por via transplacentária. A maioria dos doentes infetados está assintomática, mas alguns podem apresentar febre baixa, rash pruriginoso e conjuntivite. A síndrome congénita Zika é uma infeção fetal transplacentária, que se manifesta com defeitos oculares, microcefalia, espasticidade e convulsões. O diagnóstico é feito por RT-PCR ou serologia. O tratamento é principalmente de suporte. A prevenção inclui o controlo da população de mosquitos com repelente de insetos e roupas de proteção.

Condições que se apresentam como artrite crónica:

  • Artrite reumatoide soronegativa: artrite inflamatória em 3 ou mais articulações, que dura por > 6 semanas. Os testes de fator reumatoide e antipeptídeo citrulinado cíclico são negativos e podem apresentar-se de forma semelhante à infeção por Chikungunya. A serologia e a história (incluindo viagens) distinguem a artrite reumatoide soronegativa da infeção por Chikungunya.
  • Artrite reativa: artrite que ocorre concomitantemente com ou após uma infeção extra-articular. As características incluem oligoartrite assimétrica (muitas vezes envolve as extremidades inferiores), entesite, dor nas costas e dactilite. O diagnóstico é feito pela história (é frequentemente observada infeção gastrointestinal ou urinária) e após exclusão de outras etiologias de artrite com exames laboratoriais e de imagem.

Referências:

  1. Centers for Disease Control and Prevention. (2019). Chikungunya virus. https://www.cdc.gov/chikungunya/
  2. Gibney, K.B., Fischer, M., Prince, H.E., et al. (2011). Chikungunya fever in the United States: a fifteen-year review of cases. Clin Infect Dis. 52(5):e121–6. http://reference.medscape.com/medline/abstract/21242326
  3. Miner, J., Lenschow, D., Wilson, M. (2021). Chikungunya fever: treatment and prevention. UpToDate. Retrieved May 22, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/chikungunya-fever-treatment-and-prevention
  4. Natesan, S., Chandrasekar, P. (2019). Chikungunya virus. Medscape. Retrieved May 22, 2021, from https://emedicine.medscape.com/article/2225687-overview
  5. Staples, J.E., Breiman, R.F., Powers, A.M. (2009). Chikungunya fever: an epidemiological review of a re-emerging infectious disease. Clin Infect Dis. 49(6):942–8. http://reference.medscape.com/medline/abstract/19663604
  6. Schwartz, O., Albert, M. (2010). Biology and pathogenesis of chikungunya virus. Nat Rev Microbiol 8, 491–500. https://doi.org/10.1038/nrmicro2368
  7. Thiboutot, M.M., et al. (2010). Chikungunya: A Potentially Emerging Epidemic? PLoS Negl Trop Dis 4(4): e623. https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0000623
  8. Wilson, M., Lenschow, D., Miner, J. (2020). Chikungunya fever: Epidemiology, clinical manifestations and diagnosis. UpToDate. Retrieved May 22, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/chikungunya-fever-epidemiology-clinical-manifestations-and-diagnosis

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

Details