Transmissão de Más Notícias

Em algum momento das suas carreiras, todos os médicos terão que dar más notícias aos doentes e/ou seus familiares. Embora este seja um assunto difícil e sensível, existem técnicas e protocolos de comunicação que podem auxiliar os médicos na transmissão de más notícias de forma a manter e até fortalecer a relação médico-doente.

Última atualização: 3 May, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Descrição Geral

As más notícias são amplamente definidas como qualquer informação que possa alterar a visão de um doente sobre o seu futuro. As más notícias geralmente são informações que mudam a vida e devem ser comunicadas ao doente e à família com empatia e honestidade.

Efeitos sobre o paciente e familiares

  • Visão alterada do futuro; necessidade de alterar o estilo de vida estabelecido
  • Estigma social e/ou impacto do diagnóstico ou tratamento específico
  • Falta de esperança
  • Perceção de opções diminuídas na vida
  • Preocupações financeiras/práticas em relação a um novo diagnóstico ou tratamento

Dificuldades para os médicos

  • Preocupar-se com os efeitos da notícia no doente (por exemplo, depressão)
  • Medo da reação do doente; incerteza sobre como lidar com a resposta emocional do doente
  • Medo de ser culpado ou desafiado
  • Medo de não ter “todas as respostas”
  • A interação pode causar stress que afeta as interações com outros doentes, colegas ou a sua própria família

Tipos mais comuns de más notícias

  • Novo diagnóstico:
    • Doença crónica (por exemplo, diabetes mellitus)
    • Doença progressiva (por exemplo, esclerose múltipla)
    • Doença fatal (por exemplo, doença de Huntington)
    • Doença que afeta a fertilidade (por exemplo, insuficiência ovárica prematura)
  • Importância da lesão (por exemplo, lesão no joelho no final da temporada)
  • Recorrência ou progressão da doença apesar do tratamento (por exemplo, cancro)
  • Condição crítica ou morte de um membro da família

Contexto e timing

  • Ambiente tranquilo e privado; nunca com outros pacientes ou num lugar onde alguém possa ser ouvido.
  • Deve ser alocada uma quantidade adequada de tempo para discussão. Não apressar o encontro.
  • Um familiar, clérigo, psicólogo e/ou assistente social pode estar presente para apoiar o doente.

Conteúdo geral e forma de transmissão

  • Todas as informações relevantes sobre o diagnóstico, prognóstico, tratamentos alternativos e complicações devem ser discutidas com o doente:
    • Nunca mentir aos doentes!
    • A quantidade de informação deve ser razoável.
    • A quantidade de informações que os doentes desejam receber varia de acordo com a cultura, nível educacional, idade e sexo (por exemplo, estudos indicam que doentes mais jovens, do sexo feminino e com maior escolaridade tendem a preferir informações mais detalhadas).
  • As notícias devem ser transmitidas de forma sensível, paciente, empática e profissional.
  • Os doentes devem receber informações sobre onde encontrar apoio após o término da discussão:
    • Panfletos informativos, sites ou outros recursos
    • Grupos de suporte ou linhas diretas
    • Maneiras fáceis de entrar em contacto com alguém para perguntas/preocupações que surgem após a discussão
  • O paciente precisa de ser autorizado a processar as informações ao seu próprio ritmo.
  • O clínico deve estar ciente das palavras adequadas e da sua própria linguagem corporal.
  • O clínico deve estar atento às respostas verbais e não verbais do doente para saber quando é apropriado fazer uma pausa.

Protocolos para Transmitir Más Notícias

Descrição geral

Nenhum modelo ou método é perfeito, embora cada protocolo forneça uma estrutura flexível para transmitir más notícias de maneira eficaz e compassiva. Mnemônicos são usados para 3 dos protocolos mais comuns, embora compartilhem muitos dos mesmos conceitos (que são detalhados nas subseções subsequentes):

  • Protocolo SPIKES:
    • Setting
    • Perceção
    • Invitation
    • Knowledge
    • Emoções
    • Sumário e Strategy
  • Protocolo ABCDE
    • Advanced preparation
    • Build um ambiente/relação terapêutica
    • Comunicar bem
    • Deal com as reações do paciente e da família
    • Encorajar e validar emoções
  • Protocolo BREAKS:
    • Background
    • Rapport
    • Explorar
    • Anunciar
    • Kindle
    • Sumarizar

Conceito: preparação/contexto avançados

  • Conhecer a história clínica e os antecedentes do paciente.
  • Ensaiar mentalmente e preparar-se emocionalmente para a interação.

Conceito: contexto/ambiente terapêutico/relação

  • A transmissão de más notícias deve ser sempre presencial, se possível.
  • Acompanhado por familiares, conforme o desejo do doente
  • Obter consentimento para transmitir as informações à frente de outras pessoas (por exemplo, “Vamos falar sobre algo muito sensível. Você quer que eles estejam presentes?”).
  • Quarto privado e separado:
    • Tecidos disponíveis
    • Assento para todos
  • Evitar interrupções (por exemplo, pagers silenciosos).
  • O clínico deve manter um comportamento tranquilo.
  • Gestão da linguagem corporal:
    • Foco no doente.
    • Manter contacto visual adequado (evitar fazer gráficos durante a discussão).
    • Indicadores não verbais de interesse no doente

Conceito: perceção/exploração

  • Avaliar a compreensão do doente sobre a situação.
  • Usar perguntas abertas para avaliar a compreensão do doente.
  • Corrigir desinformação e mal-entendidos.
  • Identificar desejos, expectativas irreais ou sentimentos de negação.
  • Prestar atenção às respostas do paciente: O paciente comunicará, de uma forma ou de outra, conteúdo emocional associado ao seu estado atual (por exemplo, esperança, desespero, indiferença).

Conceito: convite

  • Perguntar ao doente quantos detalhes ele deseja saber.
    • Eles preferem saber todos os detalhes ou concentrar-se no resultado mais importante?
    • Um doente competente tem o direito de não saber todos os detalhes; nestes casos, o convite para maiores informações deve ser feito de forma clara ao doente/família.
  • Pedir permissão para dar resultados:
    • Permitir que o paciente controle a conversa
    • Por exemplo, “Tudo bem se eu comunicar os resultados da sua biópsia agora?”
    • O doente pode preferir ter a família/pessoa de apoio presente, e então pode preferir esperar para receber os resultados (e esse desejo deve ser respeitado).

Conceito: conhecimento/comunicar/anunciar

  • Resumir eventos de forma clara e gradual.
  • Parar frequentemente para confirmar a compreensão.
  • Evitar linguagem técnica ou jargão.
    • Usar linguagem clara e simples no idioma nativo do paciente.
    • Usar um intérprete médico profissional quando necessário; não transmitir más notícias através de um membro da família intérprete.
  • Reforçar pontos-chave importantes.
  • Responder a cada pergunta.
  • Alinhamento: Explicar a informação de uma forma que alinhe a compreensão do paciente com a realidade.

Conceitos: emoções/reações/acender

  • Lidar com as emoções à medida que elas surgem.
    • Procurar por emoções adaptativas e/ou desadaptativas:
      • Humor/culpa
      • Tristeza/desespero
      • Esperança realista/esperança irrealista
    • Tentar identificar o porquê de os doentes estarem a experienciar as emoções que estão a sentir.
  • Usar declarações empáticas para reconhecer a emoção do doente.
  • Validar as respostas do doente; tranquilizar os doente de que as suas opiniões estão a ser ouvidas e serão respeitadas.
  • Fazer perguntas abertas para esclarecer emoções quando elas não forem óbvias.
  • Perguntar sobre necessidades emocionais e espirituais e sistemas de apoio (o clínico não deve evitar perguntar sobre religião).
  • Oferecer esperança realista sem criar falsas expectativas.
    • A segurança excessiva pode criar falsas expectativas.
    • Identificar e reforçar estratégias de coping.
  • Estar ciente do seu próprio bem-estar durante e após a transmissão de más notícias.
  • Não há problema em mostrar as suas próprias emoções.
  • Nunca criticar outros colegas e não ficar na defensiva em relação aos seus cuidados médicos ou do colega.

Conceitos: estratégia/resumo

  • Resumir os pontos importantes.
  • Definir um plano claro para os próximos passos do doente, que podem incluir encaminhamentos, testes adicionais e opções de tratamento.
  • Fornecer aos doentes informações de contacto caso surjam dúvidas adicionais.
  • Fornecer ao doente recursos de apoio, por exemplo:
    • Grupo de suporte
    • Sites educacionais
    • Entrar em contacto com os serviços religiosos do hospital, se disponível/desejado

Resumo de diferentes protocolos para dar más notícias

Tabela: Diferentes protocolos para dar más notícias
Conceito Terminologia do protocolo SPIKES Terminologia do protocolo ABCDE Terminologia do protocolo BREAKS
Conhecer a história e os antecedentes do paciente. CNI Preparação avançada Conceitos
Local tranquilo, tempo adequado para a discussão, pessoa de apoio presente, pedir permissão para dar a notícia Contextualizando o convite Construir um ambiente terapêutico. Relacionamente
Avaliar o que o doente entende sobre a sua condição. Perceção Preparação avançada Explorar
Transmitir a notícia. Conhecimento Comunicar Anunciar
Lidar com as emoções à medida que elas surgem. Emoções
  • Lidar com as reações do paciente e da família.
  • Incentivar e validar as emoções.
Acender
Resumir e formar um plano daqui para frente. Resumo e estratégia CNI Resumir
CNI: conceito não incluído neste protocolo

Referências

  1. Have, H., Gordijn, B. (2013). Handbook of global bioethics. Dordrecht, the Netherlands: SpringerReference. 
  2. Baile, W. F., Buckman, R., Lenzi, R., Glober, G., Beale, E. A., Kudelka, A. P. (2000). SPIKES—a six-step protocol for delivering bad news: application to the patient with cancer. The Oncologist 5:302–311. https://doi.org/10.1634/theoncologist.5-4-302.
  3. VandeKieft G. K. (2001). Breaking bad news. American Family Physician 64:1975–1978.
  4. Berkey, F.J., Wiedemer, J.P., Vithalani, N.D. (2018). Delivering bad or life-altering news. American Family Physician 98:99–104. Retrieved July 6, 2021, from https://www.aafp.org/afp/2018/0715/p99.html.

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

Details