Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Sistema Ventricular: Anatomia

O sistema ventricular é uma extensão do espaço subaracnoide no cérebro que consiste numa série de espaços e canais interconectados. Existem quatro câmaras preenchidas com líquido cefalorraquidiano (LCR): um par de ventrículos laterais, 3º e 4º ventrículos desemparelhados. As conexões entre as estruturas ocorrem através do buraco interventricular de Monro e do aqueduto cerebral (aqueduto de Sylvius). O buraco de Magendie e o buraco de Luschka são canais adicionais presentes no 4º ventrículo.

Última atualização: Jun 13, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Topografia e Relações do Sistema Ventricular

O sistema ventricular consiste em 4 ventrículos com um aqueduto que conecta o 3º e 4º ventrículos. O líquido cefalorraquidiano (LCR) flui através dos ventrículos antes de entrar no espaço subaracnoide do cérebro e da medula espinhal a partir do 4º ventrículo:

  • Ventrículos laterais:
    • Corpo:
      • Contido nos lobos frontal e parietal
      • Estende-se do buraco interventricular de Monro até o esplénio do corpo caloso
    • Corno anterior: no lobo frontal
    • Corno posterior: com curvatura postero-medial para o lobo occipital
    • Corno inferior:
      • O maior compartimento do ventrículo lateral
      • Estende-se anteriormente para o lobo temporal
  • 3º ventrículo:
    • Uma cavidade na linha média, em forma de fenda
    • Derivado da vesícula primitiva do prosencéfalo
  • Aqueduto cerebral (de Sylvius):
    • Pequeno tubo que se estende por todo o quarto dorsal do mesencéfalo
    • Rodeado por substância cinzenta periaquedutal
    • Conecta o 3º e 4º ventrículos
  • 4º ventrículo:
    • Entre o tronco cerebral e o cerebelo
    • O buraco de Luschka (abertura lateral) e o buraco de Magendie (abertura mediana) permitem que o LCR recém-produzido entre no espaço subaracnoide.
  • Órgãos circunventriculares:
    • Estruturas caracterizadas por capilares extensos e altamente permeáveis
    • Circundam o 3º e 4º ventrículos
    • Estas regiões normalmente não contêm uma barreira hematoencefálica, o que permite a comunicação entre o sangue periférico e o LCR.
Ventrículos do cérebro

Ventrículos do cérebro

Imagem: “Ventricles of the brain” por Bruce Blaus. Licença: CC BY 3.0, editado por Lecturio.

Plexo Coróide e Líquido Cefalorraquidiano

Plexo Coroide

  • Pia-máter vascular em todos os ventrículos
  • Localização:
    • Teto dos cornos temporais dos ventrículos laterais
    • Assoalho do corpo dos ventrículos laterais
    • Buraco de Monro
    • Teto do 3º ventrículo
    • Medular do 4º ventrículo, estendendo-se pelo buraco de Luschka
  • Secreta ativamente o LCR nos ventrículos laterais, 3º e 4º
Desenvolvimento do plexo coróide

Desenvolvimento do plexo coroide: O plexo coroide está localizado em todo o sistema ventricular e é responsável pela secreção do líquido cefalorraquidiano.

Imagem por Lecturio.

Líquido cefalorraquidiano

  • Líquido claro e incolor contendo uma pequena quantidade de proteínas
  • Fornece flutuabilidade e proteção ao cérebro
  • Regula a concentração química de neurotransmissores e resíduos metabólicos

Espaço Subaracnoide e Circulação do Líquido Cefalorraquidiano

Espaço subaracnoide

  • Entre a aracnoide e a pia-máter
  • Contém LCR, grandes artérias e veias e porções intracranianas e intervertebrais dos nervos cranianos e espinhais

Circulação do líquido cefalorraquidiano

  • Após a produção nos ventrículos, o LCR flui para o espaço subaracnoide.
  • O LCR flui livremente dentro do espaço subaracnoide do cérebro e da medula espinhal.
  • O LCR é reabsorvido por granulações aracnoides na circulação venosa.
Circulação

Circulação do líquido cefalorraquidiano (LCR):
Observar a emergência do LCR do plexo coroide para os ventrículos. O líquido cefalorraquidiano é reabsorvido por granulações aracnoides na circulação venosa.

Imagem: “Circulation” por OpenStax.  Licença: CC BY 4.0, editado pela Lecturio.

Relevância Clínica

  • Hidrocefalia: condição potencialmente fatal causada pela acumulação excessiva de LCR dentro do sistema ventricular. A apresentação clínica é inespecífica e pode incluir cefaleia, alterações comportamentais, atrasos no desenvolvimento ou náuseas e vómitos. O diagnóstico é confirmado com neuroimagem (ecografia, TC de crânio ou RMN) mostrando ventriculomegalia. O tratamento é a colocação de uma derivação de LCR.
  • Hidrocefalia de pressão normal (HPN): aumento dos ventrículos sem elevações detetáveis na pressão intracraniana. A hidrocefalia de pressão normal ocorre mais frequentemente em adultos > 60 anos de idade. Os sintomas incluem uma tríade de incontinência urinária, ataxia e disfunção cognitiva e podem ser lembrados pela mnemónica “wet, wobbly, and wacky” (incontinência, ataxia e demência)
  • Doença isquémica microvascular crónica: doença aterosclerótica crónica tipicamente resultando em hipoperfusão em áreas simétricas do córtex cerebral e causando atrofia cerebral ou outras malformações cerebrais. Ao contrário da hidrocefalia, a pressão intracraniana não está elevada.
  • Malformações de Chiari (MC): grupo de distúrbios definidos por défices estruturais no cérebro e na medula espinhal, levando a um espaço limitado na fossa posterior e forçando as estruturas cerebelares a projetarem-se através do buraco magno. As malformações de Chiari tipo II são observadas em combinação com herniação do vermis cerebelar, do tronco cerebral e do 4º ventrículo no buraco magno. Existe uma associação com mielomeningocelo e múltiplas anomalias cerebrais, incluindo hidrocefalia e siringomielia.

Referências

  1. Kahle, K. T., Kulkarni, A. V., Limbrick, D. D., & Warf, B. C. (2016). Hydrocephalus in children. Lancet, The, 387(10020), 788–799. http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(15)60694-8
  2. Blázquez, M., & Zarranz, J. J. (2018). Síndrome meníngeo. edema cerebral. hipertensión intracraneal. hidrocefalias. hipotensión intracraneal. In J. J. Zarranz (Ed.), Neurología (pp. 219-233). https://www.clinicalkey.es/#!/content/3-s2.0-B978849113071000012X
  3. Sato, O., Yamguchi, T., Kittaka, M., & Toyama, H. (2001). Hydrocephalus and epilepsy. Child’s nervous system: ChNS: official journal of the International Society for Pediatric Neurosurgery, 17(1-2), 76–86.
  4. Tubbs, R. S., & Oakes, W. J. (2017). Chiari malformations. Neurological surgery. pp. 1531–1540. http://dx.doi.org/10.1016/B978-0-323-28782-1.00190-8
  5. Schijman, E. History, anatomic forms, and pathogenesis of Chiari I malformations. Childs Nerv Syst 20, 323–328 (2004). https://doi.org/10.1007/s00381-003-0878-y
  6. Khoury, C. (2020). Chiari malformations. UpToDate. Retrieved December 1, 2020 from https://www.uptodate.com/contents/chiari-malformations
  7. Abd-El-Barr M. M., Strong C.I., Groff M. W. Chiari malformations: diagnosis, treatments and failures. J Neurosurg Sci. 2014 Dec. 58 (4):215–21.
  8. McClugage, S and Oakes, J. The Chiari I malformation. JNSPG 75th Anniversary Invited Review Article. https://doi.org/10.3171/2019.5.PEDS18382

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

Details