Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Rinovírus

O rinovírus é um vírus de RNA de sentido positivo, lábil em ácido, da família Picornavirus. O vírus, que causa a constipação comum, é mais frequentemente adquirido nas vias aéreas através da inalação de aerossóis que contêm rinovírus e fomites. Como o rinovírus é inativado pelo ácido gástrico, o vírus só consegue afetar a mucosa nasal e a conjuntiva, causando edema dos tecidos subepiteliais e resultando na constipação comum 1 a 3 dias após a transmissão. O diagnóstico é clínico e a doença é tipicamente ligeira e autolimitada. O tratamento é de suporte e pode incluir o aumento da ingestão de fuidos, AINEs e descongestionantes nasais.

Última atualização: May 6, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Classificação

Classificação do fluxograma de vírus de rna

Identificação do vírus RNA:
Os vírus podem ser classificados de várias maneiras. A maioria dos vírus tem um genoma formado por DNA ou RNA. Os vírus do genoma de RNA podem ser ainda caracterizados por um RNA de cadeia simples ou dupla. Os vírus “envelopados” são cobertos por uma fina camada de membrana celular (geralmente retirada da célula hospedeira). Se a camada estiver ausente, os vírus são chamados de vírus “nus”. Os vírus com genomas de cadeia simples são vírus de “sentido positivo” se o genoma for usado diretamente como mRNA, que é traduzido em proteínas. Os vírus de “sentido negativo” de cadeia simples usam a RNA polimerase dependente de RNA, uma enzima viral, para transcrever o seu genoma em mRNA.

Imagem por Lecturio. Licença: CC BY-NC-SA 4.0

Características Gerais

Estrutura

  • Família Picornavírus
  • Vírus RNA
  • RNA de cadeia simples (ssRNA, pela sigla em inglês) de sentido positivo
  • Sem envelope (vírus nu)

Caraterísticas básicas

  • Muito pequeno: 30 nm
  • Lábil em ácido → inativado pelo ácido gástrico
  • Temperatura para proliferação: 33-35°C (encontrado no nariz)
  • > 100 serotipos podem causar infeções respiratórias superiores (constipação comum).
  • Capaz de sobreviver nas mãos por horas

Doenças associadas

  • Infeções do trato respiratório superior
  • Bronquiolite
  • Rinite
  • Otite média
  • Sinusite
  • Bronquite crónica

Patogénese

Epidemiologia

  • Outono mais comum → primavera
  • A incidência é maior em crianças no pré-escolar e no ensino básico (média de 3 a 8 constipações por ano).
  • Os adultos geralmente têm 2 a 4 constipações por ano.

Transmissão

  • Os humanos são o único reservatório.
  • Partículas de aerossol
  • Contacto direto
  • Fomites (podem reter o vírus das gotículas respiratórias)
  • O rinovírus pode sobreviver fora de um hospedeiro humano até 3 horas.

Fatores de risco

  • Asma
  • Fibrose quística (CF, pela sigla em inglês)
  • Bronquite crónica
  • Doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC)
  • Lactentes e idosos
  • Indivíduos imunocomprometidos

Fisiopatologia

  • Período de incubação: 1-3 dias
  • Inoculação na mucosa nasal → ligação ao epitélio respiratório e dispersão localmente → provoca uma resposta imune inata que leva à inflamação e remodelação das vias aéreas
  • Poucas células são realmente infetadas pelo rinovírus (apenas uma pequena porção do epitélio está envolvida).
Fisiopatologia de uma infecção por rinovírus

Fisiopatologia de uma infeção por rinovírus

Imagem por Lecturio. Licença: CC BY-NC-SA 4.0

Prevenção

  • Lavar as mãos com água e sabão.
  • Desinfetar as mãos e superfícies.
  • Evitar o contacto do rosto com as mãos.
  • Usar uma máscara (por exemplo, cirúrgica, KN95, FFP2).

Apresentação Clínica

  • Período de incubação: 12-72 horas
  • Duração: 7 a 10 dias
  • Infeções causadas:
    • Constipação comum (na maioria das vezes)
    • Infeção no ouvido
    • Infeção dos seios perinasais
    • Pneumonia e bronquiolite (raro)
  • Sintomas:
    • Mal-estar
    • Odinofagia
    • Secreção nasal
    • Congestão nasal
    • Esternutos
    • Cefaleia
    • Pressão facial e auricular
    • Rouquidão

Diagnóstico

  • O diagnóstico é estabelecido pela história clínica e exame objetivo.
  • Achados do exame objetivo:
    • Nariz vermelho
    • Rinorreia
    • As membranas mucosas nasais aparecem brilhantes e vítreas sem eritema ou edema óbvios.
    • A faringe geralmente parece normal.
  • Opções de teste para obter um diagnóstico específico:
    • Testes diretos de antigénio:
      • Síndrome respiratória grave aguda por coronavírus 2 (SARS-CoV-2)
      • Influenza
      • Vírus sincicial respiratório (VSR)
      • Teste de antigénio direto para parainfluenza e adenovírus
    • Testes de PCR: SARS-CoV-2

Tratamento e Complicações

Tratamento

  • Autolimitado
  • Cuidados de suporte:
    • Descanso
    • Hidratação
    • AINEs
    • Descongestionantes nasais
    • Anti-histamínicos

Complicações

  • Otite média
  • Sinusite
  • Exacerbação de doença reativa das vias aéreas
  • Infeções do trato respiratório inferior

Comparação de Espécies

Tabela: Apresentação clínica de infeções por vírus respiratórios comuns
Sintoma Coronavírus (COVID-19) Influenza (Vírus da gripe) Rinovírus (constipação comum) Alergias sazonais
Febre Frequentemente Frequentemente Rara Rara
Fadiga Frequentemente Frequentemente Às vezes Frequentemente
Tosse Frequentemente Frequentemente Às vezes Frequentemente
Esternutos Rara Não Frequentemente Frequentemente
Mialgias Às vezes Frequentemente Às vezes Não
Rinorreia ou congestão nasal Rara Às vezes Frequentemente Frequentemente
Dor de garganta Às vezes Às vezes Frequentemente Não
Diarreia Rara Às vezes Não Não
Cefaleia Às vezes Frequentemente Frequentemente Às vezes
Dispneia Frequentemente Rara Rara Rara
Perda de paladar e olfato Frequentemente Rara Às vezes Rara

Diagnóstico Diferencial

  • Rinite: inflamação da mucosa nasal. A rinite pode ser classificada como infeciosa, alérgica ou não alérgica com base na etiologia. Todos os 3 tipos de rinite apresentam-se com congestão nasal, rinorreia e esternutos. O diagnóstico é principalmente clínico. O tratamento inclui anti-histamínicos, descongestionantes e imunoterapia (“vacinas da alergia”).
  • Influenza: doença respiratória altamente contagiosa que se apresenta com febre, mialgia, cefaleia e sintomas de infeção respiratória superior. Sintomas de gastroenterite também podem ocorrer e são mais comuns em crianças. A gripe é geralmente autolimitada, embora a pneumonia viral ou bacteriana secundária possa complicar a doença. O tratamento é geralmente de suporte, embora os inibidores da neuraminidase possam ser administrados no início da doença.
  • Vírus parainfluenza humano (HPIVs, pela sigla em inglês): vírus de RNA de cadeia simples da família Paramyxoviridae, que podem causar doenças do trato respiratório superior e inferior, incluindo croup (laringotraqueobronquite), bronquiolite e pneumonia. O tratamento é maioritariamente de suporte.
  • Adenovírus: vírus de DNA de cadeia dupla sem envelope que geralmente causam infeções respiratórias ligeiras (sintomas de constipação comum). Os adenovírus também podem causar conjuntivite, pneumonia atípica, gastroenterite ou apendicite. A transmissão é por aerossóis, fomites, contacto fecal-oral e contacto direto. O tratamento é de suporte.
  • Pneumonia: infeção do trato respiratório inferior, que resulta em “sacos aéreos” (air sacs) preenchidos por líquido ou pus. Os sintomas incluem tosse com catarro, febre, calafrios e dificuldade respiratória. Para causas bacterianas, os antibióticos são indicados no tratamento. Algumas formas de pneumonia, como a pneumonia pneumocócica, podem ser prevenidas por vacinas.

Referências

  1. Pappas, D. (2019). Epidemiology, clinical manifestations, and pathogenesis of rhinovirus infections. UpToDate. Retrieved Feb 27, 2021 from https://www.uptodate.com/contents/epidemiology-clinical-manifestations-and-pathogenesis-of-rhinovirus-infections
  2. Buensalido, J. (2019). Rhinovirus (RV) Infection (Common Cold). Emedicine. Retrieved Feb 27, 2021 from https://emedicine.medscape.com/article/227820-overview
  3. Martin ET, Fairchok MP, Stednick ZJ, Kuypers J, Englund JA. Epidemiology of multiple respiratory viruses in childcare attendees. J Infect Dis. 2013 Mar. 207(6):982-9. 
  4. Makris, S, & Johnston, S. (2018). Recent advances in understanding rhinovirus immunity. F1000Research, 7, F1000 Faculty Rev-1537. https://doi.org/10.12688/f1000research.15337.1

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

Details