Reoviridae: Rotavírus

O rotavírus pertence à família Reoviridae e é um vírus de RNA de cadeia dupla, sem envelope. A transmissão ocorre pela via fecal-oral. O rotavírus é uma causa comum de gastroenterite grave em crianças. Infeções graves podem resultar em desidratação e morte. Geralmente não é necessário um teste de diagnóstico, mas o vírus pode ser detetado em amostras de fezes através de ELISA ou PCR. A base do tratamento é a terapia de reidratação oral. Está disponível uma vacina viva atenuada para prevenção de infeções por rotavírus.

Última atualização: 6 May, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Classificação

Classificação do fluxograma de vírus de rna

Identificação do vírus RNA:
Os vírus podem ser classificados de várias maneiras. A maioria dos vírus, no entanto, terá um genoma formado por DNA ou RNA. Os vírus de genoma de RNA podem ser ainda caracterizados por um RNA de cadeia simples ou dupla. Os vírus “envelopados” são cobertos por uma fina camada de membrana celular (geralmente retirada da célula hospedeira). Se a camada estiver ausente, os vírus são chamados de vírus “nus”. Os vírus com genomas de cadeia simples são vírus de “sentido positivo” se o genoma for usado diretamente como RNA mensageiro (mRNA), que é traduzido em proteínas. Os vírus de “sentido negativo” usam a RNA polimerase dependente de RNA, uma enzima viral, para transcrever o seu genoma em RNA mensageiro.

Imagem por Lecturio. Licença: CC BY-NC-SA 4.0

Características Gerais e Epidemiologia

Características básicas do Rotavírus

  • Taxonomia:
    • Família: Reoviridae
    • Género: Rotavírus
  • Vírus RNA:
    • Cadeia dupla
    • Cadeias de sentido positivo e negativo
    • Linear
    • Segmentado (11 segmentos)
  • Estrutura:
    • “Wheel like”
    • Vírus sem envelope
    • Capsídeo icosaédrico de 3 camadas
    • Picos de proteína
  • Pode permanecer viável por semanas a meses no ambiente
Micrografia eletrônica de transmissão de vários vírions de rotavírus

Micrografia eletrónica de transmissão que mostra vários vírions do rotavírus

Imagem: “Transmission electron micrograph of multiple rotavirus particles” por Dr Graham Beards. Licença: CC BY 3.0

Doenças associadas

Os rotavírus causam gastroenterite.

Epidemiologia

  • Principal causa de gastroenterite aguda em crianças < 5 anos
  • Distribuição mundial
  • As crianças têm doença clinicamente mais aparente do que os adultos.
  • Mais comum durante o inverno em climas temperados

Patogénese

Reservatório

Os seres humanos são o reservatório primário.

Transmissão

A transmissão ocorre por via fecal-oral:

  • Ingestão de alimentos ou água contaminados
  • Contacto com superfícies/fomites contaminados

Fatores de risco do hospedeiro

  • Crianças pequenas
  • Indivíduos que não foram imunizados
  • Indivíduos imunocomprometidos
  • Indivíduos que residem em instituições

Fisiopatologia

  • Os vírions penetram nas células das vilosidades do intestino delgado.
  • Produção de proteína semelhante à toxina da cólera → destruição e apagamento das microvilosidades → interrupção na absorção de eletrólitos e água
  • ↓ Atividade da dissacaridase → má absorção de lactose e D-xilose → influxo osmótico para o intestino
  • Secreção ativa de água e diminuição da absorção → diarreia aquosa
  • Os vírions são eliminados nas fezes → permite a transmissão
Fluxograma de patogênese da infecção por rotavírus

Fluxograma com resumo da patogénese da infeção por rotavírus

Imagem por Lecturio. Licença: CC BY-NC-SA 4.0

Apresentação Clínica

Linha temporal:

  • Período de incubação < 48 horas
  • Duração: 4-5 dias

Sintomas:

  • Febre
  • Mal-estar
  • Dor abdominal
  • Vómitos
  • Diarreia
    • Aquosa
    • Não inflamatória
    • Não sanguinolenta
    • Pode ser severa e levar à desidratação grave

Sinais de desidratação:

  • Taquicardia
  • Mucosas desidratadas
  • ↓ Débito urinário
  • ↓ Turgor da pele
  • Olhos encovados

Diagnóstico e Tratamento

Diagnóstico

As infeções por rotavírus são difíceis de distinguir de outras doenças diarreicas com base apenas no exame clínico.

  • Geralmente não são necessárias análises laboratoriais.
  • A deteção de rotavírus nas fezes pode ser realizada (se necessária):
    • ELISA
    • PCR

Tratamento

  • A doença é autolimitada.
  • Terapia sintomática
  • Reidratação oral
  • Fluidos IV em doentes com desidratação grave

Prevenção

As vacinas vivas atenuadas foram desenvolvidas para prevenir infeções por rotavírus:

  • Dadas a todas as crianças antes dos 8 meses de idade
  • Contraindicações:
    • SCID (Severe Combined Immunodeficiency)
    • História de invaginação intestinal
    • Alergia aos componentes da vacina

Diagnóstico Diferencial

  • Norovírus: vírus RNA de cadeia simples, sem envelope, de sentido positivo, pertencente à família Caliciviridae. O norovírus é uma causa comum de diarreia aguda em todo o mundo. A transmissão é por via fecal-oral. Doentes com infeções por norovírus apresentam náuseas, vómitos e diarreia. O diagnóstico é geralmente baseado na suspeita clínica. O tratamento é sintomático.
  • Campylobacter jejuni: bacilos gram-negativos curvados. Os sintomas comuns de infeção são febre, cefaleia, dor abdominal intensa, mialgias e diarreia, que, por vezes, é sanguinolenta. Raramente, os doentes podem apresentar artrite, endocardite ou meningite. O diagnóstico pode ser feito com uma cultura de fezes. O tratamento inclui terapia de reidratação e antibióticos (por exemplo, macrólidos ou fluoroquinolonas).
  • Shigelose: infeção bacteriana aguda do trato GI causada pela espécie gram-negativa de Shigella. Os doentes desenvolvem sintomas de febre, tenesmo e diarreia sanguinolenta. A shigelose é diagnosticada clinicamente e confirmada por cultura de fezes. O tratamento pode incluir terapia de reidratação e antibióticos (em casos graves ou em doentes de alto risco).
  • Salmonella não tifoide: infeção causada pelos bacilos gram-negativos, S. enteritidis ou S. typhimurium. Podem estar presentes vómitos, cólicas abdominais, febre e diarreia inflamatória. As culturas de fezes podem fornecer o diagnóstico. O tratamento é de suporte e os antibióticos são usados apenas para manifestações sistémicas ou diarreia grave.
  • Giardíase: infeção do trato intestinal, causada por Giardia lamblia, um protozoário flagelado. O sintoma característico da giardíase é a esteatorreia fétida. Os doentes que desenvolvem infeções crónicas podem apresentar perda de peso, má progressão estatuto-ponderal e défices vitamínicos resultantes da má absorção. O diagnóstico é feito através da deteção de organismos Giardia, antigénios ou DNA nas fezes. O tratamento inclui terapia de suporte e terapia antimicrobiana com metronidazol, tinidazol ou nitazoxanida.

Referências:

  1. Hallowell, B.D., Parashar, U.D., Curns, A., DeGroote, N.P., Tate, J.E. (2019). Trends in the Laboratory Detection of Rotavirus Before and After Implementation of Routine Rotavirus Vaccination. MMWR, 68(24), 539–543. https://www.cdc.gov/mmwr/volumes/68/wr/mm6824a2.htm?s_cid=mm6824a2_w
  2. Dennehy, P.H. (2015). Rotavirus Infection: A Disease of the Past? Infectious Disease Clinics of North America. 29(4):617–635. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26337738
  3. Burke, R.M., Tate, J.E., Barin, N., et al. (2018). Three Rotavirus Outbreaks in the Post Vaccine Era. MMWR 67:470–472.
  4. Grimwood, K., Lambert, S.B. (2009). Rotavirus Vaccines: Opportunities and Challenges. Human Vaccines. 5(2):57–69.
  5. Tate, J.E., Burton, A.H., Boschi-Pinto, C., Parashar, U.D. (2016). Global, Regional, and National Estimates of Rotavirus Mortality in Children < 5 Years of Age, 2000–2013. https://doi.org/10.1093%2Fcid%2Fciv1013
  6. Aliabadi, N., Tate, J.E., Haynes, A.K., Parashar, U.D. (2015). Sustained Decrease in Laboratory Detection of Rotavirus After Implementation of Routine Vaccination-United States, 2000–2014. MMWR, 64(13):337–342. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25856253
  7. Centers for Disease Control and Prevention. (2011). Rotavirus surveillance—Worldwide, 2009. MMWR, 60(16):514-516. https://www.cdc.gov/mmwr/preview/mmwrhtml/mm6016a5.htm
  8. Crotese, M.M., Parashar, U. (2009). Prevention of Rotavirus Gastroenteritis Among Infants and Children: Recommendations of the Advisory Committee on Immunization Practices (ACIP). MMWR, 64(13):337–342. https://www.cdc.gov/mmwr/preview/mmwrhtml/rr5802a1.htm
  9. Payne, D.C., Englund, J.A., Weinberg, G.A., et al. (2019). Association of Rotavirus Vaccination With Inpatient and Emergency Department Visits Among Children Seeking Care for Acute Gastroenteritis, 2010–2016. https://jamanetwork.com/journals/jamanetworkopen/fullarticle/2752101
  10. Cortese, M.M., et al. (2013). Effectiveness of Monovalent and Pentavalent Rotavirus Vaccine. Pediatrics, 132(1):e25–33. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23776114
  11. Bishop, R. (2009). Discovery of Rotavirus: Implications for Child Health. Journal of Gastroenterology and Hepatology. 24 (Suppl 3): S81–S85. https://doi.org/10.1111%2Fj.1440-1746.2009.06076.x
  12. Ruiz-Palacios, G., et al. (2006). Safety and Efficacy of an Attenuated Vaccine Against Severe Rotavirus Gastroenteritis. The New England Journal of Medicine. 354(1):11–22. http://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa052434
  13. Vesikari, T., et al. (2006). Safety and Efficacy of a Pentavalent Human-Bovine (WC3) Reassortant Rotavirus Vaccine. The New England Journal of Medicine. 354(1):23–33. http://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa052664
  14. O’Ryan, M.G. (2020). Clinical Manifestations and Diagnosis of Rotavirus Infection. UpToDate. Retrieved May 24, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/clinical-manifestations-and-diagnosis-of-rotavirus-infection
  15. LeClair, C.E., and Budh, D.P. (2020). Rotavirus. StatPearls. Retrieved May 24, 2021, from https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK558951/
  16. Nguyen, D.D., Henin, S.S., and King, B.R. (2018). Rotavirus. Medscape. Retrieved May 24, 2021, from https://emedicine.medscape.com/article/803885-overview
  17. Centers for Disease Control and Prevention. (2021). Rotavirus. Retrieved May 24, 2021, from https://www.cdc.gov/rotavirus/index.html

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

Details