Domina os Conceitos Médicos

Estuda para o curso e exames de Medicina com a Lecturio

Queimadura de Frio

As lesões causadas pelo frio são comuns entre crianças e atletas que praticam desportos em condições de frio. Existem múltiplas lesões relacionadas com o frio, sendo a mais comum a queimaduras de frio. A queimadura de frio é uma lesão de congelação directa nos tecidos periféricos e ocorre quando a temperatura da pele desce abaixo de 0℃ (32°F). Os locais comuns de congelamento incluem o nariz, orelhas, dedos das mãos e dedos dos pés. Os sinais clínicos incluem palidez da pele, anestesia, bolhas e necrose de tecidos. O tratamento principal é o reaquecimento rápido.

Última atualização: 25 Feb, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Descrição Geral

Definição

A queimadura por congelamento é uma lesão dos tecidos resultante da exposição ao frio a temperaturas inferiores a 0°C (32°F). O congelamento existe no extremo mais grave de um espectro, com frieira e pérnio no extremo mais suave.

Epidemiologia

  • Fracas estatísticas demográficas (sem relatórios formais)
  • Populações vulneráveis:
    • Sem-abrigo
    • Pessoal Militar
    • Crianças
    • Idosos
  • Fatores de risco:
    • Baixa temperatura ambiente
    • Vento de alta velocidade
    • Exposição à água ou à neve
    • Roupas molhadas, constrictivas ou inadequadamente isolantes
    • Perturbação do julgamento (álcool etílico, drogas, medo/pânico)
    • História de doença vascular periférica ou fenómeno de Raynaud
  • Áreas comumente afetadas: periferia mal vascularizada
    • Dedos
    • Dedos dos pés
    • Nariz
    • Orelhas
    • Pénis

Classificação clínica

Tabela: Classificação clínica das fases de queimaduras por congelamento
Fase Sintomas Sinais
Precocemente Frio, dor, parestesia Deceptivamente poucos: descoloração, textura cerosa/rígida do tecido
Fase intermédia Entorpecimento, perda sensorial completa, perda de destreza Formação de vesículas ou bolhas, descamação
Tardios Dores que podem persistir durante meses ou semanas. Perda de tecido, demarcação, gangrena seca

Patofisiologia

As queimaduras provocadas pelo gelo resultam de:

  • Morte imediata de célula induzida pelo frio
    • O tecido arrefece abaixo do sub-congelamento → forma de cristais de gelo extra e intracelular
    • Fluxos de fluidos e eletrólitos → lise de membranas celulares com subsequente morte celular
    • Processo inflamatório mediado por tromboxano A2, prostaglandina F2-alfa, bradicininas e histamina
    • Conduz a isquemia e necrose de tecidos
    • Agravado pelo degelo seguido de recongelamento
  • Isquemia tecidual
    • Diminuição da temperatura aumenta a viscosidade do sangue → microtrombos
    • Vasodilatação e estase resultam em hipoperfusão e isquemia dos tecidos.
  • Processos inflamatórios localizados relacionados com a reperfusão
    • Causados pelo retorno do fluxo sanguíneo a áreas isquêmicas
    • As células endoteliais ativadas libertam espécies de oxigénio ativado, iniciando a resposta inflamatória.
    • Os leucócitos inundam a área perfundida, libertando mediadores inflamatórios.
    • Conduzem à morte celular

4 fases:

  1. Pré-congelamento:
    • Arrefecimento dos tecidos
    • Vasoconstrição
    • Isquemia
    • Extravasamento endotelial
  2. Congelarmento-descongelamento
    • Formação de cristais de gelo
    • Desidratação celular e morte
  3. Estase vascular: formação de trombos microvasculares
  4. Isquemia progressiva tardia:
    • Hipoperfusão
    • Inflamação
    • Necrose tecidular

Diagnóstico

O diagnóstico de queimadura de frio é clínico e deve ser distinguido das formas menos graves de lesão pelo frio (frieira).

  • Frieira:
    • Sem formação de gelo, sem perda de tecidos
    • Não é possível distinguir clinicamente entre queimadura de frio e frieira inicialmente
    • Aquecimento passivo
    • Se não houver perda de tecidos, frieira
  • Queimadura de frio(formas graves de lesões que se podem apresentar em qualquer uma das seguintes fases):
    • Fase 1: envolve áreas superficiais da pele e apresenta-se com hiperémia, prurido
    • Fase 2: caracterizada por bolhas, descamação, edema
    • Fase 3: ulceração e envolvimento da pele e tecido subcutâneo
    • Fase 4: lesão mais profunda dos tecidos conjuntivos, músculo e necrose óssea levando a membros gangrenosos

Vídeos recomendados

Tratamento

Pré-hospitalar

  • Retire qualquer roupa molhada.
  • Desloque o paciente para um ambiente quente.
  • Não pressione as extremidades congeladas (por exemplo, esfregar as extremidades congeladas ou caminhar sobre os pés afectados pela geada).
  • Não volte a aquecer se houver a possibilidade de que o congelamento se repita.

Reaquecimento

  • Reaquecer em banho de água quente (37-39°C (98,6°-102,2°F)).
  • Fornecer analgesia parentérica durante o reaquecimento.
  • O descongelamento estará completo quando o tecido está vermelho ou roxo e macio ao toque

Tratamento de feridas

  • Aplicação de curativos/pensos volumosos
  • Elevação para reduzir o edema
  • Hidroterapia diária para melhorar a amplitude de movimentos
  • Aspirina e anti-inflamatórios não esteróides (AINEs) para ajudar a reduzir a inflamação
  • Tétano – complicação reportada; recomenda-se a profilaxia

Trombólise

  • Utilizada em casos graves, com potencial perda de membro, apresentando-se nas primeiras 24 horas
  • As opções incluem o ativador do plasminogénio tecidular (tPA) intravenoso ou intra-arterial, ou a heparina ou enoxaparina intravenosa ou intra-arterial.

Tratamento cirúrgico

  • A avaliação inicial pode sobrestimar a extensão real da lesão tecidual.
  • Nenhum tratamento cirúrgico até que ocorra a demarcação
  • “Queimadura de frio em Janeiro, amputação em Julho”

Vídeos recomendados

Relevância Clínica

  • Fenómeno de Raynaud: resposta vascular exagerada a temperaturas frias ou stress emocional causando mudanças de cor dos dedos claramente demarcadas. Os vasos sanguíneos estreitam, o que faz com que os dedos fiquem azuis. Os dedos voltam à cor normal 10-20 minutos após o frio ter sido removido.
  • Hipotermia: queda na temperatura corporal < 35°C (95°F). Classificada em formas leves, moderadas e severas. O tratamento envolve o reaquecimento do paciente por métodos externos ou internos, dependendo da gravidade.

Referências

  1. Petrone P, Kuncir EJ, Asensio JA. (2003). Surgical management and strategies in the treatment of hypothermia and cold injury. Emerg Med Clin North Am.
  2. Murphy JV, Banwell PE, Roberts AH, McGrouther DA.(2000). Frostbite: pathogenesis and treatment. J Trauma.
  3. Long WB 3rd, Edlich RF, Winters KL, Britt LD. (2005). Cold injuries. J Long Term Eff Med Implants.
  4. Imray CH, Oakley EH. (2005). Cold still kills: cold-related illnesses in military practice freezing and non-freezing cold injury. J R Army Med Corps. doi: 10.1136/jramc-151-04-02.
  5. Rintamäki H. Predisposing factors and prevention of frostbite. (2000). Int J Circumpolar Health. PMID: 10998828.

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

🍪 Lecturio is using cookies to improve your user experience. By continuing use of our service you agree upon our Data Privacy Statement.

Details