Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Ouvido: Anatomia

O ouvido é um órgão sensorial responsável pelo sentido da audição e do equilíbrio. Anatomicamente, o ouvido pode ser dividido em 3 partes: o ouvido externo, o ouvido médio e o ouvido interno. O ouvido externo consiste na aurícula e no canal auditivo. O ouvido médio abriga as estruturas timpânicas e ossículos, responsáveis pela deteção e transmissão inicial do som. Finalmente, o ouvido interno contém o labirinto ósseo, juntamente com outras estruturas essenciais para orientação espacial, audição e equilíbrio.

Última atualização: 23 Jun, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Embriologia do Ouvido

O desenvolvimento do ouvido começa na semana 3 de gestação e geralmente está completo às 20 semanas de gestação.

Ouvido interno

  • A ectoderme sobrejacente ao rombencéfalo espessa para formar o placoide ótico.
  • O placoide ótico invagina para se tornar o poço ótico.
  • A fosseta ótica desprende-se da superfície da ectoderme para formar a vesícula ótica.
  • A vesícula ótica divide-se em compartimentos dorsal e ventral.
    • O compartimento dorsal dá origem a:
      • Canais semicirculares
      • Utrículo
      • Apêndice/saco endolinfático
    • O compartimento ventral dá origem a:
      • Cóclea
      • Espiral da cóclea
  • A vesícula ótica é preenchida com endolinfa, com mesênquima circundante que se abre para criar espaços preenchidos com perilinfa.
  • Os espaços perilinfáticos tornam-se a escala timpânica e a escala vestibular.
  • Células derivadas da crista neural → gânglio estatoacústico → nervo craniano (NC) VIII

Ouvido médio

  • Desenvolve-se a partir das 3 camadas germinativas
  • A tuba auditiva estende-se da 1ª bolsa faríngea.
  • O 1º e 2º arcos faríngeos dão origem ao martelo, bigorna e estribo.
  • A tuba auditiva envolve os ossículos → cavidade timpânica
  • Membrana do tímpano
    • Camada interna (endoderme)
    • Camada intermediária (mesoderme)
    • Camada externa (ectoderme)
Diagrama exibindo a tuba auditiva, que se estende desde a primeira bolsa faríngea

Diagrama a exibir a tuba auditiva, que se estende da 1ª bolsa faríngea à medida que circunda os ossículos, criando a cavidade timpânica

Imagem por Lecturio.

Ouvido externo

  • Sulco entre 1º e 2º arcos faríngeos → meato acústico externo
  • Arcos faríngeos → saliências auriculares → ouvido externo/aurícula
Seis protuberâncias auriculares se projetam para fora dos arcos faríngeos e se deslocam para formar a forma característica da orelha externa

As 6 protuberâncias auriculares no feto projetam-se para fora dos arcos faríngeos e deslocam-se para delinear a forma característica do ouvido externo.

Imagem por Lecturio.

Vídeos recomendados

Anatomia do Ouvido Externo

Aurícula

A aurícula é composta por tecido musculocutâneo e cartilagem elástica recoberta por pele. Esta estrutura é responsável por recolher e redirecionar as ondas sonoras para o meato auditivo externo.

  • Hélice: borda externa curva
  • Anti-hélice: borda interna curva
  • Tragus e antitragus: saliências que obstruem parcialmente o meato acústico externo
  • Concha: região oca anterior ao conduto auditivo externo
  • Lóbulo: porção inferior e carnosa da orelha
  • Fossa triangular: superfície côncava da orelha ântero-superior
  • Fossa escafoide: superfície côncava da orelha posterossuperior
Anatomia da orelha

O ouvido externo, com os marcos anatómicos do pavilhão auricular

Imagem por Lecturio.

Meato auditivo externo

O meato auditivo externo tem tipicamente 1 polegada (2,5 cm) de comprimento e a forma de S.

  • O ⅓ lateral é circundado por cartilagem (trajetória póstero-superior)
  • Os ⅔ mediais são circundado por osso temporal (trajetória anteroinferior)
  • A pele circundante contém glândulas ceruminosas e sebáceas → cera de ouvido

Membrana do tímpano

Transmite ondas sonoras do ar para os ossículos → vibrações mecânicas

  • Localizado entre o ouvido externo e médio
  • Anexado ao anel fibrocartilaginoso do osso temporal
  • 3 camadas: cutânea, fibrosa e mucosa
  • Os ossículos ligam-se à membrana timpânica no umbo.
Membrana do tímpano

Membrana do tímpano:
Pars flaccida (superior ao manúbrio de inserção) e pars tensa (resto da membrana timpânica)

Imagem por Lecturio.

Ouvido Médio

Cavidade timpânica

  • Cavidade óssea membranosa em forma de prisma de 6 lados e cheia de ar
  • Contém os ossículos, músculos e nervos
  • O teto consiste na parede tegmentar, que separa o martelo e a bigorna da fossa craniana média.
  • Conteúdo labiríntico ou da parede medial:
    • Janela oval (conecta ao vestíbulo do ouvido interno)
    • Janela redonda (membrana timpânica secundária)
    • Promontório
    • Proeminência do canal facial
  • Relações:
    • Parede lateral: membrana timpânica
    • Parede posterior:
      • Antro mastoideu
      • Comunica com células de ar da mastoide
    • Parede anterior (parede carotídea):
      • Fina camada de osso que separa a cavidade da artéria carótida
      • Perfurada pelo ramo timpânico da artéria carótida interna e pelo nervo petroso profundo
      • Contém a tuba auditiva
    • Assoalho (parede jugular): separa a cavidade da veia jugular interna
  • Ossículos auditivos:
    • Amplificam as ondas sonoras e transmitem-nas ao labirinto do ouvido interno
    • Conectam a membrana timpânica à janela oval
    • Os menores ossos do corpo humano
    • Lateral → medial: martelo, bigorna, estribo
Anatomia do ouvido médio

O ouvido médio, apresentando os ossículos auditivos que conectam a membrana timpânica à janela oval

Imagem:  “Anatomy of the middle ear” por BruceBlaus.Licença: CC BY 3.0

Músculos do ouvido médio

Os músculos do ouvido médio são responsáveis pelos movimento da membrana timpânica.

  • Músculo tensor do tímpano:
    • Origem:
      • Parte cartilaginosa da trompa de Eustáquio
      • Asa maior do esfenoide
      • Semicanal para o tensor do tímpano (parte petrosa do osso temporal)
    • Inserção: parte superior do cabo do martelo
    • Inervação: ramo mandibular do nervo trigémeo (NC V3)
    • Função:
      • Puxa o cabo do martelo medialmente
      • Tensiona a membrana timpânica
  • Músculo estapédio:
    • Origem: margens cartilaginosas/ósseas da trompa de Eustáquio
    • Inserção: colo do estribo
    • Inervação: nervo facial (NC VII)
    • Função:
      • Puxa o estribo posteriormente
      • Evita a oscilação excessiva dos ossículos
Músculos e ossículos da orelha média

Músculos e ossículos do ouvido médio:
O martelo conecta-se à membrana timpânica, enquanto a bigorna e o estribo estão completamente dentro do ouvido médio. O músculo estapédio impede a oscilação excessiva dos ossículos.

Imagem de Lecturio.

Trompa de Eustáquio (trompa auditiva)

  • Controla a pressão dentro do ouvido médio e em ambos os lados da membrana timpânica
  • Localizada anteriormente à cavidade timpânica
  • Conecta o ouvido médio à nasofaringe
Trompa de eustáquio

A trompa de Eustáquio conecta o ouvido médio com a faringe:
Esta conexão permite a equalização da pressão do ar entre o ouvido médio e o mundo externo.

Imagem por Lecturio.

Ouvido Interno

O ouvido interno está localizado na parte petrosa do osso temporal e contém os órgãos da audição e do equilíbrio.

Labirinto ósseo

O labirinto ósseo é preenchido com perilinfa e é separado do ouvido médio pela parede medial da cavidade timpânica.

  • Vestíbulo: cavidade óssea central:
    • Contém o utrículo e o sáculo
    • Comunica com o ouvido médio em 3 direções:
      • Lateralmente pela janela oval
      • Anteriormente com a cóclea
      • Posteriormente com os canais semicirculares
  • Canais semicirculares: 3 canais em ângulos de 90 graus entre si:
    • Canal anterior = plano sagital
    • Canal posterior = plano frontal
    • Canal lateral = plano transversal
  • Cóclea: cavidade óssea em forma de espiral:
    • Lâmina espiral: escala vestibular superior e escala timpânica inferior
    • Coluna óssea central = modíolo
Labirintos ósseos e membranosos

Diagrama dos labirintos ósseos e membranosos, apresentando os seus marcos anatómicos:
Observar que o ducto coclear é encontrado dentro do labirinto membranoso e o utrículo e o sáculo são encontrados dentro do vestíbulo.

Imagem por Lecturio.

Labirinto membranoso

O labirinto membranoso é preenchido com endolinfa e é composto pelos labirintos vestibular e coclear.

  • Labirinto vestibular:
    • Composto pelo utrículo, sáculo e 3 ductos semicirculares membranosos
    • Contém órgãos sensoriais para o equilíbrio
  • Labirinto coclear:
    • Órgão sensorial para a audição
    • Escala vestibular:
      • Contém perilinfa
      • Câmara anterior para cima, onde o som viaja
    • Escala de tímpanos:
      • Contém perilinfa
      • Câmara posterior para baixo, onde o som viaja
    • Escala media (ducto coclear):
      • Contém endolinfa
      • Localizado entre a escala do vestíbulo e a escala do tímpano
      • Contém o órgão de Corti
  • Órgão de corti:
    • Órgão espiral dentro do labirinto coclear
    • Contém mecanorrecetores denominados de células ciliadas
    • As células ciliadas determinam o movimento e a posição da cabeça no espaço.
    • Células ciliadas tipo I (bulbosas) e II (alongadas)
      • Ambos os tipos têm estereocílios de comprimentos variados no ápice.
      • Os estereocílios respondem ao movimento da endolinfa.
      • Cinocílio: cílio único na porção lateral da célula ciliada, define a polaridade da célula
      • As células ciliadas do órgão de Corti não possuem cinocílio.
O órgão de corti está localizado na escala média

O órgão de Corti está localizado dentro da escala média:
O órgão de Corti deteta o som na forma de vibração e transmite a informação através do nervo coclear.
NC: nervo craniano

Imagem por Lecturio.
Células ciliadas tipo i e tipo ii

Células ciliadas dos tipos I e II:
As células ciliadas determinam o movimento e a posição da cabeça no espaço.

Imagem por Lecturio.

Neurovasculatura do Ouvido

Tabela: Neurovasculatura do ouvido
Estrutura Suprimento arterial Vasos linfáticos Inervação
Aurícula
  • Artéria auricular posterior
  • Artérias auriculares anteriores
  • Ramos da artéria occipital
Gânglios parotídeos, mastoideus e cervicais superficiais
  • Ramo auriculotemporal do nervo mandibular (NC V3)
  • Plexo cervical
  • Nervo occipital menor
  • Grande nervo auricular
  • Ramo auricular do nervo vago
  • Ramos do nervo facial
Membrana do tímpano
  • Ramos da artéria maxilar
  • Ramo da artéria auricular posterior
  • Artéria timpânica inferior
Gânglios periauriculares
  • Lado lateral: ramos do nervo auriculotemporal e ramo auricular do NC X
  • Lado medial: CN IX
Cavidade timpânica
  • Artéria timpânica anterior
  • Artérias timpânicas posterior, inferior, anterior e superior
  • Ramo mastoideu da artéria occipital
Gânglios cervicais retroauriculares
  • Cavidade timpânica: nervo timpânico (ramo do NC IX)
  • Músculos: nervo tensor do tímpano (NC V) e nervo estapédio (NC VII)
Labirinto ósseo
  • Artéria timpânica anterior
  • Artéria estilomastoidea
  • Artéria petrosa
Gânglios parotídeos, mastoideus e cervicais superficiais
  • Audição: nervo coclear do gânglio espiral
  • Equilíbrio: nervo vestibular dos ductos semicirculares, utrículo e sáculo
  • Os nervos coclear e vestibular unem-se e formam o nervo vestibulococlear (NC VIII)
Labirinto membranoso Artéria labiríntica (ramo da artéria basilar)

Relevância Clínica

  • Otite externa: inflamação do meato auditivo externo. A otite externa é uma infeção bacteriana que ocorre mais frequentemente em crianças. Os organismos causadores típicos são a Pseudomonas e o Staphylococcus aureus. A apresentação é com dor intensa à manipulação do ouvido externo. O tratamento é realizado com gotas antibióticas.
  • Otite média aguda: inflamação aguda do ouvido médio devido a infeções virais ou bacterianas. A condição é mais comum em crianças dos 6 aos 18 meses. A apresentação cursa com febre, sintomas de infeção do trato respiratório superior e dor de ouvido. A maioria dos casos é causada por vírus, mas os antibióticos devem ser iniciados se existir suspeita de etiologia bacteriana.
  • Vertigem: sensação de movimento entre si e o ambiente. A vertigem não se limita a uma sensação de rotação, mas pode incluir outras formas de movimento, como levantar-se, balançar ou movimento não sistemático. Geralmente é um sintoma de uma condição subjacente, como labirintite, doença de Ménière ou uma reação adversa a fármacos.
  • Doença de Ménière: caracterizada por uma tríade de sintomas de vertigem, zumbido e défice auditivo. Os episódios de vertigem na doença de Ménière podem durar de alguns minutos a várias horas, e o défice auditivo afeta principalmente as baixas frequências. O tratamento é direcionado para a prevenção de náuseas e fisioterapia para manutenção da funcionalidade física.
  • Perda auditiva: os défices auditivos são classificados em perda auditiva de condução e neurossensorial. A perda auditiva de condução decorre de danos ao ouvido médio, impedindo a transmissão adequada do som. Na perda auditiva neurossensorial, o órgão auditivo está danificado.
  • Zumbido: perceção de ruído ou “zumbido nos ouvidos”. O zumbido é uma condição comum, experimentada na ausência de um estímulo auditivo externo. O som percebido é descrito como assobio, zumbido, toque e/ou pulsação. O zumbido pode estar relacionado com condições subjacentes, como é o caso da doença de Ménière, infeções do ouvido, sinusite e tumores cerebrais.

Vídeos recomendados

Referências

  1. Bhatt RA. (2020). Ear anatomy: overview, embryology, gross anatomy. Medscape. https://emedicine.medscape.com/article/1948907-overview
  2. ONeill OJ, Brett K, Frank AJ. (2021). Middle ear barotrauma. StatPearls. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK499851/
  3. Szymanski, A. Geiger, Z. (2017). Anatomy, head and neck, ear. StatPearls. https://europepmc.org/article/nbk/nbk470359

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

🍪 Lecturio is using cookies to improve your user experience. By continuing use of our service you agree upon our Data Privacy Statement.

Details