Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Oligodendroglioma

Os oligodendrogliomas são tumores malignos do SNC que surgem das células da glia. Os oligodendrogliomas surgem normalmente nos lobos frontais do cérebro e geralmente têm um prognóstico favorável quando comparados com outros gliomas. Os oligodendrogliomas são o 3º tipo de tumor mais prevalente do SNC. Convulsões é a forma mais comum de apresentação; outros sintomas podem incluir dores de cabeça, perda de visão e défices neurológicos focais. O diagnóstico é confirmado pela realização de uma biopsia cerebral onde se pode visualizar um aspeto clássico em "ovo frito" (núcleos redondos com citoplasma claro). Os oligodendrogliomas são neoplasias de crescimento lento, mas uma vez que cursam com diminuição da qualidade de vida são tratados com cirurgia, radiação e quimioterapia.

Última atualização: 20 Jun, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Descrição Geral

Definição

Os oligodendrogliomas são tumores neuroepiteliais malignos que surgem de precursores de células da glia. Estas células tumorais são histologicamente semelhantes aos oligodendrócitos, embora não tenham a capacidade mielinizante dos oligodendrócitos. Oligodendrogliomas são um tipo de glioma:

  • Os gliomas surgem das células da glia, células de suporte do cérebro e da medula espinhal.
  • Os oligodendrócitos são as células da glia no SNC responsáveis pela produção de mielina.
  • Os astrocitomas e os ependimomas são outros tumores comuns de células da glia.

Classificação dos tumores do sistema nervoso

Tabela: Classificação dos tumores do sistema nervoso
Categorias Tumores específicos
Tumores neuroepiteliais no SNC
  • Astrocitomas, incluindo glioblastoma multiforme
  • Oligodendroglioma
  • Ependimoma e tumores do plexo coroide
  • Meduloblastomas (tumores embrionários)
Tumores meníngeos
  • Meningiomas
  • Hemangioblastomas
Tumores da região selar
  • Craniofaringioma
  • Adenoma da hipófise
  • Pinealoma
Linfoma primário do SNC Linfoma primário do SNC
Metástases cerebrais (5x mais comum do que os tumores cerebrais primários) Que resultam frequentemente de:
  • Neoplasia do pulmão, da mama e do carcinoma de células renais
  • Melanoma
Tumores Periféricos
  • Schwannomas, incluindo o neurinoma do acústico
  • Neuroblastoma

Epidemiologia

  • Incidência:
    • 3ª neoplasia cerebral primária mais comum (a seguir ao glioblastoma multiforme e ao astrocitoma difuso de baixo grau)
    • É responsável por cerca de 5% dos tumores primários do SNC
    • 0,2 por 100.000 habitantes
    • Existem cerca de 1000 pacientes diagnosticados com oligodendrogliomas por ano nos Estados Unidos.
  • Idade média ao diagnóstico: 25-45 anos
  • Ligeiramente mais comum no sexo masculino

Fisiopatologia

Fisiopatologia

  • Localização:
    • Geralmente surgem nos hemisférios cerebrais (corticais ou subcorticais)
    • Embora menos frequentemente, pode ocorrer no cerebelo, nos ventrículos ou na medula espinhal.
  • Os efeitos regionais no parênquima cerebral incluem:
    • Compressão
    • Invasão
    • Destruição
  • ↑ A pressão intracraniana (ICP) pode ser devida:
    • Efeito directo de massa
    • Edema do tecido cerebral circundante
    • ↑ Volume de sangue
    • ↑ Volume do QCA/hidrocefalia
  • As alterações das funções normais do parênquima são devido a:
    • Hipóxia
    • Competição por nutrientes
    • Libertação de produtos finais de metabolitos
      • Radicais livres
      • Alterações iónicas
      • Neurotransmissores
    • Libertação e recrutamento de mediadores celulares (por exemplo, citocinas)

Patogénese

Os oligodendrogliomas são tumores definidos histologicamente que incluem tanto mutações na isocitrato desidrogenase (IDH) 1 e 2 como delecções nos braços cromossómicos 1p e 19q.

  • Mutações na IDH1 (encontrada no citosol) e/ou na IDH2 (encontrada na mitocôndria):
    • IDH:
      • Catalisa a descarboxilação oxidativa reversível do isocitrato → α-ketoglutarate (α-KG) no ciclo de Krebs
      • Principal produtor de NADPH na maioria dos tecidos, especialmente no cérebro.
      • Também envolvida na atenuação de lesões oxidativas
    • As mutações levam à produção e acumulação de 2-Hidroxiglutarato (2-HG)
      • 2-HG inibe a função enzimática das dioxigenases dependentes de α-KG, envolvidas na desmetilação do DNA.
      • ↑ 2-HG causa desregulação epigenética → pode levar a desenvolvimento tumoral
  • Delecções dos braços cromossómicos 1p e 19q:
    • Leva a mudanças epigenéticas e à hipermetilação do genoma
    • Ocorre devido a uma translocação desequilibrada entre os cromossomas 1 e 19
  • Outras mutações:
    • Ativação de mutações no promotor da transcriptase reversa da telomerase (TERT):
      • TERT é uma subunidade catalítica na telomerase → ativando as mutações permitem que estas células tumorais se tornem “imortais”.
      • Marcador de diagnóstico primário para glioblastoma multiforme, embora também possa estar presente no caso de oligodendrogliomas
    • Metilação (ou seja, silenciamento) do promotor de O-6-metilguanina-DNA metiltransferase (MGMT): O MGMT é uma enzima envolvida na reparação do ADN.

Classificação

Os oligodendrogliomas são classificados pela OMS conforme a sua histologia e os tipos de mutações presentes. (Os tumores de grau I são considerados benignos, portanto, ao contrário dos astrocitomas, não há oligodendrogliomas de grau I).

  • OMS grau II:
    • Oligodendroglioma com mutação IDH e co-delecção 1p/19q-
    • Oligodendroglioma não especificado de outra forma
  • OMS grau III:
    • Oligodendroglioma anaplástico com mutação IDH e co-deleccção 1p/19q
    • Oligodendrolioma anaplásico não especificado de outra forma
  • Tumores não especificados, submetidos a testes genéticos inconclusivos ou aos quais não foram realizados testes genéticos.
  • O diagnóstico de oligoastrocitoma já não está recomendado visto que os tumores com histologia mista devem ser classificados molecularmente como astrocitomas ou oligodendrogliomas. Se a delecção 1p/19q estiver ausente, o tumor é classificado como astrocitoma.

Apresentação Clínica

A maior parte dos sinais e sintomas dependem da localização do tumor. Os oligodendrogliomas são neoplasias de crescimento lento e normalmente assintomáticos durante vários anos até ao diagnóstico. A forma mais frequente de apresentação são as convulsões.

  • Convulsões: podem ser parciais ou generalizadas
  • Sintomas gerais: sintomas que podem ocorrer em qualquer neoplasia
    • Dor de cabeça (geralmente pela manhã)
    • Náuseas e/ou vómitos
    • Dificuldades cognitivas:
      • Problemas de memória
      • Mudanças de humor ou de personalidade (observadas principalmente em tumores do lobo frontal)
    • Papiledema
  • Défices neurológicos focais: depende da localização particular do tumor
    • Fraqueza muscular (danos no córtex motor contralateral)
    • Anomalias sensoriais (danos no córtex somatossensorial contralateral)
    • Apraxia
    • Afasia
    • Défices de campo visual
    • Hemiparesia

Diagnóstico

Imagiologia

A ressonância magnética é o exame de imagem de escolha para avaliação de tumores cerebrais.

  • Ressonância magnética do cérebro:
    • Imagens ponderadas em T2: lesões hiperintensas ou de intensidade mista
    • Imagens ponderadas em T1: lesões hipointensas ou de intensidade mista
    • Maior probabilidade de ter limites mal definidos e sinais não uniformes/heterogéneos em comparação com os astrocitomas
    • Calcificações podem ser frequentemente visualizadas.
    • Realce com contraste:
      • Lesões de Grau II normalmente não captam.
      • As lesões anaplásicas normalmente apresentam alguma captação.
  • TAC de crânio:
    • Realiza-se quando há contraindicações formais à realização de ressonância magnética ou em contexto de cuidados agudos.
    • Os achados incluem:
      • Lesões hipodensas com edema circundante
      • Pode haver calcificações e hemorragia.
      • Tipicamente, apenas as lesões anaplásicas realçam.

Biópsia

  • Aparência macroscópica:
    • Massa bem circunscrita, cinzenta e gelatinosa
    • Muitas vezes com quistos, hemorragias e calcificações
  • Aparência microscópica:
    • Composto por células bem diferenciadas que se assemelham a oligodendrócitos
    • Células do tipo “ovo frito” (células grandes com citoplasma claro e núcleo redondo hipercrómico)
    • Capilares “pé de galinha”: redes de vasos sanguíneos finos presentes no tumor devido à significativa angiogénese
    • Os tumores anaplásicos mostram:
      • Maior densidade celular
      • Atipia nuclear
      • Atividade mitótica
      • Proliferação microvascular
      • Necrose
  • Testes moleculares:
    • Presença de mutações IDH1/2 e co-delecção 1p/19q:
      • Coloração imunohistoquímica para mutações IDH1/2
      • FISH para co-deleções 1p/19q
    • Falta de proteína básica da mielina (PBM) encontrada em oligodendrócitos normais produtores de mielina e células de Schwann
    • Pode corar para o Olig2 (fator de transcrição), um marcador para células progenitoras de oligodendrocitos que está envolvido na diferenciação celular
    • Pode corar para a proteína glial fibrilária ácida (GFAP), um marcador comum de astrócitos.
Oligodendroglioma

Oligodendroglioma:
Observe as células em “ovo frito” com os núcleos escuros e redondos e os capilares em “pé de galinha” na amostra.

Imagem: “Morphologic spectrum of glial tumors: an increased trend towards oligodendroglial tumors in Pakistan” por Hashmi AA, Faridi N, Malik B, Edhi MM, Khurshid A, Khan M. License: CC BY 4.0

Tratamento e Prognóstico

Tratamento

Os oligodendrogliomas são tumores infiltrativos, normalmente considerados como incuráveis devido ao seu alto risco de recidiva. O tratamento ideal normalmente envolve cirurgia, radioterapia e quimioterapia.

  • Cirurgia: tem propósito diagnóstico e terapêutico
    • Confirma o diagnóstico, o que orienta as terapêuticas adjuvantes.
    • Para um melhor resultado, o objetivo da cirurgia consiste numa ressecção completa da lesão; no entanto, isso nem sempre é possível dependendo da área afetada.
  • Radioterapia:
    • Normalmente após a cirurgia
    • Administrada numa área específica em volta do local da cirurgia, no sentido de maximizar o benefício terapêutico com o mínimo de reações adversas.
    • Normalmente não está incluída no esquema terapêutico quando se trata de crianças muito pequenas, pelo risco de reações adversas graves nessa faixa etária.
  • Quimioterapia:
    • Tipicamente após a radioterapia
    • Melhora a sobrevida geral quando combinada com radioterapia adjuvante
    • O regime padrão é o PCV:
      • Procarbazina
      • Lomustina (CCNU)
      • Vincristina
    • Também se pode considerar a temozolomida como um agente de 2ª linha nos oligodendrogliomas (é 1ª linha no caso de astrocitomas)
  • Outras terapias:
    • Anticonvulsivantes nos doentes com convulsões
    • Corticosteroides para o edema cerebral

Prognóstico

  • Sobrevivência média de 5 anos:
    • Oligodendroglioma de baixo grau: 5-10 anos
    • Oligodendrolioma anaplásico: 3-4 anos
  • Fatores que alteram o prognóstico:
    • Idade do doente no momento do diagnóstico (doentes mais jovens têm melhor prognostico)
    • Localização do tumor
    • Extensão da ressecção cirúrgica
    • Grau histológico do tumor
    • Status funcional pós-operatório

Vídeos recomendados

Diagnóstico Diferencial

  • Astrocitoma: Tumor do SNC que se desenvolve a partir de astrócitos. Os astrocitomas agressivos de grau IV são chamados glioblastomas multiformes, enquanto os astrocitomas de grau II são chamados astrocitomas difusos de baixo grau. Os astrocitomas podem apresentar-se de forma semelhante aos oligodendrogliomas e são diagnosticados através de RM e biópsia. Mutações na IDH e a co-delecção de 1p/19q são necessárias para diagnosticar oligodendroglioma; se apenas mutações no IDH estiverem presentes, provavelmente tratar-se-á de um astrocitoma de baixo grau. Tal como no caso dos oligodendrogliomas, o tratamento dos astrocitomas inclui a excisão cirúrgica, radiação e quimioterapia.
  • Meningioma: tumor benigno que surge das meninges do cérebro ou da medula espinhal. A apresentação clínica do meningioma inclui dores de cabeça, distúrbios visuais e eventualmente convulsões. O diagnóstico é confirmado por RM e biópsia, e os meningiomas são tratados com excisão cirúrgica. Ao contrário dos meningiomas, os oligodendrogliomas normalmente apresentam mais sintomas e não têm associação com a dura-máter.
  • Metástases cerebrais: células neoplásicas que se disseminaram para o cérebro, provenientes de tumores primários noutras partes do corpo. As neoplasias metástáticas são as neoplasias mais comuns no cérebro. A neuroimagem mostra frequentemente múltiplos focos de carcinoma, sugerindo uma origem fora do cérebro. A apresentação clínica depende do tumor primário e da localização e extensão da metástase cerebral. O tratamento é dirigido à neoplasia subjacente e pode envolver ressecção cirúrgica, radioterapia e quimioterapia.
  • Toxoplasmose cerebral: infeção por Toxoplasma gondii no SNC em pacientes imunocomprometidos (por exemplo, doentes com HIV). Esta doença é geralmente sintomática apenas em doentes com contagem de CD4 < 100 células/µL, e apresenta-se com febre, cefaleias, défices neurológicos focais e/ou convulsões. A toxoplasmose cerebral é diagnosticada através de estudos serológicos e de uma ressonância magnética cerebral que mostra captação em anel (diferindo dos oligodendrogliomas). A toxoplasmose cerebral é tratada com pirimetamina, sulfadiazina e leucovorina, juntamente com terapia anti-retroviral.

Referências

  1. Van den Bent, M. (2021). Clinical features, diagnosis, and pathology of IDH-mutant, 1p/19q-codeleted oligodendrogliomas. UpToDate. Retrieved May 21, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/clinical-features-diagnosis-and-pathology-of-idh-mutant-1p-19q-codeleted-oligodendrogliomas
  2. Van den Bent, M. (2021). Treatment and prognosis of IDH-mutant, 1p/19q-codeleted (grade II and III) oligodendrogliomas. UpToDate. Retrieved May 21, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/treatment-and-prognosis-of-idh-mutant-1p-19q-codeleted-grade-ii-and-iii-oligodendrogliomas
  3. Uddin, S. (2020). Oligodendroglioma. Medscape. Retrieved May 21, 2021, from https://emedicine.medscape.com/article/1156699-overview
  4. Tork, C.A., Atkinson, C. (2020). Oligodendroglioma. StatPearls. Retrieved May 21, 2021, from https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK559184/

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

Details