Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Mecânica da Respiração (Ventilação)

As células humanas dependem principalmente do metabolismo aeróbico. Portanto, é de vital importância obter eficientemente o oxigénio do ambiente e trazê-lo para os tecidos, enquanto se excreta o subproduto da respiração celular (dióxido de carbono). A respiração envolve os sistemas respiratório e circulatório. Existem 4 processos que fornecem O2 ao corpo e eliminam o CO2 . O sistema respiratório está envolvido na ventilação pulmonar e na respiração externa, enquanto o sistema circulatório é responsável pelo transporte e respiração interna. A ventilação pulmonar (respiração) representa o movimento do ar para dentro e para fora dos pulmões. A respiração externa é representada pela troca de O2 e CO2 entre os pulmões e o sangue.

Última atualização: 28 Jun, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Anatomia do Sistema Respiratório Envolvido na Ventilação

A ventilação, ou respiração, envolve a ação e os movimentos das estruturas encontradas no pescoço e na cavidade torácica pertencentes aos sistemas pulmonar, musculoesquelético e cardíaco.

  • Zona de condução:
    • Função:
      • Fornece um canal para o fluxo de ar para os pulmões
      • Humidifica e aquece o ar que entra
    • Estruturas:
      • Faringe
      • Laringe
      • Traqueia
      • Brônquios principais direito e esquerdo
      • Bronquíolos
  • Zona respiratória:
    • Função: local onde ocorrem as trocas gasosas
    • Estruturas:
      • Bronquíolos respiratórios
      • Alvéolos
  • Componentes musculoesqueléticos:
    • Função:
      • Fornecer uma estrutura robusta para os pulmões
      • Gerar forças mecânicas necessárias para a respiração
    • Estruturas:
      • Caixa torácica
      • Músculos respiratórios: diafragma, intercostais externos, porções dos intercostais internos
      • Membranas pleurais
      • Cavidade pleural: espaço entre a pleura pulmonar e torácica

Relações de Pressão na Cavidade Torácica

  • Pressão atmosférica (Patm):
    • Pressão exercida pelo ar ao redor do corpo
    • Ao nível do mar, a Patm é 760 mm Hg.
  • Pressão respiratória:
    • Relativa à Patm
    • A pressão respiratória negativa é < Patm.
    • A pressão respiratória positiva é > Patm.
    • Pressão respiratória zero = Patm.
  • Pressão intrapulmonar (intra-alveolar) (Ppul):
    • Pressão nos alvéolos
    • Flutua com a respiração
    • Equaliza-se sempre com a Patm
  • Pressão intrapleural (Pip):
    • Pressão na cavidade pleural
    • Flutua com a respiração
    • É sempre uma pressão negativa
    • Pip é gerada por forças opostas:
      • 2 forças internas que promovem o colapso pulmonar (retração elástica dos pulmões e tensão superficial nos alvéolos)
      • 1 força externa (elasticidade da parede torácica a puxar o tórax para fora)
  • Pressão transpulmonar (Ppul – Pip):
    • Mantém as vias aéreas abertas; os pulmões expandem-se assim que a pressão transpulmonar ↑
    • Se Pip ≥ Ppul, os pulmões entrarão em colapso.

Inspiração e Expiração

A respiração consiste em 2 fases:

  • Inspiração: fluxo de gases para os pulmões
  • Expiração: fluxo de gases para fora dos pulmões

Inspiração e expiração:

  • Processos mecânicos causados pela contração dos músculos respiratórios
  • Causam alterações de volume na cavidade torácica
  • As mudanças de volume levam ao movimento do gás de acordo com a lei de Boyle (a pressão varia inversamente com o volume):
    • Mudanças de volume causam mudanças de pressão.
    • As mudanças de pressão fazem com que o fluxo de gases equalize a pressão.
Alterações nas relações de pressão na cavidade torácica durante a respiração

Mudanças nas relações de pressão na cavidade torácica durante a respiração:
Durante a inspiração, os músculos movem-se para criar uma pressão intrapleural negativa (linha verde). Essa pressão negativa é transferida para os pulmões, tornando a pressão intrapulmonar mais negativa (linha azul) em relação à pressão atmosférica. O ar flui para os pulmões por esse gradiente de pressão, aumentando o volume respiratório (linha roxa). Com a expiração, o processo inverte-se, levando ao fluxo de ar para fora dos pulmões.

Imagem por Lecturio. Licença: CC BY-NC-SA 4.0

Inspiração

A inspiração é um processo ativo:

  • Os músculos inspiratórios contraem-se, puxando a caixa torácica para fora, diminuindo a Pip e aumentando o volume torácico.
  • As forças adesivas puxam a membrana pleural, que por sua vez puxa o parênquima pulmonar.
  • Os pulmões alongam-se e o volume intrapulmonar ↑.
  • Ppul cai, tornando-se menor que a Patm.
  • O ar flui para os pulmões a favor do gradiente de pressão até que Ppul = Patm.

Expiração

A expiração (em repouso) é um processo passivo:

  • Os músculos inspiratórios relaxam.
  • Volume da cavidade torácica ↓ devido ao recolhimento elástico.
  • Volume intrapulmonar ↓
  • Ppul sobe acima da Patm.
  • O ar flui para fora dos pulmões a favor do gradiente de pressão até que Ppul = Patm.
  • Expiração forçada:
    • Processo ativo
    • Músculos expiratórios usados para ↓ volumes torácicos
    • ↑ Velocidade do fluxo de ar para fora dos pulmões

Volumes e capacidades pulmonares

Volumes pulmonares

Os volumes pulmonares são volumes específicos de ar contidos por diferentes porções dos pulmões em pontos específicos do ciclo respiratório.

  • Volume tidal/corrente (VT): volume de ar inspirado ou expirado a cada respiração em condições de repouso
  • Volume residual (VR): volume de ar deixado nos pulmões após a expiração forçada
  • Volume de reserva expiratório (VRE): volume de ar que pode ser expirado de forma forçada após a expiração normal do volume corrente
  • Volume de reserva inspiratório (VRI): volume de ar que pode ser inalado de forma forçada após a inalação do volume corrente normal
Fisiologia respiratória_volumes e capacidades pulmonares

Volumes e capacidades pulmonares

Imagem por Lecturio. Licença: CC BY-NC-SA 4.0

Capacidades pulmonares

As capacidades pulmonares são uma combinação de 2 ou mais volumes.

  • Capacidade pulmonar total (CPT):
    • Volume máximo de ar contido nos pulmões após um esforço inspiratório máximo
    • CPT= VT + VR + VRE + VRI
  • Capacidade vital (CV):
    • Volume máximo de ar que uma pessoa pode mover para dentro ou para fora dos pulmões
    • CV = VT + VRI + VRE
  • Capacidade residual funcional (CRF):
    • Volume de ar remanescente nos pulmões após a expiração corrente
    • CRF = VRE + VR
  • Capacidade inspiratória (CI):
    • Volume máximo de ar que pode ser inspirado após uma expiração normal
    • IC = TV + IRV

Espaço morto

O espaço morto é o ar que entra e sai dos pulmões, mas não chega a áreas onde as trocas gasosas podem ocorrer.

  • Espaço morto anatómico: ar nas vias aéreas que não atinge os alvéolos ou bronquíolos respiratórios
  • Espaço morto alveolar: ar nos alvéolos que não pode ser absorvido pela corrente sanguínea devido a doenças pulmonares ou problemas do fluxo sanguíneo
  • Espaço morto total = espaço morto alveolar + espaço morto anatómico

Ventilação e Trabalho Respiratório

Ventilação

A ventilação é o processo de entrada e saída de ar.

  • Ventilação por minuto (VE):
    • Volume de ar que entra e sai dos pulmões por minuto
    • VE = frequência respiratória expressa em respirações/minuto (Bf ) × volume corrente (VT)
  • Ventilação alveolar (VA):
    • Volume de ar que atinge os alvéolos por minuto e está disponível para as trocas gasosas
    • VA = Bf × (TV – espaço morto total)

“Trabalho de respiração”

O trabalho respiratório é a quantidade de energia que uma pessoa precisa para respirar.

  • Trabalho elástico: feito para superar a retração elástica da parede torácica e do parênquima pulmonar e a tensão superficial dos alvéolos
  • Trabalho de resistência: feito para superar a resistência das vias aéreas e tecidos

Fatores que Influenciam a Ventilação Pulmonar

Além das pressões que a musculatura torácica é capaz de criar, a ventilação é limitada pelas propriedades físicas das estruturas dos pulmões. As propriedades físicas mais importantes a serem levadas em consideração são:

  • A resistência das vias aéreas
  • A complacência do tecido pulmonar
  • A tensão superficial dos alvéolos

Resistência

  • Definição:
    • Resistência: força que se opõe ao fluxo (neste caso do ar)
    • Lei de Poiseuille: O fluxo de ar é inversamente proporcional à resistência.
  • Efeito no sistema pulmonar:
    • A resistência impede o fluxo de ar para os pulmões.
    • ↑ Resistência = ↑ energia necessária para inspirar.
    • As vias aéreas geram 80% de resistência.
    • O diâmetro da via aérea é inversamente proporcional à resistência que ela produz.
  • Implicações fisiológicas:
    • Em pacientes saudáveis, a resistência é insignificante, pois o diâmetro total das vias aéreas é grande:
      • Grandes diâmetros das vias aéreas no início da zona de condução
      • As vias aéreas menores mantêm uma área transversal total alta porque são muitas.
      • A resistência desaparece no bronquíolo terminal → a difusão impulsiona as trocas gasosas
    • Em certas doenças, ↓ diâmetro total das vias aéreas, ↑ resistência a superar para respirar:
      • Músculo liso das vias aéreas contrai-se (por exemplo, asma)
      • Obstrução mucosa das vias aéreas (por exemplo, doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC), bronquite)
      • Obstrução de bronquíolos e alvéolos por material infecioso (p.e. pneumonia)

Tensão superficial alveolar

  • Definição:
    • Propriedade derivada da adesão de moléculas de água
    • As moléculas de água aderem a outras moléculas de água.
    • Resiste a qualquer força que tende a ↑ a área de superfície do líquido
  • Efeito no sistema pulmonar:
    • Ocorre nos alvéolos devido às moléculas de água dentro deles
    • Se não for controlado, impede que os alvéolos se estiquem durante a inspiração
  • Implicações fisiológicas:
    • Surfactante ↓ a tensão superficial alveolar separando as moléculas de água umas das outras.
      • Os pneumócitos tipo II sintetizam surfactante pulmonar.
      • O surfactante pulmonar é composto por 85%–90% de fosfolípidos e moléculas anfipáticas
      • As extremidades polares ficam em contacto com a água e ↓ a tensão superficial.
    • Permite uma expansão mais fácil durante a inspiração e evita o colapso dos alvéolos durante a expiração
    • Qualquer coisa que destrua o surfactante pode causar doença pulmonar:
      • A falta de surfactante em prematuros leva à síndrome do desconforto respiratório infantil.
      • Fumadores crónicos produzem menos surfactante, levando aos problemas observados na DPOC.

Complacência

  • Definição:
    • Medida da mudança de volume com determinada mudança na pressão transpulmonar
    • Determinado pelas propriedades de tração do tecido pulmonar
    • Simplesmente: quão rígidos são os pulmões
  • Efeito no sistema pulmonar:
    • ↑ da rigidez dos pulmões, ↑ da energia para alongá-los durante a inspiração:
      • A ventilação é mais eficiente em áreas do pulmão com complacência ↑.
      • As áreas com ↓ da complacência expandem-se menos.
    • A complacência dos pulmões também é influenciada pela gravidade:
      • No ápice pulmonar há ↓ da complacência.
      • Na base pulmonar há ↑ da complacência.
  • Implicações fisiológicas:
    • Em pulmões saudáveis, ↑ da complacência devido a:
      • Distensibilidade do tecido pulmonar
      • ↓ da tensão superficial alveolar
    • ↓ da complacência pulmonar surge no caso de:
      • Fibrose (por exemplo, síndrome do desconforto respiratório agudo do surfactante, cicatrizes após quimioterapia)
      • ↓ da produção de surfactante (por exemplo, pulmões prematuros, DPOC)
      • ↓ da flexibilidade da caixa torácica (por exemplo, escoliose, paralisia cerebral)

Relevância Clínica

  • Doença pulmonar obstrutiva: grupo de condições que aumentam a resistência das vias aéreas, pequenas ou grandes: A doença pulmonar obstrutiva causa um estreitamento das vias aéreas. O aumento da resistência cria mais trabalho que precisa de ser superado, de modo que os pacientes apresentam geralmente um aumento da frequência respiratória e do trabalho respiratório. Os pacientes muitas vezes são incapazes de expelir completamente o ar durante a expiração. A menos que a obstrução seja generalizada, esses pacientes podem continuar a ter uma saturação de oxigénio normal ou quase normal. Os achados do exame pulmonar dependem de onde a obstrução está ao longo da via aérea. Exemplos incluem asma, bronquite crónica, enfisema, apneia obstrutiva do sono e corpos estranhos nas vias aéreas
  • Doença pulmonar restritiva: grupo de condições que causa diminuição da complacência dos pulmões, aumentando a quantidade de trabalho necessária para expandir e contrair os pulmões: os pacientes são incapazes de esticar completamente os pulmões para respirar ar suficiente. A doença pulmonar restritiva geralmente afeta todo o parênquima pulmonar e apresenta-se com um aumento da frequência respiratória e do trabalho respiratório, bem como diminuição da saturação de oxigénio. Exemplos incluem síndrome do desconforto respiratório neonatal, fibrose pulmonar e sarcoidose.
  • Doença pulmonar mista: as doenças pulmonares geralmente têm elementos de patologias restritivas e obstrutivas. O exemplo mais comum de doença pulmonar mista é a fibrose quística, em que as vias aéreas estão estreitadas e o parênquima pulmonar mais endurecido.

Referências

  1. Hall, J. E. (2015). Guyton and hall textbook of medical physiology, 13th ed.. W. B. Saunders.
  2. OpenStax College. (2013). Anatomy and physiology. OpenStax. http://cnx.org/content/col11496/latest/ 
  3. Levitzky, M. G. (2017). Mechanics of breathing. Chapter 2 in Pulmonary Physiology, 9th ed. New York: McGraw-Hill Education. https://accessmedicine.mhmedical.com/content.aspx?bookid=2288&sectionid=178856534
  4. Levitzky, M. G. (2017). Alveolar ventilation. Chapter 3 in Pulmonary Physiology, 9th ed. New York, NY: McGraw-Hill Education. https://accessmedicine.mhmedical.com/content.aspx?bookid=2288&sectionid=178856748

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

🍪 Lecturio is using cookies to improve your user experience. By continuing use of our service you agree upon our Data Privacy Statement.

Details