Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Haemophilus

Haemophilus é um género de cocobacilos Gram-negativos, cujas estirpes requerem pelo menos 1 de 2 fatores para o seu crescimento (fator V[NAD] e fator X[heme] ); assim, é mais frequentemente isolada em agar de chocolate, que pode fornecer ambos os fatores. A espécie patogénica mais comum é H. influenzae , transmitida por gotículas respiratórias e que pode causar epiglotite, meningite, otite média e pneumonia. A espécie H. ducreyi é transmitida por contacto sexual e causa cancroide ou cancro mole, um tipo de úlcera genital.

Última atualização: 2 May, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Classificação

Fluxograma de classificação de bactérias gram negativas

Bactérias gram-negativas:
A maioria das bactérias pode ser classificada de acordo com um procedimento de laboratório chamado coloração de Gram.
As paredes celulares bacterianas com uma camada fina de peptidoglicanos não retêm a coloração cristal violeta utilizada na técnica coloração de Gram. No entanto, as bactérias gram-negativas retêm a coloração de contraste de safranina e aparecem com cor vermelho-rosado. Estas bactérias podem ainda ser classificadas de acordo com a sua morfologia (diplococos, bastonetes curvos, bacilos e cocobacilos) e capacidade de crescerem na presença de oxigénio (aeróbios versus anaeróbios). As bactérias Gram-negativas podem ser identificadas com precisão através de culturas em meios específicos (Agar Tríplice Açúcar Ferro (TSI)), com a identificação das enzimas (urease, oxidase) e determinação da capacidade de fermentar a lactose.
* Cora pouco com coloração de Gram
** Bastonete pleomórfico/cocobacilos
*** Requer meios de transporte especiais

Imagem por Lecturio.

Características Gerais

Características gerais das espécies de Haemophilus:

  • Cocobacilos Gram-negativos pleomórficos
  • Todos os 24 membros de Haemophilus crescem e meios de cultura com placas de agar de chocolate, pois todas as espécies requerem pelo menos 1 de 2 fatores de crescimento (fornecidos pelo agar de chocolate, mas não pelo agar de sangue): fator V (dinucleótido de nicotinamida e adenina [NAD]) e fator X (grupo heme)
    • H. influenzae requer ambos os fatores
    • Também pode ser isolado em agar de sangue com Staphylococcus aureus, que fornece fator NAD em excesso relativamente às suas próprias necessidades; O heme é libertado das hemácias pela ação das hemolisinas estafilocócicas
  • A espécie H. influenzae é dividida em estirpes tipáveis (encapsuladas) e não tipáveis (não encapsuladas). Nas estirpes encapsuladas, a cápsula polissacarídica é utilizada para a sua caracterização em 6 serotipos diferentes, de a a f, sendo o tipo b (Hib) o mais virulento e clinicamente importante.
  • As estirpes de H. influenzae não tipáveis (NTHi) também causam doenças, especialmente doenças das mucosas do trato respiratório superior, como otite média, rinossinusite aguda, bronquite aguda, exacerbações agudas de doença pulmonar obstrutiva crónica e pneumonia não bacteriémica, geralmente não invasivas. H. influenzae também é uma das 4 causas mais comuns de conjuntivite bacteriana nos Estados Unidos (juntamente com Staphylococcus aureus, Streptococcus pneumoniae e Moraxella catarrhalis)
  • A infeção por Hib é rara em países desenvolvidos devido à vacina.

Fatores de virulência das espécies de Haemophilus:

  • Antigénio capsular (nas estirpes encapsuladas): antifagocítico
  • As proteínas de adesina (por exemplo, HMW1, HMW2) medeiam a ligação às células epiteliais humanas nas vias aéreas.
  • Pili e a principal proteína P2 da membrana externa: ligam porções que contêm ácido siálico às superfícies das células epiteliais
  • IgA1 protease: cliva a imunoglobulina A na região de dobradiça, evitando a aglutinação e eliminação mecânica do agente patogénico
  • Variação de fase: As proteínas da superfície externa são modificadas para se adaptarem às mudanças no ambiente do hospedeiro.
  • A produção de biofilme in vivo é especialmente importante na patogénese da otite média aguda (OMA). A OMA é a infeção bacteriana pediátrica mais comum, afetando até 75% das crianças em algum momento antes dos 5 anos de idade. S. pneumoniae e H. influenzae, sobretudo NTHi, são responsáveis por até 80% das OMA bacterianas.
Haemophilus influenzae em ágar sangue

Bactérias Haemophilus influenzae em placa de agar de sangue.

Imagem: “Haemophilus influenzae 01” por CDC. Licença: Domínio Público

Vídeos recomendados

Haemophilus influenzae

A tabela abaixo resume as principais manifestações clínicas, assim como os fatores de risco de infeção por H. influenzae .
Agente patogénico População em risco Sintomas
H. influenzae Meningite
  • Bebés de 3 a 18 meses de idade
  • Rara devido à vacina
Predominantemente causada por estirpes com cápsula tipo B
Otite Média Aguda Crianças e adultos
  • Precedida por uma infeção do trato respiratório superior
  • Irritabilidade em bebés
  • Otalgia
  • Febre
Epiglotite Crianças entre os 2 e 7 anos
  • Epiglote edemaciada, com coloração “vermelho-cereja”
  • Estridor inspiratório
  • Sialorreia
Pneumonia Idosos, pacientes com doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC) Apresentação típica:
expetoração hemoptóica
  • Transmissão: gotículas respiratórias. Os seres humanos são o único reservatório de H. influenzae.
  • Apesar do nome, a espécie H. influenzae NÃO causa gripe, que é exclusivamente viral.
  • Fatores de risco
    • Idade < 5 anos e imunização Hib ausente ou incompleta
    • Asplenia funcional ou anatómica, incluindo drepanocitose
    • Qualquer doença subjacente que interfira com a função imune
    • Doença pulmonar estrutural, tabagismo, alcoolismo, gravidez, idade avançada, baixo status socioeconómico
  • Diagnóstico
    • Infeções respiratórias não invasivas: sinais e sintomas clínicos típicos (OMA, conjuntivite, exacerbação de doença pulmonar obstrutiva crónica). A deteção de H. influenzae no trato respiratório não diferencia colonização de infeção.
    • Infeções invasivas: Cultura (pode não ter sensibilidade, mas é necessária para determinar a suscetibilidade aos antibióticos; o teste rápido para a produção de beta-lactamase é útil), espectrometria de massa de tempo de voo de dessorção/ionização a laser assistida por matriz (MALDI-TOF), reação em cadeia da polimerase (PCR)
  • Vacina apenas para a estirpe de cápsula tipo b (Hib): disponível desde 1985
    • Vacina polissacarídica conjugada ao toxoide diftérico (para obter uma melhor resposta)
    • Administrado a lactentes com idade entre os 2-6 meses (2 ou 3 doses) com uma dose de reforço na idade de 12 a 15 meses.
    • Mesmo após a vacinação, a infeção ainda é possível, com pico de ocorrência em 6 meses a 1 ano, correspondendo a um declínio na imunoglobulina G protetora materna (IgG) e incapacidade da criança de gerar anticorpos suficientes contra o antigénio capsular devido ao sistema imune imaturo
    • Antes da vacinação, H. influenzae era a principal causa de meningite bacteriana e outras doenças invasivas graves em crianças com idade < 5 anos nos Estados Unidos; após a introdução das vacinas Hib conjugadas em 1987 e 1989, a incidência da doença invasiva por Hib em crianças < 5 anos diminuiu 99%.
  • Tratamento:
    • Infeções da mucosa: amoxicilina-ácido clavulânico
    • Meningite ou doença sistémica: ceftriaxone
    • Profilaxia da meningite em contactos próximos (se o caso conhecido tiver doença invasiva por Hib ou H. influenzae tipo A): rifampicina
Acute epiglottitis

Uma radiografia cervical lateral que mostra epiglotite e obstrução completa das vias aéreas numa menina de 5 anos. Esta doença é causada frequentemente pela bactéria Haemophilus influenzae.

Imagem: “Acute epiglottitis as the initial presentation of pediatric Systemic Lupus Erythematosus” por Charuvanij S et al. Licença: CC BY 2.0

Para ajudar a memorizar as manifestações clínicas comuns de H. influenzae, recorra à seguinte mnemónica:

  • “HaEMOPhilus causa…”
    • Epiglotite
    • Meningite
    • Otite média
    • Pneumonia
Patogênese do haemophilus influenzae
A espécie H. influenzae é dividida em estirpes tipáveis (encapsuladas) e não tipáveis (NTHi), ou não encapsuladas. Dos 6 serotipos de estirpes encapsuladas, H. influenzae tipo b (Hib) é o tipo mais virulento: invade a mucosa respiratória e dissemina-se hematogenicamente levando a doenças sistémicas. As estirpes de H. influenzae não encapsuladas geralmente não são invasivas, mas podem suprimir as defesas da mucosa e causar otite média, conjuntivite e bronquite.
Imagem por Lecturio.

Haemophilus ducreyi

  • Causa de cancroide ou cancro mole, uma das 5 causas infeciosas clássicas de úlcera genital (outras: vírus Herpes simplex [HSV-1 and HSV-2], sífilis [Treponema pallidum], linfogranuloma venéreo [Chlamydia trachomatis L1-L3], granuloma inguinal [“donovanose”, causado por Klebsiella granulomatis])
  • Uma das causas de úlceras cutâneas crónicas não genitais em climas tropicais
  • Apresentação clínica do cancroide:
    • Incubação: 3 a 10 dias
    • Úlceras: dolorosas, circunscritas ou com bordos irregulares
    • Adenopatia inguinal em 50% dos casos
    • Homens mais frequentemente sintomáticos do que mulheres
  • Transmissão: contacto direto
  • Diagnóstico: Difícil, sendo os critérios clínicos frequentemente usados, excluindo outras causas mais prováveis para alcançar o “diagnóstico provável”
    • As culturas ou PCR podem ser utilizados para o diagnóstico, mas nem sempre se encontram disponíveis.
    • A coloração de Gram pode mostrar pequenos cocobacilos gram-negativos em cadeias, assemelhando-se a um cardume ou a uma ferrovia, mas apresenta pouca sensibilidade.
  • Tratamento: ceftriaxone ou azitromicina

Mnemónica:

Haemophilus ducreyi is so painful that you do cry” – Haemophilus ducreyi é tão doloroso que faz chorar .

Haemophilus ducreyi

Bactéria Haemophilus ducreyi, agente causador do cancroide, corado com violeta de genciana.


Imagem: “Photomicrograph of Haemophilus ducreyi” por CDC Public Health Image Library. Licença: Domínio Público

Referências

  1. Musher DM. (1996). Haemophilus Species. In Baron S (Ed.). Medical Microbiology, 4th ed. (Chap. 30). Publisher: Univ. Texas Medical Branch at Galveston. ISBN-10: 0-9631172-1-1. Retrieved on Aug. 1, 2020 from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK8458/#:~:text=Haemophilus%20influenzae%20requires%20both%20factors,have%20lysed%20red%20blood%20cells.
  2. Levinson W, Chin-Hong P, Joyce EA, Nussbaum J, Schwartz B. (2020). In Review of Medical Microbiology and Immunology, 16th ed, pp 166-168, 215-216. Publisher: McGraw-Hill.
  3. Langereis JD, de Jonge MI. Invasive Disease Caused by Nontypeable Haemophilus influenzae. Emerg Infect Dis. 2015;21(10):1711-1718. doi:10.3201/eid2110.150004
  4. CDC. Haemophilus influenzae Disease (Including Hib). Retrieved on August 1, 2020 from: https://www.cdc.gov/hi-disease/clinicians.html#incidence
  5. Briere, EC, Rubin L, Moro PL, et al. Prevention and Control of Haemophilus influenzae Type b Disease: Recommendations of the Advisory Committee on Immunization Practices (ACIP) Morbidity and Mortality Weekly Report (MMWR). Feb. 28, 2014 / 63(RR01);1-14. Retrieved on Aug. 1, 2020 from: https://www.cdc.gov/mmwr/preview/mmwrhtml/rr6301a1.htm?s_cid=rr6301a1_w
  6. Yee ME, Bakshi N, Graciaa SH, et al. Incidence of invasive Haemophilus influenzae infections in children with sickle cell disease. Pediatr Blood Cancer. 2019;66(6):e27642. doi:10.1002/pbc.27642
  7. Monasta L, Ronfani L, Marchetti F, Montico M, Vecchi Brumatti L, Bavcar A, et al. (2012) Burden of Disease Caused by Otitis Media: Systematic Review and Global Estimates. PLoS ONE 7(4): e36226. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0036226
  8. Vermee, Q., Cohen, R., Hays, C. et al. Biofilm production by Haemophilus influenzae and Streptococcus pneumoniae isolated from the nasopharynx of children with acute otitis media. BMC Infect Dis 19, 44 (2019). https://doi.org/10.1186/s12879-018-3657-9
  9. das Neves Romanelia MT, Tresoldia AT, Pereiraa RM, et al. Invasive Non-Type B Haemophilus Influenzae Disease: Report of Eight Cases. Revista Paulista de Pediatria. 2019;37(2). Published: Jan. 07, 2019. Retrieved on Aug. 1, 2020 from: https://doi.org/10.1590/1984-0462/;2019;37;2;00006
  10. Yeh S. Epidemiology, clinical manifestations, diagnosis, and treatment of Haemophilus influenzae. In UpToDate Evidence Based Clinical Resource. Retrieved on Aug. 1, 2020 from: https://www.uptodate.com/contents/epidemiology-clinical-manifestations-diagnosis-and-treatment-of-haemophilus-influenzae#H1115106976
  11. Hicks CB. Chancroid. In UpToDate Evidence Based Clinical Resource. Retrieved on Aug. 1, 2020 from: https://www.uptodate.com/contents/chancroid#H3653316944

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

🍪 Lecturio is using cookies to improve your user experience. By continuing use of our service you agree upon our Data Privacy Statement.

Details