Domina os Conceitos Médicos

Estuda para o curso e exames de Medicina com a Lecturio

Epifisiólise da Cabeça do Fémur

A epifisiólise da cabeça do fémur (ECF) é um distúrbio ortopédico do início da adolescência caracterizado pelo "deslizamento" patológico ou deslocamento da cabeça femoral, ou epífise, sobre o colo do fémur. Considerada uma fratura da placa de crescimento tipo I Salter-Harris, a ECF afeta duas vezes mais os rapazes do que as raparigas. Pensa-se que se deva a uma combinação de fatores biomecânicos e endócrinos; o diagnóstico é feito com raio-X da anca e o tratamento varia de conservador a cirúrgico. O prognóstico depende da gravidade do deslizamento ou deslocamento.

Última atualização: 24 Mar, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Descrição Geral

Definição

A epifisiólise da cabeça do fémur (ECF) é um distúrbio da anca comum na adolescência que se caracteriza pelo deslocamento da epífise proximal da cabeça do fémur através da placa de crescimento em relação ao colo do fémur.

Epifisiólise da cabeça do fémur

Epifisiólise da cabeça do fémur: deslocamento da epífise femoral capital da cabeça femoral através da placa de crescimento em relação ao colo do fémur

Imagem por Lecturio.

A epífise da cabeça do fémur (ECF) é considerada uma fratura de Salter-Harris tipo 1, porque a ECF é uma fratura transversal através da placa de crescimento.

Classificação salter-harris

Classificação Salter-Harris das fraturas epifisárias
A placa epifisária é o centro de crescimento dos ossos longos. As fraturas que ocorrem durante a infância e que envolvem a placa epifisária são preocupantes porque podem comprometer o suprimento sanguíneo da placa, afetando o crescimento do osso ao longo do tempo. O deslizamento da epífise da cabeça do fémur é um exemplo de uma fratura da epífise femoral do tipo 1 com deslizamento subsequente do osso fraturado.

Imagem por Lecturio.

Classificação

Existem vários sistemas de classificação para a ECF:

  • Classificação temporal: momento da apresentação:
    • Aguda: < 3 semanas
    • Crónica: > 3 semanas
  • Classificação de estabilidade de Loder: com base na capacidade de suportar peso:
    • Estável: a deambulação é possível
    • Instável: a deambulação não é possível
  • Classificação do ângulo de deslizamento de Southwick: diferença do ângulo epifisário-diafisário femoral:
    • Ligeira: < 30°
    • Moderada: 30°–50°
    • Grave: > 50°
  • Gradação: com base na percentagem de deslizamento:
    • Grau I: 0%–33%
    • Grau II: 34%-50%
    • Grau III: > 50%

Epidemiologia

  • Incidência 1 em 1.000-10.000 crianças nos Estados Unidos
  • A idade média de apresentação é de 12-13 anos.
  • Proporção masculino:feminino de 2,5:1
  • Mais comum em adolescentes das ilhas do Pacífico, latinos e negros
  • A anca esquerda é afetada com mais frequência em casos unilaterais
  • Bilateral em 20%–40% dos casos (até 100% dos pacientes com doença endócrina)
  • Associado a:
    • Obesidade (a gravidade da doença piora proporcionalmente ao grau de obesidade)
    • Hipotiroidismo
    • Hipogonadismo
    • Panipopituitarismo
    • Doenças hormonais de crescimento
    • Várias doenças genéticas (por exemplo, síndrome de Rubenstein-Taybi, síndrome de Down)

Etiologia

As causas de ECF são multifatoriais, uma combinação de fatores endócrinos e biomecânicos. Forças mecânicas excessivas levam à aplicação de mais forças de cisalhamento no colo do fémur, resultando na falência de uma placa de crescimento suscetível (enfraquecida).

  • Aumento das forças mecânicas:
    • Aumento do peso corporal
    • Traumatismo
  • Placa de crescimento enfraquecida:
    • Alargamento da epífise e desbaste do periósteo durante períodos de crescimento rápido (por exemplo, crescimento pubertal)
    • Inflamação crónica da articulação
    • Doenças endócrinas e metabólicas que causam mineralização anormal da cartilagem e instabilidade do anel pericondral:
      • Hipotiroidismo
      • Osteodistrofia renal
      • Deficiência da hormona de crescimento
      • Panipopituitarismo
    • Exposição a radiação para tratamento de cancros ósseos

Fisiopatologia

Forças de cisalhamento repetitivas aplicadas sobre uma placa de crescimento enfraquecida resultam em fratura e deslizamento. À medida que o deslizamento progride, a metáfise desloca-se anterior e superiormente enquanto roda externamente; a epífise permanece no acetábulo.

Apresentação Clínica

As crianças que apresentam ECF tipicamente queixam-se de dor na virilha e na face anterior da coxa e exibem uma marcha alterada.

  • História:
    • Queixa principal: dor na anca sem história de trauma:
      • Podem queixar-se principalmente de dor no joelho ipsilateral
      • Dor na virilha, na anca, no joelho ou na coxa agravada pelo esforço físico
    • Casos agudos: dor intensa e súbita após lesão ou atividade
    • Casos crónicos: dor nas ancas durante semanas ou meses
    • Pode referir dificuldades nas atividades diárias (atar os sapatos)
  • Exame físico:
    • Claudicação ao andar ou correr (incapacidade de andar, nos casos graves)
    • Rotação externa do membro afetado e perda da amplitude de movimento (AM)
    • Discrepância do comprimento dos membros inferiores (o membro afetado é mais curto)
    • A marcha torna-se antálgica com a progressão do deslizamento.

Diagnóstico

O diagnóstico de ECF é realizado através de uma combinação de história clínica, exame físico e raio-X.

  • Radiografias da anca (anteroposterior (AP) e incidência lateral com pernas de rã de ambas as ancas):
    • O raio-X lateral é a principal forma de identificar um deslizamento subtil:
      • Epifisiólise: alargamento da placa de crescimento ou lucência
    • Linha do Klein: na incidência AP, uma linha traçada ao longo do bordo superior do colo do fémur irá intersetar menos da cabeça femoral numa criança com ECF; assimetria entre os dois lados é fundamental.
  • Tomografia computorizada (TC), ressonância magnética (RM) e scan ósseo:
    • A ressonância magnética pode ajudar a diagnosticar uma situação de “pré-deslizamento”.
    • Se os raios-X estiverem normais, mas a suspeita de ECF for elevada, a RM pode mostrar um alargamento da placa de crescimento com edema circundante.
  • Níveis hormonais de acordo com a suspeita clínica de endocrinopatias

Tratamento e Complicações

Tratamento

O tratamento envolve a ausência imediata de carga e a referenciação para cirurgia ortopédica:

  • Não se deve fazer carga para evitar deslizamento adicional
  • A estabilização operatória é o tratamento primário:
    • Fixação percutânea com parafusos através do colo do fémur, envolvendo a placa de crescimento
    • A redução da epífise deslizante não está recomendada devido ao aumento do risco de necrose avascular.
    • A fixação profiláctica da anca contralateral é controversa.
  • Prognóstico:
    • Casos ligeiros com menos deslizamento têm um prognóstico melhor.
    • Os casos mais graves correm o risco de desenvolver osteoartrite em idade precoce.

Complicações

  • Osteonecrose ou necrose avascular da anca: perda do suprimento sanguíneo para a cabeça do fémur levando à necrose da cartilagem e do osso:
    • A complicações mais preocupante, que leva ao um pior outcome
    • Aumento do risco visto com deslizamentos agudos e instáveis
    • 10%–15% das crianças com ECF desenvolvem osteonecrose.
  • ECF da anca contralateral: risco aumentado em homens obesos com doenças endócrinas
  • Condrólise: destruição da cartilagem da anca: ocorre com a penetração de uma cavilha de estabilização na articulação durante a cirurgia.
  • Deformidade residual com discrepância no comprimento dos membros
  • Conflito femoroacetabular (CFA): mau ajuste no encaixe da anca causando dissonância e mais lesões com o movimento
  • Artrite degenerativa com o envelhecimento
  • Não união após fixação cirúrgica

Relevância Clínica

  • Necrose avascular da anca: necrose e deformação da cabeça do fémur devido ao compromisso do suprimento sanguíneo para a cabeça do fémur. O desenvolvimento de necrose avascular é uma complicação grave da ECF e de outras condições.
  • Osteoartrite ou doença articular degenerativa: degeneração progressiva da articulação caracterizada por perda de cartilagem e crescimento de esporões ósseos. Os pacientes com ECF, devido à deformidade da cabeça do fémur, correm o risco de desenvolver alterações degenerativas da articulação da anca e osteoartrose numa idade precoce.
  • Doença de Legg-Calvé-Perthes (DLCP): necrose avascular idiopática da cabeça do fémur. O mecanismo exato é desconhecido e o diagnóstico é feito através dos achados clínicos e dos exames de imagem diagnósticos. O tratamento pode ser conservador ou cirúrgico, dependendo da gravidade e da idade do paciente.

Referências

  1. McQuillen, K. K. (2018). Musculoskeletal disorders. In R. M. Walls MD, R. S. Hockberger MD & Gausche-Hill, Marianne, MD, FACEP, FAAP, FAEMS (Eds.), Rosen’s emergency medicine: Concepts and clinical practice (pp. 2201-2217.e2). https://www.clinicalkey.es/#!/content/3-s2.0-B9780323354790001756
  2. Moyer, J., Jacks, L., Hunter, J. D., & Chan, G. (2016). Slipped capital femoral epiphysis and associated hypothyroidism. A review of the literature with two classic case examples. Journal of pediatric endocrinology & metabolism.
  3. Wells D, King JD, Roe TF, & Kaufman FR. (1993). Review of slipped capital femoral epiphysis associated with endocrine disease. J Pediatr Orthop.
  4. Bowden, S. A., & Klingele, K. E. (2009). Chronic Bilateral Slipped Capital Femoral Epiphysis as an Unusual Presentation of Congenital Panhypopituitarism due to Pituitary Hypoplasia in a 17-Year-Old Female. International Journal of pediatric endocrinology, 2009, 609131. DOI:10.1155/2009/609131
  5. Mullins, M. M., Sood, M., Hashemi-Nejad, A., & Catterall, A. (2005). The management of avascular necrosis after slipped capital femoral epiphysis. The Journal of bone and joint surgery. British volume, 87(12), 1669–1674. DOI:10.1302/0301-620X.87B12.16665
  6. Helgesson, L., Johansson, P. K., Aurell, Y., Tiderius, C. J., Kärrholm, J., & Riad, J. (2018). Early osteoarthritis after slipped capital femoral epiphysis. Acta orthopaedica, 89(2), 222–228. DOI:10.1080/17453674.2017.1407055

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

🍪 Lecturio is using cookies to improve your user experience. By continuing use of our service you agree upon our Data Privacy Statement.

Details