Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Divulgação de Informações

A divulgação de informações é o processo pelo qual os médicos explicam as informações clínicas ao doente (ou ao tomador de decisão substituto) de uma maneira que o doente ou o substituto possam entender. Esse processo é crucial para que os doentes compreendam a sua situação clínica e tomem decisões informadas sobre os seus cuidados. Em todos os cenários, especialmente ao dar más notícias, o clínico deve ser sensível, paciente, empático e profissional. Deve fornecer todas as informações relevantes e responder a todas as perguntas. A divulgação de erros médicos pode ser especialmente difícil.

Última atualização: 3 May, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Descrição Geral

Definição

A divulgação de informações é o processo pelo qual os médicos explicam as informações clínicas ao doente (ou ao substituto tomador de decisão) de uma maneira que o doente/substituto possa entender.

  • É fundamental que os pacientes compreendam a sua própria situação clínica e tomem decisões informadas sobre os seus cuidados.
  • Todos os aspetos do estado clínico de um paciente devem ser divulgados e discutidos com o tomador de decisão.
  • Princípios fundamentais: autonomia, honestidade, transparência

Divulgação de informações e consentimento informado

A divulgação de informações é um pré-requisito para o consentimento informado.

  • Para tomar uma decisão informada, os doentes precisam de todas as informações relevantes necessárias para fazer essa escolha.
  • Essas informações normalmente incluem (mas não se limitam a):
    • O diagnóstico e o prognóstico do doente
    • Tratamento recomendado, incluindo efeitos colaterais e riscos do tratamento
    • Alternativas ao tratamento recomendado, incluindo o risco de não tratamento
Componentes da divulgação válida de consentimento informado de informações

Componentes do consentimento informado válido

Imagem por Lecturio. Licença: CC BY-NC-SA 4.0

Fatores a favor da divulgação de informações

  • Preservação da confiança do doente/diminuição da ansiedade do doente
  • Elimina a incerteza criada pela dúvida (por exemplo, más notícias são melhores do que “sempre a duvidar”)
  • Maior adesão e adesão do doente
  • Envolvimento de familiares e cuidadores
  • Probabilidade reduzida de ações judiciais

Vídeos recomendados

Como Divulgar Informações Adequadamente

Contexto e tempo

  • Ambiente tranquilo e privado; nunca com outros doentes ou num lugar onde alguém possa ser ouvido
  • Deve ser alocada uma quantidade adequada de tempo para a discussão, especialmente para informações delicadas; não apressar o encontro.
  • Um parente, clérigo, psicólogo e/ou assistente social podem estar presentes para apoiar o doente ao discutir informações sérias.

Quem divulga as informações

  • Informações importantes devem ser sempre divulgadas pelo médico assistente; por exemplo:
    • Um novo diagnóstico (mesmo que este diagnóstico não seja uma ameaça à vida ou “grave”)
    • Resultados de um procedimento
    • Resultados laboratoriais
  • Quando não há problema em delegar informar os doentes sobre os resultados do laboratório:
    • Sempre após o médico assistente rever os resultados
    • As informações só devem ser delegadas a um membro da equipa treinado, geralmente uma enfermeira.
    • As informações divulgadas não devem alterar o plano de cuidados já estabelecido (por exemplo, informar um doente que a sua cultura de urina veio consistente com Escherichia coli e que o antibiótico atual em uso é o tratamento apropriado).
    • Deve haver sempre uma maneira de os doentes/substitutos discutirem as informações divulgadas com o seu médico, caso tenham dúvidas.

Conteúdo

  • Informações relevantes sobre:
    • Diagnóstico
    • Prognóstico
    • Tratamento recomendado
    • Tratamentos alternativos e não tratamento
    • Complicações que surgem de ambos os tratamentos e do não tratamento
  • As informações devem ser divulgadas de forma que o doente/substituto possa entender completamente. Considerar:
    • Barreiras de linguagem
      • Ter sempre um tradutor médico profissional presente para doentes que falam um idioma diferente do médico.
      • Os familiares não devem ser os principais tradutores (exceto em situações de emergência), pois não é possível garantir que as informações estejam a ser transmitidas adequadamente ao doente/substituto
    • Educação/estado mental/nível de compreensão do doente/substituto
    • Deficiências auditivas ou visuais do doente/substituto
    • Normas culturais

Modo de divulgação

  • Sensível, atencioso, paciente, empático e profissional
  • O clínico deve estar ciente das palavras mais adequadas e da sua própria linguagem corporal.
  • Devem ser feitas pausas para que o doente possa processar as informações ao seu próprio ritmo.
  • O clínico deve estar atento às respostas verbais e não verbais do doente para que saiba quando é apropriado fazer uma pausa.
  • Os médicos nunca devem mentir para os doentes.
  • A quantidade de informação deve ser razoável; é apropriado verificar gentilmente a compreensão.

Divulgação de Erros Médicos

Definição

Erros médicos são definidos como:

  • A falha de uma ação planeada para ser concluída como pretendido (erro de execução)
  • Uso do plano errado para atingir um objetivo (erro de planeamento)

Um erro médico é muitas vezes definido como uma comissão ou uma omissão com consequências potencialmente negativas para o paciente que teria sido julgada errada por pares qualificados e conhecedores no momento em que ocorreu, independentemente de haver consequências negativas.

Erros médicos podem ou não causar danos diretamente aos doentes.

Tipos de riscos

  • “Near miss”:
    • Um doente é exposto a uma situação perigosa, mas não sofre danos, seja por sorte ou pela deteção precoce da situação.
    • Indistinguível de um evento adverso evitável, exceto pelo resultado
  • Erro: refere-se a qualquer ato de comissão (fazer algo errado) ou omissão (não fazer algo certo) que expõe o paciente a situações potencialmente perigosas
    • Erro não prejudicial: ocorreu um erro, mas não causou danos.
    • Evento prejudicial:
      • Ocorreu um erro, resultando em dano ao doente.
      • O dano pode ser leve (dor leve temporária) ou grave (incapacidade permanente ou morte).

Categorias comuns de erros médicos

  • Eventos associados a medicação:
    • Administrar o medicamento errado ou a dose errada
    • Eventos/reações adversas a medicamentos
  • Infeções relacionadas com os cuidados de saúde:
    • Infeções do trato urinário associadas ao catéter
    • Pneumonia associada à ventilação
    • Infeções por Clostridioides difficile
  • Erros cirúrgicos:
    • Local errado
    • Procedimento errado
    • Doente errado
  • Erros de laboratório:
    • É solicitado o teste errado.
    • Não é solicitado o teste apropriado ou os resultados são aplicados incorretamente.
    • Atrasos de teste
    • Resultados imprecisos
  • Queda do doente
  • Úlceras de pressão
  • Erros de documentação (por exemplo, funções de “copy forward” com riscos de erros; entradas de pedidos computorizados)

Como divulgar erros médicos

A equipa jurídica interna do hospital ou a equipa de gestão de risco deve ser notificada imediatamente e pode auxiliar no processo de divulgação. Com o doente, eles devem:

  • Começar informando que ocorreu um erro.
    • Os médicos devem divulgar eventos prejudiciais e não prejudiciais
    • Eventos prejudiciais devem ser divulgados aos doentes e familiares.
    • Nunca mentir ou tentar esconder um erro médico.
    • A divulgação de erros médicos de forma oportuna, profissional, empática e transparente ajuda a manter a confiança do doente/família no sistema.
    • De acordo com o Código de Ética Médica da Associação Médica Americana, “os médicos devem sempre lidar honesta e abertamente com os pacientes”.
    • Se os erros médicos não forem divulgados aos doentes, mas descobertos posteriormente pelo doente ou família, o doente/família perderá a confiança na equipa de tratamento e terá muito mais probabilidades de tomar medidas legais.
  • Descrever o curso dos eventos usando linguagem simples e não técnica.
    • Usar termos claros e concisos para explicar o erro ao doente.
  • Indicar a natureza do erro, consequências e ação corretiva.
  • Expressar arrependimento pessoal e pedir desculpas.
    • Desculpas sinceras ajudam os pacientes a entender que a sua equipa realmente quer o melhor para eles e que o erro foi um erro honesto.
    • Os pacientes preferem desculpas a declarações de arrependimento; por exemplo, “Sinto muito por lhe ter causado danos”, em vez de “Sinto muito por isso ter acontecido consigo”.
    • Mantém a relação médico-doente
    • Diminui o risco de litígio
  • Responder a todas as perguntas e resolver as preocupações.
  • Planear os próximos passos com o doente.

Referências

  1. Have, H., Gordijn, B. (2013). Handbook of global bioethics. Dordrecht: SpringerReference. 
  2. Steinberg A. (2009). Disclosure of information and informed consent: ethical and practical considerations. Journal of Child Neurology24(12), 1568–1571. https://doi.org/10.1177/0883073809337033
  3. Murray, B. (2012). Informed consent: what must a physician disclose to a patient?. The Virtual Mentor: VM14(7), 563–566. https://doi.org/10.1001/virtualmentor.2012.14.7.hlaw1-1207
  4. Chamberlain, C.J., Koniaris, L.G., Wu, A.W., Pawlik, T.M. (2012). Disclosure of “nonharmful” medical errors and other events: duty to disclose. Archives of Surgery (Chicago, IL: 1960)147(3), 282–286. https://doi.org/10.1001/archsurg.2011.1005
  5. Berthold, J. (2014). Disclosing medical errors the right way. Retrieved July 6, 2021, from https://acpinternist.org/archives/2014/06/errors.htm 
  6. Chamberlain, C., Koniaris, L, Wu, A.W. (2012). Disclosure of “nonharmful” medical errors and other events. Arch Surg; 147(3):282-286. Retrieved July 6, 2021, from https://jamanetwork.com/journals/jamasurgery/fullarticle/1107400

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

🍪 Lecturio is using cookies to improve your user experience. By continuing use of our service you agree upon our Data Privacy Statement.

Details