Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Diafragma: Anatomia

O diafragma é um músculo grande em forma de cúpula que separa a cavidade torácica da cavidade abdominal. O diafragma consiste em fibras musculares e um grande tendão central, que é dividido em porções direita e esquerda. Como principal músculo da inspiração, o diafragma contribui com 75% da força muscular inspiratória total e a sua contração leva à horizontalização da cúpula do diafragma. Essa horizontalização aumenta o volume da cavidade torácica e permite que os pulmões se expandam durante a inspiração.

Última atualização: May 2, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Embriologia

  • Desenvolve-se entre a 4ª e a 7ª semanas de gestação
  • Desenvolve-se a partir da fusão das seguintes partes:
    • Septo transverso: localizado na porção central; torna-se o tendão central
    • Membranas pleuroperitoneais: tornam-se a porção muscular
    • Mesentério do esófago
    • Mesoderme da parede do corpo
  • O septo transverso tem origem na região cervical → capta mioblastos, que são inervados por C3, C4 e C5
  • À medida que o diafragma se move caudalmente → arrasta a inervação → torna-se nervo frénico
  • Os mioblastos invadem outros componentes do diafragma após a fusão → formam o músculo diafragma
Desenvolvimento do diafragma

Desenvolvimento do diafragma:
Desenvolvimento embrionário do diafragma a partir das membranas pleuroperitoneais e do septo transverso.

Imagem por Lecturio.

Anatomia

Partes

O diafragma consiste em 3 partes, todas inseridas no tendão central.

  1. Esternal: origina-se na parte posterior da apófise xifoide
  2. Costal: origina-se da cartilagem e das superfícies internas adjacentes das 6 costelas inferiores
  3. Lombar: conecta-se à coluna através de:
    • Arco lombocostal medial: conecta o diafragma a L1
    • Arco lombocostal lateral: conecta o diafragma a L1 e à 12ª costela
    • Pilar direito: liga-se às vértebras L1, L2 e L3
    • Pilar esquerdo: liga-se às vértebras L1 e L2

Hemicúpulas

  • Hemicúpula direita: posicionada mais alta que a esquerda por causa do fígado abaixo dela
  • Hemicúpula esquerda: posicionada acima do estômago

Superfícies

  • Superfície torácica: em contacto com a pleura e com o pericárdio
  • Superfície abdominal: em contacto com o fígado à direita e com o estômago e o baço à esquerda

Hiatos

Tabela: Hiatos diafragmáticos através das quais o tórax comunica com o abdómen
Hiato Localização Passagem para
Foramen da veia cava Ao nível de T8-T9
  • Veia cava inferior
  • Nervo frénico direito
Hiato esofágico Ao nível de T10
  • Esófago
  • Nervo vago
  • Nervos simpáticos
  • Ramos esofágicos das artérias e veias gástricas esquerdas
Hiato aórtico Ao nível de T12
  • Aorta descendente
  • Ducto torácico
  • Veia ázigos
  • Veia hemiázigos

Hiatos diafragmáticos menores:

  • Hiato menor do pilar esquerdo: abertura para a veia hemiázigos e para os nervos esplâncnicos menor e maior
  • Hiato do pilar direito: abertura para os nervos esplâncnicos menor e maior
  • Foramen de Morgagni
    • Entre os aspetos esternal e costal do diafragma
    • Contém vasos linfáticos da parede abdominal e da artéria epigástrica superior
  • Arcos lombocostais medial e lateral
    • Separam a pleura da superfície superior e posterior dos rins
    • Tronco simpático: localiza-se posteriormente abaixo dos arcos lombocostais mediais

Função

Respiração

Inspiração:

  • Durante a inspiração, a contração do diafragma leva a:
    • Movimento descendente (em direção ao abdómen) do tendão central
    • Aumento do diâmetro vertical da cavidade torácica
    • Aumento da pressão negativa dentro da cavidade torácica (torna-se mais negativa)
    • Expansão pulmonar para permitir a inspiração
  • O diafragma trabalha em conjunto com os músculos intercostais externos.
  • A contração dos intercostais externos aumenta o diâmetro anteroposterior do tórax.
  • Responsável por 75% da força muscular inspiratória
  • Músculo principal da inspiração

Expiração:

  • Durante a expiração, o diafragma retorna passivamente à sua configuração abobadada.
  • A cavidade torácica torna-se menor.
  • A pressão negativa dentro da cavidade torácica diminui.
  • O ar é expelido passivamente do pulmão.
Respiração

Respiração:
A imagem mostra as alterações do tórax com a contração e relaxamento do músculo diafragmático

Imagem por Lecturio.

Outras funções

  • Esforço abdominal:
    • A contração do diafragma aumenta a pressão intra-abdominal
    • O diafragma trabalha em conjunto com os músculos abdominais anteriores para aumentar a pressão abdominal.
    • Isto é útil para:
      • Funções como defecação, a micção, o parto e a emese (vómito)
      • Compressão da veia cava inferior e movimento ascendente do sangue para a aurícula direita
      • Compressão dos vasos linfáticos abdominais e drenagem da linfa para o ducto torácico
  • Barreira natural entre as cavidades torácica e abdominal: evita a herniação dos órgãos abdominais para o tórax

Neurovasculatura

Vasculatura

  • Suprimento arterial:
    • Artéria frénica superior: ramo da aorta
    • Artéria frénica inferior
    • Artéria musculofrénica: ramo da artéria torácica interna
    • 5 artérias intercostais inferiores
  • Drenagem venosa:
    • Veia suprarrenal esquerda
    • Sistema ázigos

Inervação

  • Inervação motora: nervos frénicos direito e esquerdo (originam-se a partir da medula espinhal cervical: C3-C5)
  • Inervação sensitiva:
    • Nervo frénico: para a parte central do diafragma
    • 6º–11º nervos intercostais para a periferia do diafragma
      • A ativação dos nervos frénicos sensoriais ocorre durante todo o ciclo respiratório.
      • A entrada dos nervos sensoriais para o SNC é importante para a regulação do ciclo respiratório.

Relevância Clínica

  • Hérnias diafragmáticas congénitas: defeitos embriologicamente derivados do diafragma através dos quais as estruturas abdominais podem passar para a cavidade torácica. As hérnias ocorrem mais frequentemente na porção posterolateral esquerda do diafragma. O diagnóstico pré-natal é feito frequentemente por ecografia durante a gravidez, seguido de confirmação por radiografia de tórax após o nascimento. São necessárias reanimação respiratória imediata ao nascimento com intubação endotraqueal e ventilação mecânica. A reparação cirúrgica é a única opção curativa.
  • Paralisia diafragmática: pode ser unilateral ou bilateral. A paralisia diafragmática deve-se à ruptura da integridade ou função de 1 ou de ambos os nervos frénicos ou, em casos mais raros, à paralisia do músculo diafragmático. A paralisia pode dever-se ao efeito de massa de um tumor, a trauma, a infeção ou a inflamação autoimune. Apresenta-se com dispneia e ortopneia (falta de ar quando deitado). Pode observar-se hipoxemia e hipercapnia. O tratamento depende da causa subjacente. Ocasionalmente, é necessário suporte ventilatório mecânico invasivo ou não invasivo.
  • Soluços: situação muito comum que ocorre por causa de contrações intermitentes involuntárias do diafragma. Um episódio usual de soluços não dura mais do que alguns minutos e é afetado apenas 1 hemidiafragma – o esquerdo na maioria dos casos. O tratamento é muitas vezes desnecessário devido à natureza autolimitada dos soluços. A estimulação faríngea (diretamente através de um cateter, através de água gelada, etc.) é uma intervenção não farmacológica muito eficaz, assim como a manobra de Valsalva.

Referências

  1. Bains, K. N. S, Kashyap, S., & Lappin, S. L. (2021). Anatomy, thorax, diaphragm. StatPearls. Retrieved August 17, 2021, from https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK519558/
  2. Gamache, J. (2018). Diaphragmatic paralysis. Medscape. Retrieved August 17, 2021, from https://reference.medscape.com/article/298200-overview
  3. McCool, F. D., Manzoor, K., & Minami, T. (2018). Disorders of the diaphragm. Clin Chest Med 39, pp. 345–360.
  4. Sefton E. M., Gallardo M., & Kardon, G. (2018). Developmental origin and morphogenesis of the diaphragm, an essential mammalian muscle. Dev Biol 440, pp. 64–73.
  5. Wilkes, G. (2017). Hiccups. Medscape. Retrieved August 17, 2021, from https://reference.medscape.com/article/775746-overview

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

Details