Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Contraceção Não Hormonal

A contraceção não hormonal refere-se a mecanismos de prevenção da gravidez sem afetar os níveis das hormonas reprodutivas dos seus usuários. Esta inclui métodos fisiológicos, métodos barreira, métodos cirúrgicos ou o dispositivo intrauterino (DIU) de cobre. Os níveis de eficácia variam significativamente entre métodos. A maioria dos métodos fisiológicos associam-se a altas taxas de falência, enquanto que os métodos cirúrgicos são permanentes e altamente eficazes. O DIU de cobre é o método reversível mais eficaz. Alguns métodos de barreira podem prevenir infeções sexualmente transmissíveis (ISTs) e, além disso, funcionar como contracetivos.

Última atualização: Jul 11, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Descrição Geral

Classificação

A contraceção não hormonal pode classificar-se como:

  • Métodos fisiológicos:
    • Coito interrompido
    • Métodos de perceção da fertilidade (FAM, pela sigla em inglês):
      • Método de ritmo
      • Método da temperatura corporal basal
      • Método do muco cervical
    • Amenorreia lactacional
    • Abstinência sexual
  • Métodos barreira:
    • Preservativo (masculino ou feminino)
    • Espermicida
    • Esponja contracetiva
    • Diafragma
    • Gel regulador do pH vaginal
  • Dispositivo intrauterino de cobre
  • Métodos cirúrgicos:
    • Oclusão tubar ou salpingectomia
    • Vasectomia

Escolha do método contracetivo

  • Principais motivos pelos quais os métodos não hormonais podem ser preferidos:
    • A acessibilidade de alguns métodos
    • Desejo de um método de apoio à contraceção hormonal
    • Baixo risco de efeitos sistémicos (e.g., tromboembolismo venoso, efeitos hormonais)
    • Contra-indicações médicas à contracepção hormonal
    • Benefício adicional na prevenção da transmissão de ISTs (métodos barreira)
    • Desejo de uma solução permanente (métodos cirúrgicos)
  • A escolha do contracetivo não hormonal pode depender de:
    • Facilidade no acesso e na utilização
    • Acessibilidade económica
    • Taxa de eficácia
    • Reversibilidade ou o facto de ser permanente
    • Prevenção de ISTs
Comparison of the effectiveness of hormonal and nonhormonal contraceptive methods

Comparação da eficácia de métodos contracetivos hormonais e não hormonais

Imagem por Lecturio.

Métodos fisiológicos

Coito interrompido

  • Método tradicional utilizado há séculos
  • Remoção completa do pénis de dentro da vagina antes da ejaculação.
  • Previne a fertilização, ao impedir que o esperma atinja o óvulo
  • Taxa de falência muito elevada porque o líquido pré-ejaculatório contém espermatozóides viáveis

Método de Perceção da Fertilidade

  • Métodos que envolvem a determinação da “janela fértil” de uma mulher durante o ciclo menstrual
  • A relação sexual com penetração (Penis-in-vagina (PIV, pela sigla em inglês)) é evitada (ou são utilizados outros contracetivos) durante este periodo.
  • Como o esperma pode viver até 5 dias e o óvulo é viável durante aproximadamente 24 horas, a janela fértil é de aproximadamente 6 dias em cada ciclo.
  • O momento da ovulação pode variar muito de ciclo para ciclo → prever a janela fértil em tempo real pode ser um desafio e é altamente propenso a erros
  • Estes métodos são frequentemente utilizados para conseguir intencionalmente uma gravidez, através de relações sexuais durante a janela fértil

Método de ritmo (método do calendário)

  • A janela de período fértil é determinada analisando a história menstrual recente da mulher:
    • Calculada por uma equação utilizando os ciclos mais longos e mais curtos da mulher, durante os últimos 6 ou mais meses
    • Utilizar os “dias padrão”: Se o ciclo de uma mulher é fiável entre os dias 26 e 32, a janela fértil padrão situa-se entre os 8 e os 19 dias do ciclo (inclusive)
  • O ciclo tem de ser regular.
  • Associa-se a uma alta taxa de falência devido à variação do momento da ovulação.

Método da temperatura corporal basal

  • A mulher monitoriza a temperatura corporal basal (BBT, pela sigla em inglês) todas as manhãs.
  • Aproximadamente 1-2 dias após a ovulação, o aumento da progesterona provocará um aumento da BBT de cerca de 0,5° F.
  • O ovúlo já não é viável quando for registado um aumento sustentado da temperatura.
  • A janela fértil termina e regressa quando a temperatura baixar novamente com a menstruação.
  • Associa-se a uma alta taxa de falência (porque muitos outros fatores podem causar elevações subtis da BBT)

Método do muco cervical

  • Baseia-se nas alterações do muco cervical observadas antes, durante e após a ovulação, causadas por alterações hormonais ao longo do ciclo
  • Previamente à ovulação, o muco fica progressivamente mais fino, mais claro e mais elástico.
  • O aumento da progesterona que ocorre após a ovulação provoca uma “desidratação” do muco → indicando que a ovulação já ocorreu e o óvulo já não é viável
  • Elevada taxa de falência pela má interpretação da consistência do muco.

Amenorreia lactacional

  • Mecanismo:
    • Secreção de prolactina para estimular a produção de leite materno.
    • Efeitos:
      • ↓ Hormona libertadora de gonadotrofinas (GnRH)  →  ↓Hormona foliculo-estimulante (FSH, pela sigla em inglês) e da hormona luteinizantes (LH, pela sigla em inglês)
      • Supressão da ovulação
  • Apenas viável em mulheres:
    • A realizar amamentação exclusiva (frequentemente, durante o dia e a noite)
    • Nos primeiros 6 meses pós-parto
    • Sem retorno da menstruação
  • É importante, para a mulher, procurar sinais de ovulação (e.g., alterações no muco cervical), que ocorrerão antes do regresso do seu período menstrual

Métodos Barreira

Preservativos

Mecanismo:

  • Criação de uma barreira física entre os genitais e as secreções masculinas e femininas
  • Efeitos:
    • Impede a gravidez previnindo o sémen de entrar pelo cérvix
    • ↓ Risco de IST, incluindo o VIH
    • Protege, igualmente, contra a infeções pelo HPV → ↓ risco de neoplasia cervical

Preservativo masculino:

  • Único método contracetivo masculino reversível (excetuando a abstinência)
  • Um “tubo” fino (geralmente de látex) com um reservatório na ponta e no anel que forma a base
  • Inserido no pénis ereto, antes da penetração
  • Taxa de gravidez num ano:
    • 2% com uma utilização perfeita
    • 18% com a utilização típica (uso inconsistente)

Preservativo feminino:

  • Bolsa com um anel interno e um externo
  • O anel interno é inserido na vagina. O externo permanece do lado de fora e cobre o períneo.
  • Deve ser colocado no máximo 8 horas antes da relação sexual
  • Taxa de gravidez num ano:
    • 5% com uma utilização perfeita
    • 21% com a utilização típica

Vantagens

  • Não afeta a fertilidade
  • Proteção contra ISTs
  • Facilmente acessível (preservativos para homens)
  • Económico
  • Efeitos secundários mínimos
  • Não requer avaliação médica ou ajuste especial
  • Os preservativos para mulheres oferecem proteção se o parceiro se recusar a utilizar um preservativo

Desvantagens

  • Potenciais alergias aos materiais do preservativo
  • Potencial ↓ da sensibilidade
  • Alguns indivíduos podem ter dificuldade em encontrar um tamanho adequado.
  • Podem ocorrer deslizamentos ou roturas.
  • Os preservativos para mulheres podem ser difíceis de encontrar e/ou inserir/remover adequadamente.

Espermicidas

  • Mecanismo:
    • A maioria dos espermicidas contém nonoxinol-9 (um surfactante)
    • Criação de uma barreira química que mata ou imobiliza os espermatozoides
  • Utilização:
    • Existe no formato de espumas, cremes e supositórios
    • Os supositórios devem ser colocados na vagina pelo menos 10‒30 minutos (não mais de 1 hora) antes da relação sexual
    • Tipicamente usados em combinação com os preservativos
    • Diminuem a probabilidade de engravidar se usados imediatamente após a rotura/ deslizamento do preservativo
  • Vantagens:
    • Não necessita de receita médica
    • Fácil de usar
    • Não afeta a fertilidade
  • Desvantagens:
    • Devido à eficácia limitada quando usado isoladamente, deve ser utilizado em conjunto com outros métodos barreira
    • Não protege contra ISTs
    • Pode causar irritação vaginal → ↑ risco de infeção pelo VIH
  • Taxa de gravidez:
    • 18% com uma utilização perfeita
    • 20% com a utilização típica

Diafragma

  • Mecanismo:
    • Um copo de borracha em forma de cúpula com uma borda flexível, reutilizável, que se encaixa sobre:
      • Colo do útero
      • Parede superior e lateral da vagina
    • Fornece uma barreira física ao esperma
  • Tipos:
    • Diafragma de látex convencional:
      • Disponível em vários tamanhos
      • Requer uma consulta médica e um ajuste especial
      • Após um parto ou alterações no peso, deve ser reajustado
    • Diafragma de tamanho único, mais recente:
      • Composto por silicone
      • Apresentam 1 tamanho que serve à maioria das pessoas
      • Não requer uma adaptação
      • Maior durabilidade
  • Utilização:
    • Geralmente em conjunto com um espermicida (aplicado antes da introdução)
    • Idealmente, colocado < 1 hora antes da relação sexual
    • Deve permanecer no local durante 6 a 8 horas (mas não mais que 24 horas após a relação sexual)
  • Vantagens:
    • Não afeta a fertilidade
    • A colocação pode ocorrer num qualquer momento conveniente antes da relação sexual
    • Boa durabilidade e reutilizável (pode durar até 2 anos)
    • Mais efetivo que a esponja
  • Desvantagens:
    • É necessário instruir sobre o seu uso correto (pode ser difícil para alguns)
    • Requer uma receita médica
    • Não previne a transmissão de ISTs
    • Deve ser evitado durante a menstruação
    • Pode provocar desconforto e irritação vaginal
    • Pode sair do sítio
    • Associa-se a:
      • Infeções do trato urinário
      • ↑ Risco de síndrome do choque tóxico (rara)
  • Taxa de gravidez:
    • 6% com uma utilização perfeita
    • 12% com a utilização típica
Contraceptivo_diafragma

Diafragma

Imagem: “A contraceptive diaphragm” por Axefan2. Licença: Domínio Público

Esponja contracetiva

  • Mecanismo:
    • “Disco” de espuma impregnado com nonoxinol-9
    • Atua como um método barreira, sendo também um agente espermicida
  • Utilização:
    • Humedecer com água antes da introdução na vagina → ativação do espermicida
    • Deve cobrir o colo do útero
    • Pode ser introduzido até 24 horas antes da relação sexual
    • Após a relação sexual, deve ser deixado no local durante ≥ 6 horas
  • Vantagens:
    • Disponível sem necessidade de receita médica ou um ajuste especial
    • Não afeta a fertilidade
    • Opção que permite à mulher ter o controlo sobre a mesma
  • Desvantagens:
    • Menos eficaz que outros métodos barreira
    • Pode provocar irritação ou secura vaginal → ↑ risco de transmissão de VIH
    • A remoção pode ser difícil (pode romper durante este processo)
    • Associa-se a ↑ risco de síndrome do choque tóxico (rara)
  • Taxa de gravidez:
    • 12% em mulheres nulíparas
    • 24% em mulheres multíparas

Gel regulador do pH vaginal

  • Mecanismo: baixa o pH vaginal para 3,5-4,5 (mesmo na presença de sémen alcalino) → imobiliza os espermatozóides
  • Utilização:
    • Utilizado como alternativa ao espermicida
    • Vem em dose única, com aplicadores vaginais pré-cheios
    • Deve ser aplicado até uma hora após as relações sexuais
  • Vantagem primária: tem um menor risco de irritação vulvovaginal e peniana em comparação com o espermicida
  • Desvantagens:
    • Requer prescrição médica
    • Tipicamente utilizado em conjunto com outros produtos (e.g., preservativos, diafragmas)
    • Aprovado pela FDA, mas é produto mais recente com menos dados sobre a eficácia

Dispositivo Intrauterino de Cobre

O DIU de cobre é o único contracetivo não-hormonal de ação prolongada e reversível disponível. Nos Estados Unidos, o DIU de cobre é vendido sob a marca Paragard®.

Mecanismo

  • Dispositivo de polietileno em forma de T com um fino fio de cobre enrolado em torno da haste (e muitas vezes também dos braços horizontais) que é inserido na cavidade endometrial.
  • O cobre provoca uma inflamação local estéril e liberta pequenas quantidades de cobre → afeta a mobilidade do esperma e a implantação
Example of an iud

Imagem de um DIU de cobre

Imagem: “Example of IUD” por Robin Marty. Licença: CC BY 2.0

Utilização

  • Colocado por um médico durante uma consulta
  • Pode permanecer no útero durante 10 anos (a evidência sugere que o dispositivo é seguro e efetivo por, pelo menos, 12 anos)
  • Pode ser usado como contraceção de emergência se colocado até 5 dias após uma relação sexual desprotegida

Vantagens

  • Alta eficácia
  • Eficácia a longo prazo
  • Cómodo
  • Não afeta a fertilidade
  • Efeitos sistémicos mínimos
  • Pode ser utilizado como método contracetivo de emergência
  • Pode ser removido a qualquer momento (por um médico)

Desvantagens

  • Requer uma consulta médica para se proceder à sua colocação por um profissional
  • Não protege contra ISTs
  • Efeitos adversos:
    • Aumento da intensidade da hemorragia menstrual (principalmente durante o 1º ano)
    • Cólicas graves

Contraindicações

  • ISTs ou doença inflamatória pélvica (DIP) ativas
  • Anomalias anatómicas que distorcem a cavidade uterina
  • Hemorragia vaginal de causa desconhecida
  • Presença de cancro cervical ou do endométrio
  • Gravidez
  • Doença de Wilson ou alergia ao cobre

Complicações

  • Expulsão (Taxa de expulsão é de < 5% no 1º ano após a inserção)
  • Perfuração uterina
  • Gravidez ectópica (baixo risco no global; no entando, o risco de gravidez ectópica é alto se ocorrer uma gravidez)

Taxa de gravidez

  • 0,5 %‒0.8%
  • A taxa de falência é superior em mulheres jovens

Métodos Cirúrgicos

Esterilização feminina

Mecanismo:

  • Impede que o óvulo e o esperma entrem em contacto um com o outro nas trompas de Falópio
  • Conseguido de forma cirúrgica
  • Métodos:
    • Salpingectomia
      • Remoção completa das trompas de falópio
      • Reduz o risco de cancro dos ovários, da trompa de falópio e de cancro peritoneal primário → razão pela qual a salpingectomia se está a tornar padrão
    • Salpingectomia parcial: corte e excisão de um segmento das trompas de falópio
    • Laquação ou oclusão das trompas:
      • Laqueação
      • Fulguração
      • Vários dispositivos mecânicos (bandas ou anéis de plástico, clipes com mola)

Indicações e contraindicações:

  • Indicado em mulheres que desejam uma contraceção permanente (requer um aconselhamento extensivo)
  • Sem contraindicações médicas absolutas
  • Nos Estados Unidos, as restrições legais impedem o financiamento federal da contraceção permanente em mulheres com menos de 21 anos de idade (18 anos em alguns estados)
  • O risco de complicações deve ser avaliado e ponderado em função do risco da gravidez e dos riscos associados aos métodos contracetivos alternativos
  • Os fatores de risco para o desenvolvimento de complicações incluem:
    • Obesidade grave
    • Cirurgia abdominal prévia
    • História prévia de DIP ou infeção abdominal
    • Comorbilidades

Complicações:

  • Risco de arrependimento:
    • Mais elevado na esterilização feminina
    • Mais elevado em mulheres jovens (até 20%)
    • A paridade (incluindo a nuliparidade) não é um fator de risco significativo para a sensação de arrependimento
  • Mortalidade: 1-2 mortes por 100.000 mulheres
  • Hemorragia ou lesões intestinais: aproximadamente, 0,5% das mulheres
  • Taxa de falência em 10 anos (dependendo da técnica cirúrgica):
    • Salpingectomia parcial: 2%
    • Oclusão tubária com clipes ou bandas: 2%-3,5%
    • Salpingectomia completa: pensa-se ser significativamente menor (menos dados disponíveis)
  • Gravidez ectópica: aproximadamente 30% das gestações que ocorrem após uma oclusão tubária são ectópicas
Tubal ligation

A laqueação das trompas é um método de contraceção cirúrgica para mulheres.
Há 4 procedimentos de laqueação de trompas diferentes:
1. Colocação de uma banda nas trompas
2. Cauterização das trompas
3. Método de atar e cortar (a trompa é atada com dois fios colocados ligeiramente afastados e é feito um corte no espaço entre eles)
4. Colocação de um clip nas trompas

Imagem por Lecturio.

Vasectomia

Mecanismo:

  • Perda da patência do ducto deferente
  • Pode ser realizada cirurgicamente através de:
    • Secção do ducto deferente
    • Laqueação ou fulguração

Indicações e contraindicações:

  • Indicada em homens que desejam uma contraceção permanente (deve haver um aconselhamento extensivo)
  • Contraindicações:
    • Hematoma escrotal
    • Infeções
  • Estatisticamente mais segura (e mais fácil de concretizar) que procedimentos de esterilização feminina.

Complicações:

  • Hematoma (≤ 5%)
  • Granuloma espermático (resposta inflamatória ao extravazamento de esperma)
  • Epididimite
  • Síndrome da dor pós-vasectomia
  • Re-anastomose espontânea:
    • Geralmente ocorre logo após o procedimento
    • Normalmente, é necessária uma análise de sémen de seguimento, aproximadamente 3 meses após o procedimento para assegurar a sua eficácia.
Vasectomy

A vasectomia é um tipo de contraceção não hormonal para homens:
A patência dos vasos deferentes é interrompida.

Image by Lecturio.

Referências

  1. Casey, F.E. (2020). Barrier contraceptives. MSD Manual Professional Version. Retrieved August 3, 2021, from https://www.msdmanuals.com/professional/gynecology-and-obstetrics/family-planning/barrier-contraceptives
  2. Casey, F.E. (2020). Intrauterine devices (IUDs; IUD). MSD Manual Professional Version. Retrieved August 3, 2021, from https://www.msdmanuals.com/professional/gynecology-and-obstetrics/family-planning/intrauterine-device-iuds-iud
  3. Casey, F.E. (2020). Permanent contraception. MSD Manual Professional Version. Retrieved August 3, 2021, from https://www.msdmanuals.com/professional/gynecology-and-obstetrics/family-planning/permanent-contraception
  4. Casey, F.E. (2020). Fertility awareness-based methods of contraception. MSD Manual Professional Version. Retrieved August 21, 2021, from https://www.msdmanuals.com/professional/gynecology-and-obstetrics/family-planning/fertility-awareness%E2%80%92based-methods-of-contraception
  5. Bartz, D.A. (2020). Pericoital contraception: diaphragm, cervical cap, spermicides, and sponge. UpToDate. Retrieved August 3, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/pericoital-contraception-diaphragm-cervical-cap-spermicides-and-sponge
  6. Warner, L., et al. (2021). External (formerly male) condoms. UpToDate. Retrieved August 3, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/external-formerly-male-condoms
  7. Hoke, T., et al. (2020). Female condoms. UpToDate. Retrieved August 3, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/female-condoms
  8. Madden, T. (2021). Intrauterine contraception: Background and device types. UpToDate. Retrieved August 21, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/intrauterine-contraception-background-and-device-types
  9. Braaten, K.P., and Dutton, C. (2021). Overview of female permanent contraception. UpToDate. Retrieved August 21, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/overview-of-female-permanent-contraception
  10. Viera, A.J. (2021). Vasectomy. UpToDate. Retrieved August 21, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/vasectomy

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

Details