Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Articulação Do Joelho

A articulação do joelho é composta pelas articulações entre os ossos do fémur, tíbia e patela, e é uma das maiores e mais complexas articulações do corpo humano. O joelho é classificado como uma articulação sinovial em dobradiça, que permite principalmente flexão e extensão com um grau mais limitado de translação e rotação. As estruturas de suporte da articulação do joelho incluem uma cápsula articular, os meniscos lateral e medial, e vários ligamentos que ajudam a garantir a mobilidade e a estabilidade do joelho.

Última atualização: 5 May, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Estrutura Óssea Do Joelho

Fémur

  • O osso mais longo e mais forte do corpo humano
  • O fémur articula-se com o osso do quadril proximalmente e com a patela e a tíbia distalmente.
  • Articulações do fémur distal:
    • Com a tíbia: forma as articulações tibiofemorais medial e lateral
    • Com a patela: forma a articulação patelofemoral
  • Marcos ósseos notáveis do fémur distal:
    • Côndilos medial e lateral:
      • Cobertos com cartilagem articular
      • Articulam com a tíbia
    • A incisura intercondilar separa os côndilos distais do fémur posteriormente.
    • Tubérculo adutor:
      • Com origem na porção superior do epicôndilo medial
      • Serve como fixador para os músculos adutores
    • Tróclea femoral:
      • Depressão distal e anterior do fémur
      • Superfície na qual a patela desliza durante a flexão e extensão

Tíbia

  • Também conhecido como “shinbone” (o osso longo mais frequentemente fraturado no corpo)
  • Conecta o fémur à articulação do tornozelo e ao pé
  • Articulações do joelho:
    • Com o fémur: forma as articulações tibiofemorais medial e lateral
    • Com o perónio: sindesmose tibioperoneal proximal
  • Marcos ósseos notáveis da tíbia proximal:
    • Plateaus tibiais medial e lateral: correspondem anatomicamente aos côndilos femorais
    • Tubérculo de Gerdy: inserção distal da banda iliotibial na tíbia ântero-lateral proximal
    • Tuberosidade da tíbia: local de inserção distal do tendão patelar

Patela

  • Maior osso sesamoide do corpo
  • Localizada dentro do tendão do quadríceps femoral
  • Serve como uma polia e aumenta a vantagem mecânica durante a extensão do joelho
  • Articulações: com o fémur para formar a articulação patelofemoral

Articulações Do Joelho

Articulação tibiofemoral

O joelho é uma articulação em dobradiça modificada; uma dupla articulação condiloide. Embora os movimentos do joelho sejam principalmente de flexão e extensão, este tem um padrão de movimento complexo que consiste em 6 graus de movimento durante atividades dinâmicas:

  • 3 rotações:
    • Flexão/extensão:
      • Movimento primário
      • A amplitude de movimento do joelho é de aproximadamente entre 0 a 130 graus.
    • Rotação interna/externa: importante ao “travar” e “desbloquear” o joelho, passando da extensão para a flexão
    • Angulação em varo/valgo
  • 3 translações:
    • Compressão/distração
    • Deslizamento anterior/posterior: necessário devido à maior superfície dos côndilos femorais distais deslizando sobre as superfícies menores do plateau tibial
    • Translação medial/lateral
Movimentos do joelho

Movimentos do joelho

Imagem por BioDigital, editada por Lecturio

Articulação patelofemoral

  • O sulco troclear do fémur distal articula-se com a patela.
  • A patela aumenta a vantagem mecânica do joelho.
  • A estabilidade é fornecida pela anatomia articular mais a presença de múltiplos ligamentos femoropatelares.

Sindesmose tibioperoneal proximal

  • Uma articulação relativamente imóvel na qual a tíbia e o perónio proximais estão unidos por ligamentos
  • Articulação plana entre o côndilo lateral da tíbia e a cabeça do perónio
  • Estabilizada por uma cápsula robusta e múltiplos ligamentos. A cápsula articular recebe suporte adicional de:
    • Ligamentos tibiofibulares superiores anteriores e posteriores: abrangem a região entre a cabeça do perónio e o côndilo tibial lateral
    • Ligamento colateral lateral da articulação do joelho
    • Bicípite femoral: fornece reforço à medida que se insere na cabeça do perónio
Perna vista anterior e posterior

Vistas anterior e posterior da tíbia, perónio e articulações tibioperoniais

Imagem por BioDigital, editada por Lecturio

Meniscos Do Joelho

Os meniscos são cunhas de fibrocartilagem em forma semilunar entre o fêmur e a tíbia, feitas de fibras de colagénio tipo I. Os meniscos são amortecedores, melhoram a congruência da articulação tibiofemoral e são vitais para o funcionamento normal e a saúde do joelho.

Visão geral da anatomia meniscal

  • O ⅓ interno é fino e avascular.
  • O ⅓ externo é mais espesso e vascularizado.
  • Aumenta a estabilidade da articulação, melhora a lubrificação, limita os extremos de flexão e extensão
  • A fixação ligamentar do menisco aumenta a estabilidade:
    • Os ligamentos coronários (ligamentos meniscotibiais) fixam o menisco periférico aos plateaus tibiais.
    • Os ligamentos transversos conectam os cornos anteriores do menisco medial e lateral.
    • Os ligamentos patelomeniscais conectam os cornos anteriores do menisco à patela.
    • 2 ligamentos meniscofemorais (Wrisberg e Humphrey) fixam o menisco lateral posterior ao côndilo femoral medial.

Menisco medial

  • Sobrepõe-se ao plateau tibial medial, em forma de C
  • Ligado ao ligamento colateral tibial, também conhecido como ligamento colateral medial (LCM)

Menisco lateral

  • Sobrepõe-se ao plateau tibial lateral, mais circular
  • Mais móvel que o menisco medial

Movimento dos meniscos

  • Durante a flexão: os meniscos movem-se posteriormente, e o menisco lateral move-se mais que o medial.
  • Durante a extensão: os meniscos são empurrados anteriormente pelos côndilos femorais.
Relações do menisco com outras superfícies articulares que compõem a articulação do joelho

Relações do menisco com outras superfícies articulares que compõem a articulação do joelho

Imagem por BioDigital, editada por Lecturio

Estruturas De Suporte Do Joelho

Membranas

Uma cápsula articular de 2 camadas fornece suporte ao joelho. Estas camadas são a membrana fibrosa externa e a membrana sinovial interna.

  • Membrana fibrosa externa:
    • Camada mais superficial: áreas espessadas compõem os ligamentos intrínsecos do joelho.
    • Fornece estabilidade
  • Membrana sinovial interna:
    • Reveste todas as superfícies da cavidade articular dentro da camada fibrosa, exceto aquelas cobertas por cartilagem articular
    • Proporciona lubrificação; o líquido sinovial lubrifica os movimentos articulares
    • Inserção na periferia da cartilagem articular do fémur e da tíbia
Cápsula articular e componentes

Cápsula articular e os seus componentes

Imagem por Lecturio. Licença: CC BY-NC-SA 4.0

Ligamentos e tendões

Os ligamentos e tendões do joelho proporcionam estabilidade ao joelho durante o movimento e aumentam a eficiência do joelho.

Tabela: Ligamentos e tendões do joelho
Ligamento/tendão Origem Inserção Função
Ligamento cruzado anterior (LCA)
é composto por 2 feixes:
  • Feixe ântero-medial
  • Feixe postero-lateral
Côndilo femoral lateral interno Teto da fossa intercondilar
  • Evita o deslocamento anterior da tíbia
  • Previne a hiperextensão do joelho
  • Impede o deslizamento posterior do fémur para a tíbia
  • Impede o deslizamento anterior da tíbia para o fémur
Ligamento cruzado posterior (LCP)
é composto por 2 feixes:
  • Feixe ântero-lateral
  • Feixe postero-medial
Superfície interna do côndilo femoral medial Área intercondilar posterior da tíbia
  • Evita o deslocamento posterior da tíbia
  • Previne a hiperflexão do joelho
  • Impede o deslizamento anterior do fémur para a tíbia
  • Evita o deslizamento posterior da tíbia para o fémur
Ligamento colateral medial (LCM) Epicôndilo femoral medial Côndilo medial da tíbia Estabiliza a articulação do joelho contra o stress em valgo
Ligamento colateral lateral/peroneal Epicôndilo lateral do fémur Cabeça do perónio Estabiliza a articulação do joelho contra o stress em varo
Ligamento patelar Patela distal Tuberosidade da tíbia Componente do mecanismo extensor do joelho
Tendão do quadríceps Músculos quadríceps Patela proximal Componente do mecanismo extensor do joelho

Bursas

As bursas são membranas serosas/sacos sinoviais cheios de líquido com uma pequena quantidade de fluido que facilita o movimento em redor de uma articulação. Existem várias bursas descritas em redor da articulação do joelho.

Tabela: Bursas da articulação do joelho
Bursa Localização
Suprapatelar Entre o fémur e o tendão do músculo quadríceps
Pré-patelar Entre a patela e a pele
Infrapatelar (superficial e profundo)
  • Infrapatelar superficial: entre o tubérculo tibial e a pele
  • Infrapatelar profundo: entre o tendão patelar posterior e a tíbia
Pata de ganso Joelho medial/tíbia medial proximal

Suprimento Vascular Do Joelho

  • O suprimento vascular é realizado através de ramos da artéria poplítea:
    • Localizada na fossa poplítea posterior à cápsula posterior
    • Vários ramos para o joelho
    • Torna-se o tronco tibioperoneal após a artéria tibial anterior
    • O tronco tibioperoneal continua como artéria tibial posterior e artéria peroneal para a parte inferior da perna.
  • A anastomose arterial sobre o joelho inclui:
    • Múltiplos ramos geniculares da artéria poplítea
    • Ramos da artéria tibial anterior e posterior
    • Ramo da artéria circunflexa femoral lateral
  • O sistema venoso:
    • Principalmente as veias poplítea e femoral
    • As veias normalmente seguem com as suas artérias correspondentes no joelho.

Inervação Do Joelho

  • O suprimento nervoso para o joelho é realizado principalmente através de:
    • Nervo femoral para o vasto lateral, intermediário e medial
    • Nervo ciático:
      • Ramos geniculares do nervo peroneal comum para o reto femoral e bíicípe femoral cabeça curta
      • Nervo tibial para a cabeça longa do bicípite femoral, semimembranoso e semitendinoso
    • Divisão posterior do nervo obturador através de um ramo articular sem nome para a articulação do joelho
  • Lei de Hilton: A inervação de uma articulação é tipicamente por ramo de um nervo motor que inerva um músculo, que se estende e atua nessa articulação.

Relevância Clínica

As seguintes condições comuns estão associadas ao joelho:

  • Lesão do ligamento cruzado anterior (LCA): lesão comum no joelho durante atividades desportivas. A etiologia mais frequente é uma lesão em pivot sem contacto. Mais comum em mulheres. A maioria das lesões do LCA é tratada com reconstrução cirúrgica.
  • Lesão do ligamento cruzado posterior (LCP): lesão resultante principalmente de um golpe direto na tíbia proximal anterior num joelho flexionado (lesão do tablier do carro – “dashboard injury”). Uma lesão do LCP também pode ocorrer por hiperextensão. O tratamento é com suporte e reabilitação. Alguns atletas podem necessitar de reconstrução cirúrgica.
  • Luxações do joelho: geralmente resultam de traumas secundários a alta energia, como queda de altura ou acidentes automobilísticos. A obesidade mórbida é um fator de risco para luxações de baixa energia do joelho. As luxações são mais frequentemente anteriores ou posteriores, dependendo do mecanismo da lesão. A lesão por hiperextensão leva a luxações anteriores. O tratamento envolve redução imediata e avaliação do sistema vascular. A avaliação vascular inclui exames seriados e pode envolver a exploração cirúrgica do sistema arterial. A interrupção do suprimento sanguíneo pode levar a isquemia aguda, gangrena e até amputação.
  • Luxação da patela: pode ocorrer de forma aguda por trauma ou cronicamente por laxidez ligamentar. A patela geralmente desloca-se lateralmente. A luxação recorrente pode resultar em artrite femoropatelar. Fatores de risco comuns incluem laxidez ligamentar generalizada e aumento do ângulo Q. Os tratamentos cirúrgicos comuns incluem a reconstrução do ligamento femoropatelar medial e/ou osteotomia do tubérculo tibial.
  • Lesões meniscais: as lesões meniscais são observadas de forma aguda em doentes mais jovens e são geralmente atribuídas à degeneração em doentes mais velhos. Em geral, as lesões do menisco medial são mais comuns. A descrição das ruturas do menisco é baseada na localização e no padrão da rutura.
  • Síndrome da dor femoropatelar: doença comum do joelho que se manifesta como dor decorrente da articulação femoropatelar ou dos tecidos moles aem redor da articulação. Existem muitas etiologias da síndrome da dor femoropatelar.
  • Bursite/tendinopatia do pé de ganso: o nome anatómico dado aos tendões conjuntos dos músculos sartório, grácil e semitendinoso que se ligam à superfície ântero-medial da tíbia proximal. Os tendões podem ficar dolorosos devido a bursite ou tendinopatia.

Referências

  1. Meyler, Z. (2018). Knee Anatomy. Arthritis-health. Retrieved May 24, 2021, from https://www.arthritis-health.com/types/joint-anatomy/knee-anatomy
  2. Drake, R.L., Vogl, A.W., Mitchell, A.W.M. (2014). Gray’s Anatomy for Students (3rd ed.). Philadelphia, PA: Churchill Livingstone.
  3. Moore, K.L., Dalley, A.F., Agur, A.M.R. (2014). Clinically Oriented Anatomy (7th ed.). Philadelphia, PA: Lippincott Williams & Wilkins.

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

🍪 Lecturio is using cookies to improve your user experience. By continuing use of our service you agree upon our Data Privacy Statement.

Details