Achieve Mastery of Medical Concepts

Study for medical school and boards with Lecturio

Antipsicóticos de Segunda Geração

Os antipsicóticos de segunda geração (SGAs, pela sigla em inglês) são também conhecidos como antipsicóticos atípicos. Esta classe farmacológica inclui os seguintes medicamentos: aripiprazol, asenapina, brexpiprazole, cariprazina, clozapina, iloperidona, lumateperona, lurasidona, olanzapina, paliperidona, pimavanserina, quetiapina, risperidona e ziprasidona. O principal modo de atuação dos SGAs é por antagonismo dos recetores de dopamina (D2) e serotonina (5-hidroxitriptamina 2 (5-HT2)). As indicações clínicas incluem o tratamento da esquizofrenia, perturbação bipolar e depressão refratária ao tratamento. Em comparação com os antipsicóticos de 1ª geração (FGAs, pela sigla em inglês), os SGAs provocam menos sintomas extrapiramidais, mas apresentam mais efeitos adversos a nível metabólico.

Última atualização: 30 May, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Estrutura Química e Farmacodinâmica

Estrutura química

Estrutura da clozapina

Estrutura química da clozapina, o 1º antipsicótico atípico (de 2ª geração).

Imagem : “Clozapine” por Harbin. Licença: Public Domain

Medicamentos desta classe farmacológica

  • Aripiprazol
  • Asenapina
  • Brexiprazole
  • Cariprazina
  • Clozapina
  • Iloperidona
  • Lumateperona
  • Lurasidona
  • Olanzapina
  • Paliperidona
  • Pimavanserina
  • Quetiapina
  • Risperidona
  • Ziprasidona

Mecanismo de ação

  • Maior afinidade para os recetores de 5-hidroxitriptamina (5-HT) 2A do que para os recetores D2
  • Menor afinidade para os recetores D2 do que os antipsicóticos de 1ª geração (FGAs, pela sigla em inglês)
  • Bloqueio dos recetores de dopamina D2 pós-sináticos:
    • Bloqueio da via mesolímbica → alívio dos sintomas psicóticos “positivos”
    • Bloqueio das vias mesocortical, nigroestriada e tuberoinfundibular → efeitos adversos

Efeitos fisiológicos

  • Efeito antipsicótico: reduzem os sintomas positivos da esquizofrenia associados à dopamina
    • Delírios
    • Alucinações
    • Paranoia
    • Mania
    • Agressividade
  • Efeito antidepressivo
  • Alterações no EEG:
    • Alteração do padrão de frequências no EEG (diminuindo a velocidade e aumentando a sincronização)
    • Diminuem o limiar convulsivo

Farmacocinética

Existem diferenças significativas na farmacocinética dos diferentes antipsicóticos de 2ª geração (SGAs, pela sigla em inglês). Estes agentes estão disponíveis em comprimidos/cápsulas orais (a asenapina existe como um comprimido sublingual ou um adesivo transdérmico), e alguns também estão disponíveis como injetável IM. A maioria dos SGAs são metabolizados pelo sistema enzimático microssomal hepático denominado citocromo P450 (abrevia-se utilizando a denominação CYP, seguida de números e letras que representam a família e subfamília de genes).

Antipsicóticos de 2ª geração com outras formas de administração que não a oral

  • Injeção IM:
    • Aripiprazol
    • Olanzapina
    • Paliperidona
    • Risperidona
    • Ziprasidona
  • Adesivo transdérmico: Asenapina

Farmacocinética específica dos diferentes SGAs

  • Aripiprazol:
    • Biodisponibilidade: 87% (oral); 100% (IM)
    • Ligação às proteínas de 99%
    • Metabolizado pela CYP2D6 e CYP3A4 (os metabolizadores lentos da CYP2D6 têm uma exposição 60% superior ao medicamento ativo)
    • Semi-vida do fármaco original: 75 horas
    • Excreção: fezes (55%) e urina (25%)
  • Asenapina:
    • Biodisponibilidade: sublingual, 35%; oral, ≤ 2%; também disponível no formato de adesivo transdérmico
    • Tempo até ser atingido o pico no plasma: 0,5–1,5 horas
    • Ligação às proteínas de 95%
    • Metabolizada pelo sistema difosfato de uridina (UDP, pela sigla em inglês) glucuronosiltransferase (UGT, pela sigla em inglês): UGT1A4 e CYP1A2
    • Semi-vida: comprimidos orais, 24 horas; adesivo transdérmico, 30 horas
    • Excreção: urina (50%) e fezes (40%)
  • Brexiprazole:
    • Biodisponibilidade: 95%
    • Tempo até ser atingido o pico no plasma: 4 horas
    • > 99% de ligação à albumina e glicoproteína alfa-1-ácida séricas
    • Metabolizado pelas enzimas CYP2D6 e CYP3A4: as pessoas que são metabolizadoras lentas da CYP2D6 têm 4,8 vezes maior exposição ao fármaco ativo.
    • Semi-vida: 3,8 dias
    • Excreção: urina (25%) e fezes (46%)
  • Cariprazina:
    • Tempo até ser atingido o pico no plasma: 3-6 horas
    • Ligação às proteínas de 91%–97%
    • Metabolizada pela CYP3A4 (extensivamente) e CYP2D6 (em menor grau)
    • Semi-vida: 2-4 dias
    • Excreção: urina
  • Clozapina:
    • Biodisponibilidade: 50%–60%
    • Tempo até ser atingido o pico no plasma: 1,5–2,5 horas
    • Ligação às proteínas de 97%
    • Metabolizada pela CYP1A2, CYP2D6 e CYP3A4
    • Semi-vida: 12 horas
    • Excreção: urina (50%) e fezes (30%)
  • Iloperidona:
    • Biodisponibilidade: 96%
    • Tempo até ser atingido o pico no plasma: 2-4 horas
    • Ligação às proteínas de 95%
    • Metabolizada pela CYP2D6 e CYP3A4
    • Semi-vida: 18 horas
    • Excreção: urina (45%–58%) e fezes (20%–22%)
  • Lumateperona:
    • Biodisponibilidade: 4,4%
    • Tempo até ser atingido o pico no plasma: 1-2 horas
    • Ligação às proteínas de 97,4%
    • Metabolizada pela CYP3A4, outras CYPs e glucuronidação pela UGT
    • Semi-vida: 18 horas
    • Excreção: urina (58%) e fezes (29%)
  • Lurasidona:
    • Biodisponibilidade: 9%–19%
    • Tempo até ser atingido o pico no plasma: 1-2 horas
    • Ligação às proteínas de 99%
    • Metabolizada pela CYP3A4
    • Semi-vida: 18 horas
    • Excreção: fezes (80%) e urina (9%)
  • Olanzapina:
    • Tempo até ser atingido o pico no plasma: 6 horas (oral); 15–45 minutos (IM de ação rápida), 7 dias (IM de libertação prolongada)
    • Ligação às proteínas de 93%
    • Extensamente metabolizada pelas enzimas CYP1A2, 2D6 e UGT1A4
    • Os metabolitos são inativos.
    • Semi-vida: 21–54 horas (libertação imediata); 30 dias (libertação prolongada)
    • Excreção: urina (57%) e fezes (30%)
  • Paliperidona:
    • Biodisponibilidade: 28%
    • Tempo até ser atingido o pico no plasma: 24 horas (oral), 13 dias (IM)
    • Ligação às proteínas de 74%
    • Metabolizada pela CYP2D6 e CYP3A4
    • Semi-vida: 23 horas (oral); 25-49 dias (IM)
    • Excreção: urina (80%) e fezes (11%)
  • Pimavanserina:
    • Tempo até ser atingido o pico no plasma: 6 horas
    • Ligação às proteínas de, aproximadamente, 95%
    • Metabolizada predominantemente pela CYP3A4 e CYP3A5
    • Semi-vida: 2,4 dias; Semi-vida dos metabolitos ativos: 8,3 dias
    • Excretada nas fezes e urina após 10 dias
  • Quetiapina:
    • Tempo até ser atingido o pico no plasma: 1,5 horas (libertação imediata); 6 horas (libertação prolongada)
    • Ligação às proteínas de 83%
    • Metabolizada no fígado pela CYP3A4
    • Semi-vida: 6 horas (libertação imediata); 7–12 horas (libertação prolongada)
    • Excreção: urina (73%) e fezes (20%)
  • Risperidona:
    • Biodisponibilidade: 70%
    • Tempo até ser atingido o pico no plasma, estado estacionário: 4-6 horas
    • Ligação às proteínas de 90%
    • Metabolizada no fígado pela CYP2D6
    • Semi-vida: 3 horas para os metabolizadores rápidos e 20 horas para os metabolizadores lentos
    • Excreção: urina (70%) e fezes (14%)
  • Ziprasidona:
    • Biodisponibilidade: 60% (oral); 100% (IM)
    • Tempo até ser atingido o pico no plasma: 6-8 horas (oral) e < 60 minutos (IM)
    • Ligação às proteínas de 99%
    • Metabolizada no fígado pela CYP3A4
    • Semi-vida: 7 horas (oral); 2-5 horas (IM)
    • Excreção: fezes (66%) e urina (20%)

Indicações e Vantagens

Os diferentes antipsicóticos de 2ª geração têm uma eficácia comparável no tratamento da psicose; A clozapina é também eficaz na esquizofrenia, especificamente nos casos refratários ao tratamento.

Indicações

  • Esquizofrenia:
    • Reduzem dos sintomas positivos (delírios, alucinações)
    • Podem ser mais eficazes na redução da difunção neurocognitiva
  • Perturbação bipolar:
    • Vários SGAs podem ser utilizados em conjunto com estabilizadores do humor (por exemplo, lítio) durante episódios de mania aguda.
    • Possuem uma ação rápida e proporcionam um efeito antimaníaco (os estabilizadores do humor têm um período de latência até que o seu efeito seja notório)
  • Depressão refratária ao tratamento: tratamento adjuvante em combinação com um antidepressivo
  • Delirium: devem ser utilizados com cautela em indivíduos com delirium grave, agressividade e que representam um perigo para si mesmos ou para os outros
  • Demência:
    • Não estão aprovados no tratamento de distúrbios comportamentais em indivíduos com demência
    • Não devem ser utilizados por rotina no tratamento dos sintomas neuropsiquiátricos da demência
    • Pode ser necessário um tratamento agudo farmacológico com um antipsicótico (utilizar com cautela), quando outras abordagens não são capazes de controlar os sintomas neuropsiquiátricos de forma eficaz e resultam em sofrimento grave ou problemas em termos de segurança.

Vantagens dos SGAs sobre os FGAs

  • Tendem a aliviar os sintomas positivos
  • Podem diminuir os sintomas “negativos” (embotamento afetivo, anedonia, avolia, isolamento social) em maior extensão do que os FGAs; sendo, no entanto, controverso.
  • Podem causar menor disfunção cognitiva
  • A clozapina é mais eficaz no tratamento da esquizofrenia refratária.
  • Os SGAs são menos propensos a ter efeitos adversos extrapiramidais.
  • Menor risco de discinesia tardia
  • Hiperprolactinemia:
    • Objetivável com a risperidona
    • Objetivável com vários outros SGAs, mas raro
    • Os antipsicóticos mais recentes são “poupadores de prolactina”.
  • A eficácia clínica dos SGAs e FGAs é, geralmente, semelhante.

Efeitos Adversos, Contraindicações e Interações Medicamentosas

Embora os sintomas extrapiramidais (EPS, pela sigla em inglês) também ocorram com os SGAs, a taxa é menor que com os FGAs. No entanto, os SGAs têm mais efeitos adversos metabólicos, incluindo hiperglicemia, dislipidemia e aumento de peso. Todos os fármacos desta classe têm o potencial de apresentar efeitos adversos graves como a síndrome maligna dos neurolépticos, hipertermia e discinesia tardia.

Efeitos adversos

Efeitos adversos graves:

  • Prolongamento do intervalo QT:
    • Mais comum com a ziprasidona e pimavanserina (mas também com a asenapina, iloperidona, olanzapina, paliperidona, quetiapina e risperidona)
    • Deve evitar-se a utilização destes medicamentos em indivíduos com um prolongamento do intervalo QT conhecido, bem como em conjunto com outros medicamentos que prolonguem este intervalo (antiarrítmicos e outros fármacos antipsicóticos).
  • Hiperprolactinemia:
    • Depende da ocupação do recetor D2 e das propriedades antagonistas do fármaco
    • Ocorre mais frequentemente com a paliperidona e risperidona e menos frequentemente com a lurasidona e ziprasidona
    • Os seguintes fármacos são “poupadores de prolactina”: aripiprazol, brexpiprazol, cariprazina e quetiapina.
  • A síndrome maligna dos neurolépticos (NMS, pela sigla em inglês) é uma emergência médica.
    • Deve-se suspender imediatamente o agente causador, a menos que a NMS seja provocada pela abstinência do antipsicótico.
    • Oferecer cuidados de suporte (fluidos e arrefecimento).
    • O tratamento farmacológico é com dantroleno IV em monoterapia e em combinação com bromocriptina (agonista do recetor de dopamina D2 pós-sináptico).
  • Aumento do risco de tromboembolismo venoso:
    • Inclui a embolia pulmonar ameaçadora de vida e AVC
    • Relatado com a clozapina, risperidona e olanzapina
  • Miocardite e cardiomiopatia:
    • Relatado com a clozapina
    • Menos provável com a quetiapina, risperidona e ziprasidona

Outros efeitos adversos frequentes:

  • Sedação:
    • Todos os SGAs (exceto a pimavanserina) são antagonistas do recetor H1 → sonolência
    • Mais grave no início do tratamento; há desenvolvimento de tolerância
  • Sintomas extrapiramidais:
    • Distonia aguda
    • Acatisia
    • Parkinsonismo
    • Discinesia tardia
  • Hipotensão ortostática:
    • Ocorre pelo bloqueio alfa-adrenérgico
    • Mais frequente com a clozapina, iloperidona, quetiapina e paliperidona
    • Menos provável com a olanzapina, risperidona e ziprasidona
  • Aumento de peso: mais comum com aripiprazol, olanzapina, paliperidona, quetiapina e risperidona
  • Síndrome metabólica: maior risco com a clozapina e olanzapina
  • Efeitos anticolinérgicos:
    • A atividade antimuscarínica é observada tanto com alguns SGAs, como com os seus metabolitos ativos.
    • Nestes efeitos adversos inclui-se a xerostomia, obstipação, visão turva e retenção urinária.
    • Mais comum com a clozapina, olanzapina e quetiapina
  • Disfunção erétil, priapismo (raro, mas relatado com a maioria dos antipsicóticos atípicos)

Contra-indicações/precauções

  • Clozapina:
    • Evitar na amamentação.
    • Necessita de monitorização: hemograma completo para contagem absoluta de neutrófilos (ANC, pela sigla em inglês)
    • Miocardite e cardiomiopatia (↑ risco durante as 1ªs 6 semanas de tratamento)
    • Crises epiléticas (↑ risco)
    • Hipotensão ortostática, bradicardia, síncope e paragem cardiorrespiratória (risco mais elevado durante a titulação da dose inicial)
    • Neutropenia grave, que culmina com infeção e morte
  • Olanzapina:
    • Evitar a utilização nas grávidas e na amamentação.
    • Evitar o uso concomitante com uma benzodiazepina pelo aumento do risco de depressão respiratória.
    • Olanzapina injetável de ação prolongada (LAI, pela sigla em inglês): síndrome de delirium/sedação pós-administração
  • Quetiapina:
    • ↑ Pressão arterial em crianças/adolescentes
    • Deve-se ter cuidado com:
      • Alterações eletrolíticas não corrigidas
      • Síndrome do QT longo congénito
      • Bradicardia
      • EAM recente ou insuficiência cardíaca
  • Aviso “black box” da FDA:
    • Os idosos com psicose associada à demência tratados com SGAs apresentam um risco aumentado de morte (principalmente por causas cardiovasculares ou infecciosas):
      • Os SGAs não estão aprovados para o tratamento de pessoas com psicose associada à demência.
      • Não está claro em que extensão o aumento da mortalidade é atribuível aos medicamentos antipsicóticos.
    • Aumento do risco de pensamentos e comportamentos suicidas em crianças e adolescentes (< 24 anos):
      • Aripiprazol
      • Brexiprazole
      • Cariprazina
      • Lurasidona
      • Quetiapina
    • Neutropenia grave/agranulocitose:
      • Pode ocorrer com a clozapina (incidência, 3%–4%) e provocar uma infeção grave e morte (incidência, 1,3 em 10.000 (0,013%))
      • Obtenção de um CBC e ANC basais, e depois regularmente.
      • Requer uma monitorização contínua regular
      • Também foi relatada a ocorrência com a risperidona e a quetiapina, especialmente quando associadas ao uso concomitante de estabilizadores do humor

Interações medicamentosas

O aripiprazol e a risperidona são principalmente metabolizados pelas CYP2D6 e CYP3A4.

  • Evitar a utilização concomitante de outros substratos das CYP2D6 e CYP3A4, tais como:
    • Benztropina
    • Carvedilol
    • Flecainida
    • Fluoxetina
    • Hidrocodona/oxicodona
    • Metadona
    • Metanfetamina
    • Metoprolol/propranolol
    • Antidepressivos tricíclicos
    • Trazodona
    • Venlafaxina
  • Evitar a utilização concomitante de inibidores potentes da CYP3A4, como:
    • Alopurinol
    • Amiodarona
    • Eritromicina
    • Azitromicina
    • Ciclosporina
    • Diltiazem
    • Verapamil
    • Fluconazol
    • Inibidores seletivos da recaptação de serotonina (SSRIs, pela sigla em inglês)
    • Isoniazida
    • Metronidazol
    • Quinolonas (antibióticos)
    • Omeprazol
    • Ácido valproico
  • Evitar a utilização concomitante de indutores potentes da CYP3A4, como:
    • Carbamazepina/oxcarbazepina
    • Glucocorticoides
    • Fenitoína
    • Progesterona
  • Evitar a utilização concomitante de inibidores da CYP2D6, como:
    • Amiodarona
    • Bupropiom
    • SSRIs
    • Duloxetina
    • Ritonavir

A asenapina e a olanzapina são principalmente metabolizadas pela CYP1A2; deve ser evitada a combinação com inibidores da CYP1A2.

  • Quinolonas (por exemplo, ciprofloxacina)
  • Amiodarona
  • SSRIs
  • Cloroquina

Deve ser evitada a combinação de SGAs com outros medicamentos que prolongam o intervalo QT.

  • Antimicrobianos:
    • Quinolonas
    • Eritromicina, claritromicina, azitromicina
    • Cetoconazol, itraconazol
  • Antiarrítmicos:
    • Amiodarona
    • Sotalol
    • Procainamida
  • Antidepressivos:
    • Tricíclicos
    • SSRIs
  • Outros:
    • Ondansetrom (antiemético)
    • Sumatriptano, zolmitriptano (medicamentos para o tratamento da enxaqueca)
    • Metadona

Comparação dos Fármacos Antipsicóticos Atípicos

Tabela: Comparação dos fármacos antipsicóticos atípicos
Fármaco Semi-vida após a administração oral Metabolismo primário Efeitos adversos*
Aripiprazol
  • De 75 horas (fármaco original) a 94 horas (metabolito ativo)
  • A formulação IM dura de 30 a 47 dias.
Pelas enzimas do citocromo hepático CYP2D6 e 3A4 em metabolitos ativos e inativos
  • > 10% de incidência:
    • Aumento de peso (8%–30% )
    • Cefaleia (27%)
    • Agitação
    • Insónia
    • Ansiedade
    • Náuseas/vómitos
    • Acatisia
    • Tonturas
    • Obstipação
  • 5%–10% de incidência:
    • Dispepsia
    • Sonolência
    • Tremor
    • Xerostomia
    • EPS
Asenapina 24 horas Glucoronidação pela CYP1A2 e UGT
  • > 10%:
    • Sonolência (24% em adultos, 49% em crianças)
    • Parestesias orais (27% em crianças)
    • Cefaleia (12%)
    • Tonturas (11%)
  • 5%–10%:
    • EPS
    • Aumento de peso
    • Acatisia dose-dependente
Brexiprazole 94 horas CYP2D6 e 3A4
  • Acatisia (aproximadamente 10%)
  • 5%–10%:
    • Cefaleia
    • Aumento de peso
    • Acatisia
    • EPS
    • Dispepsia
    • Sonolência
Cariprazina
  • 48–96 horas (fármaco original)
  • 7-21 dias (metabolito ativo)
Pela CYP3A4 em metabolitos ativos e inativos
  • > 10%:
    • EPS (15%–29%)
    • Acatisia (9-14%)
    • Parkinsonismo (15%)
    • Cefaleia (aproximadamente 14%)
    • Insónia (12%)
  • 5%–10%:
    • Obstipação
    • Sonolência
    • Náuseas
    • Dor abdominal
Clozapina (distribuição restrita nos Estados Unidos) 12 horas CYP1A2, outras CYPs e glucuronidação pela UGT
  • Pode ter tanto efeitos adversos colinérgicos (sialorreia, 18%; hipersudorese, 6%) como anticolinérgicos (obstipação, 20%; xerostomia, 9%)
  • Agranulocitose (3%, muito grave)
  • > 10%:
    • Hipotensão ortostática (11%), mas hipertensão em 4% dos indivíduos
    • Sonolência (35%)
    • Tonturas
    • Aumento de peso
    • Taquicardia (20%)
    • Dispepsia
    • Náuseas e vómitos
  • 5%–10%:
    • Febre
    • Cefaleia
    • Tremor
    • Síncope
    • Perturbações visuais
  • Outras precauções: já foi relatado (raros) potencial para crises epiléticas (3%), miocardite fatal, cardiomiopatia e incompetência da válvula mitral
Iloperidona 18-26 horas Pela CYP2D6 e outras CYPs em metabolitos ativos e inativos
  • > 10%:
    • Tonturas
    • Xerostomia
    • Náuseas
    • Sonolência
    • Taquicardia
  • 5%–10%:
    • Hipotensão ortostática
    • Aumento de peso
Lumateperona 18 horas após a administração IV
  • Pela CYP3A4, outras CYPs e glucuronidação pela UGT
  • Sem atividade relatada pelos metabolitos
  • > 10%: Sonolência
  • 5%–10%:
    • Náuseas
    • Xerostomia (boca seca)
    • Tonturas
    • EPS
    • Sedação
Lurasidona 29-37 horas até ao estado estacionário Pela CYP3A4 em metabolitos ativos e inativos
  • > 10%:
    • Sonolência
    • Acatisia
    • EPS
    • Parkinsonismo
    • Náuseas
    • ↑ Glicemia
    • Insónia
  • 5%–10% (todos dose-dependente):
    • Agitação
    • Vómitos
    • Dispepsia
    • Ansiedade
    • Tonturas
Olanzapina 30-38 horas Glucoronidação pela CYP1A2 e UGT
  • Fortemente anticolinérgico
  • > 10%:
    • ↑ Risco de hiperprolactinemia
    • Sonolência
    • Aumento de peso
    • Hipotensão ortostática
    • Dislipidemia (10%–39%)
    • EPS
    • Xerostomia
    • Tonturas
    • Lesões acidentais
    • Insónia
    • ↑ ALT
    • Hiperglicemia (12%)
  • 5%–10%:
    • Fraqueza muscular
    • Obstipação
    • Dispepsia
Paliperidona (oral, existem também formulações injetáveis de libertação prolongada de 1, 3 e 6 meses) 23 horas CYP2D6 e 3A4
  • > 10%:
    • Reação no local da injeção
    • EPS
    • Acatisia
    • Sonolência
    • Taquicardia
  • 5%–10%:
    • Aumento de peso
    • Cefaleia
    • Ansiedade
    • Hiperprolactinemia
Pimavanserina
  • 57 horas para o fármaco original
  • 200 horas para o metabolito ativo
Pela CYP3A4 e 3A5 no metabolito ativo 5%–10%:
  • Confusão
  • Edema periférico
  • Obstipação
  • Náuseas
  • Prolongamento do intervalo QT
Quetiapina 6-12 horas CYP3A4
  • Fortemente anticolinérgico
  • > 10%:
    • Tonturas
    • Sedação ( 30%–50% )
    • EPS
    • ↑ Glicemia
    • ↑ Pressão arterial diastólica em até 41% (mas hipotensão ortostática em 4%–5% )
    • ↑ Triglicerídeos
    • ↑ Colesterol total
    • Obstipação
    • Xerostomia
    • Cefaleia
  • 5%–10%:
    • Dispepsia
    • Dor abdominal
    • Tremor
Risperidona 20 horas Pela CYP2D6 em metabolitos ativos (paliperidona) e inativos
  • > 10%:
    • Sonolência (42%), mas também pode provocar insónia (28%)
    • Agitação (22%)
    • Ansiedade (13%)
    • Cefaleia
    • Parkinsonismo/tremor ( 30%–50% )
  • 5%–10%:
    • Acatisia
    • Aumento do apetite
    • Náuseas/vómitos
    • Incontinência urinária
    • Rinorreia
    • Obstipação
    • Dispepsia
    • Enurese
    • Prolongamento do intervalo QT e hiperprolactinemia: < 4%
Ziprasidone
  • Oral: 7 horas
  • IM: 2–5 horas
CYP3A4
  • Prolongamento do intervalo QT
  • Hiperprolactinemia (frequência desconhecida)
  • > 10%:
    • Sonolência
    • Cefaleia
    • Náuseas
    • EPS
    • Tonturas
  • 5%–10%:
    • Obstipação
    • Dispepsia
*Aqueles que são objetivados em mais de 5% dos indivíduos estão listados.

Referências

  1. Jibson, M.D. (2021). Second-generation antipsychotic medication: pharmacology, administration, and side effects. UpToDate. Retrieved September 24, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/second-generation-antipsychotic-medications-pharmacology-administration-and-side-effects
  2. Tamminga, C. (2020). Antipsychotic drugs. MSD Manual Professional Version. Retrieved September 27, 2021, from https://www.msdmanuals.com/professional/psychiatric-disorders/schizophrenia-and-related-disorders/antipsychotic-drugs
  3. DeBattista, C. (2017). Antipsychotic agents & lithium. In Katzung, B.G. et al. (Eds.), Basic and Clinical Pharmacology, 14th ed. Vol. 1. McGraw-Hill, pp. 511–523.
  4. Aripiprazole. (2021). Medscape. Retrieved September 24, 2021, from https://reference.medscape.com/drug/abilify-maintena-aristada-aripiprazole-342983
  5. Asenapine.(2021). Medscape. Retrieved September 24, 2021, from https://reference.medscape.com/drug/saphris-asenapine-999301
  6. Brexpiprazole. (2021). Medscape. Retrieved September 24, 2021, from https://reference.medscape.com/drug/rexulti-brexpiprazole-1000003
  7. Cariprazine. (2021). Medscape. Retrieved September 24, 2021, from https://reference.medscape.com/drug/vraylar-cariprazine-999874
  8. Clozapine. (2021). Medscape. Retrieved September 24, 2021, from https://reference.medscape.com/drug/clozaril-versacloz-clozapine-342972
  9. Iloperidone. (2021). Medscape. Retrieved September 24, 2021, from https://reference.medscape.com/drug/fanapt-iloperidone-999104
  10. Lumateperone. (2021). Medscape. Retrieved September 25, 2021, from https://reference.medscape.com/drug/caplyta-lumateperone-1000316
  11. Lurasidone. (2021). Medscape. Retrieved September 25, 2021, from https://reference.medscape.com/drug/latuda-lurasidone-999605
  12. Olanzapine. (2021). Medscape. Retrieved September 25, 2021, from https://reference.medscape.com/drug/zyprexa-relprevv-olanzapine-342979
  13. Paliperidone. (2021). Medscape. Retrieved September 25, 2021, from https://reference.medscape.com/drug/invega-sustenna-invega-trinza-paliperidone-342992
  14. Pimavanserin. (2021). Medscape. Retrieved September 27, 2021, from https://reference.medscape.com/drug/nuplazid-pimavanserin-1000027
  15. Quetiapine. (2021). Medscape. Retrieved September 27, 2021, from https://reference.medscape.com/drug/seroquel-xr-quetiapine-342984
  16. (2021). Medscape. Retrieved September 27, 2021, from https://reference.medscape.com/drug/perseris-risperdal-consta-risperidone-342986
  17. Risperidone. (2021). Ziprasidone. Medscape. Retrieved September 27, 2021, from https://reference.medscape.com/drug/geodon-ziprasidone-342985
  18. Mauri, M.C., et al. (2014). Clinical pharmacology of atypical antipsychotics: an update. EXCLIJ 13:1163–1191. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26417330/
  19. Myles, N., et al. (2018). Meta-analysis examining the epidemiology of clozapine-associated neutropenia. Acta Psychiatrica Scandinavica 138:101–109. https://doi.org/10.1111/acps.12898
  20. Divac, N., Prostran, M., Jakovcevski, I., Cerovac, N. (2014). Second-generation antipsychotics and extrapyramidal adverse effects. BioMed Research International. 2014:656370. https://www.hindawi.com/journals/bmri/2014/656370/

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

🍪 Lecturio is using cookies to improve your user experience. By continuing use of our service you agree upon our Data Privacy Statement.

Details