Cerebelo: Anatomia

O cerebelo, do latim “pequeno cérebro”, está localizado na fossa posterior do crânio, dorsal à ponte e ao mesencéfalo, e a sua principal função é a coordenação dos movimentos. O cerebelo consiste em 3 lobos de cada lado dos seus 2 hemisférios e está conectado na linha média pelo vermis. Os três pedúnculos emparelhados ligam o cerebelo ao tronco cerebral e ao diencéfalo. Muito parecido com o córtex cerebral, o cerebelo tem um córtex de substância cinzenta à superfície.

Última atualização: Nov 22, 2022

Responsibilidade editorial: Stanley Oiseth, Lindsay Jones, Evelin Maza

Visão Geral e Características

  • Cerebelo vem do latim “pequeno cérebro” e está envolvido em várias funções:
    • Modificação das eferências motoras
    • Manutenção do equilíbrio e postura
    • Coordenação de movimentos voluntários
    • Aprendizagem motora
    • Funções cognitivas
  • Localizado dorsalmente à ponte e à medula na fossa craniana posterior
  • Forma o teto do 4º ventrículo
  • Cada hemisfério consiste em 3 lobos:
    • Lobo anterior: aferências primariamente da medula espinhal:
      • Separado do lobo posterior pela fissura primária
      • Unido ao lobo anterior contralateral pelo vermis na linha média
    • Lobo posterior: aferências do tronco cerebral e córtex cerebral:
      • Separado do lobo floculonodular pela fissura posterolateral
      • Unido ao lobo posterior contralateral pelo vermis na linha média
    • Lobo floculonodular: aferências dos núcleos vestibulares:
      • O menor dos 3 lobos, situa-se superiormente ao aspeto anterior do lobo posterior, inferiormente ao lobo anterior e posteriormente ao tronco encefálico
      • Unido ao lobo floculonodular contralateral pelo vermis na linha média
  • O cerebelo está unido ao tronco cerebral por 3 pedúnculos emparelhados bilateralmente:
    • Pedúnculo cerebelar médio:
      • Transmite informações sobre atividades motoras voluntárias
      • Liga o córtex cereberal ao núcleo contralateral basal pontino
      • Localizado lateralmente
      • O maior dos 3 pedúnculos
    • Pedúnculo cerebelar inferior:
      • Consiste em fibras aferentes e eferentes que transportam informações propriocetivas de e para o corpo e o sistema vestibular
      • Liga o cerebelo ao bulbo raquidiano e à medula espinhal
      • Localizado medialmente ao pedúnculo médio
    • Pedúnculo cerebelar superior:
      • As fibras aferentes e eferentes estão envolvidas no controlo motor.
      • Conecta o cerebelo ao mesencéfalo e ao tálamo
      • Localizado superiormente aos outros pedúnculos
  • O suprimento sanguíneo cerebelar é mantido através de 3 vasos arteriais bilaterais:
    • Artéria cerebelar superior (SCA, pela sigla em inglês)
    • Artéria cerebelar anterior inferior (AICA, pela sigla em inglês)
    • Artéria cerebelar inferior posterior (APIC, pela sigla em inglês)
  • Embriologia cerebelar: ectoderme da superfície dorsal → tubo neural → rombencéfalo → metencéfalo → cerebelo

Pedúnculos cerebelares e as suas conexões:

  • Mesencéfalo/tálamo ↔ pedúnculo cerebelar superior ↔ cerebelo
  • Ponte basal → pedúnculo cerebelar médio → cerebelo
  • Medula ↔ pedúnculo cerebelar inferior ↔ cerebelo

Circuitos Internos e Organização

Córtex cerebelar

A maioria dos corpos celulares neuronais está localizada no córtex, que pode ser dividido em 3 camadas:

Camada de células granulares:

  • Camada mais interna
  • Consiste principalmente em 2 tipos de células:
    • Células granulares:
      • Células excitatórias
      • O glutamato é o principal neurotransmissor.
      • Os axónios das células granulares são fibras paralelas que estimulam as células de Purkinje.
    • Células de Golgi:
      • Interneurónios corticais inibitórios
      • A glicina é o principal neurotransmissor.
      • Os axónios terminam nas dendrites das células granulares.

Camada de células de Purkinje:

  • Camada média
  • Consiste em 2 tipos de células:
    • Células de Purkinje:
      • As maiores células do córtex cerebelar
      • Inibitórias e GABAérgicas: inibem neurónios nos núcleos cerebelares profundos
      • Apenas neurónios eferentes do córtex cerebelar
      • Dispostas em monocamada
      • Os axónios avançam para os núcleos cerebelares e para a camada molecular.
    • Glia de Bergmann:
      • Astrócitos especializados
      • Intimamente associados às células de Purkinje

Camada molecular:

  • Camada mais externa do córtex cerebelar
  • Localização das células estreladas e em cesto, que são importantes interneurónios corticais
Córtex cerebelar

Córtex cerebelar e as 3 camadas, ou seja, a camada molecular, a camada de células de Purkinje e a camada de células granulares. Repara que os corpos das células de Purkinje situados na camada de Purkinje, enquanto as suas dendrites se projetam na camada molecular.

Imagem por Lecturio.

Interneurónios corticais

Os interneurónios corticais podem ser divididos em 2 categorias:

  • Células glicinérgicas inibitórias da camada granular:
    • Células de Golgi:
      • Localizadas principalmente na camada granular
      • Os axónios terminam nas dendrites das células granulares.
  • Células GABAérgicas inibitórias da camada molecular:
    • Células estreladas:
      • Localizadas na camada molecular superior
      • Os axónios terminam nas dendrites das células de Purkinje.
    • Células em cesto:
      • Localizadas na camada molecular profunda
      • Os axónios terminam nas dendrites das células de Purkinje.

Núcleos cerebelares

Os núcleos cerebelares consistem em 4 pares de áreas:

  • Núcleo denteado:
    • O mais lateral dos núcleos
    • Núcleo mais proeminente
    • Eferentes → núcleo ventral anterior (VA) e ventral lateral (VL) do tálamo
  • Núcleo interpósito:
    • Composto por 2 núcleos:
      • Núcleo emboliforme: localizado medialmente ao núcleo denteado
      • Núcleo globoso: localizado medialmente ao núcleo emboliforme
    • Eferentes → núcleo vermelho do mesencéfalo e formação reticular
  • Núcleo fastigial:
    • Localizado mais medialmente
    • Eferentes → núcleo vestibular
  • Os eferentes primários são para os neurónios glutamatérgicos retransmissores.
  • Aferentes principais:
    • Inibição das células de Purkinje
    • Excitação de fibras musgosas e trepadeiras
Localização dos núcleos no cerebelo

Localização dos núcleos no cerebelo
De lateral para medial: núcleo denteado, núcleo interposto (constituído pelos núcleos emboliforme e globoso) e mais medialmente, o núcleo fastigial

Imagem por Lecturio.

Conexões Cerebelares

Vias aferentes cerebelares

Muitos aferentes passam pelos 3 pedúnculos cerebelares para o córtex cerebelar. Existem 2 sistemas aferentes glutamatérgicos excitatórios extracerebelares:

  • Fibras musgosas:
    • Originam-se na medula espinhal e no tronco cerebral
    • Sinapse nas células de Purkinje
  • Fibras trepadeiras:
    • Originam-se no núcleo olivar inferior contralateral dentro da medula
    • Sinapse nas células de Purkinje

Vias eferentes cerebelares

As vias eferentes do cerebelo passam dos núcleos cerebelares para os seguintes:

  • Tálamo
  • Núcleos vestibulares
  • Núcleo vermelho
  • Formação reticular

Regiões cerebelares

O cerebelo também pode ser dividido em 3 regiões com base nas conexões:

  • Vestibulocerebelo:
    • Função: manutenção da postura e dos reflexos vestibulares
    • Aferentes: nervo vestibular
    • Eferentes:
      • Trato cerebelovestibular
      • Núcleo vestibular
      • Medula espinhal
  • Espinocerebelo:
    • Função:
      • Integração das aferências sensoriais com as eferências motoras
      • Coordenação adaptativa dos movimentos musculares
    • Aferências: trato espinocerebelar
    • Eferências:
      • Formação reticular
      • Núcleo vermelho
      • Medula espinhal
  • Pontocerebelo:
    • Função:
      • Organização e planeamento de movimentos
      • Cognição
    • Aferências: trato pontocerebelar
    • Eferências:
      • Núcleos talâmicos (VA e VL)
      • Córtex
      • Medula espinhal

Relevância Clínica

  • Tronco cerebral: consiste no mesencéfalo, ponte e bolbo. O tronco cerebral é uma estrutura semelhante a um pedúnculo que conecta o cérebro à medula espinhal e é uma importante estação de retransmissão de informações sensitivas, motoras e autonómicas. Todos os nervos cranianos, exceto o I e II, encontram-se no tronco encefálico e estão dispostos topograficamente, de modo que os núcleos motores são mediais aos núcleos sensitivos. O tronco cerebral também desempenha um papel crítico no controlo da função cardíaca e respiratória, da consciência e do ciclo do sono.
  • Malformação de Chiari: As malformações de Arnold-Chiari são um grupo de alterações congénitas associadas à base óssea do crânio, causando limitação de espaço na fossa posterior, afetando assim o cerebelo, tronco encefálico e medula espinhal superior.
  • Desenvolvimento embrionário: Antes que o cérebro atinja a fase em que se parece com o órgão, ocorrem vários processos complexos. Começando com a neurulação, o tubo neural e as células da crista neural permitem que o embrião em desenvolvimento forme os sistemas nervoso central e periférico. O rosto começa a desenvolver-se a partir da 4ª semana. Uma face reconhecível pode ser vista a partir da 14ª semana devido à formação das proeminências frontonasal, medial, lateral e mandibular.
  • Ataxia de Friedreich: ocorre devido à expansão da repetição GAA no gene FXN. Os indivíduos afetados apresentam ataxia, fraqueza, ausência de reflexos e dorsiflexão dos dedos dos pés. Pode observar-se atrofia tardia do cerebelo e uma medula espinhal cervical fina na RMN.

Referências

  1. Schijman, E. (2004). History, anatomic forms, and pathogenesis of Chiari I malformations. Childs Nerv Syst. 20, 323–328. https://doi.org/10.1007/s00381-003-0878-y
  2. Khoury, C. (2020). Chiari malformations. UpToDate. Retrieved September 13, 2021, from https://www.uptodate.com/contents/chiari-malformations
  3. Abd-El-Barr, M.M., Strong, C.I., Groff, M.W. (2014). Chiari malformations: diagnosis, treatments and failures. J Neurosurg Sci. 58, 215–221. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25418275/
  4. McClugage, S., Oakes, J. (2019). The Chiari I malformation. JNSPG 75th Anniversary Invited Review Article. https://doi.org/10.3171/2019.5.PEDS18382
  5. Langridge, B., Phillips, E., Choi, D. (2017). Chiari Malformation Type 1: A systematic review of natural history and conservative management. World Neurosurg. 104, 213–219. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28435116/
  6. Warner, W.C., Sawyer, J.R. (2017). Scoliosis and kyphosis. In Azar F.M., et al. (Eds.), Campbell’s Operative Orthopaedics. pp. 1897–2120.e26. https://www.clinicalkey.es/#!/content/3-s2.0-B9780323374620000446

USMLE™ is a joint program of the Federation of State Medical Boards (FSMB®) and National Board of Medical Examiners (NBME®). MCAT is a registered trademark of the Association of American Medical Colleges (AAMC). NCLEX®, NCLEX-RN®, and NCLEX-PN® are registered trademarks of the National Council of State Boards of Nursing, Inc (NCSBN®). None of the trademark holders are endorsed by nor affiliated with Lecturio.

Aprende mais com a Lecturio:

Complementa o teu estudo da faculdade com o companheiro de estudo tudo-em-um da Lecturio, através de métodos de ensino baseados em evidência.

Estuda onde quiseres

A Lecturio Medical complementa o teu estudo através de métodos de ensino baseados em evidência, vídeos de palestras, perguntas e muito mais – tudo combinado num só lugar e fácil de usar.

User Reviews

¡Hola!

Esta página está disponible en Español.

Details